Corinthians – Futebol em Números http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br Aqui você que vê o futebol de uma maneira diferente. Números, estatísticas, dados, curiosidades, listas, recordes, traduzidos de maneira fácil para entender ainda melhor a história do futebol e o que rola dentro do campo. Thu, 20 Jul 2017 19:13:00 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Quais os clubes que mais trocaram de técnico no século XXI http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/quais-os-clubes-que-mais-trocaram-de-tecnico-no-seculo-xxi/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/quais-os-clubes-que-mais-trocaram-de-tecnico-no-seculo-xxi/#respond Thu, 20 Jul 2017 19:13:00 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1768 O Atlético-MG demitiu hoje o técnico Roger Machado. Foi a 11ª mudança de treinador na Série A do Brasileirão que está na 15ª rodada. Dos 20 clubes participantes, dez já mudaram de treinador durante a competição – o Atlético-PR já trocou duas vezes.

Na temporada 2017, metade dos 12 grandes clubes do país mudaram de treinador: Grêmio, Renato Gaúcho; Corinthians, Fábio Carille; Flamengo, Zé Ricardo; Botafogo, Jair Ventura; Cruzeiro, Mano Menezes; e Fluminense, Abel Braga).

No século XXI, desde 2001, os 12 maiores clubes do país têm a média de mais de uma troca por temporada. No caso do Flamengo, Vasco e Fluminense, a média é de duas trocas por ano. O Atlético-MG, que demitiu hoje o técnico Roger, já trocou 30 vezes de treinador neste século. O São Paulo, clube que menos trocas fez, vem também aumentando o número de mudanças no comando da equipe. Desde 2015, o time já teve sete diferentes treinadores. Dois só esse ano.

Lista dos clubes que mais trocaram de técnicos no século XXI
Flamengo (37 trocas, 24 técnicos)
Vasco (36 trocas, 23 técnicos)
Fluminense (34 trocas, 24 técnicos)
Internacional (31 trocas, 23 técnicos)
Atlético-MG (30 trocas, 21 técnicos)
Botafogo (28 trocas, 27 técnicos)
Palmeiras (26 trocas, 23 técnicos)
Cruzeiro (25 trocas, 21 técnicos)
Grêmio (24 trocas, 21 técnicos)
Corinthians (24 trocas, 18 técnicos)
Santos (23 trocas, 18 técnicos)
São Paulo (22 trocas, 18 técnicos)

Abaixo a lista de todas as mudanças nos 12 grandes clubes do futebol brasileiro desde 2001.

Corinthians (24 trocas, 18 técnicos)
Darío Pereyra (2001), Vanderlei Luxemburgo (2001), Carlos Alberto Parreira (2002), Júnior (2003), Geninho (2003), Juninho Fonseca (2003-2004), Oswaldo de Oliveira (2004), Tite (2004-2005), Márcio Bittencourt (2005), Daniel Passarella (2005), Antônio Lopes (2005-2006), Ademar Braga (2006), Geninho (2006), Émerson Leão (2006-2007), Paulo César Carpegiani (2007), Nelsinho Basptista (2007), Mano Menezes (2008-2010), Adílson Batista (2010), Tite (2010-2013), Mano Menezes (2014), Tite (2015-2016), Cristóvão Borges (2016), Oswaldo de Oliveira (2016) e Fábio Carille (2017)

Palmeiras (26 trocas, 23 técnicos)
Marco Aurélio (2001), Celso Roth (2001), Vanderlei Luxemburgo (2002), Murtosa (2002), Levir Culpi (2002), Jair Picerni (2003-2004), Estevam Soares (2004-2005), Paulo Bonamigo (2005), Candinho (2005), Émerson Leão (2005-2006), Marcelo Vilar (2006), Tite (2006), Jair Picerni (2006), Caio Júnior (2007), Vanderlei Luxemburgo (2008-2009), Muricy Ramalho (2009-2010), Antônio Carlos Zago (2010), Luiz Felipe Scolari (2010-2012), Gilson Kleina (2012-2014), Ricardo Gareca (2014), Dorival Júnior (2014), Oswaldo de Oliveira (2015), Marcelo Oliveira (2015-2016), Cuca (2016), Eduardo Baptista (2017) e Cuca (2017)

Santos (23 trocas, 18 técnicos)
Geninho (2001), Cabralzinho (2001), Celso Roth (2002), Émerson Leão (2002-2004), Vanderlei Luxemburgo (2004), Oswaldo de Oliveira (2005), Alexandre Gallo (2005), Nelsinho Baptista (2005), Vanderlei Luxemburgo (2006-2007), Émerson Leão (2008), Cuca (2008), Márcio Fernandes (2008-2009), Vágner Mancini (2009), Vanderlei Luxemburgo (2009), Dorival Júnior (2010), Adilson Batista (2011), Muricy Ramalho (2011-2013), Claudinei Oliveira (2013), Oswaldo de Oliveira (2014), Enderson Moreira (2014-2015), Marcelo Fernandes (2015), Dorival Júnior (2015-2017) e Levir Culpi (2017)

São Paulo (22 trocas, 18 técnicos)
Osvaldo Alvarez (2001), Nelsinho Baptista (2001-2002), Oswaldo de Oliveira (2002-2003), Roberto Rojas (2003), Cuca (2004), Émerson Leão (2004-2005), Paulo Autuori (2005), Muricy Ramalho (2006-2009), Ricardo Gomes (2009-2010), Paulo César Carpegiani (2010-2011), Adílson Batista (2011), Émerson Leão (2011-2012), Ney Franco (2012-2013), Paulo Autuori (2013), Muricy Ramalho (2013-2015), Juan Carlos Osório (2015), Doriva (2015), Edgardo Bauza (2016), Ricardo Gomes (2016), Rogério Ceni (2017) e Dorival Júnior (2017)

Botafogo (28 trocas, 27 técnicos)
Sebastião Lazaroni (2001), Dé (2001), Paulo Autuori (2001-2002), Abel Braga (2001-2002), Arthur Bernardes (2002), Ivo Wortmann (2002), Carlos Alberto Torres (2002), Levir Culpi (2003-2004), Mauro Galvão (2004), Paulo Bonamigo (2004-2005), Paulo César Gusmão (2005), Péricles Chamusca (2005), Celso Roth (2005), Carlos Roberto (2006), Cuca (2006-2007), Mário Sérgio (2007), Cuca (2007-2008), Geninho (2008), Ney Franco (2008-2009), Estevam Soares (2009-2010), Joel Santana (2010-2011), Caio Júnior (2011), Oswaldo de Oliveira (2012-2013), Eduardo Hungaro (2014), Vágner Mancini (2014), René Simões (2015), Ricardo Gomes (2015-2016) e Jair Ventura (2016-2017)

Flamengo (37 trocas, 24 técnicos)
Zagallo (2001), Carlos Alberto Torres (2001-2002), João Carlos Costa (2002), Lula Pereira (2002), Evaristo de Macedo (2002-2003), Nelsinho Baptista (2003), Oswaldo de Oliveira (2003), Waldemar Lemos (2003), Abel Braga (2004), Paulo César Gusmão (2004), Ricardo Gomes (2004), Júlio César Leal (2005), Cuca (2005), Celso Roth (2005), Andrade (2005), Joel Santana (2005), Valdir Espinosa (2006), Waldemar Lemos (2006), Ney Franco (2006-2007), Joel Santana (2007-2008), Caio Júnior (2008), Cuca (2009), Andrade (2009-2010), Rogério Lourenço (2010), Silas (2010), Vanderlei Luxemburgo (2010-2012), Joel Santana (2012), Dorival Júnior (2012-2013), Jorginho (2013), Mano Menezes (2013), Jaime de Almeida (2013-2014), Ney Franco (2014), Vanderlei Luxemburgo (2014-2015), Cristóvão Borges (2015), Oswaldo de Oliveira (2015), Muricy Ramalho (2016) e Zé Ricardo (2016-2017)

Fluminense (34 trocas, 24 técnicos)
Valdir Espinosa (2001), Oswaldo de Oliveira (2001-2002), Waldemar Lemos (2002), Robertinho (2002), Renato Gaúcho (2002-2003), Joel Santana (2003), Renato Gaúcho (2003), Valdir Espinosa (2004), Ricardo Gomes (2004), Alexandre Gama (2004), Abel Braga (2005), Ivo Wortmann (2006), Paulo Campos (2006), Oswaldo de Oliveira (2006), Antônio Lopes (2006), Paulo César Gusmão (2006-2007), Joel Santana (2007), Renato Gaúcho (2007-2008), Cuca (2008), René Simões (2008-2009), Carlos Alberto Parreira (2009), Renato Gaúcho (2009), Cuca (2009-2010), Muricy Ramalho (2010-2011), Abel Braga (2011-2013), Vanderlei Luxemburgo (2013), Dorival Júnior (2013), Renato Gaúcho (2014), Cristóvão Borges (2014-2015), Ricardo Drubscky (2015), Enderson Moreira (2015), Eduardo Baptista (2015-2016), Levir Culpi (2016) e Abel Braga (2017)

Vasco (36 trocas, 23 técnicos)
Joel Santana (2001), Hélio dos Anjos (2001), Paulo César Gusmão (2001), Evaristo de Macedo (2002), Antônio Lopes (2002-2003), Mauro Galvão (2003), Geninho (2004), Joel Santana (2004-2005), Darío Lourenço (2005), Renato Gaúcho (2005-2007), Celso Roth (2007), Romário (2007), Valdir Espinosa (2007), Romário (2007-2008), Alfredo Sampaio (2008), Antônio Lopes (2008), Tita (2008), Renato Gaúcho (2008), Dorival Júnior (2009), Vágner Mancini (2010), Gaúcho (2010), Celso Roth (2010), Paulo César Gusmão (2010-2011), Ricardo Gomes (2011), Cristovão Borges (2011-2012), Marcelo Oliveira (2012), Gaúcho (2012-2013), Paulo Autuori (2013), Dorival Júnior (2013), Adílson Batista (2013-2014), Joel Santana (2014), Doriva (2015), Celso Roth (2015), Jorginho Campos (2015-2016), Cristóvão Borges (2017) e Milton Mendes (2017)

Atlético-MG (30 trocas, 21 técnicos)
Abel Braga (2001), Levir Culpi (2001-2002), Geninho (2002), Celso Roth (2003), Marcelo Oliveira (2003), Procópio Cardoso (2003), Paulo Bonamigo (2004), Jair Picerni (2004), Mário Sérgio (2004), Procópio Cardoso (2004-2005), Tite (2005), Marco Aurélio (2005), Lori Sandri (2005-2006), Levir Culpi (2006-2007), Zetti (2007), Emerson Leão (2007), Geninho (2008), Alexandre Gallo (2008), Marcelo Oliveira (2008), Emerson Leão (2008-2009), Celso Roth (2009), Emerson Leão (2009), Vanderlei Luxemburgo (2010), Dorival Júnior (2010-2011), Cuca (2011-2013), Paulo Autuori (2014), Levir Culpi (2014-2015), Diego Aguirre (2016), Marcelo Oliveira (2016) e Roger Machado (2017)

Cruzeiro (25 trocas, 21 técnicos)
Luiz Felipe Scolari (2001), Paulo César Carpegiani (2001), Ivo Wortmann (2001), Marco Aurélio (2001-2002), Vanderlei Luxemburgo (2002-2004), Paulo César Gusmão (2004), Émerson Leão (2004), Marco Aurélio (2004), Levir Culpi (2005), Paulo César Gusmão (2005-2006), Oswaldo de Oliveira (2006), Paulo Autuori (2007), Dorival Júnior (2007), Adílson Batista (2008-2010), Cuca (2010-2011), Joel Santana (2011), Emerson Ávila (2011), Vágner Mancini (2011-2012), Celso Roth (2012), Marcelo Oliveira (2013-2015), Vanderlei Luxemburgo (2015), Mano Menezes (2015), Deivid (2016), Paulo Bento (2016) e Mano Menezes (2016-2017)

Grêmio (24 trocas, 21 técnicos)
Tite (2001-2003), Darío Pereyra (2003), Nestor Simionato (2003), Adílson Batista (2003-2004), José Luiz Plein (2004), Cuca (2004), Cláudio Duarte (2004), Hugo de León (2005), Mano Menezes (2005-2007), Vágner Mancini (2008), Celso Roth (2008-2009), Paulo Autuori (2009), Silas (2010), Renato Gaúcho (2010-2011), Julinho Camargo (2011), Celso Roth (2011), Caio Júnior (2012), Vanderlei Luxemburgo (2012-2013), Renato Gaúcho (2013), Enderson Moreira (2014), Luiz Felipe Scolari (2014-2015), Roger Machado (2015-2016) e Renato Gaúcho (2016-2017)

Internacional (31 trocas, 23 técnicos)
Zé Mário (2001), Cláudio Duarte (2001), Carlos Alberto Parreira (2001), Ivo Wortmann (2002), Guto Ferreira (2002), Celso Roth (2002), Cláudio Duarte (2002), Muricy Ramalho (2003), Lori Sandri (2004), Joel Santana (2004), Muricy Ramalho (2004-2005), Abel Braga (2006-2007), Alexandre Gallo (2007), Abel Braga (2007-2008), Tite (2008-2009), Mário Sérgio (2009), Jorge Fossati (2010), Celso Roth (2010-2011), Paulo Roberto Falcão (2011), Dorival Júnior (2011-2012), Fernandão (2012), Dunga (2013), Clemer (2013), Abel Braga (2014), Diego Aguirre (2015), Argel Fucks (2015-2016), Paulo Roberto Falcão (2016), Celso Roth (2016), Lisca (2016), Antônio Carlos Zago (2017) e Guto Ferreira (2017)

 

 

]]>
0
Artilheiro do Brasileirão, Jô melhora marcas pelo Corinthians http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/15/artilheiro-do-brasileirao-jo-melhora-marcas-pelo-corinthians/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/15/artilheiro-do-brasileirao-jo-melhora-marcas-pelo-corinthians/#respond Sun, 16 Jul 2017 02:16:37 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1755 Autor dos 2 gols do Corinthians hoje, no empate contra o Atlético-PR por 2 x 2, o centroavante Jô chegou a marca de 9 gols no Brasileirão de 2017 e se igualou na artilharia da competição ao lado de Henrique Dourado, do Fluminense.

Revelado pelo Corinthians em 2003, com apenas 16 anos (foi o jogador mais novo a vestir a camisa do clube e também o mais novo marcar um gol pelo clube em Brasileiros), o atacante Jô jogou no clube em sua primeira passagem até 2005, quando foi vendido ao CSKA Moscou, da Rússia.

De volta ao Corinthians em 2017, Jô, agora com 30 anos, vem conseguindo bons números. Na temporada de 2017, é o artilheiro do time com 16 gols, contra 9  de Rodriguinho e 8 de Jadson. Desses 16 gols, 6 foram nos 8 clássicos disputados.

No Brasileirão, Jô chegou hoje ao 9º gol na Série A de 2017, quebrando seu recorde de gols em uma só edição (fez 8 pelo Corinthians em 2003). No geral, Jô soma agora 22 gols pelo Corinthians em Brasileiros e é agora o 4º maior artilheiro do clube na era dos pontos corridos, desde 2003, atrás e bem próximo de Tévez (25), Guerrero e Liedson (23).
Caso consiga a artilharia no Brasileirão, Jô poderá se tornar o primeiro corintiano a alcançar esse feito. Em uma única edição, o recorde de gols de um jogador do Corinthians é de Luizão, que fez 21 em 1999. Tevez é o segundo com 20 gols em 2005, seguido por Marcelinho Carioca (18 gols em 1998), Sócrates (15 em 1983), Edmar (15 em 1986), Bruno César (14 em 2010) e Vágner Love (14 em 2015).

Maiores artilheiros do Corinthians em Brasileiros desde 2003
1º Tevez (25)
2º Guerrero  e Liedson (23)
4º Jô (22)
5º Jadson (21)
6º Paulinho (20)
7º Elias (19)
8º Ronaldo (18)
9º Gil (16)
10º Bruno César, Rogério, Rosinei e Vágner Love (14)

Na década, com os 18 gols marcados na primeira passagem e agora os 16 em 2017, Jô soma 34 gols. Assim, figura agora com o 14º maior artilheiro do time desde 2001 ao lado de Paulinho. Hoje, com os dois gols, deixou Nilmar (31) e Danilo (33 para trás). À sua frente, estão ainda Gil (57), Dentinho (55), Guerrero (54), Luizão (52), Liedson (50), Tevez (46), Ricardinho (45), Chicão (42), Elias (41), Marcelinho Carioca (39), Deivid (37), Rogério (36) e Ronaldo (35).

Já na Arena Corinthians, Jô pulou hoje para o 4º lugar na lista dos maiores artilheiros com 11 gols ao lado de Luciano. À sua frente, estão Romero (20 gols), Jadson (17) e Guerrero (15).

]]>
0
Dez números impressionantes do Corinthians em 2017 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/13/dez-numeros-impressionantes-do-corinthians-em-2017/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/13/dez-numeros-impressionantes-do-corinthians-em-2017/#comments Thu, 13 Jul 2017 03:42:26 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1752 O Corinthians venceu o Palmeiras, ontem, por 2 x 0, fora de casa, no Allianz Parque e acabou com a invencibilidade de 31 jogos do rival como mandante. Além disso, se manteve invicto no Brasileirão e com uma campanha recorde na era dos pontos corridos. Sem sofrer gol, o goleiro Cássio chegou a marca recorde também de 7 jogos sem ser vazado. Na temporada, o time dirigido por Fábio Carille já chega a 27 jogos oficiais sem derrota.

Jogando de forma impressionante, o Corinthians de 2017 poderá abrir uma vantagem inédita de 11 pontos para o vice-líder Flamengo amanhã (em caso de empate com o Grêmio). Confira quais são os números de destaque do time comandado por Fábio Carille em 2017:

(1) Invencibilidade de 27 jogos
Em 40 jogos oficiais na temporada, o Corinthians perdeu apenas dois – para o Santo André (0 x 2) e para a Ferroviária (1 x 0), ambos pelo Paulistão. Sua última derrota foi no dia 19 de março (há 124 dias). A invencibilidade é também a 4ª maior na história, atrás apenas de 1957 (37 jogos), 1936/37 (31 jogos) e 1956 (29 jogos).

(2) Invencibilidade caseira de 18 jogos
A última derrota do Corinthians em casa, em Itaquera, foi no dia 11 de fevereiro para o Santo André. Hoje, só o Flamengo é o mandante há mais tempo sem perder em casa (27 jogos).

(3) Melhor campanha até a 13ª rodada do Brasileirão nos pontos corridos
Com 35 pontos em 13 jogos (11 vitórias e 2 empates), o Corinthians tem a melhor campanha desde 2003, superando o Atlético-MG de 2012, que conquistou 32 pontos (10 vitórias, 2 empates e 1 derrota).

(4) Invicto até a 13ª rodada na era dos pontos corridos
Desde 2003, apenas um clube havia ficado sem perder até a 13ª rodada, o Flamengo, de 2011, com 7 vitórias e 6 empates. O Corinthians igualou essa marca ontem. O Rubro-negro, porém, ficou mais três jogos sem perder, até a 16ª rodada. Para igualar esse feito, o Corinthians não poderá perder para Atlético-PR (casa) e Avaí e Fluminense (fora). Outra marca que poderá ser alcançada em breve é também da maior invencibilidade do Corinthians desde o início. Em 1993, a equipe comandada por Mário Sérgio só foi perder após 15 jogos de invencibilidade. O recorde sem derrota do time, em Brasileiros, porém, é de 2015 (17 jogos).

(5) Melhor defesa
Com apenas 5 gols sofridos em 13 jogos no Brasileirão, o Corinthians tem a melhor defesa da competição e igualou a marca do São Paulo, de 2006, que também na 13ª rodada havia sofrido apenas 5 gols. Anteriormente, os recordes do Corinthians eram de 6 gols sofridos até a 13ª rodada em 2013 e 2014. Na temporada de 2017, o Corinthians levou apenas 21 gols em 40 jogos (média de 0,53 por partida).

(6) Sequência recorde sem sofrer gol
Após a vitória contra o Palmeiras, o Corinthians completou 7 jogos sem sofrer gol, um recorde desde 1978, quando também ficou 7 partidas sem ser vazado. O goleiro Cássio, que não toma gol há 592 minutos é o terceiro que ficou mais tempo sem sofrer gol na história do clube na competição. Apenas Jairo (em 1978, com 957 minutos e 11 jogos em levar gol) e Carlos (em 1985, com 661 minutos e 6 jogos sem levar gol), ficaram mais minutos sem serem vazados.

(7) Invicto nos clássicos em 2017
A vitória do Corinthians sobre o Palmeiras foi a segunda seguida sobre o rival no ano e a 5ª nos 8 clássicos disputados na temporada. Até aqui, o alvinegro venceu 2 vezes o Palmeiras, 2 vezes o Santos, 2 vezes o São Paulo e empatou outras duas com o tricolor, se mantendo invicto contra os rivais.

(8) Aproveitamento recorde
Com 89,7% de aproveitamento em 13 jogos, o Corinthians tem hoje o maior aproveitamento de um time na história do Brasileirão. Desde 1971, o time com o melhor aproveitamento foi o Atlético-MG de 1977, vice-campeão invicto com 87,3% (17 vitórias e 4 empates em 21 jogos). O time do Corinthians com melhor aproveitamento em Brasileiros foi o de 1980, com 72,2% (12 vitórias, 3 empates e 3 vitórias em 18 jogos).

(9) Melhor mandante e melhor visitante
No Brasileirão de 2017, o líder invicto Corinthians é o melhor mandante com 90,5% de aproveitamento (6 vitórias e 1 empate) e também o melhor visitante com 88,9% de aproveitamento (5 vitórias e 1 empate). Na temporada, o Corinthians tem 73,7% de aproveitamento em casa (12 vitórias, 6 empates e 1 derrota) e 73% de aproveitamento fora (13 vitórias, 7 empates e 1 derrota), mostrando um equilíbrio impressionante.

(10) Melhor média de público do Brasileirão
Em 7 jogos como mandante, o Corinthians tem a média de 36 002 pagantes por partida a maior do campeonato, à frente do rival Palmeiras (32 985) e do Grêmio (26 601).

 

]]>
11
Como líder, Corinthians nunca venceu o Palmeiras em Brasileiros http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/10/como-lider-corinthians-nunca-venceu-o-palmeiras-em-brasileiros/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/10/como-lider-corinthians-nunca-venceu-o-palmeiras-em-brasileiros/#comments Mon, 10 Jul 2017 17:20:15 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1750 Corinthians e Palmeiras farão um clássico especial na próxima quarta-feira, dia 12 de julho, no Allianz Parque. De um lado, o Corinthians, líder invicto do Brasileirão após 12 rodadas, com uma campanha recorde e sem perder há 26 jogos no ano (sua 4ª maior invencibilidade na história). Do outro, o Palmeiras, atual campeão brasileiro e que não é derrotado em casa há quase um ano – desde o dia 24 de julho de 2016 -, acumulando 31 jogos de invencibilidade como mandante, 28 no Allianz Parque.

O duelo dos dois últimos campeões brasileiros será também o segundo Dérbi na temporada que marca o centenário do clássico. No Paulistão, o Corinthians venceu por 1 x 0, gol de Jô, em Itaquera, quando o Palmeiras jogou o segundo tempo inteiro com um homem a mais após a expulsão do volante Gabriel.

Em Brasileiros, Corinthians e Palmeiras já jogaram 47 vezes e o alviverde leva pequena vantagem (16 vitórias, contra 14 do Corinthians e mais 17 empates), conquistada justamente nos últimos três anos, quando conseguiu três vitórias e dois empates nos últimos cinco jogos desde 2014.

Atual líder do Brasileirão, o Corinthians irá enfrentar o Palmeiras em vantagem pela 24ª vez na história, equilibrando essa estatística – o Palmeiras já pegou o Corinthians quando estava à frente na tabela de classificação outras 24 vezes. Mas como líder, o Corinthians nunca conseguiu confirmar sua melhor fase e derrotar o rival. Em oito oportunidades, o Palmeiras venceu quatro e houve mais quatro empates. A última vez em que os times jogaram nessa situação, Corinthians líder contra o Palmeiras no Allianz Parque, o Palmeiras levou a melhor (1 x 0, em 2016). Em 2015, também nessa mesma situação, houve empate por 3 x 3. Já em 2011, na última rodada, o Corinthians pegou o Palmeiras e garantiu o título com o 0 x 0 no Pacaembu.

Jogos do Corinthians líder do Brasileirão contra o Palmeiras em Brasileiros:
12/6/2016 – Allianz Parque – 7ª rodada
(4º) Palmeiras 1 x 0 Corinthians (1º)

6/9/2015 – Allianz Parque – 23ª rodada
(6º) Palmeiras 3 x 3 Corinthians (1º)

3/12/2011 – Pacaembu – 38ª rodada
(1º) Corinthians 0 x 0 Palmeiras (11º)

28/8/2011 – Prudentão – 19ª rodada
(6º) Palmeiras 2 x 1 Corinthians (1º)

1/8/2010 – Pacaembu – 12ª rodada
(10º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (1º)

16/10/2005 – Morumbi – 32ª rodada
(4º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (1º)

30/6/2007 – Morumbi – 8ª rodada
(1º) Corinthians 0 x 1 Palmeiras (14º)

12/9/1999 – Morumbi – 9ª rodada
(1º) Corinthians 1 x 4 Palmeiras (17º)

No geral, nos 23 clássicos em Brasileiros onde o Corinthians estava à frente do Palmeiras na tabela de classificação, o Palmeiras acabou vitorioso mais vezes (9 vitórias contra 7 do Corinthians e mais 7 empates). Por outro lado, quando o Palmeiras enfrentou o Corinthians em vantagem, foram 7 vitórias do alviverde, 9 empates e 8 vitórias do Corinthians.

Assim, dos 47 dérbis em Brasileiros, o rival que está atrás na tabela venceu mais vezes (17) contra 14 de quem está à frente na classificação. Chegar melhor colocado no clássico entre Corinthians x Palmeiras não é garantia de vitória. A última vez em que o Corinthians confirmou seu favoritismo diante da melhor campanha foi em 2012, quando era o 2º colocado e venceu o Palmeiras (13º) em Itaquera, por 2 x 0. Já o Palmeiras, ano passado, como líder, enfrentou o Corinthians (5º) em Itaquera, na 26ª rodada, e venceu por 2 x 0.

Todos os clássicos entre Corinthians x Palmeiras pelo Campeonato Brasileiro:

17/9/2016 – Arena Corinthians – 26ª rodada
(5º) Corinthians 0 x 2 Palmeiras (1º)

12/6/2016 – Allianz Parque – 7ª rodada
(4º) Palmeiras 1 x 0 Corinthians (1º)

6/9/2015 – Allianz Parque – 23ª rodada
(6º) Palmeiras 3 x 3 Corinthians (1º)

31/5/2015 – Arena Corinthians – 4ª rodada
(3º) Corinthians 0 x 2 Palmeiras (16º)

25/10/2014 – Pacaembu – 31ª rodada
(14º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (3º)

28/7/2014 – Arena Corinthians – 12ª rodada
(2º) Corinthians 2 x 0 Palmeiras (13º)

16/9/2012 – Pacaembu – 25ª rodada
(19º) Palmeiras 0 x 2 Corinthians (9º)

24/6/2012 – Pacaembu – 6ª rodada
(20º) Corinthians 2 x 1 Palmeiras (18º)

3/12/2011 – Pacaembu – 38ª rodada
(1º) Corinthians 0 x 0 Palmeiras (11º)

28/8/2011 – Prudentão – 19ª rodada
(6º) Palmeiras 2 x 1 Corinthians (1º)

24/10/2010 – Pacaembu – 31ª rodada
(3º) Corinthians 1 x 0 Palmeiras (10º)

1/8/2010 – Pacaembu – 12ª rodada
(10º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (1º)

1/11/2009 – Prudentão – 33ª rodada
(1º) Palmeiras 2 x 2 Corinthians (9º)

26/7/2009 – Prudentão – 14ª rodada
(4º) Corinthians 0 x 3 Palmeiras (2º)

23/9/2007 – Morumbi – 27ª rodada
(7º) Palmeiras 1 x 0 Corinthians (13º)

30/6/2007 – Morumbi – 8ª rodada
(1º) Corinthians 0 x 1 Palmeiras (14º)

25/10/2006 – Morumbi – 31ª rodada
(16º) Corinthians 1 x 0 Palmeiras (14º)

16/7/2006 – Morumbi – 12ª rodada
(19º) Palmeiras 1 x 0 Corinthians (18º)

16/10/2005 – Morumbi – 32ª rodada
(4º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (1º)

10/7/2005 – Morumbi – 11ª rodada
(8º) Corinthians 3 x 1 Palmeiras (13º)

29/8/2004 – Morumbi – 27ª rodada
(2º) Palmeiras 0 x 1 Corinthians (10º)

2/5/2004 – Morumbi – 4ª rodada
(17º) Corinthians 0 x 4 Palmeiras (19º)

23/10/2002 – Morumbi – 22ª rodada
(4º) Corinthians 2 x 2 Palmeiras (25º)

3/10/2001 – Morumbi – 15ª rodada
(18º) Corinthians 4 x 2 Palmeiras (2º)

16/8/2000 – Morumbi – 6ª rodada
(12º) Palmeiras 0 x 1 Corinthians (10º)

12/9/1999 – Morumbi – 9ª rodada
(1º) Corinthians 1 x 4 Palmeiras (17º)

3/10/1998 – Morumbi – 16ª rodada
(4º) Palmeiras 3 x 1 Corinthians (2º)

28/9/1997 – Morumbi – 18ª rodada
(18º) Corinthians 2 x 2 Palmeiras (7º)

23/10/1996 – Morumbi – 13ª rodada
(2º) Palmeiras 2 x 2 Corinthians (11º)

13/9/1995 – Pacaembu – 8ª rodada
(12º) Corinthians 0 x 2 Palmeiras (1º)

18/12/1994 – Pacaembu – Final
(1º) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (2º)

15/12/1994 – Pacaembu – Final
(2º) Corinthians 1 x 3 Palmeiras (1º)

13/11/1994 – Morumbi – 4ª rodada
(7º) Palmeiras 4 x 1 Corinthians (6º)

29/3/1992 – Morumbi – 11ª rodada
(10º) Palmeiras 1 x 2 Corinthians (5º)

17/3/1991 – Morumbi – 11ª rodada
(4º) Corinthians 0 x 0 Palmeiras (3º)

9/9/1990 – Morumbi – 4ª rodada
(9º) Corinthians 2 x 1 Palmeiras (4º)

10/12/1989 – Morumbi – 19ª rodada
(1º) Palmeiras 0 x 1 Corinthians (3º)

9/10/1988 – Morumbi – 7ª rodada
(17º) Corinthians 0 x 2 Palmeiras (13º)

25/10/1987 – Pacaembu – 9ª rodada
(16º) Corinthians 0 x 0 Palmeiras (5º)

7/11/1976 – Morumbi – 3ª rodada (3ª fase)
(2º) Palmeiras 0 x 0 Corinthians (6º)

30/11/1975 – Morumbi – 6ª rodada (3ª fase)
(6º) Corinthians 1 x 0 Palmeiras (2º)

21/9/1975 – Morumbi – 10ª rodada (1ª fase)
(2ª) Palmeiras 1 x 1 Corinthians (3º)

17/3/1974 – Pacaembu – 3ª rodada (1ª fase)
(3º) Corinthians 1 x 0 Palmeiras (9º)

26/1/1974 – Morumbi – 5ª rodada (3ª fase)
(3º) Palmeiras 0 x 0 Corinthians (5º)

18/11/1973 – Morumbi – 3ª rodada (2ª fase)
(9º) Corinthians 1 x 2 Palmeiras (2º)

9/11/1972 – Pacaembu – 16ª rodada
(4º) Corinthians 1 x 0 Palmeiras (1º)

15/8/1971 – Morumbi – 3ª rodada
(2º) Corinthians 0 x 0 Palmeiras (5º)

 

Total
47 jogos
16 vitórias do Palmeiras
17 empates
14 vitórias do Corinthians
62 gols do Palmeiras
54 gols do Corinthians


Corinthians em vantagem na tabela
23 jogos
7 vitórias do Corinthians
7 empates
9 vitórias do Palmeiras

Corinthians (líder) x Palmeiras
4 empates
4 derrtoas

Palmeiras em vantagem na tabela
24 jogos
7 vitórias do Palmeiras
9 empates
8 vitórias do Corinthians

Palmeiras (líder) x Corinthians
3 vitórias
2 empates
2 derrotas

]]>
26
Corinthians abre vantagem recorde para o vice-líder http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/09/corinthians-abre-vantagem-recorde-para-o-vice-lider/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/09/corinthians-abre-vantagem-recorde-para-o-vice-lider/#comments Sun, 09 Jul 2017 22:14:22 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1748 Líder invicto do Brasileirão com 10 vitórias e 2 empates após 12 rodadas, o Corinthians conseguiu aumentar sua vantagem em relação ao segundo colocado nessa rodada. Com a derrota do Grêmio, em casa, para o Avaí por 2 x 0, o vice-líder passou a ser o Flamengo, com 23 pontos, 9 atrás do Corinthians, que tem 32.

Desde 2003, essa vantagem de 9 pontos é a maior na 12ª rodada do Brasileirão, que corresponde quase a 1/3 da competição. Até então, a maior diferença era a de 2014, quando o Cruzeiro, que acabou campeão, abriu 5 pontos sobre o Corinthians.

Dos líderes da 12ª rodada, sete acabaram vencendo o Brasileirão final das 38 rodadas: Cruzeiro (2003), São Paulo (2006), Fluminense (2010), Corinthians (2011), Cruzeiro (2013), Cruzeiro (2014) e Palmeiras (2016). Por outro lado, oito líderes não ficaram com o título: Palmeiras (2004), Ponte Preta (2005), Botafogo (2007), Flamengo (2008) e Atlético-MG (2009, 2012 e 2015).

Até a 12ª rodada, o Corinthians de 2017 tem também a melhor campanha para um líder com 32 pontos, quebrando o recorde do Atlético-MG, que havia feito 31 pontos em 2012, e também seu próprio recorde, de 2011, com 28 pontos.

Com 32 pontos, o Corinthians poderá quebrar ainda mais algumas marcar nesse 1º turno. Caso fique mais quatro jogos sem derrota, poderá igualar a maior invencibilidade desde a 1ª rodada, que é do Flamengo, de 2011, que ficou 16 jogos sem perder. Com mais sete jogos pela frente (21 pontos em disputa), o Corinthians precisa de mais 12 para conseguir a maior pontuação de um time no 1º turno.

Diferença de pontos do líder para o vice-líder após 12 rodadas na era dos pontos corridos, desde 2003:

Ano Líder diferença Vice-líder
2017 Corinthians 9 pontos Flamengo
2014 Cruzeiro 5 pontos Corinthians
2007 Botafogo 4 pontos Goiás
2011 Corinthians 3 pontos São Paulo
2016 Palmeiras 3 pontos Corinthians
2008 Flamengo 2 pontos Cruzeiro
2012 Atlético-MG 2 pontos Vasco
2015 Atlético-MG 2 pontos Fluminense
2003 Cruzeiro 1 ponto Santos
2005 Ponte Preta 1 ponto Inter
2006 São Paulo 1 ponto Cruzeiro
2010 Fluminense 1 ponto Corinthians
2004 Palmeiras 0 ponto Figueirense
2009 Atlético-MG 0 ponto Palmeiras
2013 Cruzeiro 0 ponto Botafogo

Campanhas dos líderes e vice-líderes do Brasileirão desde 2003 na 12ª rodada:

Pos Time PG J V E D GP GC SG ano
Cruzeiro 25 12 7 4 1 30 15 15 2003
Santos 24 12 7 3 2 22 12 10 2003
Palmeiras 22 12 6 4 2 23 10 13 2004
Figueirense 22 12 6 4 2 17 9 8 2004
Ponte Preta 26 12 8 2 2 23 13 10 2005
Internacional 25 12 8 1 3 24 17 7 2005
São Paulo 26 12 8 2 2 21 10 11 2006
Cruzeiro 25 12 7 4 1 22 8 14 2006
Botafogo 24 11 7 3 1 23 12 11 2007
Goiás 20 12 6 2 4 21 14 7 2007
Flamengo 26 12 8 2 2 25 11 14 2008
Cruzeiro 24 12 7 3 2 20 11 9 2008
Atlético-MG 25 12 7 4 1 25 12 13 2009
Palmeiras 25 12 7 4 1 22 12 10 2009
Fluminense 26 12 8 2 2 18 8 10 2010
Corinthians 25 12 7 4 1 21 13 8 2010
Corinthians 28 11 9 1 1 19 5 14 2011
São Paulo 25 12 8 1 3 20 15 5 2011
Atlético-MG 31 12 10 1 1 25 8 17 2012
Vasco 29 12 9 2 1 20 11 9 2012
Cruzeiro 24 12 7 3 2 25 10 15 2013
Botafogo 24 12 7 3 2 20 12 8 2013
Cruzeiro 28 12 9 1 2 28 12 16 2014
Corinthians 23 12 6 5 1 15 6 9 2014
Atlético-MG 26 12 8 2 2 26 12 14 2015
Fluminense 24 12 7 3 2 15 10 5 2015
Palmeiras 25 12 8 1 3 26 12 14 2016
Corinthians 22 12 7 1 4 18 10 8 2016
Corinthians 32 12 10 2 0 21 5 16 2017
Flamengo 23 12 6 5 1 19 8 11 2017
]]>
2
Os clubes que ficaram mais rodadas no G4 e no Z4 desde 2003 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/04/os-clubes-que-ficaram-mais-rodadas-no-g4-e-no-z4-desde-2003/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/04/os-clubes-que-ficaram-mais-rodadas-no-g4-e-no-z4-desde-2003/#comments Tue, 04 Jul 2017 20:20:49 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1735 Com a derrota para o Flamengo no último domingo, o São Paulo caiu para a 17ª colocação no Brasileirão e entrou para a zona do rebaixamento pela primeira vez desde 25ª rodada de 2013. Desde o início da era dos pontos corridos, o São Paulo é um dos times que passou menos rodadas entre os quatro últimos.

Das 563 rodadas disputadas até hoje, o Tricolor ficou apenas 21 rodadas entre os quatro últimos – ou apenas 3,7% das rodadas na temível zona. Dos 12 grandes clubes, o Internacional é o que menos ficou no Z4 (18 rodadas – 3,3%). O Colorado, porém, ficou 13 dessas rodadas no Z4 em 2016 e acabou rebaixado.

Dos 41 clubes que disputaram o Brasileirão desde 2003, o Figueirense, que hoje está na Série B, é o time que ficou mais rodadas na zona do rebaixamento (108), seguido por Atlético-PR (98) e Atlético-MG (95). Na porcentagem, porém, o Joinville é o recordista com 100% (ficou todas as 38 rodadas de 2015 no Z4). Na sequência, aparecem América-MG, América-RN e Ipatinga (todos com 92,1%).

Por outro lado, o São Paulo é o time que mais vezes ficou no G4 desde 2003 – 241 rodadas, seguido por Cruzeiro (212 – e que desde o título de 2014 não fica entre os quatro primeiros) e Corinthians 196. Na porcentagem das rodadas disputadas e o número de vezes que os clubes ficaram no G4, os três clubes também lideram: São Paulo (42,8%), Cruzeiro (37,7%) e Corinthians (37,3%).

Clubes mais vezes ficaram no G4 (2003-2017)

Clube Rodadas
São Paulo 241
Cruzeiro 212
Corinthians 196
Grêmio 178
Internacional 176
Santos 172
Palmeiras 150
Fluminense 147
Atlético-MG 141
Botafogo 109
Flamengo 81
Vasco 71
Goiás 60
Atlético-PR 58
Coritiba 43
Ponte Preta 32
Paraná 26
Vitória 25
Sport 20
São Caetano 18
Figueirense 16
Ceará 10
Juventude 9
Náutico 9
Criciúma 6
Chapecoense 6
Avaí 4
Santa Cruz 4
Bahia 3
Guarani 1
Santo André 1


Porcentagem (rodadas disputadas x rodadas no G4 entre 2003-2017)

Clube %
São Paulo 42,8
Cruzeiro 37,7
Corinthians 37,3
Grêmio 34,2
Internacional 31,9
Palmeiras 31,3
Santos 30,6
Atlético-MG 27,1
Fluminense 26,1
Botafogo 22,8
Vasco 15,8
Flamengo 14,4
Goiás 13,7
Ceará 13,2
Paraná 12,4
Atlético-PR 11,0
São Caetano 10,5
Coritiba 9,6
Ponte Preta 9,6
Vitória 7,6
Sport 7,2
Santa Cruz 5,3
Chapecoense 4,8
Náutico 4,7
Juventude 4,3
Figueirense 3,7
Criciúma 3,6
Santo André 2,6
Avaí 2,5
Bahia 1,4
Guarani 0,8


Clubes mais vezes ficaram no Z4 (2003-2017)

Clube Rodadas
Figueirense 108
Atlético-PR 98
Atlético-MG 95
Náutico 92
Botafogo 89
Vasco 85
Coritiba 83
Goiás 77
Sport 73
Atlético-GO 71
América-MG 70
Flamengo 69
Avaí 67
Santa Cruz 61
Fluminense 57
Paysandu 54
Vitória 50
Palmeiras 49
Criciúma 43
Ponte Preta 42
Corinthians 42
Portuguesa 41
Bahia 39
Paraná 39
Joinville 38
Santos 38
Grêmio 37
Guarani 36
América-RN 35
Ipatinga 35
Juventude 34
Fortaleza 30
Prudente 25
Cruzeiro 24
Brasiliense 21
São Paulo 21
Internacional 18
São Caetano 17
Santo André 15
Ceará 10
Chapecoense 9


Porcentagem (rodadas disputadas x rodadas no Z4 entre 2003-2017)

Clube Rodadas
Joinville 100
América-MG 92,1
América-RN 92,1
Ipatinga 92,1
Santa Cruz 80,3
Atlético-GO 56,8
Brasiliense 50
Náutico 48,4
Avaí 41,1
Paysandu 40,3
Santo André 39,5
Portuguesa 36
Prudente 32,9
Guarani 27,7
Sport 26,4
Criciúma 25,6
Figueirense 24,7
Fortaleza 23,8
Vasco 18,9
Atlético-PR 18,7
Bahia 18,7
Botafogo 18,6
Paraná 18,6
Coritiba 18,5
Atlético-MG 18,1
Goiás 17,6
Juventude 16,2
Vitória 15,1
Ceará 13,2
Ponte Preta 12,5
Flamengo 12,3
Palmeiras 10,2
Fluminense 10,1
São Caetano 9,9
Corinthians 8
Chapecoense 7,2
Grêmio 7,1
Santos 6,7
Cruzeiro 4,3
São Paulo 3,7
Internacional 3,3

 

]]>
3
Cássio: recorde de jogos sem sofrer gols http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/03/cassio-recorde-de-jogos-sem-sofrer-gols/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/03/cassio-recorde-de-jogos-sem-sofrer-gols/#comments Mon, 03 Jul 2017 07:00:46 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1733 O goleiro Cássio completou ontem seu quinto jogo seguido sem sofrer gol pelo Corinthians no Brasileirão. A marca do goleiro, o menos vazado desse Brasileirão com apenas 5 gols sofridos, é recorde em sua passagem pelo clube.

No Corinthians desde 2012, Cássio conseguiu três sequências de 4 jogos sem sofrer gol (em 2013, 2014 e 2015). Agora, em 2017, chegou a 5 jogos sem ser vazado. Em Brasileiros, o goleiro tem números impressionantes pelo clube. Em 164 jogos disputados, sofreu apenas 139 gols (ótima média de 0,85 por partida – a melhor entre os goleiros que disputam a Série A de 2017). Na era dos pontos pontos corridos, desde 2003, apenas de Walter (0,74), também do Corinthians, e Jaílson (0,63), do Palmeiras, têm médias melhores. Porém, jogaram bem menos (35 e 19 jogos respectivamente).

No Brasileirão de 2017, Cássio disputou 11 jogos e sofreu apenas 5 gols (menos vazado). Além disso, é também o que mais ficou partidas sem levar gol (8, duas a mais do que Marcelo Grohe). Desde 2003, Cássio já acumula 69 jogos sem sofrer gol (disputou 164). Ou seja, passou 42,1% dos jogos que fez sem ser vazado. Apenas Marcelo Grohe, do Grêmio, tem um desempenho melhor (46,8% – não sofreu gol em 81 dos 173 jogos disputados).

Em Brasileiros, o goleiro Jairo é o recordista de jogos e minutos sem sofrer gol. Em 1978, ele ficou 11 jogos sem ser vazado e 957 minutos sem sofrer gol. Cássio está a 457 minutos e tem hoje a 7ª melhor marca do clube desde 1971. Caso fique sem sofrer gol no próximo jogo, contra a Ponte Preta, em casa, Cássio poderá chegar a 547 minutos pular para o 3º lugar.

Goleiros que ficaram mais tempo sem sofrer gol pelo Corinthians em Brasileiros
1º Jairo (1978) – 11 jogos e 957 minutos
2º Carlos (1985) – 6 jogos e 661 minutos
3º Carlos (1986) – 5 jogos e 516 minutos
4º Cássio (2015) – 4 jogos e 467 minutos
5º Ronaldo (1988) – 4 jogos e 460 minutos
6º Tobias (1976) – 4 jogos e 459 minutos
7º Cássio (2017) – 5 jogos e 457 minutos
8º Ronaldo (1996) – 4 jogos e 440 minutos
9º Cássio (2013) – 4 jogos e 419 minutos
10º Cássio (2014) – 4 jogos e 394 minutos
11º Marcelo (2006) – 4 jogos e 368 minutos

]]>
9
Fábio Carille completa 50 jogos pelo Corinthians http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/29/fabio-carille-completa-50-jogos-pelo-corinthians/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/29/fabio-carille-completa-50-jogos-pelo-corinthians/#comments Thu, 29 Jun 2017 17:18:14 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1723 Técnico interino em um jogo em 2010 e em 9 jogos em 2016, Fábio Carille foi efetivado como treinador do Corinthians no início de 2017. Desde então, disputou 40 jogos e soma agora, no total, 50 jogos como técnico do Corinthians, sendo que o treinador ostenta atualmente uma série de 24 partidas sem derrotas.

Desde 1910, o clube já teve 116 treinadores, contando também os interinos. Entre eles, apenas 33 conseguiram completar 50 jogos ou mais pelo clube. Oswaldo Brandão, com 435 jogos em cinco passagens, entre 1954 e 1981, é quem mais treinou o clube, seguido por Tite (378) e Mano Menezes (248). Fábio Carille é hoje o 33º técnico com mais jogos pelo Corinthians. Caso fique até o final do ano (com mais 28 jogos do Brasileirão) e vá à final da Copa Sul-Americana (mais 9 jogos), Carille terá mais 37 jogos pelo clube (87 no total), podendo subir para o 19º lugar entre os técnicos com mais jogos pelo alvinegro.

Com 28 vitórias, 16 empates e 6 derrotas desde 2010, Carille tem um aproveitamento de 66,7%. Hoje, entre os 33 técnicos com mais de 50 jogos pelo clube, esse seria o 10º melhor aproveitamento. Superior inclusive ao de Tite (63,4%) e Mano Menzezes (63,4%). Considerando apenas os jogos de 2017, quando foi de fato efetivado do cargo, o aproveitamento de Carille é ainda maior. Em 40 jogos, tem 24 vitórias, 14 empates e apenas 2 derrotas – 71,7% de aproveitamento. De todos os técnicos do clube com mais de 50 jogos, apenas dois tiveram aproveitamento melhor: Guido Giancominelli (entre 1921 e 1925, com 78,3%  – 88 vitórias, 11 empates e 18 derrotas em 117 jogos) e Amílcar Barbuy (entre 1915 e 1943, com 72,9% – 166 vitórias, 25 empates e 48 derrotas). Ambos, porém, ainda na era do amadorismo.

Técnicos com mais jogos pelo Corinthians:

Técnico Período J V E D Aprov.%
Oswaldo Brandão 1954/58, 1964/66, 1968, 1977/78 e 1980/81 435 251 93 91 64,8
Tite 2004/05, 2010/13 e 2015/16 378 196 110 72 61,6
Mano Menezes 2008/10 e 2014 248 136 64 48 63,4
Amílcar Barbuy 1915/1920, 1934/37 e 1943 239 166 25 48 72,9
Rato 1942/43, 1944, 1951/54, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962 e 1963 227 143 38 46 68,6
Nelsinho Baptista 1990/91, 1992/93, 1996/97 e 2007 192 84 66 42 55,2
Armando del Debbio 1939/1942, 1947/48, 1963 178 116 26 36 70,0
Jorge Vieira 1979/80, 1983/84 e 1986/87 146 68 49 29 57,8
Vanderlei Luxemburgo 1998 e 2001 135 62 33 40 54,1
Sylvio Pirillo 1959/60, 1974/75 124 67 26 31 61,0
Oswaldo de Oliveira 1999/00, 2004 e 2016 123 61 26 36 56,6
Mário Travaglini 1981/83 e 1985 122 63 39 20 62,3
Dino Sani 1969/70 e 1975 121 54 38 29 55,1
José Teixeira 1965, 1966 e 1978/79 118 54 44 20 58,2
Guido Giancominelli 1921 e 1925 117 88 11 18 78,3
Basílio 1985, 1987, 1989/90 e 1992 116 51 42 23 56,0
Duque 1972/73 e 1976/77 113 54 36 23 58,4
Eduardo Amorim 1995/96 110 52 29 29 56,1
Jair Pereira 1988 e 1994 79 37 25 17 57,4
Ângelo Rocco 1926/1928, 1938 75 49 10 16 69,8
Cláudio 1958/59 75 40 19 16 61,8
Virgílio Montarini 1929/31 75 46 16 13 68,4
Fleitas Solich 1962/63 70 44 13 13 69,0
Carlos Alberto Parreira 2002 66 36 15 15 62,1
Geninho 2003 e 2006 66 26 14 26 46,5
Yustrich 1973 63 23 25 15 49,7
Mílton Buzetto 1975/76 62 30 17 15 57,5
Zezé Moreira 1966/67 58 34 16 8 67,8
Aymoré Moreira 1968, 1970/71 56 25 15 16 53,6
Neco 1927/28 56 28 13 15 57,7
Joreca 1948/49 52 28 10 14 60,3
Fábio Carille 2010, 2016 e 2017 50 28 16 6 66,7
Newton Senra 1950/51 50 33 7 10 70,7
Carlos Alberto Torres 1985 e 1988 48 20 17 11 53,5
Emerson Leão 2006/07 46 22 13 11 57,2
Alfredo Ramos 1960/61 43 22 10 11 58,9
Antônio Pereira 1937/38 41 18 12 11 53,7
Formiga 1987 40 17 13 10 53,3
Casemiro González 1912/14 e 1916/17 39 15 6 7 43,6
José Foquer 1946 39 27 3 9 71,8
Rubens Minelli 1986 38 21 7 10 61,4
Antônio Lopes 2005/2006 37 19 7 11 57,7
Cilinho 1991 36 16 16 4 59,3
Martim Francisco 1961/62 36 18 11 7 60,2
Julinho 1980 e 1981 35 12 14 9 47,6
Lula 1967/68 35 20 7 8 63,8
Baltazar 1971 34 17 11 6 60,8
Carlos Alberto Silva 1991 e 1994 34 19 10 5 65,7
Filpo Núñez 1966 e 1976 34 16 7 11 53,9
Jair Picerni 1984/85 34 19 9 6 64,7

Técnicos com melhor aproveitamento (entre aqueles com o mínimo de 20 jogos):

Técnico Período J V E D Aprov.%
Guido Giancominelli 1921 e 1925 117 88 11 18 78,3
Carlos Menjou 1942 28 20 5 3 77,4
Amílcar Barbuy 1915/1920, 1934/37 e 1943 239 166 25 48 72,9
José Foquer 1946 39 27 3 9 71,8
Alcides de Souza Aguiar 1945/46 28 18 6 4 71,4
Newton Senra 1950/51 50 33 7 10 70,7
Armando del Debbio 1939/1942, 1947/48, 1963 178 116 26 36 70,0
Ângelo Rocco 1926/1928, 1938 75 49 10 16 69,8
Fleitas Solich 1962/63 70 44 13 13 69,0
Rato 1942/43, 1944, 1951/54, 1958, 1959, 1960, 1961, 1962 e 1963 227 143 38 46 68,6
Virgílio Montarini 1929/31 75 46 16 13 68,4
Joseph Tiger 1944 e 1946 22 14 3 5 68,2
Valdyr Espinosa 1996 24 14 7 3 68,1
Jim Lopes 1960 26 16 5 5 67,9
Zezé Moreira 1966/67 58 34 16 8 67,8
Fábio Carille 2010, 2016 e 2017 50 28 16 6 66,7
Carlos Alberto Silva 1991 e 1994 34 19 10 5 65,7
Mário Sérgio 1993 e 1995 31 16 13 2 65,6
Márcio Bittencourt 2005 29 17 6 6 65,5
Oswaldo Brandão 1954/58, 1964/66, 1968, 1977/78 e 1980/81 435 251 93 91 64,8
Jair Picerni 1984/85 34 19 9 6 64,7
Lula 1967/68 35 20 7 8 63,8
Gentil Cardoso 1948 22 13 3 6 63,6
Mano Menezes 2008/10 e 2014 248 136 64 48 63,4
Mário Travaglini 1981/83 e 1985 122 63 39 20 62,3
Carlos Alberto Parreira 2002 66 36 15 15 62,1
Paulo Amaral 1964 28 16 4 8 61,9
Cláudio 1958/59 75 40 19 16 61,8
Tite 2004/05, 2010/13 e 2015/16 378 196 110 72 61,6
Rubens Minelli 1986 38 21 7 10 61,4
Roberto Belangero 1964 24 12 8 4 61,1
Sylvio Pirillo 1959/60, 1974/75 124 67 26 31 61,0
Baltazar 1971 34 17 11 6 60,8
Joreca 1948/49 52 28 10 14 60,3
Martim Francisco 1961/62 36 18 11 7 60,2

* Fonte: Almanaque do Timão do jornalista Celso Unzelte

]]>
8
Corinthians: maior média de público desde 1993 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/27/corinthians-maior-media-de-publico-desde-1993/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/27/corinthians-maior-media-de-publico-desde-1993/#comments Tue, 27 Jun 2017 18:13:00 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1720 Líder invicto do Brasileirão 2017,  o Corinthians é também o clube com a melhor média de público do campeonato com 35 759 torcedores por partida em seus cinco jogos como mandante em sua Arena. O Palmeiras, atual campeão e quarto colocado, é o segundo time que mais leva torcedores ao estádio nessa Série A (32 436), seguido por Grêmio (26 477), São Paulo (19 739), Flamengo (19 474) e Bahia (19 105).

Hoje, o Corinthians anunciou sua primeira parcial de ingressos vendidos para o próximo jogo, contra o Botafogo, no domingo, em Itaquera, com mais de 20 mil vendidos. Muito provavelmente o estádio receberá mais de 30 mil pagantes pela sexta vez nesse Brasileirão.

Sua média atual, de 35 759, é a maior até aqui na era dos pontos corridos, superando a de 2015 (34 188). Restam ainda mais 14 jogos do time como mandante, mas o início com casa cheia e a boa campanha fazem com que essa média atual seja, talvez, até maior.

A última vez em que o Corinthians teve uma média de público superior a 35 mil pessoas foi em 1993, quando o time também teve um ótimo início e chegou a ficar 15 jogos sem perder sob o comando do técnico Mário Sérgio. Naquele ano, a equipe terminou na 3ª colocação e com a média de público de 37 330 torcedores. Em Brasileiros, porém, sua média recorde é de 1982 (60 487). Naquele ano, o time fez apenas seis jogos como mandante e todos no Morumbi.

Médias de público do Corinthians em Brasileiros:
1971 – não disponível
1972 – 40 719
1973 – 28 178
1974 – 21 035
1975 – 25 683
1976 – 47 729
1977 – 44 093
1978 – 25 793
1979 – não disputou
1980 – 28 491
1981 – 15 036
1982 – 60 487
1983 – 28 847
1984 – 29 092
1985 – 28 703
1986 – 19 503
1987 – 13 375
1988 – 14 807
1989 – 17 551
1990 – 24 410
1991 – 23 644
1992 – 22 920
1993 – 37 330
1994 – 21 604
1995 – 9 025
1996 – 4 862
1997 – 8 193
1998 – 26 271
1999 – 24 304
2000 – 5 486
2001 – 9 051
2002 – 25 110
2003 – 9 043
2004 – 13 547
2005 – 27 330
2006 – 15 703
2007 – 20 071
2008 – não disputou (23 786 na Série B)
2009 – 20 256
2010 – 27 542
2011 – 29 387
2012 – 25 222
2013 – 24 441
2014 – 29 031
2015 – 34 188
2016 – 28 764
2017 – 35 759

]]>
20
Corinthians ou Palmeiras: quem é melhor nas novas arenas? http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/23/corinthians-ou-palmeiras-quem-e-melhor-nas-novas-arenas/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/23/corinthians-ou-palmeiras-quem-e-melhor-nas-novas-arenas/#comments Fri, 23 Jun 2017 14:03:35 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1710 Corinthians e Palmeiras inauguraram seus novos estádios em 2014. O alvinegro primeiro, em maio daquele ano. O Verdão depois, em novembro. Curiosamente, ambos perderam na estreia, em jogos válidos pelo Brasileiros. O Corinthians para o Figueirense (0 x 1) e o Palmeiras para o Sport (0 x 2).

Desde então, o Corinthians disputou 105 jogos em sua nova casa, em Itaquera. Já o Palmeiras fez 81 no Allianz Parque, construído no lugar do antigo Parque Antártica ou Palestra Itália. E hoje, os dois rivais vivem momentos ótimos em seus novos estádios. O Palmeiras com uma sequência de 27 jogos sem derrota – a última foi em 24 de julho de 2016, há quase um ano. Já o Corinthians não perde desde fevereiro (16 jogos).

No comparativo de desempenho dos dois clubes nas novas Arenas, o Corinthians, até aqui, leva vantagem sobre o Palmeiras nas estatísticas gerais. O alvinegro tem um aproveitamento melhor (79,9% contra 73,7 do rival), uma média de gols superior (1,93 contra 1,84), uma média de gols sofridos menor (0,61 contra 0,75). Além disso, carrega duas séries invictas maiores do que a atual do Palmeiras – já ficou 34 e 32 jogos sem perder em Itaquera, contra a série de 27 jogos sem derrota atual do alviverde. O Corinthians tem também um recorde de 12 vitórias seguidas contra 9 do Palmeiras e goleada maior (6 x 0 contra 5 x 1 do Palmeiras).

O Palmeiras, porém, tem um desempenho melhor nos clássicos (75% contra 70,2% de aproveitamento do Corinthians) e uma invencibilidade contra os rivais que já dura 11 jogos – o Corinthians ficou no máximo 6 jogos sem perder clássicos. Outro ponto a favor do Palmeiras é que ele ficou no máximo três jogos sem vitória em casa, contra quatro do Corinthians.

Em termos de renda e público, os números são equilibrados. O Corinthians tem uma média de público maior (31 436 contra 30 585 do Palmeiras). Na renda, a média do Palmeiras é melhor: R$ 2.098.821,92 contra R$ 1.826.993,87 do Corinthians. O Palmeiras tem também um recorde maior em um só jogo (R$ 5.336.631,25), na final da Copa do Brasil de 2015, contra o Santos. A maior renda do Corinthians foi no jogo contra o San Lorenzo-ARG, pela Libertadores de 2015 (R$ 3.329.516,50). Já o Corinthians tem o maior público (46.017, contra 40.986 do Palmeiras). Já o menor público do alviverde foi de 15.037 contra os 11.708 do alvinegro.

Em termos de títulos, o duelo também é equilibrado. O Corinthians venceu um Paulistão (2017) em casa e um Brasileirão no período. Já o Palmeiras foi campeão da Copa do Brasil (2015) e do Brasileirão de 2016. Ambos não perderam finais em casa ainda. Em mata-matas, em jogos de volta ou decisivos (jogos únicos), o Palmeiras tem seis vitórias contra duas eliminações. Já o Corinthians, em 14 confrontos, saiu vencedor em oito e foi eliminado em seis.

Corinthians x Palmeiras
101 Jogos 81
72 (71,3%) Vitórias 55 (67,9%)
26 (25,7%) Empates 14 (17,3%)
7 (6,9%) Derrotas 12 (14,8%)
195 Gols feitos 149
1,93 Média de gols 1,84
62 Gols sofridos 61
0,61 Média (gols sofridos) 0,75
3.300.754 Público total 2.477.368
31.436 Média de público 30.585
46.017 Maior público 40.986
11.708 Menor público 15.037
R$ 191.834.356,44 Renda total R$ 170.004.575,14
R$ 1.826.993,87 Média de renda R$ 2.098.821,92
R$ 3.329.516,50 Maior renda R$ 5.336.631,25
R$ 365.603,00 Menor renda R$ 614.729,50
6 x 0 Cobresal-CHI Maior goleada 5 x 1 Sampaio Corrêa-MA
0 x 2 Palmeiras Pior derrota 0 x 2 Sport
0 x 2 Palmeiras Pior derrota 0 x 2 Vasco
0 x 2 Santo André Pior derrota 0 x 2 Coritiba
34 jogos (2015/16) Maior invencibilidade 27 jogos (2016/17)
16 jogos (2017) Invencibilidade atual 27 jogos (2016/17)
12 Sequência de vitórias 9
4 Jejum de vitórias 3
14 Mata-matas 8
8 (57,1%) Vencedor 6 (75%)
6 (42,9%) Perdedor 2 (25%)
2 Títulos 2
Paulistão 2017 Mata-matas Copa do Brasil 2015
Brasileirão 2015 Pontos corridos Brasileirão 2016
Romero (20 gols) Maior artilheiro Dudu (15 gols)
19 Clássicos 12
12 Vitórias 8
4 Empates 3
3 Derrotas 1
9 Libertadores (jogos) 6
6 Vitórias 5
2 Empates 0
1 Derrotas 1
74,1% Aproveitamento 83,3%
56 Brasileirão (jogos) 40
37 Vitórias 24
15 Empates 9
4 Derrotas 7
75% Aproveitamento 67,5%
8 Copa do Brasil (jogos) 9
5 Vitórias 7
2 Empates 2
1 Derrotas 0
70,8% Aproveitamento 85,2%
29 Paulistão (jogos) 23
21 Vitórias 17
7 Empates 4
1 Derrotas 2
80,5% Aproveitamento 79,7%
]]>
30