Futebol em Números

Arquivo : Corinthians

Palmeiras leva vantagem sobre o Corinthians em 100 anos de clássico
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Um dos clássicos mais tradicionais do mundo, o Derby Corinthians x Palmeiras completará 100 anos no próximo dia 6 de maio. Hoje, os dois rivais irão se encontrar pela primeira vez no ano do centenário, em jogo válido pela 5ª rodada do Paulistão, na Arena Corinthians.

O jogo, para efeitos de classificação, não tem grande importância. Porém, pelo atual momento das equipes, pelos últimos resultados e pela marca histórica dos 100 anos, o clássico ganha uma dimensão maior.

O Palmeiras, atual campeão brasileiro, não perde para o rival há dois anos. Nos últimos seis jogos, foram dois empates e quatro vitórias do alviverde. Nesse período, o time do Parque Antártica eliminou o Corinthians, nos pênaltis, do Paulistão de 2016, na casa do rival, e conseguiu duas vitórias, pelo Brasileirão, na nova casa corintiana.

Desde 1917, quando se enfrentaram pela primeira vez, Corinthians e Palmeiras já disputaram 351 vezes, com 125 vitórias do alviverde e 120 do alvinegro. A diferença de vitórias do Palmeiras hoje (cinco), já foi até maior (dez ao final da década de 90). Porém, nem sempre o Verdão ficou à frente do Timão no confronto direto. Em 1956, o Corinthians passou à frente (48 vitórias contra 47 do Palmeiras). Essa diferença chegou a ficar 54 x 48 para o Corinthians, em 1958, que manteve vantagem no clássico até 1969. Naquele ano, o Palmeiras voltou a ter mais vitórias do que o rival (66 x 65) e desde então vem mantendo a vantagem.

No século XXI, porém, o desempenho do Corinthians é melhor, apesar desse tabu do Palmeiras nos últimos dois anos. Em 2015, após a vitória corintiana por 1 x 0, no Allianz Parque, pelo Paulistão, a última do alvinegro no clássico, a diferença de vitórias ficou de apenas uma (121 a 120). Nos seis jogos seguintes, porém, o Palmeiras ganhou quatro e empatou duas. Assim, neste século, são 19 vitórias do Corinthians, 16 empates e 14 do Palmeiras.

Estatísticas do clássico Corinthians x Palmeiras, desde 1917:
351 jogos
125 vitórias do Palmeiras
106 empates
120 vitórias do Corinthians
509 gols do Palmeiras
468 gols do Corinthians

No Paulistão
204 jogos
74 vitórias do Corinthians
61 empates
69 vitórias do Palmeiras
277 gols do Corinthians
296 gols do Palmeiras

No Brasileirão
47 jogos
16 vitórias do Palmeiras
17 empates
14 vitórias do Corinthians
58 gols do Palmeiras
46 gols do Corinthians

Disputa de títulos: Palmeiras 6 x 3 Corinthians
1936 – Campeonato Paulista (jogo extra) (Palmeiras)
1951 – Torneio Rio-São Paulo (jogo extra) (Palmeiras)
1954 – Campeonato Paulista (Corinthians)
1974 – Campeonato Paulista (Palmeiras)
1993 – Torneio Rio-São Paulo (Palmeiras)
1993 – Campeonato Paulista (Palmeiras)
1994 – Campeonato Brasileiro (Palmeiras)
1995 – Campeonato Paulista (Corinthians)
1999 – Campeonato Paulista (Corinthians)

Mata-matas: Palmeiras 10 x 9 Corinthians
Além dos títulos acima, os clubes se enfrentam nos seguintes mata-matas:
1977 – Final do 2º turno do Paulistão (Corinthians)
1978 – Quartas de final do 1º turno do Paulistão (Corinthians)
1979 – Semifinal do Paulistão (Corinthians)
1983 – Semifinal do Paulistão (Corinthians)
1986 – Semifinal do Paulistão (Palmeiras)
1999 – Quartas de final da Libertadores (Palmeiras)
2000 – Semifinal da Libertadores (Palmeiras)
2003 – Semifinal do Paulistão (Corinthians)
2011 – Semifinal do Paulistão (Corinthians)
2015 – Semifinal do Paulistão (Palmeiras)

Maiores artilheiros (Corinthians)
Cláudio – 21 gols
Luizinho – 20 gols
Baltazar – 19 gols
Teleco – 16 gols
Marcelinho – 13 gols

Maiores artilheiros (Palmeiras)
Heitor – 16 gols
César Maluco – 14 gols
Romeu – 14 gols
Imparato – 11 gols
Evair – 9 gols

Por estádio:
Pacaembu

151 jogos
60 vitórias do Corinthians
44 empates
47 vitórias do Palmeiras

Morumbi
113 jogos
39 vitórias do Corinthians
36 empates
38 vitórias do Palmeiras

Parque Antártica
40 jogos
21 vitórias do Palmeiras
8 empates
11 vitórias do Corinthians

Parque São Jorge
15 jogos
5 vitórias do Corinthians
5 empates
5 vitórias do Palmeiras

Arena Corinthians
4 jogos
2 vitórias do Palmeiras
1 empate
1 vitória do Corinthians

Allianz Parque
3 jogos
1 vitória do Palmeiras
1 empate
1 vitória do Corinthians

Maiores goleadas
Palmeiras 8 x 0 Corinthians (5/11/1933) – Paulistão e Rio-SP
Palmeiras 6 x 0 Corinthians (25/4/1948) – Pacaembu
Palmeiras 5 x 1 Corinthians (7/5/1933) – Paulistão e Rio-SP
Corinthians 5 x 1 Palmeiras (27/8/1952) – Taça Cidade de São Paulo
Corinthians 5 x 1 Palmeiras (1/8/1982) – Paulistão
Palmeiras 5 x 1 Corinthians (3/8/1986) – Paulistão

Maiores invencibilidades
Palmeiras – 12 jogos (de 4/5/1930 a 5/8/1934)
Corinthians – 10 jogos (de 26/12/1948 a 24/3/1951)
Corinthians – 10 jogos (de 6/7/1952 a 21/7/1954)
Corinthians – 10 jogos (de 22/11/1970 a 4/11/1973)
Corinthians – 10 jogos (de 4/11/2011 a 31/5/2015)

Fonte: Almanaque do Timão (Celso Unzelte)


Os maiores artilheiros em atividade dos 12 grandes
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Entre os doze grandes clubes do futebol brasileiro, o atacante Ricardo Oliveira, do Santos, é hoje o jogador em atividade dessas equipes com mais gols marcados: 80 em 134 jogos. Em duas passagens pelo clube da Vila Belmiro, o centroavante está bem à frente do segundo colocado no Peixe, o volante Renato, que marcou 30 gols, também em duas passagens pelo Santos. Thiago Ribeiro, que voltou ao clube após duas temporadas fora, é hoje o terceiro maior, seguido de perto por Vítor Bueno e Lucas Lima.

No São Paulo, o meia Cícero, que também volta ao clube em sua segunda passagem, é maior artilheiro, mas com apenas 16 gols. No Corinthians, o meia Danilo, longe do time há mais de seis meses por conta de uma lesão, é ainda o maior artilheiro com 33 gols, seguido por Jadson, que está de volta ao clube. Já no Palmeiras, Dudu, com apenas 26 gols, é o maior artilheiro do atual elenco.

No Rio de Janeiro, dois zagueiros com muitos jogos disputados lideram como os principais artilheiro de Flamengo e Fluminense. Pelo rubro-negro, Juan tem 29 gols, apenas um a mais do que o atacante peruano Guerrero. Já no Fluminense, Gum é o maior artilheiro do tricolor com 25 gols, dois a mais do que Gustavo Scarpa e Marcos Júnior. No Vasco, Nenê, com 35 gols, é o maior artilheiro, seguido de perto por Thalles (33). Já no Botafogo, Sassá lidera com 27 gols.

No Internacional, D’Alessandro, que voltou ao clube após uma temporada no River Plate-ARG, tem 77 gols. Bem à frente de Eduardo Sasha (29) e Valdívia (27). No Grêmio, Luan, com 41 gols, está bem próximo do líder Douglas (42). Já no Atlético-MG, Luan lidera com 36 gols. No Cruzeiro, Arrascaeta é maior artilheiro com 25 gols.

Santos
Ricardo Oliveira – 80 gols (134 jogos)
Renato – 30 gols (352 jogos)
Thiago Ribeiro – 22 gols (82 jogos)
Vítor Bueno – 18 gols (58 jogos)
Lucas Lima – 17 gols (161 jogos)

Palmeiras
Dudu – 26 gols (114 jogos)
Rafael Marques – 21 gols (105 jogos)
Alecsandro – 14 gols (56 jogos)
Victor Hugo – 13 gols (121 jogos)
Lucas Barrios – 13 gols (44 jogos)

Corinthians
Danilo – 33 gols (336 jogos)
Jadson – 24 gols (103 jogos)
Romero – 20 gols (107 jogos)
Jô – 19 gols (121 jogos)
Rodriguinho – 14 gols (85 jogos)

São Paulo
Cícero – 16 gols (97 jogos)
Lugano – 13 gols (202 jogos)
Chávez – 12 gols (25 jogos)
Rodrigo Caio – 11 gols (198 jogos)
Cueva – 9 gols (31 jogos)

Flamengo
Juan – 29 gols (289 jogos)
Guerreo – 28 gols (67 jogos)
Éverton – 28 gols (199 jogos)
Marcelo Cirino – 23 gols (94 jogos)
Gabriel – 21 gols (181 jogos)

Fluminense
Gum – 25 gols (354 jogos)
Gustavo Scarpa – 23 gols (109 jogos)
Marcos Júnior – 23 gols (151 jogos)
Marquinho – 21 gols (181 jogos)
Henrique Dourado – 8 gols (20 jogos)

Vasco
Nenê – 35 gols (87 jogos)
Thalles – 33 gols (136 jogos)
Éder Luiz – 30 gols (206 jogos)
Rodrigo – 18 gols (165 jogos)
Luan – 12 gols (170 jogos)

Botafogo
Sassá – 27 gols (96 jogos)
Rodrigo Pimpão – 14 gols (54 jogos)
Fernandes – 10 gols (69 jogos)
Camilo – 6 gols (33 jogos)
Bruno Silva – 5 gols (56 jogos)

Grêmio
Douglas – 42 gols (229 jogos)
Luan – 41 gols (170 jogos)
Pedro Rocha – 21 gols (88 jogos)
Éverton – 15 gols (96 jogos)
Ramiro – 9 gols (150 jogos)
Bolaños – 9 gols (33 jogos)

Internacional
D’Alessandro – 77 gols (346 jogos)
Eduardo Sasha – 29 gols (126 jogos)
Valdívia – 27 gols (131 jogos)
Ernando – 9 gols (165 jogos)
Paulão – 9 gols (140 jogos)

Atlético-MG
Luan – 36 gols (167 jogos)
Leonardo Silva – 28 gols (282 jogos)
Robinho – 25 gols (55 jogos)
Fred – 15 gols (32 jogos)
Marcos Rocha – 13 gols (262 jogos)

Cruzeiro
Arrascaeta – 25 gols (103 jogos)
Henrique – 23 gols (358 jogos)
Alisson – 19 gols (117 jogos)
Ábila – 18 gols (34 jogos)
Léo – 17 gols (227 jogos)

 


São Paulo ajuda a elevar média de público do Paulistão
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Depois de levar 50.952 torcedores na estreia do técnico Rogério Ceni, em casa, diante da Ponte Preta, o São Paulo voltou a ter casa cheia no Morumbi na última rodada. Contra o Mirassol, no empate por 2 x 2, o tricolor recebeu 43.961 pagantes, ficando assim como uma ótima média de 47.457 torcedores por jogo nesse início de campeonato.

Com isso, o São Paulo vem ajudando, e muito, para elevar a média de público do Paulistão. Até aqui, após quatro rodadas, o campeonato tem a média de 9.404 torcedores por jogo. Bem acima da últimas edições dez edições.
Média de público do Paulistão nos últimos anos
2007 – 5.400
2008 – 6.651
2009 – 6.034
2010 – 4.952
2011 – 5.882
2012 – 5.984
2013 – 6.271
2014 – 5.686
2015 – 7.607
2016 – 7.272
2017  – 9.404 (até a 4ª rodada).

A média de público do Paulistão (9.404) é também a maior entre os Estaduais de 2017. No Rio de Janeiro, que contou com uma fase preliminar, antes da entrada dos grandes times, a média é de apenas 2.556 torcedores por jogo. Em Minas Gerais, a média é um pouco melhor (4.913). Já no Rio Grande do Sul, a média é de 3.485 torcedores por partida.

Nos Estaduais, a média de público do São Paulo é também disparada, até aqui, a maior entre os clubes. Dos 12 grandes, além do tricolor paulista, apenas o Palmeiras tem uma média superior a 20 mil torcedores.
Média de público dos 12 grandes nos Estaduais 2017:
São Paulo – 47.457 (2 jogos)
Palmeiras – 24.328 (2 jogos)
Atlético-MG – 17.270 (3 jogos)
Corinthians – 14.877 (2 jogos)
Botafogo – 10.621 (3 jogos)
Santos – 9.181 (3 jogos)
Grêmio – 8.580 (3 jogos)
Internacional – 8.536 (2 jogos)
Flamengo – 7.441 (3 jogos)
Vasco – 7.107 (3 jogos)
Cruzeiro – 4.538 (1 jogo)
Fluminense – 2.328 (2 jogos)


Corinthians: pior ataque entre os grandes em 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Com apenas três gols marcados em quatro jogos oficiais em 2017, o Corinthians tem a fraca média de 0,75 gol por partida. A pior entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro em 2017 e a segunda pior média entre os 20 clubes que irão disputar a Série A nesse ano.

Até aqui, o time treinado por Fábio Carille não conseguiu marcar mais de um gol numa só partida. Na estreia do Paulistão, contra o São Bento, venceu por 1 x 0, com gol de pênalti (duvidoso), de Jô. Depois, venceu a Caldense-MG, pela Copa do Brasil, também por 1 x 0, gol de cabeça do meia Rodriguinho. No terceiro jogo, no último sábado, o time perdeu para o Santo André, em casa, por 2 x 0, e perdeu um pênalti – cobrado por Jô. Ontem, venceu o Novorizontino por 1 x 0, em casa, com gol de cabeça do zagueiro Pablo. Três gols (um de pênalti e dois de cabeça) em quatro jogos, sendo apenas um de atacante (Jô).

Em 2016, o Corinthians marcou 101 em 67 jogos e teve média de 1,51 gols por partida. Em 2015, ano do último título, o Brasileirão, marcou 117 gols também em 67 jogos – média de 1,75 por jogo. Agora, nesse início de temporada, a média despencou para 0,75.

Dos 20 clubes da Série A de 2017, apenas a Chapecoense tem média de gols inferior a do Corinthians. O time catarinense, que ainda passa pelo processo de reformulação do elenco após a tragédia de Medellín, marcou 5 gols em 7 jogos (média de 0,71 por partida). Já o Internacional, que disputará a Série B, tem até aqui 8 gols em 6 jogos (média de 1,33 por jogo).

Por outro lado, o Santos é quem tem a melhor média de gols em jogos oficiais na temporada 2017. Em 3 jogos a equipe do técnico Dorival Júnior marcou 10 gols (3,33 por partida). O São Paulo, do técnico Rogério Ceni, marcou 11 gols em 4 jogos (2,75 por partida). No Paulistão, o tricolor marcou 10 gols em 3 jogos. Já o Flamengo, em 6 jogos, marcou 16 gols (média de 2,75 por jogo)

Melhores ataques dos clubes da Série A em 2017:

ClubeGolsJogosMédia
Santos1033,33
São Paulo1142,75
Flamengo1662,67
Vitória1972,71
Fluminense1972,71
Cruzeiro1362,17
Ponte Preta842,00
Atlético-MG951,80
Sport1271,71
Bahia1271,71
Vasco751,40
Atlético-PR861,33
Avaí1081,25
Botafogo871,14
Atlético-GO551,00
Grêmio441,00
Palmeiras331,00
Coritiba450,80
Corinthians340,75
Chapecoense570,71

 


Corinthians lidera ranking histórico de pontos do Paulistão
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Disputado desde 1902, o Paulistão é o campeonato mais antigo do Brasil. Desde então, 119 clubes já participaram do torneio e 17 deles já venceram o torneio. O Corinthians é o maior campeão com 27 títulos, contra 22 de Palmeiras e Santos e 20 do São Paulo e 11 do extinto Paulistano, até hoje o único a conseguir um tetracampeonato. O Palmeiras é o clube com mais vices (26), seguido por Corinthians (21), São Paulo (19), Santos (11) e Paulistano (10).

Desde 1902, somando todos os pontos, ano a ano (dois até 1994 e três a partir de 1995), o Corinthians é o clube que mais pontuou – e é também o que mais jogou o Paulistão (102 vezes). O alvinegro tem hoje 100 pontos  a mais do que o Palmeiras, segundo colocado. O Santos, que disputa sua 100ª edição do Paulista, é o terceiro colocado, à frente do São Paulo, que jogará em 2017 sua 80ª edição.

Ranking de pontos do Campeonato Paulista (1902-2016). Em azul os clubes que disputam a Série A1 em 2017:

Pos.ClubePontosJogosParticipações
Corinthians36542485102
Palmeiras3554242299
Santos3330241599
São Paulo3204215079
Portuguesa2661223588
Guarani1980184564
Ponte Preta1673145850
Juventus1626184469
Botafogo1462143749
10ºAmérica1152121041
11ºFerroviária1150122538
12ºXV de Piracicaba1089120240
13ºNoroeste910101533
14ºPortuguesa Santista874105345
15ºSão Bento81191930
16ºXV de Jaú78190626
17ºMogi Mirim77665327
18ºComercial (RP)74183328
19ºInternacional71970423
20ºYpiranga69584747
21ºSanto André65860822
22ºItuano55646623
23ºMarília52060422
24ºPaulistano51435428
25ºPaulista49552324
26ºRio Branco48540718
27ºJabaquara/Hespanha48170130
28ºBragantino46842018
29ºUnião São João45041218
30ºNacional/SP Railway39954423
31ºSão José38738213
32ºTaubaté38146814
33ºSão Caetano33623813
34ºNovorizontino31833110
35ºSC Internacional30637029
36ºAA São Bento29234121
37ºGermânia26333327
38ºComercial (SP)24438416
39ºAA Palmeiras24329223
40ºLinense22523510
41ºAraçatuba1811878
42ºSírio17621314
43ºUnião Barbarense1731388
44ºFrancana1662065
45ºMirassol1521156
46ºSão Paulo da Floresta149915
47ºOeste1431217
48ºPrudentina1391746
49ºAtlético Santista1301297
50ºTaquaritinga1211324
51ºMatonense1201035
52ºSãocarlense1151084
53ºAmericano107869
54ºSão Paulo Athletic10610511
São Bento1061244
56ºCatanduvense1021817
São Bernardo102684
58ºMackenzie9913113
Olímpia991084
Guaratinguetá99784
61ºMinas Gerais951259
62ºEsportiva Guaratinguetá901204
63ºRio Claro86684
64ºGrêmio Barueri79573
65ºAudax74493
66ºPenapolense63523
67ºEstudantes61504
68ºAntarctica60694
69ºGrêmio Prudente57402
70ºAtlético Sorocaba55624
71ºRio Preto54491
72ºIndependência49413
73ºRed Bull Brasil46161
74ºRadium42582
Saad42542
76ºParaguaçuense41301
77ºCampos Elíseos38303
78ºSão Caetano E.C.33272
Sertãozinho33382
80ºPortuguesa/Mackenzie28503
América (SP)28522
Luzitano28696
83ºSílex27334
84ºCapivariano26151
85ºUnião Lapa24312
86ºBandeirante23380
Corinthians (PP)23341
Americana23191
89ºVelo Clube21381
Grêmio Novorizontino21161
91ºAuto-Audax19202
92ºIndependência/Sant’Anna18221
93ºPaulista (SP)17473
94ºÁgua Santa16161
95ºBrás15191
96ºMonte Azul15191
97ºPrimeiro de Maio14242
98ºAlpargatas13121
Humberto I13262
100ºMaranhão12192
Sírio Libanês12121
102ºRepública11121
103ºWanderers10202
Vicentino10202
Alumni1081
106ºTremembé9121
Jardim América9141
108ºOrdem e Progresso8252
109ºÍtalo771
Payssandu791
Barra Funda7101
Corinthians (SBC)7131
113ºAlbion6111
114ºHydecroft581
Ruggerone5121
116ºCA Internacional4192
117ºBritânia2141
Sant’Anna2121
119ºIndependente021

Os jogadores que estão há mais tempo nos clubes brasileiros
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Maior caso de fidelidade do futebol mundial, o atacante italiano Francesco Totti, de 40 anos, está completando 24 anos de sua estreia pela Roma, seu único clube na carreira. Entre os jogadores brasileiros na Europa, quem está há mais tempo em um único clube é o zagueiro Luisão, que defende Benfica-POR desde agosto de 2003 (13 anos e cinco meses).

Já no futebol brasileiro, entre os 40 clubes que estão nas Série A e B do Brasileirão, o goleiro Fábio, do Cruzeiro, é quem está há mais tempo em um único clube. Depois de jogar na Raposa em 1999 e 2000, Fábio foi para o Vasco, onde atuou de 2000 a 2004. Depois, voltou ao Cruzeiro em janeiro de 2005 e desde então segue no time, completando agora 12 anos. Com 705 jogos disputados com a camisa da Raposa, Fábio é o jogador com mais partidas disputadas na história do clube.

Depois de Fábio, o outro mais longevo da lista também é goleiro: Magrão, do Sport, no clube desde 2005. Outro é Marcelo Grohe, do Grêmio. O titular da equipe de Renato Gaúcho e campeão da última Copa do Brasil fez sua estreia como profissional em janeiro de 2006, completando agora 11 anos de clube. Com 302 jogos com a camisa do tricolor gaúcho, Grohe é o segundo goleiro com mais partidas disputadas pelo clube, atrás apenas de Danrlei (594 jogos).

Jogadores que estão há mais tempo nos clubes da Séries A do Brasileirão, além do Internacional:
Cruzeiro
– Fábio (desde jan/2005) – 12 anos
Sport – Magrão (desde jun/2005) – 11 anos e 7 meses
Grêmio – Marcelo Grohe, goleiro (desde jan/2006) – 11 anos
São Paulo – Denis, goleiro (desde mai/2009) – 7 anos e 8 meses
Botafogo –
Jefferson, goleiro (desde ago/2009) – 7 anos e 5 meses
Fluminense –
Gum, zagueiro (desde ago/2009) – 7 anos e 5 meses
Atlético-PR –
Deivid, volante (desde jan/2010) – 7 anos
Corinthians
– Danilo, meia (desde jan/2010) – 7 anos
Santos
– Vladimir, goleiro (desde jan/2010) – 7 anos
Atlético-MG –
Leonardo Silva, zagueiro, e Giovanni, goleiro (desde jan/2011) – 6 anos
Chapecoense – Neném, meia (desde jan/2011) – 6 anos
Vasco –
Luan, zagueiro (desde set/2012) – 5 anos e 4 meses
Avaí –
Marquinhos, meia (desde jan/2013) – 4 anos
Flamengo –
Gabriel, meia-atacante (desde jan/2013) – 4 anos
Palmeiras –
Fernando Prass, goleiro (desde jan/2013) – 4 anos
Coritiba – Carlinhos, lateral esquerdo (desde out/2013) – 3 anos e 3 meses
Inter –
Valdívia, meia-atacante (desde nov/2013) – 3 anos e 2 meses
Vitória –
José Welinton, volante (desde jan/2014) – 3 anos
Atlético-GO – Marcus Winícius, volante (desde abr/2014) – 2 anos e 9 meses
Ponte Preta – 
Jeferson, lateral direito (desde jan/2015) – 2 anos
Bahia – Yuri, volante (desde jan/2015) – 2 anos


São Paulo e Palmeiras: grandes com as maiores secas de títulos estaduais
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Até os anos 1990, os Campeonatos Estaduais eram prioridade para os grandes clubes do Brasil, que muitas vezes só disputavam o Brasileirão na mesmo ano – com exceção dos poucos que jogavam a Copa Libertadores. Desde então, com a Copa do Brasil, torneios sul-americanos e a constante participação na Libertadores, os Estaduais nos principais estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul), acabaram relegados ao segundo plano. Ainda assim, a conquista deles acaba servindo para livrar os clubes de pequenas crises, ganhar um dinheiro extra com premiação e aumentar a lista de títulos, sem falar, é claro, na satisfação de qualquer torcedor. Por outro lado, a derrota numa decisão, num clássico decisivo ou uma eliminação precoce, ainda que o Estadual não seja prioridade, por gerar uma crise, muitas vezes ocasionando a demissão de um treinador antes do início do Brasileirão.

Para piorar, o jejum de títulos vira também um incômodo para as equipes. No Sul, o Internacional ganhou 12 dos 16 Gaúchos no século XXI, contra apenas quatro do Grêmio. Assim, abriu sua vantagem de títulos estaduais para nove sobre o rival (45 a 36). Além disso, venceu as últimas seis edições, deixando o Grêmio em um de seus maiores jejuns de estaduais. Já o Colorado, brigará em 2017 por seu segundo hexa – o outro foi entre 1969 e 1976.

Em Minas Gerais, o Atlético-MG perdeu a última final para o América-MG, mas segue na liderança de títulos no estado com 43 conquistas, cinco a mais do que o Cruzeiro, que tem 38 títulos. No século XXI, porém, a Raposa está na frente nas conquistas (oito a cinco).

No Rio de Janeiro, o Flamengo segue como o maior campeão estadual e também como o melhor do século. São 33 títulos no geral e sete no século, contra 31 do Fluminense (três no século), 24 do Vasco (três no século) e 20 do Botafogo (três no século).

Em São Paulo, o Santos é o grande destaque no século, ou mais especificamente nos últimos 11 anos. Desde 2006, o time ganhou sete títulos e foi vice em mais três edições – disputou as últimas oito finais. Assim, o Peixe subiu para o segundo lugar no ranking de títulos (22), ao lado do Palmeiras. O São Paulo caiu para o quarto lugar com 21, enquanto o Corinthians lidera com 27 conquistas.

Entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro, São Paulo e Palmeiras são aqueles então com as maiores secas de títulos estaduais. O Tricolor, campeão pela última vez em 2005, já está na fila há 11 anos e se aproxima de seu maior jejum no Paulistão, que é de 13 anos, entre 1957 e 1970. O Palmeiras, campeão em 2008, já não vence o Estadual há oito anos, sua terceira maior fila. O Verdão ficou 17 anos sem títulos entre 1976 e 1993, depois, 12 anos entre 1996 e 2008. E nos últimos 20 anos, ganhou apenas um título (2008).

Maiores jejuns de títulos estaduais entre os 12 grandes na atualidade:
11 anos
São Paulo (último título em 2005)

8 anos
Palmeiras (último título em 2008)

6 anos
Grêmio (último título em 2010)

4 anos
Fluminense (último título em 2012)

3 anos
Botafogo (último título em 2013)
Corinthians (último título em 2013)

2 anos
Cruzeiro (último título em 2014)
Flamengo (último título em 2014)

1 ano
Atlético-MG (último título em 2015)

0 ano
Internacional (hexacampeão gaúcho)
Santos (bicampeão paulista)
Vasco (bicampeão carioca)

Maiores jejuns de títulos estaduais entre os 12 grandes na história:
23 anos
Corinthians (1954-1977)

22 anos
Santos (1984-2006)

21 anos
Botafogo (1968-1989)

17 anos
Palmeiras (1976-1993)

14 anos
Grêmio (1932-1946)

13 anos
São Paulo (1957-1970)

12 anos
Flamengo (1927-1939)
Fluminense (1924-1936)
Vasco (1958-1970 e 2003-2015)

11 anos
Atlético-MG (1915-1926)
Cruzeiro (1945-1956)

8 anos
Internacional (1961-1969)


São Paulo: melhor brasileiro no ranking de pontos da Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Começa hoje a 58ª edição da Copa Libertadores da América, que este ano terá o número recorde de 47 participantes. Entre eles, seis estreantes (Atlético Tucumán-ARG, Sport Boys-BOL, Chapecoense-BRA, Deportivo Capiatá-PAR, Carabobo-VEN e Zulia-VEN).

Desde 1960, ano da primeira edição, 199 clubes já disputaram o torneio sul-americano e o Nacional do Uruguai é o time que mais somou pontos (554), contra 539 do seu rival Peñarol. Os dois clubes, que juntos têm oito títulos, são também os dois que mais disputaram a Libertadores – estou indo para a 44ª participação.

Entre os brasileiros, o São Paulo é o clube com mais pontos até 2016 (316) e também o que mais vezes participou da competição (18). O Cruzeiro, com 285, é o segundo brasileiro com mais pontos em 15 participações. Na sequência, aparecem Grêmio (265) e Palmeiras (263), que vão disputar o torneio pela 17ª vez.

Clube brasileiro também com mais jogos disputados (179, contra 155 do Grêmio), é também o brasileiro com mais vitórias (90, contra 86 do Cruzeiro). Já a Raposa é quem mais fez gols (278, contra 276 do São Paulo). Em termos de aproveitamento de pontos, o Cruzeiro também é o melhor entre os brasileiros (64,2%, contra 63,3% do Santos e 60,4% do Corinthians).

Ranking de pontos da Copa Libertadores entre 1960 e 2016:

Pos.ClubePaísPontos
NacionalUruguai554
PeñarolUruguai539
River PlateArgentina538
Boca JuniorsArgentina484
OlimpiaParaguai408
Cerro PorteñoParaguai390
América de CaliColômbia322
Colo-ColoChile321
São PauloBrasil316
10ºBolívarBolívia314
11ºUniversidad CatólicaChile291
12ºCruzeiroBrasil285
13ºUniversitarioPeru267
14ºGrêmioBrasil265
15ºPalmeirasBrasil263
16ºSporting CristalPeru241
IndependienteArgentina241
18ºBarcelonaEquador240
19ºAtlético NacionalColômbia239
20ºVélez SarsfieldArgentina233
21ºDeportivo CaliColômbia215
22ºEmelecEquador213
EstudiantesArgentina213
24ºCorinthiansBrasil203
25ºUniversidad de ChileChile200
26ºSantosBrasil190
27ºInternacionalBrasil188
28ºLDU QuitoEquador184
29ºEl NacionalEquador183
FlamengoBrasil183
31ºLibertadParaguai171
32ºThe StrongestBolívia165
33ºSan LorenzoArgentina157
34ºCobreloaChile150
35ºRosario CentralArgentina143
36ºAlianza LimaPeru139
37ºGuaraníParaguai133
38ºRacingArgentina129
39ºMillonariosColômbia127
40ºAméricaMéxico124
41ºDefensorUruguai118
Unión EspañolaChile118
43ºAtlético-MGBrasil117
44ºJuniorColômbia115
Indep. Santa FéColômbia115
46ºDeportivo TáchiraVenezuela113
47ºNewell’s Old BoysArgentina110
48ºOriente PetroleroBolívia105
49ºJorge WilstermannBolívia100
50ºVascoBrasil99
FluminenseBrasil90
52ºChivas GuadalajaraMéxico89
53ºCaracasVenezuela86
54ºOnce CaldasColômbia73
55ºIndependiente MedellínColômbia71
56ºDeportes TolimaColômbia65
57ºDeportivo QuitoEquador64
58ºPortuguesaVenezuela62
59ºLanúsArgentina60
60ºAtlético-PRBrasil57
TigresMéxico57
62ºDeportivo Petare/ItáliaVenezuela54
63ºMontevideo WanderersUruguai53
64ºCruz AzulMéxico51
65ºSão CaetanoBrasil50
66ºBloomingBolívia48
BotafogoBrasil48
68ºDanubioUruguai46
Bella VistaUruguai46
ArsenalArgentina46
71ºDeportivo CuencaEquador45
72ºSol de AméricaParaguai44
73ºArgentinos JuniorsArgentina43
HuracánArgentina43
75ºNacionalParaguai42
76ºBanfieldArgentina41
77ºCiencianoPeru40
78ºAtlasMéxico39
TolucaMéxico39
80ºIndependiente del ValleEquador38
81ºEstudiantesVenezuela37
PalestinoChile37
83ºGuaraniBrasil36
84ºGaliciaVenezuela33
MinervénVenezuela33
86ºJuan AurichPeru32
Pumas UNAMMéxico32
88ºUnión Atlético TáchiraVenezuela31
89ºCúcuta DeportivoColômbia30
90ºMoreliaMéxico29
91ºSantos LagunaMéxico28
92ºO’HigginsChile25
OlmedoEquador25
94ºSan JoséBolívia24
Santiago WanderersChile24
96ºBahiaBrasil23
SportBrasil23
98ºReal PotosíBolívia22
99ºMunicipalBolívia21
Audax ItalianoChile21
Universidad de Los AndesVenezuela21
102ºMaracaiboVenezuela20
Universidad San MartínPeru20
Unión HuaralPeru20
Ferro Carril OesteArgentina20
CriciúmaBrasil20
107ºProgresoUruguai19
TijuanaMéxico19
109ºMarítimoVenezuela18
GoiásBrasil18
TigreArgentina18
JaguaresMéxico18
113ºCoritibaBrasil17
PaysanduBrasil17
115ºSport BoysPeru16
Gimnasia La PlataArgentina16
ConcepciónChile16
Real GarcilasoPeru16
119ºMelgarPeru15
EvertonChile15
ColegialesParaguai15
122ºMinerosVenezuela14
LeónMéxico14
Universidad CatólicaEquador14
PachucaMéxico14
AméricaEquador14
ParanáBrasil14
128ºSan LuisMéxico13
Sportivo LuqueñoParaguai13
MonterreyMéxico13
ColónArgentina13
Defensor LimaPeru13
133ºUniversitarioBolívia12
Godoy CruzArgentina12
CerroUruguai12
Boyacá ChicóColômbia12
12 de OctubreParaguai12
RacingUruguai12
NecaxaMéxico12
San CristóbalVenezuela12
141º9 de OctubreEquador11
FénixUruguai11
CobresalChile11
ValdézEquador11
PortuguésVenezuela11
146ºValenciaVenezuela10
QuilmesArgentina10
148ºPepeganga MargaritaVenezuela9
149ºZamoraVenezuela8
Santo AndréBrasil8
HuachipatoChile8
152ºChaco PetroleroBolívia7
GuabiráBolívia7
Unión MagdalenaColômbia7
BucaramangaColômbia7
MagallanesChile7
Alfonso UgartePeru7
JuventudeBrasil7
River PlateUruguai7
31 de OctubreBolívia7
161ºDeportivo AnzoáteguiVenezuela6
Defensor AricaPeru6
PaulistaBrasil6
ESPOLIEquador6
165ºDeportivo IquiqueChile5
Técnico UniversitarioEquador5
TrujillanosVenezuela5
NáuticoBrasil5
Unión San FelipeChile5
TalleresArgentina5
León de HuánucoPeru5
CanariasVenezuela5
LaraVenezuela5
RochaUruguai5
175ºUniversidad de CajamarcaPeru4
San AgustínPeru4
Deportivo LaraVenezuela4
Coquimbo UnidoChile4
RangersChile4
180ºTacuaryParaguai3
La PazBolívia3
Deportivo TuluáColômbia3
183ºUniversidad César VallejoPeru2
Coronel BolognesiPeru2
BanguBrasil2
Universidad de ConcepciónChile2
Universitario (LP)Bolívia2
188ºAuroraBolívia1
PueblaMéxico1
LiverpoolUruguai1
Sport HuancayoPeru1
FilanbancoEquador1
TorinoPeru1
Atlético ChalacoPeru1
LitoralBolívia1
Always ReadyBolívia1
197ºDeportivo MunicipalPeru0
Estudiantes TecosMéxico0
EverestEquador0

Vices do Brasileirão têm retrospecto melhor na Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Desde o início do Campeonato Brasileiro, em 1971, apenas quatro campeões que representaram o país no ano seguinte na Libertadores conseguiram conquistar o título sul-americano. O primeiro deles foi o Flamengo, campeão brasileiro pela primeira vez em 1980 e também da Libertadores justamente em seu ano de estreia, em 1981. O primeiro, sob o comando do técnico Cláudio Coutinho. Já o segundo título com Paulo César Carpegiani.

Na década seguinte, o São Paulo fez a dobradinha em 1991 (Brasileirão) e 1992 (Libertadores), ambos com o técnico Telê Santana. Já o Vasco, do técnico Antônio Lopes, repetiu a dose em 1997 (Brasileiro) e 1998 (Libertadores). Já em 2011 e 2012, foi a vez de o Corinthians de Tite faturar os dois títulos na sequência, sendo o único time da era dos pontos corridos a conseguir tal feito.

O Palmeiras, bicampeão em 1972 e 1973, foi eliminado já na primeira fase nas edições de 1973 e 1974 respectivamente. Em 1994, como campeão de 1993, caiu nas oitavas de final para o São Paulo. Já em 1995, como campeão brasileiro de 1994, foi eliminado pelo Grêmio nas quartas de final.

Já cinco times foram campeões da Libertadores vindo da Copa do Brasil ou da antiga Taça Brasil. O Santos, campeão da Taça Brasil em 1961, venceu a Libertadores no ano seguinte. Em 1963, o Peixe repetiu a façanha, mas classificou-se para a Libertadores daquele ano como defensor do título e não como campeão da Taça Brasil de 1962. Já na Copa do Brasil, os campeões que levaram a Libertadores no ano seguinte foram o Grêmio (1994/1995), Cruzeiro (1996/1997), Palmeiras (1998/1999) e Santos (2010/2011).

E dos outros cinco brasileiros campeões da Libertadores, ganharam o torneio como vice-campeões brasileiros: Cruzeiro (1975/1976), Grêmio (1982/1983), Internacional (2005/2006 e 2009/2010) e Atlético-MG (2012/2013). Já o São Paulo de 2005 foi campeão da Libertadores vindo como 3º do Brasileirão de 2004.

Dos 45 campeões do Brasileirão que representaram o país na Libertadores do ano seguinte, suas colocações foram as essas na competição sul-americana:
4 campeões
2 vice-campeões
1 semifinal
3 fase semifinal
14 quartas de final
8 oitavas de final
13 primeira fase

Desempenho dos campeões brasileiros na Libertadores do ano seguinte:
1971 – Atlético-MG (caiu na 1ª fase)
1972 – Palmeiras (caiu na 1ª fase)
1973 – Palmeiras (caiu na 1ª fase)
1974 – Vasco (caiu na 1ª fase)
1975 – Internacional (caiu na 1ª fase)
1976 – Internacional (caiu na fase semifinal)
1977 – São Paulo (caiu na 1ª fase)
1978 – Guarani (caiu na fase semifinal)
1979 – Internacional (vice-campeão)
1980 – Flamengo (campeão)
1981 – Grêmio (caiu na 1ª fase)
1982 – Flamengo (caiu na 1ª fase)
1983 – Flamengo (caiu na fase semifinal)
1984 – Fluminense (caiu na 1ª fase)
1985 – Coritiba (caiu na 1ª fase)
1986 – São Paulo (caiu na 1ª fase)
1987 – Flamengo (não participou)
1987 – Sport (caiu na 1ª fase)
1988 – Bahia (caiu nas quartas de final)
1989 – Vasco (caiu nas quartas de final)
1990 – Corinthians (caiu nas oitavas de final)
1991 – São Paulo (campeão)
1992 – Flamengo (caiu nas quartas de final)
1993 – Palmeiras (caiu nas oitavas de final)
1994 – Palmeiras (caiu nas quartas de final)
1995 – Botafogo (caiu nas oitavas de final)
1996 – Grêmio (caiu nas quartas de final)
1997 – Vasco (campeão)
1998 – Corinthians (caiu nas quartas de final)
1999 – Corinthians (caiu na semifinal)
2000 – Vasco (caiu nas quartas de final)
2001 – Atlético-PR (caiu na 1ª fase)
2002 – Santos (vice-campeão)
2003 – Cruzeiro (caiu nas oitavas de final)
2004 – Santos (caiu nas quartas de final)
2005 – Corinthians (caiu nas oitavas de final)
2006 – São Paulo (caiu nas oitavas de final)
2007 – São Paulo (caiu nas quartas de final)
2008 – São Paulo (caiu nas quartas de final)
2009 – Flamengo (caiu nas quartas de final)
2010 – Fluminense (caiu nas oitavas de final)
2011 – Corinthians (campeão)
2012 – Fluminense (caiu nas quartas de final)
2013 – Cruzeiro (caiu nas quartas de final)
2014 – Cruzeiro (caiu nas quartas de final)
2015 – Corinthians (caiu nas oitavas de final)

Já os vice-campeões do Brasileirão desde 1971 tiveram desempenho melhor. E isso que os vices entre 1989 e 1997 não disputaram o torneio (a segunda vaga era do campeão da Copa do Brasil naqueles anos). E o retrospecto dos 36 vices foi esse:
5 campeões
3 vice-campeões
2 semifinal
4 fase semifinal
5 quartas de final
7 oitavas de final
10 primeira fase

Desempenho dos vice-campeões brasileiros na Libertadores do ano seguinte:
1971 – São Paulo (caiu na fase semifinal)
1972 – Botafogo (caiu na fase semifinal)
1973 – São Paulo (vice-campeão)
1974 – Cruzeiro (caiu na fase semifinal)
1975 – Cruzeiro (campeão)
1976 – Corinthians (caiu na 1ª fase)
1977 – Atlético-MG (caiu na fase semifinal)
1978 – Palmeiras (caiu na 1ª fase)
1979 – Vasco (caiu na 1ª fase)
1980 – Atlético-MG (caiu na 1ª fase)
1981 – São Paulo (caiu na 1ª fase)
1982 – Grêmio (campeão)
1983 – Santos (caiu na 1ª fase)
1984 – Vasco (caiu na 1ª fase)
1985 – Bangu (caiu na 1ª fase)
1986 – Guarani (caiu na 1ª fase)
1987 – Internacional (não disputou)
1987 – Guarani (caiu nas oitavas de final)
1988 – Internacional (caiu na semifinal)
1989 – São Paulo (não disputou)
1990 – São Paulo (não disputou)
1991 – Bragantino (não disputou)
1992 – Botafogo (não disputou)
1993 – Vitória (não disputou)
1994 – Corinthians (não disputou)
1995 – Santos (não disputou)
1996 – Portuguesa (não disputou)
1997 – Palmeiras (não disputou)
1998 – Cruzeiro (caiu nas oitavas de final, mas entrou como campeão da Libertadores)
1999 – Atlético-MG (caiu nas quartas de final)
2000 – São Caetano (caiu nas oitavas de final)
2001 – São Caetano (vice-campeão)
2002 – Corinthians (caiu nas oitavas de final)
2003 – Santos (caiu nas quartas de final)
2004 – Atlético-PR (vice-campeão)
2005 – Internacional (campeão)
2006 – Internacional (caiu na 1ª fase)
2007 – Santos (caiu nas quartas de final)
2008 – Grêmio (caiu na semifinal)
2009 – Internacional (campeão)
2010 – Cruzeiro (caiu nas oitavas de final)
2011 – Vasco (caiu nas quartas de final)
2012 – Atlético-MG (campeão)
2013 – Grêmio (caiu nas oitavas de final)
2014 – São Paulo (caiu nas oitavas de final)
2015 – Atlético-MG (caiu nas quartas de final)

Mais posts do Futebol em Números:
Atacante Jô pode ter companhia de mais uma estrela em sua carreira
Os brasileiros com mais gols pelos grandes clubes da Europa
Felipe Melo ou Fernandinho: quem leva mais cartões?
Kazim: 43º gringo a vestir a camisa do Corinthians
Luis Suárez deixa Neymar para trás nos números pelo Barcelona


Atacante Jô pode ter companhia de mais uma estrela em sua carreira
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Jogador mais jovem a vestir a camisa do Corinthians, o atacante Jô estreou pelo clube no dia 19 de julho de 2003, quando tinha apenas 16 anos, 3 meses e 25 dias, na vitória sobre o Guarani pelo Brasileirão daquele ano. Um mês depois, fez um gol contra o Internacional, na vitória por 3 x 1, e se tornou o mais jovem a marcar um gol pelo alvinegro paulista.

Dois anos depois, em 2005, Jô se despediu do Corinthians após o título do Brasileirão, com 115 jogos disputados e 18 gols marcados. Vendido ao CSKA Moscou-RUS por cerca de 5 milhões de euros, o atacante jogou dois anos e meio por lá antes de ser comprado pelo Manchester City-ING por 24 milhões de euros. Na Inglaterra, porém, não se firmou nos Citizens para o Everton-ING e depois para o Galatasaray-TUR. Em 2011, voltou ao Brasil para atuar pelo Internacional. Depois, passou por Atlético-MG, Al-Shabab-EAU e Jiangsu Suning-CHN até retornar ao Corinthians, onde fará sua reestreia hoje, diante do Vasco, pela Florida Cup.

Aos 29 anos, sendo 13 deles como profissional por nove diferentes clubes, o atacante Jô soma 520 jogos e 154 gols, incluindo suas 20 participações e seus cinco gols com a camisa da Seleção Brasileira, que defendeu em 2007 e 2008 e depois em 2013 e 2014. E nessa sua carreira, desde 2003, Jô teve o privilégio de atuar ao lado de consagrados atacantes e outros com passagens em grandes clubes. Agora, em 2017, com a possível chegada do marfinense Drogba ao Corinthians, Jô poderá incluir mais uma estrela na lista de nobres companheiros de ataque.

Corinthians (2003 a 2005)
Liedson, Tévez e Nilmar

CSKA Moscou-RUS (2006 a 2008)
Vágner Love e Olic

Manchester City-ING (2008/09 e 2010/11)
Robinho, Sturridge, Tévez, Adebayor, Santa Cruz, Dzeko e Balotelli

Everton-ING (2009 e 2010)
Louis Saha e Tim Cahill

Galatasaray-TUR (2010)
Milan Baros, Keita e Giovanni dos Santos

Internacional (2010 e 2011)
Leandro Damião, Rafael Sóbis e Alecsandro

Atlético-MG (2012 e 2015)
Ronaldinho Gaúcho, Diego Tardelli e Lucas Pratto

Jiangsu Suning-CHN (2016)
Alex Teixeira

Seleção Brasileira (2007 e 2008)
Robinho, Ronaldinho Gaúcho, Alexandre Pato e Luis Fabiano

Seleção Brasileira (2013 e 2014)
Neymar, Fred, Lucas Moura, Hulk

Mais posts do Futebol em Números:
Os brasileiros com mais gols pelos grandes clubes da Europa
Felipe Melo ou Fernandinho: quem leva mais cartões?
Kazim: 43º gringo a vestir a camisa do Corinthians
Corinthians não perde desde 2014 pela Copinha
Luis Suárez deixa Neymar para trás nos números pelo Barcelona