Futebol em Números

Arquivo : Santos

Os mandantes mais temidos do Brasileirão 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Em 14 edições do Campeonato Brasileiro na era dos pontos corridos, desde 2003, seis campeões foram os clubes com as melhores campanhas como mandantes na competição – Cruzeiro (2003, 2013 e 2014), Santos (2004), São Paulo (2007) e Corinthians (2015). Nas outras edições, os melhores mandantes não ficaram com o título, mas chegaram entre os primeiros: Palmeiras (4º em 2005); Santos (4º em 2006); Cruzeiro (3º em 2008); Corinthians (3º em 2010) e Atlético-MG (2º em 2012). Apenas Grêmio (8º em 2009), Coritiba (8º em 2011) e Atlético-PR (6º em 2016), não ficaram entre os quatro primeiros.

Se este histórico for mantido, dois times (Grêmio e Santos) têm motivos para ficarem otimistas. A duplas leva a melhor contra os todos 19 times da elite do Brasileirão, quando joga em casa, levando-se em conta o desempenho desde o início da competição em 1971.

O Grêmio, jogando em Porto Alegre (no antigo estádio Olímpico) e em sua nova Arena, tem um aproveitamento contra os adversários que estão na Série A de 2017 de 66,2% dos pontos. Contra alguns grandes, chega a ter um desempenho excelente. Diante do Flamengo, foram 16 vitórias e apenas 2 derrotas. Contra o Corinthians, 19 vitórias e 5 derrotas.

Já o Santos, atuando na Vila Belmiro (na maioria dos jogos), ou em São Paulo, também é superior a todos os rivais da Série A desse ano. Em 382 jogos em casa, venceu 202, empatou 110 e perdeu 70 – 62,5% de aproveitamento Contra Vitória (17 jogos) e Atlético-PR (20 jogos), o Peixe nunca foi derrotado em casa.

Clubes que mais levam vantagem sobre os 19 adversários da Série A de 2017 em casa (desde 1971):
Vantagem em 19 confrontos:
Grêmio e Santos

Vantagem em 18 confrontos:
Atlético-MG, Atlético-PR e Botafogo

Vantagem em 17 confrontos:
Flamengo e Palmeiras

Vantagem em 16 confrontos:
Corinthians, Cruzeiro e São Paulo

Vantagem em 15 confrontos:
Coritiba e Fluminense

Vantagem em 14 confrontos:
Ponte Preta e Vasco

Vantagem em 13 confrontos:
Bahia e Sport

Vantagem em 9 confrontos:
Chapecoense e Vitória

Vantagem em 7 confrontos:
Avaí

Vantagem em 4 confrontos:
Atlético-GO


Retrospecto dos clubes, em casa, contra os adversários da Série A de 2017 (desde 1971):

Atlético-GO   
versus…VED
Atlético-MG112
Atlético-PR002
Avaí011
Bahia102
Botafogo102
Chapecoense
Corinthians102
Coritiba111
Cruzeiro201
Flamengo022
Fluminense103
Grêmio112
Palmeiras210
Ponte Preta010
Santos202
São Paulo220
Sport001
Vasco212
Vitória200
Atlético-MG   
versus…VED
Atlético-GO220
Atlético-PR1146
Avaí310
Bahia1041
Botafogo1156
Chapecoense300
Corinthians11712
Coritiba1722
Cruzeiro13511
Flamengo1595
Fluminense1393
Grêmio1386
Palmeiras1249
Ponte Preta971
Santos2094
São Paulo1095
Sport1152
Vasco1555
Vitória1462
Atlético-PR   
versus…VED
Atlético-GO200
Atlético-MG1155
Avaí211
Bahia721
Botafogo1223
Chapecoense220
Corinthians667
Coritiba852
Cruzeiro685
Flamengo1571
Fluminense865
Grêmio986
Palmeiras685
Ponte Preta714
Santos874
São Paulo1391
Sport751
Vasco954
Vitória924
Avaí   
versus…VED
Atlético-GO110
Atlético-MG022
Atlético-PR302
Bahia011
Botafogo111
Chapecoense100
Corinthians301
Coritiba122
Cruzeiro031
Flamengo311
Fluminense212
Grêmio205
Palmeiras113
Ponte Preta100
Santos121
São Paulo121
Sport020
Vasco111
Vitória110
Bahia   
versus…VED
Atlético-GO220
Atlético-MG586
Atlético-PR543
Avaí100
Botafogo754
Chapecoense001
Corinthians789
Coritiba291
Cruzeiro628
Flamengo7116
Fluminense496
Grêmio865
Palmeiras366
Ponte Preta431
Santos655
São Paulo753
Sport551
Vasco554
Vitória776
Botafogo
versus…VED
Atlético-GO210
Atlético-MG1374
Atlético-PR937
Avaí310
Bahia574
Chapecoense110
Corinthians1369
Coritiba1113
Cruzeiro1196
Flamengo8117
Fluminense995
Grêmio1258
Palmeiras974
Ponte Preta523
Santos1248
São Paulo1476
Sport731
Vasco484
Vitória573
Chapecoense   
versus…VED
Atlético-GO
Atlético-MG120
Atlético-PR220
Avaí010
Bahia100
Botafogo200
Corinthians003
Coritiba210
Cruzeiro111
Flamengo102
Fluminense210
Grêmio112
Palmeiras210
Ponte Preta020
Santos111
São Paulo111
Sport210
Vasco100
Vitória002
Corinthians
versus…VED
Atlético-GO111
Atlético-MG1486
Atlético-PR766
Avaí220
Bahia862
Botafogo6108
Chapecoense210
Coritiba1332
Cruzeiro1398
Flamengo1487
Fluminense1288
Grêmio1487
Palmeiras9710
Ponte Preta1021
Santos13128
São Paulo14610
Sport643
Vasco9144
Vitória1540
Coritiba   
versus…VED
Atlético-GO101
Atlético-MG1033
Atlético-PR1155
Avaí202
Bahia841
Botafogo1085
Chapecoense301
Corinthians967
Cruzeiro868
Flamengo1027
Fluminense1152
Grêmio1158
Palmeiras873
Ponte Preta631
Santos1038
São Paulo958
Sport852
Vasco578
Vitória851
Cruzeiro
versus…VED
Atlético-GO310
Atlético-MG9138
Atlético-PR976
Avaí220
Bahia1652
Botafogo1766
Chapecoense111
Corinthians12610
Coritiba962
Flamengo1366
Fluminense1147
Grêmio1542
Palmeiras1473
Ponte Preta642
Santos6711
São Paulo6815
Sport1112
Vasco11105
Vitória1422
Flamengo   
versus…VED
Atlético-GO301
Atlético-MG1757
Atlético-PR1324
Avaí220
Bahia543
Botafogo11142
Chapecoense201
Corinthians14810
Coritiba1353
Cruzeiro11610
Fluminense10710
Grêmio16107
Palmeiras10911
Ponte Preta362
Santos1896
São Paulo1376
Sport1243
Vasco996
Vitória1433
Fluminense
versus…VED
Atlético-GO211
Atlético-MG1068
Atlético-PR918
Avaí400
Bahia1233
Botafogo986
Chapecoense012
Corinthians896
Coritiba1064
Cruzeiro12116
Flamengo10610
Grêmio10115
Palmeiras9610
Ponte Preta730
Santos1938
São Paulo1057
Sport1244
Vasco779
Vitória834
Grêmio
versus…VED
Atlético-GO220
Atlético-MG1274
Atlético-PR1541
Avaí310
Bahia570
Botafogo1095
Chapecoense201
Corinthians1945
Coritiba1454
Cruzeiro1275
Flamengo1692
Fluminense1536
Palmeiras9146
Ponte Preta933
Santos1564
São Paulo1476
Sport1741
Vasco1966
Vitória1362
Palmeiras   
versus…VED
Atlético-GO102
Atlético-MG1337
Atlético-PR952
Avaí310
Bahia1045
Botafogo1575
Chapecoense300
Corinthians6105
Coritiba955
Cruzeiro1297
Flamengo1096
Fluminense1425
Grêmio1552
Ponte Preta513
Santos101112
São Paulo10115
Sport825
Vasco1294
Vitória1050
Ponte Preta
versus…VED
Atlético-GO100
Atlético-MG463
Atlético-PR336
Avaí100
Bahia211
Botafogo334
Chapecoense020
Corinthians752
Coritiba721
Cruzeiro316
Flamengo553
Fluminense623
Grêmio662
Palmeiras633
Santos613
São Paulo537
Sport621
Vasco462
Vitória721
Santos   
versus…VED
Atlético-GO120
Atlético-MG1364
Atlético-PR1640
Avaí320
Bahia925
Botafogo11115
Chapecoense300
Corinthians1157
Coritiba1232
Cruzeiro14511
Flamengo12125
Fluminense1165
Grêmio16113
Palmeiras9106
Ponte Preta933
São Paulo1589
Sport1051
Vasco15104
Vitória1250
São Paulo
versus…VED
Atlético-GO210
Atlético-MG1578
Atlético-PR1363
Avaí211
Bahia743
Botafogo1956
Chapecoense111
Corinthians4186
Coritiba1093
Cruzeiro2573
Flamengo1694
Fluminense2076
Grêmio1868
Palmeiras8159
Ponte Preta1211
Santos1728
Sport1710
Vasco1065
Vitória1420
Sport   
versus…VED
Atlético-GO010
Atlético-MG692
Atlético-PR751
Avaí101
Bahia436
Botafogo844
Chapecoense012
Corinthians947
Coritiba841
Cruzeiro776
Flamengo744
Fluminense763
Grêmio863
Palmeiras658
Ponte Preta410
Santos855
São Paulo874
Vasco256
Vitória631
Vasco
versus…VED
Atlético-GO210
Atlético-MG13106
Atlético-PR1240
Avaí310
Bahia5106
Botafogo1384
Chapecoense001
Corinthians986
Coritiba1135
Cruzeiro1078
Flamengo1198
Fluminense8138
Grêmio1273
Palmeiras867
Ponte Preta651
Santos12114
São Paulo8810
Sport424
Vitória843
Vitória
versus…VED
Atlético-GO020
Atlético-MG787
Atlético-PR942
Avaí201
Bahia330
Botafogo1135
Chapecoense011
Corinthians455
Coritiba821
Cruzeiro547
Flamengo557
Fluminense596
Grêmio1024
Palmeiras448
Ponte Preta132
Santos925
São Paulo729
Sport622
Vasco1243

 

 


As maiores goleadas dos brasileiros na Libertadores como visitantes
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Nesta semana, o Atlético-MG conseguiu a maior goleada de um clube brasileiro na Libertadores ao bater o Sport Boys, da Bolívia, por 5 x 1, na cidade de Warnes, próxima a Santa Cruz de la Sierra. A goleada foi também a maior do Galo fora de casa em sua história na competição, superando os 5 x 2 sobre o Arsenal de Sarandí-ARG, em 2013.

O resultado do Atlético-MG da última quarta-feira chegou perto também da maior goleada de um clube brasileiro como visitante na história da Libertadores, desde 1960, que foi o 6 x 0 do Fluminense sobre o Deportivo Itália-VEN, em 1961. O 5 x 1 do Galo foi a terceira maior vitória de um time brasileiro fora de casa em 58 edições do torneio sul-americano.

As maiores goleados dos clubes brasileiros fora do país na Libertadores, desde 1960:
17/2/1961 – Deportivo Italia-VEN 0 x 6 Fluminense (fase de grupos)
27/3/2003 – Cerro Porteño-PAR 2 x 6 Paysandu (fase de grupos)
13/2/1965 – Universidad de Chile-CHI 1 x 5 Santos (fase de grupos)
3/5/2017 – Sport Boys-BOL 1 x 5 Atlético-MG (fase de grupos)
25/2/2003 – América de Cali-COL 1 x 5 Santos (fase de grupos)
12/5/1976 – Alianza Lima-PER 0 x 4 Cruzeiro (fase de grupos)
17/7/1977 – Portuguesa-VEN 0 x 4 Cruzeiro (fase de grupos)
4/3/1997 – Alianza Lima-PER 0 x 4 Grêmio (fase de grupos)
17/4/2015 – Universidad de Chile-CHI 0 x 4 Internacional (fase de grupos)
13/3/1979 – Universitario-PER 2 x 5 Palmeiras (fase de grupos)
3/3/1999 – Cerro Porteño-PAR 2 x 5 Palmeiras (fase de grupos)
27/3/2013 – Arsenal-ARG 2 x 5 Atlético-MG (fase de grupos)
14/3/2001 – Sport Boys-PER 1 x 4 Palmeiras (fase de grupos)
25/3/2003 – 12 de Octubre-PAR 1 x 4 Santos (fase de grupos)
26/5/2004 – Deportivo Táchira-VEN 1 x 4 São Paulo (quartas de final)
16/3/2011 – Jorge Wilstermann-BOL 1 x 4 Internacional (fase de grupos)
30/8/1962 – Penãrol-URU 0 x 3 Santos (final)*
22/2/1967 – Deportivo Italia-VEN 0 x 3 Cruzeiro (fase de grupos)
10/2/1971 – Deportivo Italia-VEN 0 x 3 Palmeiras (fase de grupos)
28/2/1979 – Alianza Lima-PER 0 x 3 Guarani (fase de grupos)
22/10/1982 – River Plate-ARG 0 x 3 Flamengo (fase semifinal)
3/4/1984 – Junior-COL 0 x 3 Santos (fase de grupos)
29/6/1984 – ULA-VEN 0 x 3 Flamengo (fase de grupos)
17/3/1992 – San José-BOL 0 x 3 São Paulo (fase de grupos)
25/4/1995 – Olimpia-PAR 0 x 3 Grêmio (oitavas de final)
16/2/2000 – Alianza Lima-PER 0 x 3 Atlético-PR (fase de grupos)
14/3/2001 – América de Cali-COL 0 x 3 Vasco (fase de grupos)
28/3/2002 – Alianza Lima-PER 0 x 3 São Caetano (fase de grupos)
10/8/2008 – Cienciano-PER 0 x 3 Flamengo (fase de grupos)
6/5/2010 – Nacional-URU 0 x 3 Cruzeiro (oitavas de final)
14/4/2011 – Estudiantes-ARG 0 x 3 Cruzeiro (fase de grupos)
* campo neutro

As maiores goleadas dos times brasileiros como visitantes, no Brasil, na Libertadores:
20/4/1984 – Santos 0 x 5 Flamengo (fase de grupos)
28/8/1963 – Botafogo 0 x 4 Santos (semifinal)
25/3/1979 – Palmeiras 1 x 4 Guarani (fase de grupos)
21/2/2013 – Fluminense 0 x 3 Grêmio (fase de grupos)
16/5/1996 – Corinthians 0 x 3 Grêmio (quartas de final)


Faltam 188 gols oficiais para Messi superar Pelé
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Autor de dois gols na vitória do Barcelona sobre o Real Sociedad, por 3 x 2, ontem, Messi chegou a marca de 498 gols oficiais pelo clube catalão. Maior artilheiro da história do Campeonato Espanhol com 341 gols, o argentino tem também 94 gols pela Liga dos Campeões (onde é o 2º maior artilheiro, atrás de Cristiano Ronaldo, que marcou 98 gols), 43 pela Copa do Rei da Espanha, 12 pela Supercopa Espanhola, 5 pelo Mundial de Clubes e 3 pela Supercopa Europeia.

Maior artilheiro da história do Barcelona, com esses 498 gols, Messi tem também 58 gols pela seleção argentina, onde também é o maior goleador de todos os tempos. Assim, o atacante, prestes a completar 30 anos, soma em sua carreira profissional, desde 2004, 556 gols em 692 jogos.

Pelé, em sua carreira, contando apenas jogos oficiais, marcou 743 gols em 818 jogos. Quando completou 30 anos, Pelé tinha 635 gols em 578 jogos. Ou seja, 79 gols a mais do que Messi com 114 jogos a menos. Dos 30 aos 37 anos, Pelé fez mais 108 gols, totalizando seus 743 gols oficiais. Para alcançar Pelé, Messi precisará marcar então mais 188 gols oficiais. Se jogar até os 37 anos, como Pelé, Messi terá ainda mais oito temporadas pela frente para tentar chegar a essa marca.

Nas primeiras seis temporadas de cada, Pelé marcou sempre mais gols por ano. No total, nesses seis primeiros anos de cada (dos 17 aos 22 anos), Pelé teve um início muito mais arrasador. Foram 316 gols contra apenas 110 de Messi. Dos 23 aos 30 anos, porém, Messi marcou mais gols. Foram 446 gols do argentino contra 321 gols de Pelé nesse período.

Em 2016, em sua 13ª temporada, Messi teve uma média de gols de 0,95 por partida. Pelé, também em sua 13ª temporada, teve média de 0,90. Agora, em 2017, está em 0,92 por jogo contra 0,43 de Pelé em 1970.

Em suas últimas sete temporadas, Messi marcou em média 60 gols pelo Barcelona e seleção argentina por ano. Só em 2017, foram 23 gols em apenas 25 jogos. Se conseguir marcar mais 23 gols esse ano e, em média, mais 23 gols por temporada, até 2024, Messi poderá superar Pelé. Seria quase 1/3 da sua média de gols nessas últimas sete temporadas. Resta saber, porém, se Messi vai jogar até os 37 anos, como Pelé, e se vai conseguir atingir essa meta de gols até 2024. Pelé, em suas últimas sete temporadas, teve uma média de 15 gols por ano entre Santos, seleção brasileira e Cosmos-EUA.

Jogos e gols oficiais de Pelé ano a ano (Santos, Seleção Brasileira e Cosmos-EUA)

PeléAnoJogosGolsMédia
1ª temp.195726240,92
2ª temp.195853751,42
3ª temp.195949631,29
4ª temp.196042380,90
5ª temp.196138621,63
6ª temp.196240541,35
7ª temp.196344521,18
8ª temp.196438541,42
9º temp.196553721,36
10ª temp.196628190,68
11ª temp.196732240,75
12ª temp.196848340,71
13ª temp.196952470,90
14ª temp.197044190,43
15ª temp.19714280,19
16ª temp.197237140,38
17ª temp.197340250,63
18ª temp.197436160,44
19ª temp.19751470,50
20ª temp.197630190,63
21ª temp.197732170,53

 

Jogos e gols oficiais de Messi ano a ano (Barcelona e Seleção Argentina)

MessiAnoJogosGolsMédia
1ª temp.2004700
2ª temp.20052130,14
3ª temp.200633130,39
4ª temp.200755310,56
5ª temp.200848220,46
6ª temp.200965410,63
7ª temp.201063600,95
8ª temp.201170590,84
9º temp.201269911,32
10ª temp.201347450,96
11ª temp.201466580,88
12ª temp.201561510,84
13ª temp.201662590,95
14ª temp.201725230,92

 


Fred: maior artilheiro dos times da Série A em 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Artilheiro do Campeonato Mineiro com 9 gols, o atacante Fred é o maior artilheiro entre os 20 clubes que vão disputar a Série A do Brasileirão em 2017. Com 12 gols em 11 jogos na temporada, Fred só não marcou em dois jogos no ano – contra Tombense e Tupi, pelo Estadual. O camisa 99 do Galo fez ainda um gol pela Libertadores (contra o Godoy Cruz-ARG) e outro na Primeira Liga (contra o Joinville).

No ano passado, Fred marcou também 12 gols pelo Atlético, porém, em 28 jogos. Agora, tem os mesmos 12 gols, mas em 11 jogos. No total, o atacante soma 24 gols em 39 jogos pelo Galo. Robinho, o artilheiro do time em 2016 com 26 gols, tem na atual temporada apenas um gol.

Entre os outros clubes, depois de Fred, quem mais marcou foi Henrique Dourado, atacante do Fluminense com 9 gols, seguido por Rafael Sóbis, do Cruzeiro, que tem 8 gols. Dos times paulistas, dois jogadores do São Paulo e dois da Ponte Preta têm 7 gols cada (Cueva e Gilberto, pelo Tricolor, e Lucca e Pottker, pela Ponte).

Entre os times da Série B, os destaques são Léo Gamalho (Goiás) e Brenner (Internacional), ambos com 11 gols.

Artilheiros dos times da Série A em 2017:
Atlético-MG – Fred (12 gols em 11 jogos)
Fluminense – Henrique Dourado (9 gols em 13 jogos)
Rafael Sóbis – Cruzeiro (8 gols em 12 jogos)
Avaí – Denílson (7 gols em 13 jogos)
Flamengo – Guerrero (7 gols em 10 jogos)
Ponte Preta – Lucca e William Pottker (7 gols em 12 e 13 jogos)
São Paulo – Cueva e Gilberto (7 gols em 11 e 9 jogos)
Sport – Rogério (7 gols em 13 jogos)
Vitória – Kieza (7 gols em 14 jogos)
Bahia – Régis (6 gols em 10 jogos)
Vasco – Nenê (6 gols em 13 jogos)
Atlético-GO – Jorginho (5 gols em 8 jogos)
Chapecoense – Atlético-MG
Corinthians – Jô (5 gols em 14 jogos)
Coritiba – Kléber (5 gols em 8 jogos)
Grêmio – Bolãnos (5 gols em 10 jogos)
Atlético-PR – Matheus Anjos (4 gols em 5 jogos)
Botafogo – Roger (4 gols em 11 jogos)
Palmeiras – Willian (4 gols em 13 jogos)
Santos – Vítor Bueno (4 gols em 12 jogos)


Novas arenas: Palmeiras supera Corinthians no desempenho dos clássicos
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Corinthians e Palmeiras inauguram seus novos estádios em 2014 e desde então vêm tendo um aproveitamento muito bom em casa, principalmente nos clássicos. Na Arena Corinthians, inaugurada dia 18 de maio de 2014, o alvinegro disputou 16 clássicos, com 10 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, com um aproveitamento de 68%. Vitorioso em seus quatro primeiros jogos, o Corinthians foi perder sua invencibilidade em clássicos em Itaquera na 7ª partida, para o Palmeiras. Em 16 jogos, o alvinegro marcou 26 gols (1,63 por jogo) e sofreu 13 gols (0,81). Agora, em 2017, nos dois jogos que fez em casa, o Corinthians conseguiu duas vitórias (1 x 0 sobre Palmeiras e Santos). Diante dos rivais, o Corinthians ainda não perdeu para o São Paulo em casa (4 vitórias e 1 empate e 14 gols feitos). Contra o Palmeiras, foram 2 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. E diante do Santos, foram 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota.

Já o Palmeiras, que inaugurou seu estádio no dia 19 de novembro de 2014, já disputou 12 jogos no Allianz Parque. Com a vitória sobre o São Paulo, por 3 x 0, no último sábado, o alviverde chegou a 8 vitórias em casa, 2 empates e apenas uma derrota – para o Corinthians no primeiro clássico realizado lá. Assim, o time já soma 11 clássicos sem derrota em casa – sete vitórias e quatro empates. Em 12 jogos em casa, o Palmeiras marcou 21 gols (1,75) e sofreu 7 gols (0,58) e tem um aproveitamento de 75% dos pontos disputados. Contra o Corinthians, foram três jogos, com 1 vitória, 1 empate e 1 derrota. Contra o Santos, foram 3 vitórias e 2 empates, além de um título na Copa do Brasil. Já contra o São Paulo, assim como o Corinthians, o Palmeiras não perdeu. Em quatro jogos, foram 4 vitórias e 12 gols marcados.

Desempenho do Palmeiras nos clássicos no Allianz Parque:
8/2/2015 – 0 x 1 Corinthians (Paulista)
25/3/2015 – 3 x 0 São Paulo (Paulista)
26/4/2015 – 1 x 0 Santos (Paulista)
28/6/2015 – 4 x 0 São Paulo (Brasileiro)
19/7/2015 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
6/9/2015 – 3 x 3 Corinthians (Brasileiro)
2/12/2015 – 2 x 1 Santos (Copa do Brasil)
20/2/2016 – 0 x 0 Santos (Paulista)
12/6/2016 – 1 x 0 Corinthians (Brasileiro)
12/7/2016 – 1 x 1 Santos (Brasileiro)
7/9/2016 – 2 x 1 São Paulo (Brasileiro)
11/3/2017 – 3 x 0 São Paulo (Paulista)

12 jogos, 8 vitórias, 3 empates, 1 derrota, 75% de aproveitamento

Desempenho do Corinthians nos clássicos na Arena Corinthians:
27/7/2014 – 2 x 0 Palmeiras (Brasileiro)
21/9/2014 – 3 x 2 São Paulo (Brasileiro)
9/11/2014 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
18/2/2015 – 2 x 0 São Paulo (Libertadores)
5/4/2015 – 1 x 1 Santos (Paulista)
19/4/2015 – 2 x 2 Palmeiras (Paulista)
31/5/2015 – 0 x 2 Palmeiras (Brasileiro)
26/8/2015 – 1 x 2 Santos (Copa do Brasil)
20/9/2015 – 2 x 0 Santos (Brasileiro)
22/11/2015 – 6 x 1 São Paulo (Brasileiro)
14/2/2016 – 2 x 0 São Paulo (Paulista)
1/6/2016 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
17/7/2016 – 1 x 1 São Paulo (Brasileiro)
17/9/2016 – 0 x 2 Palmeiras (Brasileiro)
22/2/2017 – 1 x 0 Palmeiras (Paulista)
4/3/2017 – 1 x 0 Santos (Paulista)

16 jogos, 10 vitórias, 3 empates, 3 derrotas, 68% de aproveitamento

 


Grêmio: brasileiro com o elenco mais experiente em Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Começa hoje a fase de grupos da Copa Libertadores de 2017 com 32 equipes. Destas, oito são do Brasil, um recorde na história da competição. Entre os participantes brasileiros, estão cinco ex-campeões (Santos, Flamengo, Grêmio, Palmeiras e Atlético-MG), dois clubes que vieram da fase preliminar (Atlético-PR e Botafogo) e um estreante, a Chapecoense.

E dos elencos desses oito times brasileiros que vão jogar a Libertadores em 2017, o Grêmio é aquele com mais jogadores que já disputaram o torneio. São 23 no total, além do técnico Renato Gaúcho, que já foi campeão como jogador, pelo próprio Grêmio, em 1983, e vice-campeão como técnico, pelo Fluminense, em 2008. Entre os jogadores do Tricolor gaúcho que mais vezes disputaram o torneio estão os recém-contratados Leonardo Moura e Gastón Fernández, com 5 vezes cada, além de Marcelo Grohe e Bolaños, também com cinco participações cada. E dos 23 jogadores do Grêmio que já disputaram a Libertadores, três já foram campeões: Gastón Fernández, pelo Estudiantes-ARG, em 2009, Douglas, pelo Corinthians, em 2012, e Kannemann, pelo San Lorenzo-ARG, em 2014.

Em seguida, depois do Grêmio, o Palmeiras é o time brasileiro com mais jogadores com experiência na Libertadores. São 21, contando os dois campeões pelo Atlético Nacional-COL na última edição: o volante Guerra e o atacante Borja. Eles se juntam também a outros três ex-campeões do torneio: Jean, campeão pelo São Paulo, em 2005, que está indo para a sua oitava participação, Alecsandro, bicampeão por Inter e Galo, e Willian, campeão pelo Corinthians.

No Atlético-MG, são 20 jogadores que já disputaram o torneio, incluindo quatro ex-campeões do torneio pelo Galo em 2013: Victor, Giovanni, Marcos Rocha, Carlos César, Luan e Leonardo Silva. Lucas Cândido participou daquele grupo, mas não foi inscrito na fase de grupos. Outro ex-campeão é Fábio Santos, que levou o torneio pelo São Paulo e pelo Corinthians.

Na sequência, o Flamengo é quem aparece com mais jogadores (16), sendo quatro ex-campeões, seguido pelo Atlético-PR, com 9 jogadores. O Furacão, que conta com três ex-campeões, é o único dos brasileiros que conta com um técnico que já venceu a competição: Paulo Autuori, campeão pelo Cruzeiro (1997) e São Paulo (2005). Já Santos, Botafogo e Chapecoense têm apenas oito jogadores com experiência na Libertadores.

Jogadores dos clubes brasileiros que estão na Libertadores de 2017 e que já disputaram o torneio anteriormente:

Grêmio (23)
Leonardo Moura, lateral direito (5 part., 36 jogos)
Gastón Fernández, atacante (5 part., 33 jogos) – campeão pelo Estudiantes-ARG (2009)
Marcelo Grohe, goleiro (5 part., 23 jogos)
Bolaños, atacante (5 part., 22 jogos)
Douglas, meia (4 part., 27 jogos) – campeão pelo Corinthians (2012)
Lucas Barríos, atacante (4 part., 17 jogos)
Fernandinho, atacante (3 part., 17 jogos)
Marcelo Oliveira, lateral esquerdo (3 part., 15 jogos)
Maicon, volante (3 part., 13 jogos)
Maxi Rodríguez, meia (3 part., 13 jogos)
Bressan, zagueiro (3 part., 9 jogos)
Edílson, lateral direito (3 part., 9 jogos)
Luan, atacante (2 part., 15 jogos)
Ramiro, volante (2 part., 11 jogos)
Geromel, zagueiro (2 part., 10 jogos)
Kannemann, zagueiro (2 part., 10 jogos) – campeão pelo San Lorenzo-ARG (2014)
Bruno Cortez, lateral esquerdo (1 part., 6 jogos)
Éverton, atacante (1 part., 5 jogos)
Lincoln, meia (1 part., 5 jogos)
Pedro Rocha, atacante (1 part., 3 jogos)
Wallace, lateral direito (1 part., 3 jogos)
Lucas Coelho, atacante (1 part., 2 jogos)
Gabriel, zagueiro (1 part., 1 jogo)
Renato Gaúcho, técnico (1 part., 14 jogos)

Palmeiras (21)
Guerra, volante (8 part., 40 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Jean, lateral direito (7 part., 45 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005)
Alecsandro, atacante (6 part., 44 jogos) – campeão pelo Inter (2010) e Atlético-MG (2013)
Edu Dracena (5 part., 38 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Arouca (5 part., 41 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Zé Roberto, lateral esquerdo (4 part., 33 jogos)
Fernando Prass, goleiro (4 part., 28 jogos)
Mina, zagueiro (3 part., 20 jogos)
Egídio, lateral esquerdo (3 part., 20 jogos)
Dudu, atacante (3 part., 15 jogos)
Willian, atacante (3 part., 26 jogos) – campeão pelo Corinthians (2012)
Michel Bastos, meia (2 part., 20 jogos)
Felipe Melo, volante (2 part., 9 jogos)
Borja, atacante (2 part., 8 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Vítor Hugo, zagueiro (1 part., 6 jogos)
Keno, atacante (1 part., 5 jogos)
Thiago Santos, volante (1 part., 3 jogos)
Rafael Marques, atacante (1 part., 2 jogos)
Erik, atacante (1 part., 2 jogos)
Fabiano, lateral direito (1 part., 1 jogo)
Thiago Martins, zagueiro (1 part., 1 jogo)

Atlético-MG (20)
Leonardo Silva (7 part., 64 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Fábio Santos, lateral esquerdo (7 part., 48 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005) e Corinthians (2012)
Victor, goleiro (6 part., 55 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Robinho, atacante (4 part., 38 jogos)
Marcos Rocha, lateral direito (4 part., 32 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Rafael Moura, atacante (4 part., 23 jogos)
Otero, meia (4 part., 11 jogos)
Luan, atacante (3 part., 25 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Elias, volante (3 part., 23 jogos)
Fred, atacante (3 part., 19 jogos)
Carlos Eduardo, meia (3 part., 17 jogos)
Lucas Cândido, volante (3 part., 4 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Adílson, volante (2 part., 20 jogos)
Rafael Carioca, volante (2 part., 17 jogos)
Giovanni, goleiro (2 part., 2 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Cazares, atacante (1 part., 7 jogos)
Maicosuel, meia (1 part., 5 jogos)
Clayton, atacante (1 part., 4 jogos)
Uilson, goleiro (1 part., 1 jogo)
Carlos César, lateral direito (1 part., 1 jogo) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Roger Machado, técnico (1 part., 8 jogos)

Flamengo (16)
Réver, zagueiro (5 part., 39 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Pará, lateral direito (4 part., 29 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Leandro Damião, atacante (4 part., 28 jogos) – campeão pelo Internacional (2010)
Conca, meia (3 part., 28 jogos)
Berrío, atacante (3 part., 20 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Diego, meia (2 part., 23 jogos)
Donatti, zagueiro (2 part., 15 jogos)
Guerrero, atacante (2 part., 12 jogos)
Juan, zagueiro (2 part., 11 jogos)
Márcio Araújo, volante (1 part., 8 jogos)
Rômulo, volante (1 part., 8 jogos)
Éverton, meia (1 part., 6 jogos)
Cuellar, volante (1 part., 5 jogos)
Gabriel, atacante (1 part., 5 jogos)
Marcelo Cirino, atacante (1 part., 4 jogos)
Mancuello, meia (1 part., 2 jogos)

Atlético-PR (9)
Lucho González, volante (5 part., 37 jogos) – campeão pelo River Plate (2015)
Jonathan, lateral direito (4 part., 38 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Thiago Heleno (3 part., 24 jogos)
Grafite, atacante (3 part., 23 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005)
Paulo André, zagueiro (3 part., 14 jogos)
Léo, lateral direito (2 part., 5 jogos)
Weverton, goleiro (1 part., 8 jogos)
Cléberson, zagueiro (1 part., 7 jogos)
Rafael Galhardo, lateral direito (1 part., 1 jogo)
Paulo Autouri, técnico (4 part., 36 jogos) – campeão pelo Cruzeiro (1997) e São Paulo (2005)

Botafogo (8)
Canales, atacante (3 part., 14 jogos)
Aírton, volante (2 part., 3 jogos)
Jefferson, goleiro (1 part., 8 jogos)
Gatito Fernández, goleiro (1 part., 8 jogos)
Gílson, lateral esquerdo (1 part., 7 jogos)
Joel, atacante (1 part., 5 jogos)
João Paulo, meia (1 part., 4 jogos)
Roger, atacante (1 part., 1 jogo) – campeão pelo São Paulo (2005)

Chapecoense (8)
Wellington Paulista, atacante (3 part., 24 jogos)
Diego Renan, lateral esquerdo (2 part., 16 jogos)
Zeballos, zagueiro (2 part., 10 jogos)
Dodô, meia (2 part., 4 jogos)
Luiz Antônio, volante (1 part., 8 jogos)
Reinaldo, lateral esquerdo (1 part. 7 jogos)
Apodi, lateral direito (1 part., 4 jogos)
Artur, goleiro (1 part., 1 jogo)
Vágner Mancini, técnico (1 part., 5 jogos)

Santos (8)
Thiago Ribeiro, atacante (5 part., 40 jogos)
Leandro Donizete, volante (4 part., 33 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Copete, atacante (4 part., 30 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Renato, volante (3 part., 24 jogos)
Ricardo Oliveira, atacante (3 part., 17 jogos)
Vecchio, meia (3 part., 15 jogos)
David Braz, zagueiro (2 part., 11 jogos)
Vladimir Hernández, meia (2 part., 6 jogos)
Dorival Júnior, técnico (1 part., 5 jogos)

 


Santos leva vantagem sobre Corinthians no século XXI
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Clássico mais antigo do estado de São Paulo, Corinthians x Santos é disputado desde 1913. Desde então, o alvinegro da capital leva ampla vantagem no confronto. Em 322 jogos, foram 128 vitórias do Corinthians, 91 empates e 103 vitórias do Santos. São 25 vitórias a mais do Corinthians. Nos clássicos contra os outros rivais, o Corinthians tem quatro vitórias a menos do que o Palmeiras e 21 vitórias a mais do que o São Paulo.

Ultimamente, porém, o Peixe vem levando a melhor no clássico alvinegro. No século XXI, em 59 confrontos, o Santos venceu 26 (44% deles), empatou 14 e perdeu 19. Na última década de 10, foram 11 vitórias do Peixe, 9 empates e 9 vitórias do Corinthians. Nos últimos 8 jogos, o Santos ganhou 5, incluindo a última partida, pelo Brasileirão (2 x 1, na Vila Belmiro), empatou um e o Corinthians venceu apenas duas. Nesse período, o atacante Ricardo Oliveira, que deverá jogar hoje na Arena Corinthians, marcou cinco gols, sendo o artilheiro recente do clássico. Pelo lado corintiano, Jadson é quem mais marcou nos últimos jogos (fez dois gols na vitória por 2 x 0 no Brasileirão de 2015).

No Paulistão, campeonato onde as duas equipes se enfrentam amanhã, às 18h30, na Arena Corinthians, o Santos não perde para o rival desde a primeira final de 2013. De lá, para cá, foram mais quatro jogos, com dois empates e duas vitórias santistas – contando a última, em 2016 (2 x 0, na Vila Belmiro). E dos últimos 10 jogos pelo Paulista, foram 4 vitórias do Santos, 4 empates e 2 do Corinthians.

Em mata-matas, no século XXI, a vantagem, porém, é corintiana. Em sete duelos eliminatórios ou de finais, o Peixe venceu três contra quatro do Corinthians. O Santos levou a melhor na final do Brasileiro de 2002, na final do Paulista de 2011 e nas oitavas de final da Copa do Brasil de 2015. Já o Corinthians superou o rival na semifinal do Paulistão de 2001, na final do Paulista de 2009, na semifinal da Libertadores de 2012 e na final do Paulista de 2013.

Quem levou a melhor no clássico Corinthians x Santos por décadas:
Década de 1910
9 jogos – Santos (4 vitórias), empates (3), Corinthians (2 vitórias)

Década de 1920
20 jogos – Corinthians (10 vitórias), Santos (6 vitórias), empates (4)

Década de 1930
30 jogos – Corinthians (19 vitórias), Santos (7 vitórias), empates (4)

Década de 1940
26 jogos – Corinthians (13 vitórias), Santos (9 vitórias), empates (4)

Década de 1950
36 jogos – Corinthians (14 vitórias), Santos (14 vitórias), empates (8)

Década de 1960
32 jogos – Santos (16 vitórias), empates (10), Corinthians (6 vitórias)

Década de 1970
35 jogos – Corinthians (13 vitórias), empates (17), Santos (5 vitórias)

Década de 1980
33 jogos – Corinthians (15 vitórias), empates (14), Santos (4 vitórias)

Década de 1990
41 jogos – Corinthians (17 vitórias), empates (12), Santos (12 vitórias)

Década de 2000
30 jogos – Santos (15 vitórias), Corinthians (10 vitórias), empates (5)

Década de 2010
29 jogos – Santos (11 vitórias), Corinthians (9 vitórias), empates (9)


Os maiores artilheiros em atividade dos 12 grandes
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Entre os doze grandes clubes do futebol brasileiro, o atacante Ricardo Oliveira, do Santos, é hoje o jogador em atividade dessas equipes com mais gols marcados: 80 em 134 jogos. Em duas passagens pelo clube da Vila Belmiro, o centroavante está bem à frente do segundo colocado no Peixe, o volante Renato, que marcou 30 gols, também em duas passagens pelo Santos. Thiago Ribeiro, que voltou ao clube após duas temporadas fora, é hoje o terceiro maior, seguido de perto por Vítor Bueno e Lucas Lima.

No São Paulo, o meia Cícero, que também volta ao clube em sua segunda passagem, é maior artilheiro, mas com apenas 16 gols. No Corinthians, o meia Danilo, longe do time há mais de seis meses por conta de uma lesão, é ainda o maior artilheiro com 33 gols, seguido por Jadson, que está de volta ao clube. Já no Palmeiras, Dudu, com apenas 26 gols, é o maior artilheiro do atual elenco.

No Rio de Janeiro, dois zagueiros com muitos jogos disputados lideram como os principais artilheiro de Flamengo e Fluminense. Pelo rubro-negro, Juan tem 29 gols, apenas um a mais do que o atacante peruano Guerrero. Já no Fluminense, Gum é o maior artilheiro do tricolor com 25 gols, dois a mais do que Gustavo Scarpa e Marcos Júnior. No Vasco, Nenê, com 35 gols, é o maior artilheiro, seguido de perto por Thalles (33). Já no Botafogo, Sassá lidera com 27 gols.

No Internacional, D’Alessandro, que voltou ao clube após uma temporada no River Plate-ARG, tem 77 gols. Bem à frente de Eduardo Sasha (29) e Valdívia (27). No Grêmio, Luan, com 41 gols, está bem próximo do líder Douglas (42). Já no Atlético-MG, Luan lidera com 36 gols. No Cruzeiro, Arrascaeta é maior artilheiro com 25 gols.

Santos
Ricardo Oliveira – 80 gols (134 jogos)
Renato – 30 gols (352 jogos)
Thiago Ribeiro – 22 gols (82 jogos)
Vítor Bueno – 18 gols (58 jogos)
Lucas Lima – 17 gols (161 jogos)

Palmeiras
Dudu – 26 gols (114 jogos)
Rafael Marques – 21 gols (105 jogos)
Alecsandro – 14 gols (56 jogos)
Victor Hugo – 13 gols (121 jogos)
Lucas Barrios – 13 gols (44 jogos)

Corinthians
Danilo – 33 gols (336 jogos)
Jadson – 24 gols (103 jogos)
Romero – 20 gols (107 jogos)
Jô – 19 gols (121 jogos)
Rodriguinho – 14 gols (85 jogos)

São Paulo
Cícero – 16 gols (97 jogos)
Lugano – 13 gols (202 jogos)
Chávez – 12 gols (25 jogos)
Rodrigo Caio – 11 gols (198 jogos)
Cueva – 9 gols (31 jogos)

Flamengo
Juan – 29 gols (289 jogos)
Guerreo – 28 gols (67 jogos)
Éverton – 28 gols (199 jogos)
Marcelo Cirino – 23 gols (94 jogos)
Gabriel – 21 gols (181 jogos)

Fluminense
Gum – 25 gols (354 jogos)
Gustavo Scarpa – 23 gols (109 jogos)
Marcos Júnior – 23 gols (151 jogos)
Marquinho – 21 gols (181 jogos)
Henrique Dourado – 8 gols (20 jogos)

Vasco
Nenê – 35 gols (87 jogos)
Thalles – 33 gols (136 jogos)
Éder Luiz – 30 gols (206 jogos)
Rodrigo – 18 gols (165 jogos)
Luan – 12 gols (170 jogos)

Botafogo
Sassá – 27 gols (96 jogos)
Rodrigo Pimpão – 14 gols (54 jogos)
Fernandes – 10 gols (69 jogos)
Camilo – 6 gols (33 jogos)
Bruno Silva – 5 gols (56 jogos)

Grêmio
Douglas – 42 gols (229 jogos)
Luan – 41 gols (170 jogos)
Pedro Rocha – 21 gols (88 jogos)
Éverton – 15 gols (96 jogos)
Ramiro – 9 gols (150 jogos)
Bolaños – 9 gols (33 jogos)

Internacional
D’Alessandro – 77 gols (346 jogos)
Eduardo Sasha – 29 gols (126 jogos)
Valdívia – 27 gols (131 jogos)
Ernando – 9 gols (165 jogos)
Paulão – 9 gols (140 jogos)

Atlético-MG
Luan – 36 gols (167 jogos)
Leonardo Silva – 28 gols (282 jogos)
Robinho – 25 gols (55 jogos)
Fred – 15 gols (32 jogos)
Marcos Rocha – 13 gols (262 jogos)

Cruzeiro
Arrascaeta – 25 gols (103 jogos)
Henrique – 23 gols (358 jogos)
Alisson – 19 gols (117 jogos)
Ábila – 18 gols (34 jogos)
Léo – 17 gols (227 jogos)

 


São Paulo ajuda a elevar média de público do Paulistão
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Depois de levar 50.952 torcedores na estreia do técnico Rogério Ceni, em casa, diante da Ponte Preta, o São Paulo voltou a ter casa cheia no Morumbi na última rodada. Contra o Mirassol, no empate por 2 x 2, o tricolor recebeu 43.961 pagantes, ficando assim como uma ótima média de 47.457 torcedores por jogo nesse início de campeonato.

Com isso, o São Paulo vem ajudando, e muito, para elevar a média de público do Paulistão. Até aqui, após quatro rodadas, o campeonato tem a média de 9.404 torcedores por jogo. Bem acima da últimas edições dez edições.
Média de público do Paulistão nos últimos anos
2007 – 5.400
2008 – 6.651
2009 – 6.034
2010 – 4.952
2011 – 5.882
2012 – 5.984
2013 – 6.271
2014 – 5.686
2015 – 7.607
2016 – 7.272
2017  – 9.404 (até a 4ª rodada).

A média de público do Paulistão (9.404) é também a maior entre os Estaduais de 2017. No Rio de Janeiro, que contou com uma fase preliminar, antes da entrada dos grandes times, a média é de apenas 2.556 torcedores por jogo. Em Minas Gerais, a média é um pouco melhor (4.913). Já no Rio Grande do Sul, a média é de 3.485 torcedores por partida.

Nos Estaduais, a média de público do São Paulo é também disparada, até aqui, a maior entre os clubes. Dos 12 grandes, além do tricolor paulista, apenas o Palmeiras tem uma média superior a 20 mil torcedores.
Média de público dos 12 grandes nos Estaduais 2017:
São Paulo – 47.457 (2 jogos)
Palmeiras – 24.328 (2 jogos)
Atlético-MG – 17.270 (3 jogos)
Corinthians – 14.877 (2 jogos)
Botafogo – 10.621 (3 jogos)
Santos – 9.181 (3 jogos)
Grêmio – 8.580 (3 jogos)
Internacional – 8.536 (2 jogos)
Flamengo – 7.441 (3 jogos)
Vasco – 7.107 (3 jogos)
Cruzeiro – 4.538 (1 jogo)
Fluminense – 2.328 (2 jogos)


Corinthians: pior ataque entre os grandes em 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Com apenas três gols marcados em quatro jogos oficiais em 2017, o Corinthians tem a fraca média de 0,75 gol por partida. A pior entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro em 2017 e a segunda pior média entre os 20 clubes que irão disputar a Série A nesse ano.

Até aqui, o time treinado por Fábio Carille não conseguiu marcar mais de um gol numa só partida. Na estreia do Paulistão, contra o São Bento, venceu por 1 x 0, com gol de pênalti (duvidoso), de Jô. Depois, venceu a Caldense-MG, pela Copa do Brasil, também por 1 x 0, gol de cabeça do meia Rodriguinho. No terceiro jogo, no último sábado, o time perdeu para o Santo André, em casa, por 2 x 0, e perdeu um pênalti – cobrado por Jô. Ontem, venceu o Novorizontino por 1 x 0, em casa, com gol de cabeça do zagueiro Pablo. Três gols (um de pênalti e dois de cabeça) em quatro jogos, sendo apenas um de atacante (Jô).

Em 2016, o Corinthians marcou 101 em 67 jogos e teve média de 1,51 gols por partida. Em 2015, ano do último título, o Brasileirão, marcou 117 gols também em 67 jogos – média de 1,75 por jogo. Agora, nesse início de temporada, a média despencou para 0,75.

Dos 20 clubes da Série A de 2017, apenas a Chapecoense tem média de gols inferior a do Corinthians. O time catarinense, que ainda passa pelo processo de reformulação do elenco após a tragédia de Medellín, marcou 5 gols em 7 jogos (média de 0,71 por partida). Já o Internacional, que disputará a Série B, tem até aqui 8 gols em 6 jogos (média de 1,33 por jogo).

Por outro lado, o Santos é quem tem a melhor média de gols em jogos oficiais na temporada 2017. Em 3 jogos a equipe do técnico Dorival Júnior marcou 10 gols (3,33 por partida). O São Paulo, do técnico Rogério Ceni, marcou 11 gols em 4 jogos (2,75 por partida). No Paulistão, o tricolor marcou 10 gols em 3 jogos. Já o Flamengo, em 6 jogos, marcou 16 gols (média de 2,75 por jogo)

Melhores ataques dos clubes da Série A em 2017:

ClubeGolsJogosMédia
Santos1033,33
São Paulo1142,75
Flamengo1662,67
Vitória1972,71
Fluminense1972,71
Cruzeiro1362,17
Ponte Preta842,00
Atlético-MG951,80
Sport1271,71
Bahia1271,71
Vasco751,40
Atlético-PR861,33
Avaí1081,25
Botafogo871,14
Atlético-GO551,00
Grêmio441,00
Palmeiras331,00
Coritiba450,80
Corinthians340,75
Chapecoense570,71