São Paulo – Futebol em Números http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br Aqui você que vê o futebol de uma maneira diferente. Números, estatísticas, dados, curiosidades, listas, recordes, traduzidos de maneira fácil para entender ainda melhor a história do futebol e o que rola dentro do campo. Fri, 21 Jul 2017 15:37:26 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Quais os clubes que mais trocaram de técnico no século XXI http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/quais-os-clubes-que-mais-trocaram-de-tecnico-no-seculo-xxi/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/20/quais-os-clubes-que-mais-trocaram-de-tecnico-no-seculo-xxi/#respond Thu, 20 Jul 2017 19:13:00 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1768 O Atlético-MG demitiu hoje o técnico Roger Machado. Foi a 11ª mudança de treinador na Série A do Brasileirão que está na 15ª rodada. Dos 20 clubes participantes, dez já mudaram de treinador durante a competição – o Atlético-PR já trocou duas vezes.

Na temporada 2017, metade dos 12 grandes clubes do país mudaram de treinador: Grêmio, Renato Gaúcho; Corinthians, Fábio Carille; Flamengo, Zé Ricardo; Botafogo, Jair Ventura; Cruzeiro, Mano Menezes; e Fluminense, Abel Braga).

No século XXI, desde 2001, os 12 maiores clubes do país têm a média de mais de uma troca por temporada. No caso do Flamengo, Vasco e Fluminense, a média é de duas trocas por ano. O Atlético-MG, que demitiu hoje o técnico Roger, já trocou 30 vezes de treinador neste século. O São Paulo, clube que menos trocas fez, vem também aumentando o número de mudanças no comando da equipe. Desde 2015, o time já teve sete diferentes treinadores. Dois só esse ano.

Lista dos clubes que mais trocaram de técnicos no século XXI
Flamengo (37 trocas, 24 técnicos)
Vasco (36 trocas, 23 técnicos)
Fluminense (34 trocas, 24 técnicos)
Internacional (31 trocas, 23 técnicos)
Atlético-MG (30 trocas, 21 técnicos)
Botafogo (28 trocas, 27 técnicos)
Palmeiras (26 trocas, 23 técnicos)
Cruzeiro (25 trocas, 21 técnicos)
Grêmio (24 trocas, 21 técnicos)
Corinthians (24 trocas, 18 técnicos)
Santos (23 trocas, 18 técnicos)
São Paulo (22 trocas, 18 técnicos)

Abaixo a lista de todas as mudanças nos 12 grandes clubes do futebol brasileiro desde 2001.

Corinthians (24 trocas, 18 técnicos)
Darío Pereyra (2001), Vanderlei Luxemburgo (2001), Carlos Alberto Parreira (2002), Júnior (2003), Geninho (2003), Juninho Fonseca (2003-2004), Oswaldo de Oliveira (2004), Tite (2004-2005), Márcio Bittencourt (2005), Daniel Passarella (2005), Antônio Lopes (2005-2006), Ademar Braga (2006), Geninho (2006), Émerson Leão (2006-2007), Paulo César Carpegiani (2007), Nelsinho Basptista (2007), Mano Menezes (2008-2010), Adílson Batista (2010), Tite (2010-2013), Mano Menezes (2014), Tite (2015-2016), Cristóvão Borges (2016), Oswaldo de Oliveira (2016) e Fábio Carille (2017)

Palmeiras (26 trocas, 23 técnicos)
Marco Aurélio (2001), Celso Roth (2001), Vanderlei Luxemburgo (2002), Murtosa (2002), Levir Culpi (2002), Jair Picerni (2003-2004), Estevam Soares (2004-2005), Paulo Bonamigo (2005), Candinho (2005), Émerson Leão (2005-2006), Marcelo Vilar (2006), Tite (2006), Jair Picerni (2006), Caio Júnior (2007), Vanderlei Luxemburgo (2008-2009), Muricy Ramalho (2009-2010), Antônio Carlos Zago (2010), Luiz Felipe Scolari (2010-2012), Gilson Kleina (2012-2014), Ricardo Gareca (2014), Dorival Júnior (2014), Oswaldo de Oliveira (2015), Marcelo Oliveira (2015-2016), Cuca (2016), Eduardo Baptista (2017) e Cuca (2017)

Santos (23 trocas, 18 técnicos)
Geninho (2001), Cabralzinho (2001), Celso Roth (2002), Émerson Leão (2002-2004), Vanderlei Luxemburgo (2004), Oswaldo de Oliveira (2005), Alexandre Gallo (2005), Nelsinho Baptista (2005), Vanderlei Luxemburgo (2006-2007), Émerson Leão (2008), Cuca (2008), Márcio Fernandes (2008-2009), Vágner Mancini (2009), Vanderlei Luxemburgo (2009), Dorival Júnior (2010), Adilson Batista (2011), Muricy Ramalho (2011-2013), Claudinei Oliveira (2013), Oswaldo de Oliveira (2014), Enderson Moreira (2014-2015), Marcelo Fernandes (2015), Dorival Júnior (2015-2017) e Levir Culpi (2017)

São Paulo (22 trocas, 18 técnicos)
Osvaldo Alvarez (2001), Nelsinho Baptista (2001-2002), Oswaldo de Oliveira (2002-2003), Roberto Rojas (2003), Cuca (2004), Émerson Leão (2004-2005), Paulo Autuori (2005), Muricy Ramalho (2006-2009), Ricardo Gomes (2009-2010), Paulo César Carpegiani (2010-2011), Adílson Batista (2011), Émerson Leão (2011-2012), Ney Franco (2012-2013), Paulo Autuori (2013), Muricy Ramalho (2013-2015), Juan Carlos Osório (2015), Doriva (2015), Edgardo Bauza (2016), Ricardo Gomes (2016), Rogério Ceni (2017) e Dorival Júnior (2017)

Botafogo (28 trocas, 27 técnicos)
Sebastião Lazaroni (2001), Dé (2001), Paulo Autuori (2001-2002), Abel Braga (2001-2002), Arthur Bernardes (2002), Ivo Wortmann (2002), Carlos Alberto Torres (2002), Levir Culpi (2003-2004), Mauro Galvão (2004), Paulo Bonamigo (2004-2005), Paulo César Gusmão (2005), Péricles Chamusca (2005), Celso Roth (2005), Carlos Roberto (2006), Cuca (2006-2007), Mário Sérgio (2007), Cuca (2007-2008), Geninho (2008), Ney Franco (2008-2009), Estevam Soares (2009-2010), Joel Santana (2010-2011), Caio Júnior (2011), Oswaldo de Oliveira (2012-2013), Eduardo Hungaro (2014), Vágner Mancini (2014), René Simões (2015), Ricardo Gomes (2015-2016) e Jair Ventura (2016-2017)

Flamengo (37 trocas, 24 técnicos)
Zagallo (2001), Carlos Alberto Torres (2001-2002), João Carlos Costa (2002), Lula Pereira (2002), Evaristo de Macedo (2002-2003), Nelsinho Baptista (2003), Oswaldo de Oliveira (2003), Waldemar Lemos (2003), Abel Braga (2004), Paulo César Gusmão (2004), Ricardo Gomes (2004), Júlio César Leal (2005), Cuca (2005), Celso Roth (2005), Andrade (2005), Joel Santana (2005), Valdir Espinosa (2006), Waldemar Lemos (2006), Ney Franco (2006-2007), Joel Santana (2007-2008), Caio Júnior (2008), Cuca (2009), Andrade (2009-2010), Rogério Lourenço (2010), Silas (2010), Vanderlei Luxemburgo (2010-2012), Joel Santana (2012), Dorival Júnior (2012-2013), Jorginho (2013), Mano Menezes (2013), Jaime de Almeida (2013-2014), Ney Franco (2014), Vanderlei Luxemburgo (2014-2015), Cristóvão Borges (2015), Oswaldo de Oliveira (2015), Muricy Ramalho (2016) e Zé Ricardo (2016-2017)

Fluminense (34 trocas, 24 técnicos)
Valdir Espinosa (2001), Oswaldo de Oliveira (2001-2002), Waldemar Lemos (2002), Robertinho (2002), Renato Gaúcho (2002-2003), Joel Santana (2003), Renato Gaúcho (2003), Valdir Espinosa (2004), Ricardo Gomes (2004), Alexandre Gama (2004), Abel Braga (2005), Ivo Wortmann (2006), Paulo Campos (2006), Oswaldo de Oliveira (2006), Antônio Lopes (2006), Paulo César Gusmão (2006-2007), Joel Santana (2007), Renato Gaúcho (2007-2008), Cuca (2008), René Simões (2008-2009), Carlos Alberto Parreira (2009), Renato Gaúcho (2009), Cuca (2009-2010), Muricy Ramalho (2010-2011), Abel Braga (2011-2013), Vanderlei Luxemburgo (2013), Dorival Júnior (2013), Renato Gaúcho (2014), Cristóvão Borges (2014-2015), Ricardo Drubscky (2015), Enderson Moreira (2015), Eduardo Baptista (2015-2016), Levir Culpi (2016) e Abel Braga (2017)

Vasco (36 trocas, 23 técnicos)
Joel Santana (2001), Hélio dos Anjos (2001), Paulo César Gusmão (2001), Evaristo de Macedo (2002), Antônio Lopes (2002-2003), Mauro Galvão (2003), Geninho (2004), Joel Santana (2004-2005), Darío Lourenço (2005), Renato Gaúcho (2005-2007), Celso Roth (2007), Romário (2007), Valdir Espinosa (2007), Romário (2007-2008), Alfredo Sampaio (2008), Antônio Lopes (2008), Tita (2008), Renato Gaúcho (2008), Dorival Júnior (2009), Vágner Mancini (2010), Gaúcho (2010), Celso Roth (2010), Paulo César Gusmão (2010-2011), Ricardo Gomes (2011), Cristovão Borges (2011-2012), Marcelo Oliveira (2012), Gaúcho (2012-2013), Paulo Autuori (2013), Dorival Júnior (2013), Adílson Batista (2013-2014), Joel Santana (2014), Doriva (2015), Celso Roth (2015), Jorginho Campos (2015-2016), Cristóvão Borges (2017) e Milton Mendes (2017)

Atlético-MG (30 trocas, 21 técnicos)
Abel Braga (2001), Levir Culpi (2001-2002), Geninho (2002), Celso Roth (2003), Marcelo Oliveira (2003), Procópio Cardoso (2003), Paulo Bonamigo (2004), Jair Picerni (2004), Mário Sérgio (2004), Procópio Cardoso (2004-2005), Tite (2005), Marco Aurélio (2005), Lori Sandri (2005-2006), Levir Culpi (2006-2007), Zetti (2007), Emerson Leão (2007), Geninho (2008), Alexandre Gallo (2008), Marcelo Oliveira (2008), Emerson Leão (2008-2009), Celso Roth (2009), Vanderlei Luxemburgo (2010), Dorival Júnior (2010-2011), Cuca (2011-2013), Paulo Autuori (2014), Levir Culpi (2014-2015), Diego Aguirre (2016), Marcelo Oliveira (2016) e Roger Machado (2017)

Cruzeiro (25 trocas, 21 técnicos)
Luiz Felipe Scolari (2001), Paulo César Carpegiani (2001), Ivo Wortmann (2001), Marco Aurélio (2001-2002), Vanderlei Luxemburgo (2002-2004), Paulo César Gusmão (2004), Émerson Leão (2004), Marco Aurélio (2004), Levir Culpi (2005), Paulo César Gusmão (2005-2006), Oswaldo de Oliveira (2006), Paulo Autuori (2007), Dorival Júnior (2007), Adílson Batista (2008-2010), Cuca (2010-2011), Joel Santana (2011), Emerson Ávila (2011), Vágner Mancini (2011-2012), Celso Roth (2012), Marcelo Oliveira (2013-2015), Vanderlei Luxemburgo (2015), Mano Menezes (2015), Deivid (2016), Paulo Bento (2016) e Mano Menezes (2016-2017)

Grêmio (24 trocas, 21 técnicos)
Tite (2001-2003), Darío Pereyra (2003), Nestor Simionato (2003), Adílson Batista (2003-2004), José Luiz Plein (2004), Cuca (2004), Cláudio Duarte (2004), Hugo de León (2005), Mano Menezes (2005-2007), Vágner Mancini (2008), Celso Roth (2008-2009), Paulo Autuori (2009), Silas (2010), Renato Gaúcho (2010-2011), Julinho Camargo (2011), Celso Roth (2011), Caio Júnior (2012), Vanderlei Luxemburgo (2012-2013), Renato Gaúcho (2013), Enderson Moreira (2014), Luiz Felipe Scolari (2014-2015), Roger Machado (2015-2016) e Renato Gaúcho (2016-2017)

Internacional (31 trocas, 23 técnicos)
Zé Mário (2001), Cláudio Duarte (2001), Carlos Alberto Parreira (2001), Ivo Wortmann (2002), Guto Ferreira (2002), Celso Roth (2002), Cláudio Duarte (2002), Muricy Ramalho (2003), Lori Sandri (2004), Joel Santana (2004), Muricy Ramalho (2004-2005), Abel Braga (2006-2007), Alexandre Gallo (2007), Abel Braga (2007-2008), Tite (2008-2009), Mário Sérgio (2009), Jorge Fossati (2010), Celso Roth (2010-2011), Paulo Roberto Falcão (2011), Dorival Júnior (2011-2012), Fernandão (2012), Dunga (2013), Clemer (2013), Abel Braga (2014), Diego Aguirre (2015), Argel Fucks (2015-2016), Paulo Roberto Falcão (2016), Celso Roth (2016), Lisca (2016), Antônio Carlos Zago (2017) e Guto Ferreira (2017)

 

 

]]>
0
São Paulo é o time que mais repatriou jogadores em 2017 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/19/sao-paulo-e-o-time-que-mais-repatriou-jogadores-em-2017/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/19/sao-paulo-e-o-time-que-mais-repatriou-jogadores-em-2017/#respond Wed, 19 Jul 2017 14:31:39 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1766 O São Paulo anunciou hoje a volta do meia Hernanes, campeão brasileiro pelo clube em 2007 e 2008 e que estava jogando Hebei Fortune, da China. Recentemente, o time do Morumbi fechou também a contratação do zagueiro Aderlan, que jogava no Valencia-ESP, e dos volantes Jucilei (ex-Shandong Luneng-CHN) e Petros (ex-Betis-ESP). Pouco antes, no início da temporada, o tricolor havia contratado também o atacante Wellington Nem (ex-Shakhtar Donetsk-UCR) e o meia Thomaz (ex-Jorge Wilstermann-BOL). Assim, o São Paulo tornou-se o time da Série A com mais jogadores repatriados nessa temporada (6), um a mais do que Flamengo e Vasco.

Recentemente, desembarcaram no Brasil outros jogadores que estavam no exterior para reforçar as equipes no Brasileirão. Entre eles, o volante Bruno Henrique (ex-Palermo-ITA) e o atacante Deyverson (ex-Alavés-ESP), no Palmeiras; o atacante Nilmar (ex-Al-Nasr-EAU), no Santos; o goleiro Diego Alves (ex-Valencia-ESP), o meia Éverton Ribeiro (ex-Al Ahli-EAU), o atacante Geuvânio (ex-Tianjin Quanjian-CHN) e o zagueiro Rhodolfo (ex-Besiktas-TUR), todos no Flamengo;  o lateral esquerdo Ramon (ex-Antalyaspor-TUR), no Vasco; e o zagueiro Digão (ex-Al Sharjah-EAU), no Cruzeiro; o zagueiro Wallace (ex-Gaziantespor-TUR) e o volante Leandro Salino (ex-Olimpiakos-GRE), no Vitória; o atacante Keirrison (ex-Arouca-POR), no Coritiba.

Em 2017, 47 jogadores que estavam no exterior retornaram ao Brasil para jogar nos times da Série A do Brasileirão. Apenas Botafogo e Fluminense não contrataram brasileiros que estavam jogando fora nessa temporada.

Jogadores repatriados em 2017 entre os clubes da Série A do Brasileirão:

Clube Jogador Posição ex-clube
Atlético-MG Adílson Volante Terek Grozny-RUS
Atlético-MG Elias Volante Sporting-POR
Atlético-MG Roger Volante Ingolstadt-ALE
Atlético-PR Douglas Coutinho Atacante Braga-POR
Atlético-PR Eduardo da Silva Atacante Shakthar Donetsk-UCR
Atlético-PR Felipe Gedoz Meia Brugge-BEL
Avaí Maicon Lateral direito Roma-ITA
Bahia Maikon Leite Atacante Toluca-MEX
Chapecoense Andrei Girotto Volante Kyoto Sanga-JAP
Chapecoense Arthur Goleiro Osmanlispor-TUR
Corinthians Fellipe Bastos Volante Baniyas-EAU
Corinthians Jadson Meia Tianjin Quanjian-CHN
Corinthians Atacante Jiangsu Suning-CHN
Corinthians Pablo Zagueiro Bordeaux-FRA
Coritiba Jonas Volante Dinamo Zagreb-CRO
Coritiba Keirrison Atacante Arouca-POR
Coritiba Rodrigo Ramos Lateral direito Chicago Fire-EUA
Cruzeiro Digão Zagueiro Al Sharjah-EAU
Cruzeiro Lucas Silva Volante Olympique Marselha-FRA
Cruzeiro Thiago Neves Meia Al Jazira-EAU
Flamengo Diego Alves Goleiro Valencia-ESP
Flamengo Éverton Ribeiro Meia Al Ahli-EAU
Flamengo Geuvânio Atacante Tianjin Quanjian-CHN
Flamengo Rhodolfo Zagueiro Besiktas-TUR
Flamengo Rômulo Volante Spartak Moscou-RUS
Grêmio Bruno Cortez Lateral esquerdo Albirex Niigata-JAP
Palmeiras Bruno Henrique Volante Palermo-ITA
Palmeiras Deyverson Atacante Alavés-ESP
Palmeiras Felipe Melo Volante Internazionale-ITA
Santos Bruno Henrique Atacante Wolfsburg-ALE
Santos Cléber Zagueiro Hamburgo-ALE
Santos Kayke Atacante Yokohama Flugles-JAP
Santos Nilmar Atacante Al-Nasr-EAU
São Paulo Aderlan Zagueiro Valencia-ESP
São Paulo Hernanes Meia Hebei Fortune-CHN
São Paulo Jucilei Volante Shandong Luneng-CHN
São Paulo Petros Volante Betis-ESP
São Paulo Thomaz Meia Jorge Wilstermann-BOL
São Paulo Wellington Nem Atacante Shakthar Donetsk-UCR
Sport André Atacante Sporting-POR
Vasco Bruno Paulista Volante Sporting-POR
Vasco Kelvin Atacante Porto-POR
Vasco Luis Fabiano Atacante Tianjin Quanjian-CHN
Vasco Ramon Lateral esquerdo Antalyaspor-TUR
Vasco Wagner Meia Tianjin Quanjian-CHN
Vitória Leandro Salino Volante Olimpiakos-GRE
Vitória Wallace Zagueiro Gaziantespor-TUR
]]>
0
São Paulo faz pior campanha até 14ª rodada em Brasileiros desde 2003 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/16/sao-paulo-faz-pior-campanha-ate-14a-rodada-em-brasileiros-desde-2003/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/16/sao-paulo-faz-pior-campanha-ate-14a-rodada-em-brasileiros-desde-2003/#comments Sun, 16 Jul 2017 21:01:34 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1757 O São Paulo perdeu hoje para a Chapecoense por 2 x 0, na Arena Condá, em Chapecó e completou 9 jogos sem vitória no Brasileirão – a maior sequência entre os 20 clubes da Série A desse ano. O jejum de vitórias igualou a marca negativa de 2011, a segunda maior do clube na história da competição, atrás apenas da sequência de 12 jogos sem vitória do tricolor em 2013.

Com apenas 12 pontos, o São Paulo de 2017 tem a pior campanha do time até a 14ª rodada na era dos pontos corridos, desde 2003. Em 2013, ano do pior começo do clube em brasileiros, o São Paulo fez 13 pontos até a 14ª rodada (estava na 18ª colocação). O time de 2017 é também o recordista de derrotas até a 14ª rodada (8 contra 7 do time de 2013). A defesa do time atual é também a pior desde 2005 (18 gols sofridos).

Depois de demitir o técnico Rogério Ceni, na 11ª rodada, o São Paulo segue ainda sem vencer. Comandado por Pintado, interinamente, o Tricolor perdeu para o Santos na 12ª rodada. Já sob o comando do novo técnico, Dorival Júnior, o São Paulo empatou em casa com o lanterna Atlético-GO e perdeu hoje para a Chapecoense. Vale lembrar que o time levou gol nos últimos 7 jogos dessa sequência de 9 partidas sem vitória. Só nos últimos 4 jogos o time sofreu 9 gols.

Com um aproveitamento de 28,6%, o São Paulo tem de longe o seu pior aproveitamento em Brasileiros. Desde 1971, o pior aproveitamento foi em 1998 (39,1%), seguido por o de 1976 (41%) e o de 2013 (43,9%).

Campanha do São Paulo até a 14ª rodada do Brasileirão na era dos pontos corridos (desde 2003):

Ano Pos. PG V E D GP GC
2017 17º 12 3 3 8 14 18
2016 21 6 3 5 15 13
2015 24 7 3 4 20 14
2014 23 6 5 3 23 17
2013 18º 13 3 4 7 14 17
2012 25 8 1 5 22 16
2011 28 9 1 4 23 17
2010 13º 17 4 5 5 18 17
2009 11º 18 4 6 4 17 17
2008 23 6 5 3 22 15
2007 25 7 4 3 14 6
2006 29 9 2 3 24 15
2005 16º 16 4 4 6 20 21
2004 24 7 3 4 20 16
2003 25 7 4 3 29 25

a

]]>
1
Dorival Júnior comandará 13º clube nos pontos corridos http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/05/dorival-junior-comandara-13o-clube-nos-pontos-corridos/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/05/dorival-junior-comandara-13o-clube-nos-pontos-corridos/#respond Thu, 06 Jul 2017 01:28:33 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1740 Novo técnico do São Paulo, o técnico Dorival Júnior irá dirigir seu 13º clube no Brasileirão na era dos pontos corridos, desde 2003, igualando assim a marca de Cuca, hoje no Palmeiras.

Técnico desde 2003, quando começou no Figueirense, o ex-volante (conhecido apenas como Júnior, nos anos 80 e 90), Dorival só não treinou um time da Série A nos pontos corridos em 2009, quando foi campeão da Série B pelo Vasco. Entre 2003 e 2016, o treinador teve como principal campanha o vice-campeonato no ano passado, quando dirigiu o Santos. Já em 2006, acabou caindo como São Caetano, e em 2013 dirigiu o Vasco até a 31ª rodada no ano em que o clube também caiu.
Dorival Júnior em Brasileiros

Ano Clube (posição) J V E D
2003 Figueirense (11º) 15 6 5 4
2004 Figueirense (11º) 45 17 12 16
2005 Juventude (14º) 3 0 1 2
2006 São Caetano (19º) 9 3 1 5
2007 Cruzeiro (5º) 38 18 6 14
2008 Coritiba (5º) 38 14 11 13
2010 Santos (8º) 22 10 5 7
2010 Atlético-MG (13º) 14 7 3 4
2011 Atlético-MG (15º) 15 4 3 8
2011 Internacional (5º) 22 10 7 5
2012 Internacional (10º) 10 4 4 2
2012 Flamengo (11º) 27 8 11 8
2013 Vasco (18º) 25 6 8 11
2013 Fluminense (15º) 5 3 1 1
2014 Palmeiras (16º) 20 6 5 9
2015 Santos (7º) 26 14 6 6
2016 Santos (2º) 38 22 5 11
2017 Santos 4 1 0 3
Total 376 153 94 129

Desde 2003, em 15 edições, os técnicos que dirigiram mais clubes no Brasileirão por pontos corridos foram esses:

Técnico Clubes
Cuca 13
Dorival Júnior 13
Adílson Batista 11
PC Gusmão 11
Geninho 10
Joel Santana 10
Oswaldo de Oliveira 10
Antônio Lopes 9
Celso Roth 9
Emerson Leão 9
Vágner Mancini 9
Alexandre Gallo 8
Caio Júnior 8
Gílson Kleina 8
Levir Culpi 8
Mário Sérgio 8
Ney Franco 8
Vanderlei Luxemburgo 8
Cristóvão Borges 7
Enderson Moreira 7
Estevam Soares 7
Hélio dos Anjos 7
Lori Sandri 7
Muricy Ramalho 7

Já os técnicos com mais jogos entre 2003 e 2017 (11ª rodada) foram esses:

Técnico Jogos
Muricy Ramalho 441
Vanderlei Luxemburgo 429
Cuca 421
Dorival Júnior 376
Celso Roth 357
Tite 338
Abel Braga 297
Renato Gaúcho 279
Geninho 264
Vágner Mancini 260
Marcelo Oliveira 260
Ney Franco 253
Oswaldo de Oliveira 235
Adílson Batista 231
Mano Menezes 229
Antônio Lopes 226
Joel Santana 202
Caio Júnior 202

 

]]>
0
Os clubes que ficaram mais rodadas no G4 e no Z4 desde 2003 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/04/os-clubes-que-ficaram-mais-rodadas-no-g4-e-no-z4-desde-2003/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/07/04/os-clubes-que-ficaram-mais-rodadas-no-g4-e-no-z4-desde-2003/#comments Tue, 04 Jul 2017 20:20:49 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1735 Com a derrota para o Flamengo no último domingo, o São Paulo caiu para a 17ª colocação no Brasileirão e entrou para a zona do rebaixamento pela primeira vez desde 25ª rodada de 2013. Desde o início da era dos pontos corridos, o São Paulo é um dos times que passou menos rodadas entre os quatro últimos.

Das 563 rodadas disputadas até hoje, o Tricolor ficou apenas 21 rodadas entre os quatro últimos – ou apenas 3,7% das rodadas na temível zona. Dos 12 grandes clubes, o Internacional é o que menos ficou no Z4 (18 rodadas – 3,3%). O Colorado, porém, ficou 13 dessas rodadas no Z4 em 2016 e acabou rebaixado.

Dos 41 clubes que disputaram o Brasileirão desde 2003, o Figueirense, que hoje está na Série B, é o time que ficou mais rodadas na zona do rebaixamento (108), seguido por Atlético-PR (98) e Atlético-MG (95). Na porcentagem, porém, o Joinville é o recordista com 100% (ficou todas as 38 rodadas de 2015 no Z4). Na sequência, aparecem América-MG, América-RN e Ipatinga (todos com 92,1%).

Por outro lado, o São Paulo é o time que mais vezes ficou no G4 desde 2003 – 241 rodadas, seguido por Cruzeiro (212 – e que desde o título de 2014 não fica entre os quatro primeiros) e Corinthians 196. Na porcentagem das rodadas disputadas e o número de vezes que os clubes ficaram no G4, os três clubes também lideram: São Paulo (42,8%), Cruzeiro (37,7%) e Corinthians (37,3%).

Clubes mais vezes ficaram no G4 (2003-2017)

Clube Rodadas
São Paulo 241
Cruzeiro 212
Corinthians 196
Grêmio 178
Internacional 176
Santos 172
Palmeiras 150
Fluminense 147
Atlético-MG 141
Botafogo 109
Flamengo 81
Vasco 71
Goiás 60
Atlético-PR 58
Coritiba 43
Ponte Preta 32
Paraná 26
Vitória 25
Sport 20
São Caetano 18
Figueirense 16
Ceará 10
Juventude 9
Náutico 9
Criciúma 6
Chapecoense 6
Avaí 4
Santa Cruz 4
Bahia 3
Guarani 1
Santo André 1


Porcentagem (rodadas disputadas x rodadas no G4 entre 2003-2017)

Clube %
São Paulo 42,8
Cruzeiro 37,7
Corinthians 37,3
Grêmio 34,2
Internacional 31,9
Palmeiras 31,3
Santos 30,6
Atlético-MG 27,1
Fluminense 26,1
Botafogo 22,8
Vasco 15,8
Flamengo 14,4
Goiás 13,7
Ceará 13,2
Paraná 12,4
Atlético-PR 11,0
São Caetano 10,5
Coritiba 9,6
Ponte Preta 9,6
Vitória 7,6
Sport 7,2
Santa Cruz 5,3
Chapecoense 4,8
Náutico 4,7
Juventude 4,3
Figueirense 3,7
Criciúma 3,6
Santo André 2,6
Avaí 2,5
Bahia 1,4
Guarani 0,8


Clubes mais vezes ficaram no Z4 (2003-2017)

Clube Rodadas
Figueirense 108
Atlético-PR 98
Atlético-MG 95
Náutico 92
Botafogo 89
Vasco 85
Coritiba 83
Goiás 77
Sport 73
Atlético-GO 71
América-MG 70
Flamengo 69
Avaí 67
Santa Cruz 61
Fluminense 57
Paysandu 54
Vitória 50
Palmeiras 49
Criciúma 43
Ponte Preta 42
Corinthians 42
Portuguesa 41
Bahia 39
Paraná 39
Joinville 38
Santos 38
Grêmio 37
Guarani 36
América-RN 35
Ipatinga 35
Juventude 34
Fortaleza 30
Prudente 25
Cruzeiro 24
Brasiliense 21
São Paulo 21
Internacional 18
São Caetano 17
Santo André 15
Ceará 10
Chapecoense 9


Porcentagem (rodadas disputadas x rodadas no Z4 entre 2003-2017)

Clube Rodadas
Joinville 100
América-MG 92,1
América-RN 92,1
Ipatinga 92,1
Santa Cruz 80,3
Atlético-GO 56,8
Brasiliense 50
Náutico 48,4
Avaí 41,1
Paysandu 40,3
Santo André 39,5
Portuguesa 36
Prudente 32,9
Guarani 27,7
Sport 26,4
Criciúma 25,6
Figueirense 24,7
Fortaleza 23,8
Vasco 18,9
Atlético-PR 18,7
Bahia 18,7
Botafogo 18,6
Paraná 18,6
Coritiba 18,5
Atlético-MG 18,1
Goiás 17,6
Juventude 16,2
Vitória 15,1
Ceará 13,2
Ponte Preta 12,5
Flamengo 12,3
Palmeiras 10,2
Fluminense 10,1
São Caetano 9,9
Corinthians 8
Chapecoense 7,2
Grêmio 7,1
Santos 6,7
Cruzeiro 4,3
São Paulo 3,7
Internacional 3,3

 

]]>
3
Ceni: 3º pior aproveitamento de um técnico do São Paulo em Brasileiros http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/25/ceni-3o-pior-aproveitamento-de-um-tecnico-do-sao-paulo-em-brasileiros/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/25/ceni-3o-pior-aproveitamento-de-um-tecnico-do-sao-paulo-em-brasileiros/#comments Mon, 26 Jun 2017 00:45:04 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1716 O São Paulo, do técnico Rogério Ceni, empatou hoje com o Fluminense (1 x 1), no Morumbi, e chegou a cinco jogos sem vitória no Brasileirão. Nas últimas cinco rodadas, o tricolor paulista somou apenas dois pontos e só não foi pior do que o lanterna Avaí, que fez um ponto, mas ainda joga nessa 10ª rodada contra o Botafogo, amanhã.

Com apenas 11 pontos em 10 jogos, a equipe de Ceni ocupa a 16º colocação, com o mesmo número de pontos do Bahia, o 17º que está na zona do rebaixamento (o saldo do São Paulo é melhor (1 contra -1)).

A campanha do São Paulo de 2017 no Brasileirão é uma das piores do time até a 10ª rodada do Brasileirão na era dos pontos corridos. Apenas em 2009 o time havia feito também apenas 11 pontos. Naquele ano, porém, o saldo era pior (zero). Mas nunca o time havia ficado numa colocação tão ruim para essa rodada (16º). Em 2013, o time era o 15º com 12 pontos.
Piores campanhas do São Paulo até a 10ª rodada:
2009 – 11 pontos (2 v, 5 e, 3 d, 11 gp, 11 gc) – 14º colocado
2017 – 11 pontos (3 v, 2 e, 5 d, 10 gp, 9 gc) – 16º colocado
2005 – 12 pontos (3 v, 3 e, 4 d, 14 gp, 15 gc) – 14º colocado
2010- 12 pontos (3 v, 3 e, 4 d, 10 gp, 9 gc) – 12º colocado
2013 – 12 pontos (3 v, 3 e, 4 d, 10 gp, 9 gc) – 15º colocado

Entre os técnicos que dirigiram o São Paulo desde 1971, apenas dois tiveram um aproveitamento inferior ao de Rogério Ceni no comando do time. Em 1972, Vail Mota conseguiu conquistar apenas 30,3% dos pontos (2 vitórias, 4 empates e 5 derrotas). Em 1971, Osvaldo Brandão, em 14 jogos, teve um aproveitamento de apenas 35,7%. Já Rogério Ceni, agora em 2017, está com 36,7%.
Aproveitamento dos técnicos do São Paulo em Brasileiros (1971-2017):

Técnico Período Aprov. Jogos
Vail Mota 1972 30,3% 11
Osvaldo Brandão 1971 35,7% 14
Rogério Ceni 2017 36,7% 10
Mário Sérgio 1998 37,5% 8
Parreira 1996 41,2% 17
Paulo Autuori 2005-2013 42,9% 52
Darío Peryera 1997 44,0% 25
Adílson Batista 2011 45,0% 20
Sérgio Baresi 2010 45,2% 14
Pablo Forlán 1990 45,5% 11
Edgardo Bauza 2016 46,3% 25
Doriva 2015 46,7% 5
Cilinho 1985-1988 48,5% 57
Nelsinho Baptista 1998-2001 48,8% 41
Juan Carlos Ozorio 2015 50,0% 24
Levir Culpi 2000 51,3% 26
Ricardo Gomes 2009-2016 52,9% 59
Cuca 2004 53,6% 28
Telê Santana 1990-1996 54,0% 132
Carpegiani 1999-2011 55,6% 45
Ney Franco 2012-2013 56,2% 35
Milton Cruz 2005-2015 56,7% 20
Rubens Minelli 1977-1978 56,9% 41
Mário Travaglini 1984 57,1% 14
Carlos Alberto Silva 1980-1989 57,3% 50
José Poy 1971-1983 58,0% 157
Roberto Rojas 2003 58,3% 40
Joao Leal Neto 1981 60,0% 5
Emerson Leão 2004-213 60,2% 31
Oswaldo de Oliveira 2002-2003 60,3% 33
Mário Juliato 1978 61,1% 6
Formiga 1982 63,0% 18
Pepe 1986 63,4% 31
Muricy Ramalho 1996-2014 63,9% 183
Ithon Fritzen 1981 80,0% 5

.
Considerando apenas os 10 primeiros jogos de cada técnico pelo São Paulo, em Brasileiros, mesma quantidade de jogos de Ceni no comando do clube na competição, Ceni tem o 4º pior aproveitamento com seus 36,7%, à frente apenas de Vail Mota (1972), Osvaldo Brandão (1971) e Nelsinho Baptista (1998), todos com 33,3% de aproveitamento.
Aproveitamento dos técnicos do São Paulo em Brasileiros em seus 10 primeiros jogos (1971-2017):

Técnico Ano (início) V E D Aprov.
Nelsinho Baptista 1998 3 1 6 33,3%
Osvaldo Brandão 1971 2 4 4 33,3%
Vail Mota 1972 2 4 4 33,3%
Rogério Ceni 2017 3 2 5 36,7%
Mário Sérgio* 1998 3 0 5 37,5%
Pablo Forlán 1990 3 3 4 40,0%
Darío Peryera 1997 3 4 4 43,3%
Ney Franco 2012 4 1 5 43,3%
Adílson Batista 2011 3 5 2 46,7%
Cilinho 1985 4 2 4 46,7%
Doriva* 2015 2 1 2 46,7%
Edgardo Bauza 2016 4 3 3 50,0%
Paulo Autuori 2005 4 3 3 50,0%
Carpegiani 1999 5 0 5 50,0%
Sérgio Baresi 2010 4 3 3 50,0%
Parreira 1996 4 4 2 53,3%
Carlos Alberto Silva 1980 4 5 1 56,7%
Juan Carlos Ozorio 2015 5 2 3 56,7%
Mário Travaglini 1984 4 5 1 56,7%
Cuca 2004 5 3 2 60,0%
Joao Leal Neto* 1981 3 0 2 60,0%
Mário Juliato* 1978 3 2 1 61,1%
Levir Culpi 2000 5 4 1 63,3%
Oswaldo de Oliveira 2002 6 1 3 63,3%
Telê Santana 1990 5 4 1 63,3%
Muricy Ramalho** 2016 6 2 2 66,7%
Ricardo Gomes 2009 6 2 2 66,7%
Rubens Minelli 1977 6 2 2 66,7%
José Poy 1971 6 3 1 70,0%
Roberto Rojas 2003 6 3 1 70,0%
Milton Cruz*** 2015 6 1 2 70,4%
Emerson Leão 2004 7 2 1 76,7%
Formiga 1982 7 2 1 76,7%
Muricy Ramalho* 1996 4 2 0 77,8%
Ithon Fritzen* 1981 4 0 1 80,0%
Pepe 1986 9 1 0 93,3%

* Técnicos que não chegaram a completar 10 jogos em sua passagem ou em sua primeira passagem
** Muricy completou 10 jogos somente em 2006, em sua segunda passagem
*** Milton Cruz foi interino de 2005 a 2015. Em 2009, comandou o clube por 9 jogos

]]>
8
São Paulo: recorde de derrotas até a 9ª rodada desde 2003 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/21/sao-paulo-recorde-de-derrotas-ate-a-9a-rodada-desde-2003/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/21/sao-paulo-recorde-de-derrotas-ate-a-9a-rodada-desde-2003/#comments Thu, 22 Jun 2017 02:50:51 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1706 O São Paulo foi a Curitiba enfrentar o Atlético-PR, pela 9ª rodada do Brasileirão, e mais uma vez saiu derrotado na Arena da Baixada (1 x 0). Agora, já são 12 derrotas e 4 empates no estádio do Furacão. Contra o algoz Atlético-PR, como visitante, o São Paulo completou 35 anos sem vitórias – a última (e única), foi em 1982 (3 x 1). Desde então, já são 14 vitórias do Atlético-PR, 9 empates e um vitória são-paulina.

Com a nova derrota, o São Paulo de Rogério Ceni alcançou um recorde negativo, de 5 derrotas nos 9 primeiros jogos do Brasileirão. Até então, os recordes eram de 2010 e 2013 (4 derrotas). O resultado negativo em Curitiba fez também com que o São Paulo caísse para a 15ª colocação no Brasileirão de 2017. Desde 2003, apenas em 2009 o time teve uma colocação pior nessa fase do campeonato (era o 17º colocado com 9 pontos). Em termos de pontuação, depois de 2009, essa é também uma das piores campanha do São Paulo. Em 2009, o time também fez 10 pontos (aproveitamento de apenas 37% dos pontos). Outro fator negativo do São Paulo de Ceni é o seu ataque, que fez 9 gols e é o segundo pior, à frente apenas do time de 2007, que fez 8 gols.

Campanhas do São Paulo até a 9ª rodada do Brasileirão na era dos pontos corridos:

Ano Pos. PG V E D GP GC
2017 15º 10 3 1 5 9 8
2016 14 4 2 3 10 8
2015 17 5 2 2 12 9
2014 16 4 4 1 16 12
2013 17º 9 2 3 4 10 11
2012 16 5 1 3 12 10
2011 18 6 0 3 11 10
2010 12º 11 3 2 4 12 11
2009 14º 10 2 4 3 9 9
2008 14 3 5 1 14 8
2007 17 5 2 2 8 2
2006 19 6 1 2 16 7
2005 12º 12 3 3 3 14 13
2004 18 5 3 1 15 11
2003 15 4 3 2 20 18

 

]]>
25
São Paulo, Fla e Vasco não venceram Atlético-PR na Arena da Baixada http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/20/sao-paulo-fla-e-vasco-nao-venceram-atletico-pr-na-arena-da-baixada/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/20/sao-paulo-fla-e-vasco-nao-venceram-atletico-pr-na-arena-da-baixada/#comments Wed, 21 Jun 2017 01:40:35 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1704 Desde que o Atlético-PR fez o seu novo estádio, a Arena da Baixada, no lugar do antigo Joaquim Américo, o time passou a ser um dos mandantes mais temidos do Brasileirão. Dos 42 clubes que enfrentou pela competição nacional desde 1999, o Furacão leva vantagem contra quase todos.

Entre os 12 grandes, três deles ainda não venceram o Atlético-PR na Arena da Baixada: Flamengo, Vasco e São Paulo, adversário do Furacão de amanhã, em Curitiba. O tricolor paulista, em 15 jogos, perdeu 11 e empatou quatro. O São Paulo, aliás, carrega um tabu ainda maior contra o Atlético-PR como visitante, já que em 2013 e 2014, o Furacão venceu um jogo no Durival de Britto (Curitiba) e os times empataram outro em Uberlândia. No histórico geral, dos 23 jogos do Atlético-PR como mandante diante do São Paulo, foram 13 vitórias, 9 empates e apenas 1 vitória do São Paulo, em 1982, há 35 anos, no estádio Couto Pereira.

Desempenho do Atlético-PR contra os 12 grandes na Arena da Baixada, em Brasileiros, desde 1999:
Atlético-MG (8 vitórias, 4 empates e 3 derrotas – última em 2011)
Botafogo (8 vitórias, 1 empate e 2 derrotas – última em 2008)
Corinthians (6 vitórias, 4 empates e 3 derrotas – última em 2015)
Cruzeiro (5 vitórias, 4 empates e 2 derrotas – última em 2010)
Flamengo (11 vitórias, 5 empates e 0 derrota)
Fluminense (5 vitórias, 4 empates e 5 derrotas – última em 2015)
Grêmio (4 vitórias, 4 empates e 3 derrotas – última em 2017)
Internacional (8 vitórias, 1 empate e 6 derrotas – última em 2014)
Palmeiras (5 vitórias, 6 empates e 2 derrotas – última em 2016)
Santos (7 vitórias, 5 empates e 3 derrotas – última em 2017)
São Paulo (11 vitórias, 4 empates e 0 derrota)
Vasco (7 vitórias, 3 empates e 0 derrota)

]]>
3
Quem mais usa atleta da base no Brasileirão http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/20/quem-mais-usa-atleta-da-base-no-brasileirao/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/20/quem-mais-usa-atleta-da-base-no-brasileirao/#comments Tue, 20 Jun 2017 03:14:12 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1698 Após oito rodadas no Brasileirão, os 20 clubes da Série A utilizaram 503 jogadores, média de 25,1 jogadores por clube. O Grêmio, que na 2ª rodada colocou um time reserva contra o Sport, foi o time que mais utilizou jogadores até aqui (30), seguido por Atlético-PR (29), Atlético-MG, Fluminense e Sport (28 cada). Por outro lado, Chapecoense (20) e Atlético-GO e Coritiba (21) foram os que menos utilizaram.

E dos 503 jogadores que entraram em campo nesse Brasileiro, 124 são oriundos das categorias de base dos clubes (24,7%). Sendo que 79 subiram diretamente da base para o profissional, enquanto outros 45 chegaram a ser emprestados antes de retornar ao clube onde foi revelado.

O Vasco, com 13 jogadores, é o time com mais atletas da base nesse Brasileirão, sendo oito que vieram direto das categorias de base e mais cinco que voltaram após empréstimos. O clube cruz-maltino colocou em campo, então, 48,1% dos atletas formados na base nesse Brasileirão. Nessa porcentagem, depois do Vasco, aparecem Atlético-PR (41,4%), Fluminense (39,3%), Corinthians (39,1%), Grêmio (36,6%) e Atlético-MG (32,1%). Por outro lado, a Chapecoense, que não colocou jogadores da base nesse Brasileiro, e Palmeiras (que usou apenas um), são os clubes com menos atletas da base.

Clubes que mais usaram jogadores da base no Brasileirão de 2017:

Clube Base 1* Base 2** Total base
Vasco 8 5 13
Atlético-PR 5 7 12
Grêmio 9 2 11
Fluminense 5 6 11
Atlético-MG 5 5 10
Corinthians 3 5 8
Sport 6 1 7
Santos 5 2 7
Botafogo 5 2 7
São Paulo 5 2 7
Cruzeiro 3 3 6
Flamengo 5 1 6
Vitória 5 0 5
Ponte Preta 2 2 4
Bahia 2 1 3
Avaí 3 0 3
Coritiba 1 1 2
Palmeiras 1 0 1
Atlético-GO 1 0 1
Chapecoense 0 0 0

* Base 1 (jogadores que subiram diretamente da categoria de base para o elenco profissional atual)
* Base 2 (jogador revelados pelo clube, mas que saíram por empréstimo ou vendidos, e depois retornaram ao clube)

Percentual de jogadores da base no total de jogadores utilizados nesse Brasileirão:

Clube Utilizados Total base % jogadores da base
Vasco 27 13 48,1
Atlético-PR 29 12 41,4
Fluminense 28 11 39,3
Corinthians 23 9 39,1
Grêmio 30 11 36,6
Atlético-MG 28 10 35,7
Botafogo 25 7 28,0
Cruzeiro 23 6 26,1
Santos 27 7 25,9
São Paulo 27 7 25,9
Sport 28 7 25,0
Flamengo 25 6 24,0
Vitória 27 5 18,5
Ponte Preta 28 4 15,4
Avaí 22 3 13,6
Bahia 23 3 13,0
Coritiba 21 2 9,5
Atlético-GO 21 1 4,8
Palmeiras 25 1 4,0
Chapecoense 20 0 0,0


Jogadores que vieram das categorias de base:

Atlético-GO
Luiz Fernando (meia)

Atlético-MG
Marcos Rocha* (lateral direito), Alex Silva* (lateral direito), Gabriel (zagueiro), Rodrigão* (zagueiro), Yago (volante), Ralph (volante), Thalis (meia), Élder Santana* (atacante) e Capixaba (atacante)

Atlético-PR
Cleberson (zagueiro), Zé Ivaldo (zagueiro), Sidcley* (lateral esquerdo), Nicolas (lateral esquerdo), Marcão* (lateral esquerdo), Otávio (volante), Bruno Mota* (volante), Deivid* (volante), Matheus Rossetto* (meia), João Pedro* (meia), Douglas Coutinho* (atacante) e Yago (atacante)

Avaí
Lourenço (meia), Iury (meia) e Rômulo (atacante)

Bahia
Jean (goleiro), Rodrigo Becão (zagueiro) e Feijão* (volante)

Botafogo
Igor Rabello* (zagueiro), Emerson Santos (zagueiro), Marcelo (zagueiro), Fernandes (volante), Matheus Fernandes (meia), Pachu* (atacante) e Renan Gorne (atacante)

Corinthians
Fágner* (lateral direito), Pedro Henrique* (zagueiro), Léo Santos (zagueiro), Guilherme Arana* (lateral esquerdo), Maycon* (volante), Léo Jabá (atacante), Pedrinho (atacante) e Jô* (atacante)

Coritiba
Dodô (lateral direito) e Wallison Maia* (zagueiro)

Cruzeiro
Murilo (zagueiro), Lucas Silva* (volante), Alisson* (meia), Élber* (atacante), Raniel (atacante) e Alex (atacante)

Flamengo
Thiago (goleiro), Juan* (zagueiro), Matheus Sávio (meia), Lucas Paquetá (meia), Felipe Vizeu (atacante) e Vinícius Júnior (atacante)

Fluminense
Nogueira* (zagueiro), Léo (lateral esquerdo), Mascarenhas (lateral esquerdo), Wendel (volante), Douglas (volante), Luiz Fernando* (meia), Matheus Alessandro* (meia), Pedro* (atacante), Marcos Júnior (atacante), Wellington* (atacante) e Marcos Calazans* (atacante)

Grêmio
Marcelo Grohe (goleiro), Léo (goleiro), Rafael Thyere* (zagueiro), Kaio (volante), Arthur (volante), Machado (meia), Conrado (meia), Lima* (meia), Lincoln (meia), Nicolas Careca (atacante), Everton (atacante) e Pedro Rocha (atacante)

Palmeiras
Matheus Iacovelli (atacante)

Ponte Preta
Aranha* (goleiro), Jeferson (lateral direito), Rodrigo* (zagueiro) e Ravanelli (meia)

Santos
Daniel Guedes (lateral direito), Lucas Veríssimo (zagueiro), Zeca (lateral esquerdo), Thiago Maia (volante), Alison* (volante), Léo Cittadini* (meia) e Arthur Gomes (atacante)

São Paulo
Rodrigo Caio (zagueiro), Lucão (zagueiro), Éder Militão (volante), João Schimidt* (volante), Lucas Fernandes (meia), Léo Natel (atacante) e Luiz Araújo (atacante)

Sport
Evandro (lateral esquerdo), Neto Moura (volante), Fabrício (volante), Thalysson (volante), Ronaldo (volante), Everton Felipe* (meia) e Juninho* (atacante)

Vasco
Jomar* (zagueiro), Henrique (lateral esquerdo), Alan (lateral esquerdo), Bruno Gallo* (volante), Bruno Cosendey* (volante), Douglas (volante), Mateus Vital (volante), Guilherme* (meia), Evander (meia), Caio Monteiro (meia), Paulo Vítor (atacante), Muriqui* (atacante) e Thalles (atacante)

Vitória
Euller (lateral esquerdo), Flávio (volante), Jhemerson (meia), David (atacante) e Rafaelson (atacante)
* Saíram e voltaram ao clube
Em vermelho os jogadores que deixaram o clube nesse Brasileirão

]]>
14
Os goleiros que ficaram mais jogos sem sofrer gols na Série A desde 2003 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/09/os-goleiros-que-ficaram-mais-jogos-sem-sofrer-gols-na-serie-a-desde-2003/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/06/09/os-goleiros-que-ficaram-mais-jogos-sem-sofrer-gols-na-serie-a-desde-2003/#comments Fri, 09 Jun 2017 07:00:34 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1665 Na Inglaterra, uma das principais estatísticas acumuladas na era da Premier League é a do número de jogos em que os goleiros ficaram sem sofrer gols, chamada de Clean Sheets. O site da competição, porém, contabiliza os jogos desde a temporada 2006/07. Nesse período , o recordista é o tcheco Petr Cech, hoje no Arsenal, que ficou 149 jogos sem levar um único gol. O segundo é Joe Hart, ex-Manchester City, com 119, seguido pelo norte-americano Tim Howard (116), e os espanhóis José Reina (114) e David De Gea (75). O brasileiro Gomes, que jogou o último campeonato pelo Watford, é o 14º da lista com 48, ao lado do polonês Szczesny, ex-Arsenal, e hoje na Roma.

No Brasileirão, desde 2003, o recordista de jogos sem sofrer gols é Rogério Ceni, com 146, seguido de perto por Fábio, do Cruzeiro, que está jogando nesse Brasileirão de 2017, com 140. Victor, do Galo, é o terceiro com 101. Entre os primeiros, aliás, até o 8º colocado, apenas Ceni não está em atividade como goleiro (parou em 2015 e hoje é técnico do São Paulo).

Na média, porém, o grande destaque é Marcelo Grohe, do Grêmio, que ficou 78 dos 168 jogos que fez pelo Grêmio sem levar gol. É quase metade dos jogos (46,4). Entre os goleiros com bastante jogos disputados, outros com ótimas médias são Cássio, do Corinthians (40,5) e Dida (42,7).

Os goleiros que ficaram mais jogos sem sofrer gols no Brasileirão desde 2003:

Goleiro Jogos Sem sofrer gol Gols sofridos Período
Rogério Ceni 428 146 464 2003-2015
Fábio 478 140 590 2003-2017
Victor 304 101 344 2008-2017
Fernando Prass 273 82 319 2003-2017
Vanderlei 244 80 294 2008-2017
Marcelo Grohe 168 78 147 2006-2017
Diego Cavalieri 256 72 308 2004-2017
Wilson 268 70 372 2007-2017
Edson Bastos 220 66 301 2003-2013
Harlei 274 66 413 2003-2013
Cássio 158 64 138 2006-2017
Renan 167 64 174 2005-2015
Marcelo Lomba 216 64 249 2007-2016
Fábio Costa 213 61 263 2003-2010
Jefferson 213 57 270 2004-2014
Silvio Luiz 174 56 198 2003-2007
Clemer 189 56 226 2003-2008
Lauro 208 53 316 2003-2014
Weverton 144 50 164 2012-2017
Bruno 158 49 200 2005-2010
Flávio 188 49 281 2003-2011
Magrão 204 49 289 2007-2017
Fernando Henrique 183 47 248 2003-2011
Felipe 170 45 218 2003-2015
Aranha 138 44 152 2004-2017
Dida 96 41 92 2012-2014
Diego 126 40 150 2003-2015
Muriel 122 38 140 2010-2016
Marcos 135 38 166 2004-2011
Danilo 101 34 116 2014-2016
Diego 133 32 197 2003-2008
Rafael 94 29 116 2010-2013
Galatto 98 29 143 2006-2014
Denis 83 28 97 2009-2016
Paulo Victor 94 28 115 2010-2016
Eduardo Martini 95 28 131 2003-2009
Viáfara 104 27 130 2007-2010
Felipe 75 27 115 2006-2017
Danilo Fernandes 70 25 65 2011-2016
Júlio César 73 25 75 2005-2012
Jean 109 25 162 2003-2006
Alex Muralha 73 24 78 2014-2017
Eduardo 118 24 177 2003-2011
Alisson 44 20 45 2013-2016
Michel Alves 71 20 121 2007-2013
Renan Ribeiro 62 19 79 2010-2017
Ricardo Berna 73 19 116 2006-2013
Fabiano 77 19 115 2003-2004
Roberto 88 19 143 2003-2013
Juninho 94 19 151 2003-2009
Márcio 114 19 174 2003-2012
Cássio 54 18 71 2004-2007
Júlio César 75 18 107 2003-2004
Walter 35 15 26 2013-2016
Lopes 37 15 39 2005-2007
Sidão 40 15 47 2010-2016
Kléber 84 15 141 2003-2005
Gomes 45 14 48 2003-2004
Douglas 57 14 87 2003-2010
Mauro 63 14 75 2004-2006
Sérgio 82 14 122 2004-2008
Gideão 28 13 34 2012-2013
Neto 36 13 40 2009-2010
Bosco 54 13 70 2005-2009
Giovanni 62 13 86 2010-2016
Neneca 64 13 101 2009-2011
Marcelo 33 12 39 2005-2010
Andrey 41 12 51 2006-2009
Gatito Fernández 47 12 64 2014-2017
André 49 12 69 2004-2006
Doni 52 12 84 2003-2005
Cléber 53 12 90 2003-2009
Danrlei 79 12 119 2003-2005
Saja 30 11 32 2007
Tiago Volpi 40 11 55 2012-2014
Velloso 40 11 55 2003
Artur 43 11 70 2003-2005
Deola 48 11 62 2010-2014
Tiago Cardoso 48 11 73 2005-2016
Renê 52 11 86 2007-2009
Agenor 38 10 51 2013-2016
Rafael 44 10 55 2008-2011
Rodrigo Calaça 47 10 58 2003-2010
Jaílson 19 9 12 2016
Carlos Germano 23 9 32 2003
Edson 46 9 71 2007-2014
Paulo Musse 57 9 97 2003-2004
Rubinho 23 8 27 2003-2004
Martín Silva 26 8 35 2015-2017
Rafael 30 8 35 2010-2016
Gledson 36 8 57 2009-2013
Émerson 42 8 87 2003
Max 50 8 78 2004-2007
Douglas 25 7 41 2008-2009
Castillo 32 7 47 2008-2009
Bruno 44 7 64 2008-2014
Renan Rocha 46 7 73 2008-2011
Márcio 47 7 84 2004-2011
Fábio 20 6 25 2014-2015
Vladimir 21 6 28 2011-2016
Vinícius 26 6 33 2005-2010
Fernando Miguel 36 6 46 2016-2017
Júlio César 40 6 57 2006-2017
Alexandre Fávaro 51 6 97 2003-2005
Bruno 8 5 16 2009-2012
Gabriel 12 5 20 2007
Bruno Grassi 13 5 15 2015-2016
Fernando 13 5 19 2003-2004
Gléguer 24 5 43 2007-2009
Albérico 26 5 40 2005-2006
João Ricardo 35 5 57 2016
Vágner 36 5 53 2015-2016
Saulo 37 5 73 2004-2005
Saulo 12 4 12 2012
Vizzoto 15 4 19 2003-2005
André Luís 16 4 31 2008
César 16 4 21 2013-2015
Fabiano 16 4 29 2007
Zé Carlos 16 4 29 2010
Gustavo 20 4 28 2004-2007
João Carlos 23 4 36 2010-2016
Maurício 27 4 46 2003
Renan 29 4 47 2010-2011
Renan 59 4 72 2008-2014
Everton 3 3 2 2004-2005
Jandrei 5 3 7 2017
Roberto 7 3 5 2011-2012
Gottardi 10 3 14 2008
Renato 11 3 14 2003
Carini 14 3 22 2009
Emerson 14 3 16 2010
Marcos Leandro 14 3 21 2005-2007
Santos 14 3 17 2013-2017
Alexandre Negri 15 3 25 2003
Tiago 15 3 15 2014-2015
Fabiano 16 3 35 2004-2005
Guilherme 18 3 27 2007
Tapia 18 3 27 2004
Fred 19 3 34 2008
Guto 20 3 41 2006
Helton Leite 21 3 30 2013-2017
Roger 21 3 29 2003-2007
Luiz 32 3 33 2003-2014
Bruno 40 3 68 2013-2015
Maurício Kozlinski 5 2 5 2017
Léo 5 2 8 2016-2017
Maizena 7 2 10 2006
Nivaldo 7 2 13 2014-2015
Abbondanzieri 8 2 10 2010
Alessandro 9 2 13 2012-2013
Charles 9 2 17 2015
Ricardo 9 2 10 2011-2012
Lee 10 2 12 2010-2011
Gilmar 14 2 26 2003-2006
Júlio Sérgio 18 2 31 2003-2004
Tavarelli 18 2 28 2004
Fernando Leal 21 2 35 2004-2016
Jean 5 2 5 2017
Ivan 1 1 0 2016
Léo 1 1 0 2016
Paes 1 1 0 2009
Daniel 2 1 2 2013
Murilo 3 1 5 2003
Paulo Henrique 3 1 6 2015
Vaná 3 1 6 2013-2015
Dalton 4 1 3 2005-2007
Marcelo Pitol 4 1 10 2003-2004
Oliveira 6 1 9 2015
Gatti 7 1 15 2005-2007
Caíque 8 1 14 2016
Márcio 8 1 14 2003-2004
Klever 9 1 13 2013-2017
Thiago Rodrigues 9 1 12 2016
Jordi 10 1 23 2015
Sérvulo 13 1 21 2007
Marcelo Boeck 14 1 23 2005-2016
Márcio Angonesi 18 1 23 2003
Darci 21 1 37 2003-2005
Tiago 27 1 61 2005-2011
Jéfferson 35 1 60 2003


]]>
43