São Paulo – Futebol em Números http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br Aqui você que vê o futebol de uma maneira diferente. Números, estatísticas, dados, curiosidades, listas, recordes, traduzidos de maneira fácil para entender ainda melhor a história do futebol e o que rola dentro do campo. Mon, 27 Mar 2017 14:57:55 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 Fred: maior artilheiro dos times da Série A em 2017 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/27/fred-maior-artilheiro-dos-times-da-serie-a-em-2017/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/27/fred-maior-artilheiro-dos-times-da-serie-a-em-2017/#comments Mon, 27 Mar 2017 14:57:55 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1484 Artilheiro do Campeonato Mineiro com 9 gols, o atacante Fred é o maior artilheiro entre os 20 clubes que vão disputar a Série A do Brasileirão em 2017. Com 12 gols em 11 jogos na temporada, Fred só não marcou em dois jogos no ano – contra Tombense e Tupi, pelo Estadual. O camisa 99 do Galo fez ainda um gol pela Libertadores (contra o Godoy Cruz-ARG) e outro na Primeira Liga (contra o Joinville).

No ano passado, Fred marcou também 12 gols pelo Atlético, porém, em 28 jogos. Agora, tem os mesmos 12 gols, mas em 11 jogos. No total, o atacante soma 24 gols em 39 jogos pelo Galo. Robinho, o artilheiro do time em 2016 com 26 gols, tem na atual temporada apenas um gol.

Entre os outros clubes, depois de Fred, quem mais marcou foi Henrique Dourado, atacante do Fluminense com 9 gols, seguido por Rafael Sóbis, do Cruzeiro, que tem 8 gols. Dos times paulistas, dois jogadores do São Paulo e dois da Ponte Preta têm 7 gols cada (Cueva e Gilberto, pelo Tricolor, e Lucca e Pottker, pela Ponte).

Entre os times da Série B, os destaques são Léo Gamalho (Goiás) e Brenner (Internacional), ambos com 11 gols.

Artilheiros dos times da Série A em 2017:
Atlético-MG – Fred (12 gols em 11 jogos)
Fluminense – Henrique Dourado (9 gols em 13 jogos)
Rafael Sóbis – Cruzeiro (8 gols em 12 jogos)
Avaí – Denílson (7 gols em 13 jogos)
Flamengo – Guerrero (7 gols em 10 jogos)
Ponte Preta – Lucca e William Pottker (7 gols em 12 e 13 jogos)
São Paulo – Cueva e Gilberto (7 gols em 11 e 9 jogos)
Sport – Rogério (7 gols em 13 jogos)
Vitória – Kieza (7 gols em 14 jogos)
Bahia – Régis (6 gols em 10 jogos)
Vasco – Nenê (6 gols em 13 jogos)
Atlético-GO – Jorginho (5 gols em 8 jogos)
Chapecoense – Atlético-MG
Corinthians – Jô (5 gols em 14 jogos)
Coritiba – Kléber (5 gols em 8 jogos)
Grêmio – Bolãnos (5 gols em 10 jogos)
Atlético-PR – Matheus Anjos (4 gols em 5 jogos)
Botafogo – Roger (4 gols em 11 jogos)
Palmeiras – Willian (4 gols em 13 jogos)
Santos – Vítor Bueno (4 gols em 12 jogos)

]]>
13
São Paulo: sequência de gols sofridos é a maior desde 2010 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/18/sao-paulo-sequencia-de-gols-sofridos-e-a-maior-desde-2010/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/18/sao-paulo-sequencia-de-gols-sofridos-e-a-maior-desde-2010/#comments Sat, 18 Mar 2017 22:50:11 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1473 Pior defesa do Campeonato Paulista com 18 gols sofridos, o São Paulo, do técnico Rogério Ceni, vem sofrendo para acertar seu sistema defensivo. Hoje, em casa, diante do Ituano, o Tricolor empatou em 1 x 1 e sofreu gol pelo 11º jogo consecutivo, contando também as partidas da Copa do Brasil. Desde 2010, quando sofreu gols em 12 jogos seguidos, o São Paulo não tinha uma sequência tão grande de partidas levando gols. Em 2012 e em 2016, o time chegou a ter uma sequência de 9 jogos sofrendo gols.

Em 2017, nos jogos oficiais, o São Paulo disputou 13 partidas e levou 22 gols (média de 1,69 por partida). No Paulistão, foram 18 gols sofridos em 9 jogos (2 por jogo). E dos 13 jogos que fez no ano, não levou gol apenas em um jogo, contra o Moto Club, na 1ª fase da Copa do Brasil (1 x 0). Nos outros 12 jogos, tomou 1 gol em 5 jogos, 2 gols em 6 jogos, 3 em 1 jogo e 4 gols em 1 jogo.

Hoje, diante do Ituano, o técnico Rogério Ceni colocou o time com uma defesa reserva e deu chance ao goleiro Renan Ribeiro, que fez a primeira partida como titular na temporada – e levou um gol. Denis, em 5 jogos, sofreu 7 gols. Já Sidão, o que mais jogou, fez 7 partidas e levou 14 gols.

Sequência de jogos do São Paulo levando gols em 2017:
12/2 – São Paulo 5 x 2 Ponte Preta (Paulista) – casa
15/2 – São Paulo 3 x 1 Santos (Paulista) – fora
18/2 – São Paulo 2 x 2 Mirassol (Paulista) – casa
21/2 – São Paulo 3 x 2 São Bento (Paulista) – casa
25/2 – São Paulo 2 x 2 Novorizontino (Paulista) – fora
1/3 – São Paulo 4 x 2 PSTC-PR (Copa do Brasil) – fora
5/3 – São Paulo 4 x 1 Santo André (Paulista) – casa
8/3 – São Paulo 3 x 1 ABC (Copa do Brasil) – casa
11/3 – São Paulo 0 x 3 Palmeiras (Paulista) – fora
15/3 – São Paulo 1 x 1 ABC (Copa do Brasil) – fora
18/3 – São Paulo 1 x 1 Ituano (Paulista) – casa

Em sua história, desde 1935, o recorde de jogos oficiais consecutivos do São Paulo levando gols é 19 partidas. A primeira delas em 1940 e a segunda em 1965. Em 1941, o time levou gols também em 18 jogos seguidos. E em 1942 e 1954, sofreu gols em 17 jogos seguidos. Contando partidas amistosas, o recorde de jogos do São Paulo levando gols é de 27 partidas, em 1961. Já em 1940, o time ficou 26 partidas seguidas levando gols.

]]>
7
Novas arenas: Palmeiras supera Corinthians no desempenho dos clássicos http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/13/novas-arenas-palmeiras-supera-corinthians-no-desempenho-dos-classicos/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/13/novas-arenas-palmeiras-supera-corinthians-no-desempenho-dos-classicos/#comments Mon, 13 Mar 2017 20:18:39 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1460 Corinthians e Palmeiras inauguram seus novos estádios em 2014 e desde então vêm tendo um aproveitamento muito bom em casa, principalmente nos clássicos. Na Arena Corinthians, inaugurada dia 18 de maio de 2014, o alvinegro disputou 16 clássicos, com 10 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, com um aproveitamento de 68%. Vitorioso em seus quatro primeiros jogos, o Corinthians foi perder sua invencibilidade em clássicos em Itaquera na 7ª partida, para o Palmeiras. Em 16 jogos, o alvinegro marcou 26 gols (1,63 por jogo) e sofreu 13 gols (0,81). Agora, em 2017, nos dois jogos que fez em casa, o Corinthians conseguiu duas vitórias (1 x 0 sobre Palmeiras e Santos). Diante dos rivais, o Corinthians ainda não perdeu para o São Paulo em casa (4 vitórias e 1 empate e 14 gols feitos). Contra o Palmeiras, foram 2 vitórias, 1 empate e 2 derrotas. E diante do Santos, foram 4 vitórias, 1 empate e 1 derrota.

Já o Palmeiras, que inaugurou seu estádio no dia 19 de novembro de 2014, já disputou 12 jogos no Allianz Parque. Com a vitória sobre o São Paulo, por 3 x 0, no último sábado, o alviverde chegou a 8 vitórias em casa, 2 empates e apenas uma derrota – para o Corinthians no primeiro clássico realizado lá. Assim, o time já soma 11 clássicos sem derrota em casa – sete vitórias e quatro empates. Em 12 jogos em casa, o Palmeiras marcou 21 gols (1,75) e sofreu 7 gols (0,58) e tem um aproveitamento de 75% dos pontos disputados. Contra o Corinthians, foram três jogos, com 1 vitória, 1 empate e 1 derrota. Contra o Santos, foram 3 vitórias e 2 empates, além de um título na Copa do Brasil. Já contra o São Paulo, assim como o Corinthians, o Palmeiras não perdeu. Em quatro jogos, foram 4 vitórias e 12 gols marcados.

Desempenho do Palmeiras nos clássicos no Allianz Parque:
8/2/2015 – 0 x 1 Corinthians (Paulista)
25/3/2015 – 3 x 0 São Paulo (Paulista)
26/4/2015 – 1 x 0 Santos (Paulista)
28/6/2015 – 4 x 0 São Paulo (Brasileiro)
19/7/2015 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
6/9/2015 – 3 x 3 Corinthians (Brasileiro)
2/12/2015 – 2 x 1 Santos (Copa do Brasil)
20/2/2016 – 0 x 0 Santos (Paulista)
12/6/2016 – 1 x 0 Corinthians (Brasileiro)
12/7/2016 – 1 x 1 Santos (Brasileiro)
7/9/2016 – 2 x 1 São Paulo (Brasileiro)
11/3/2017 – 3 x 0 São Paulo (Paulista)

12 jogos, 8 vitórias, 3 empates, 1 derrota, 75% de aproveitamento

Desempenho do Corinthians nos clássicos na Arena Corinthians:
27/7/2014 – 2 x 0 Palmeiras (Brasileiro)
21/9/2014 – 3 x 2 São Paulo (Brasileiro)
9/11/2014 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
18/2/2015 – 2 x 0 São Paulo (Libertadores)
5/4/2015 – 1 x 1 Santos (Paulista)
19/4/2015 – 2 x 2 Palmeiras (Paulista)
31/5/2015 – 0 x 2 Palmeiras (Brasileiro)
26/8/2015 – 1 x 2 Santos (Copa do Brasil)
20/9/2015 – 2 x 0 Santos (Brasileiro)
22/11/2015 – 6 x 1 São Paulo (Brasileiro)
14/2/2016 – 2 x 0 São Paulo (Paulista)
1/6/2016 – 1 x 0 Santos (Brasileiro)
17/7/2016 – 1 x 1 São Paulo (Brasileiro)
17/9/2016 – 0 x 2 Palmeiras (Brasileiro)
22/2/2017 – 1 x 0 Palmeiras (Paulista)
4/3/2017 – 1 x 0 Santos (Paulista)

16 jogos, 10 vitórias, 3 empates, 3 derrotas, 68% de aproveitamento

 

]]>
8
São Paulo: melhor média de gols no Paulistão desde 2010 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/06/sao-paulo-melhor-media-de-gols-no-paulistao-desde-2010/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/06/sao-paulo-melhor-media-de-gols-no-paulistao-desde-2010/#comments Mon, 06 Mar 2017 12:03:14 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1446 Com 21 gols em 7 jogos, o São Paulo tem hoje o melhor ataque do Paulistão de 2017. O time do técnico Rogério Ceni marcou 7 gols a mais do que Palmeiras e Mirassol, que têm o segundo melhor ataque com 14 gols cada. O Corinthians, time de melhor campanha até aqui, marcou 8 gols.

A média de 3 gols por partida do São Paulo de 2017 é a melhor no Campeonato Paulista desde o Santos de 2010, de Neymar, Robinho e Ganso, que marcou 72 gols em 23 jogos – média de 3,13 por partida.

Outra curiosidade é que desde o Santos, de Pelé, na década de 1960, apenas dois times fecharam o Paulistão com média superior a três gols por partida. Além desse time do Santos, de 2010, o outro foi o Palmeiras, em 1996, que marcou 102 gols em 30 jogos. O famoso time dos 100 gols, dirigido por Vanderlei Luxemburgo, tinha Luizão, Müller, Rivaldo e Djalminha no ataque.

Entre os melhores ataques do São Paulo no Paulistão, esse de 2017 é o melhor desde o time de 1998, que teve média de 2,86 por partida – 40 gols em 14 jogos. A média de 3 gols por partida atual iguala também a 1938, uma das maiores do clube na história da competição. Acima dela, apenas a 1946 (3,10); 1956 (3,17); 1949 (3,19); 1944 (3,45) e 1945 (3,50 – 70 gols em 20 jogos).

Clubes com as maiores médias de gols no Paulistão desde o início do profissionalismo, em 1933:

Ano Clube Média Gols Jogos
2017 São Paulo 3,00 21 7
2016 Corinthians 1,88 32 17
2015 São Paulo 2,00 34 17
2014 Santos 2,47 47 19
2013 Mogi Mirim 2,05 43 21
2012 Santos 2,52 58 23
2011 Santos 1,96 45 23
2010 Santos 3,13 72 23
2009 Palmeiras e Mirassol 1,90 40 21
2008 Palmeiras 1,96 45 23
2007 São Paulo 2,05 43 21
2006 São Paulo 2,42 46 19
2005 São Paulo 2,58 49 19
2004 Palmeiras e Santos 2,38 31 13
2003 São Paulo 2,64 29 11
2002 União São João 2,23 49 22
2001 Corinthians 2,37 45 19
2000 Corinthians 2,56 46 18
1999 Santos 2,22 40 18
1998 São Paulo 2,86 40 14
1997 Corinthians 2,23 58 26
1996 Palmeiras 3,40 102 30
1995 Santos 1,64 59 36
1994 São Paulo 2,20 66 30
1993 Novorizontino 1,91 61 32
1992 São Paulo 1,85 63 34
1991 São Paulo 1,94 66 34
1990 São Paulo 1,24 41 33
1989 Guarani 1,60 40 25
1988 São Paulo 1,72 43 25
1987 São Paulo 1,45 61 42
1986 Inter de Limeira 1,40 59 42
1985 São Paulo 1,71 72 42
1984 Corinthians 1,53 58 38
1983 São Paulo 1,46 70 48
1982 Corinthians 1,88 75 40
1981 Guarani 1,77 92 52
1980 Guarani 1,50 57 38
1979 Palmeiras 1,64 74 45
1978 Guarani 1,60 85 53
1977 Palmeiras 1,76 79 45
1976 Palmeiras, Guarani e São Paulo 1,39 39 28
1975 São Paulo 1,71 60 35
1974 Palmeiras 1,43 40 28
1973 Palmeiras 1,50 33 22
1972 Palmeiras 1,50 33 22
1971 Palmeiras 2,50 55 22
1970 Santos 1,89 34 18
1969 Santos 2,17 63 29
1968 Santos 2,73 71 26
1967 Santos 2,33 63 27
1966 Santos 2,46 69 28
1965 Santos 3,10 93 30
1964 Santos 3,17 95 30
1963 Santos 2,30 69 30
1962 Santos 3,40 102 30
1961 Santos 3,77 113 30
1960 Santos 2,94 100 34
1959 Santos 3,78 155 41
1958 Santos 3,76 143 38
1957 Santos 3,89 144 37
1956 São Paulo 3,17 114 36
1955 Santos 2,73 71 26
1954 Palmeiras 3,23 84 26
1953 Palmeiras 3,04 85 28
1952 Corinthians 2,97 89 30
1951 Corinthians 3,68 103 28
1950 Portuguesa 3,05 67 22
1949 São Paulo 3,18 70 22
1948 Santos e São Paulo 2,70 54 20
1947 Corinthians 2,70 54 20
1946 Corinthians e São Paulo 3,10 62 20
1945 São Paulo 3,50 70 20
1944 São Paulo 3,45 69 20
1943 Corinthians 3,55 71 20
1942 Corinthians 3,90 78 20
1941 Corinthians 3,05 61 20
1940 Ypiranga 2,80 56 20
1939 Corinthians 3,15 63 20
1938 São Paulo 3,00 30 10
1937 Palmeiras 1,67 35 21
1936 Portuguesa 4,00 48 12
1936 Santos 3,33 70 21
1935 Portuguesa 4,06 65 16
1935 Santos 2,58 31 12
1934 Palmeiras 3,21 45 14
1933 São Paulo da Floresta 4,43 62 14
]]>
3
São Paulo de Ceni: melhor ataque desde 1997; pior defesa desde 2000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/02/sao-paulo-de-ceni-melhor-ataque-desde-1997-pior-defesa-desde-2000/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/03/02/sao-paulo-de-ceni-melhor-ataque-desde-1997-pior-defesa-desde-2000/#comments Thu, 02 Mar 2017 18:59:58 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1431 Foram apenas oito jogos oficiais de competição no comando da equipe, mas o técnico Rogério Ceni vem apresentando números poucos vistos nos últimos anos. Tanto do lado positivo, quanto do lado negativo. Com um ótimo ataque, o Tricolor marcou até agora 22 gols em 8 jogos (média de 2,75 por partida). Para se ter uma ideia, o Corinthians, nos mesmos 8 jogos no ano, marcou apenas 8 gols. O Palmeiras, em 6 jogos, fez 11 gols (1,83 por partida) e o Santos, em também em 6 jogos, marcou 12 gols (2 por jogo). No Paulistão, em 6 jogos, o São Paulo marcou 17 gols e tem o melhor ataque com 4 gols a mais do que o Mirassol.

No São Paulo, essa é primeira vez que o time de um técnico estreante marca 22 gols nos oito primeiros jogos oficiais desde Darío Pereyra, em 1997. Naquele ano, a equipe comandada pelo uruguaio fez 24 gols em oito jogos. Na história do Tricolor, o recorde de gols de um técnico estreante nesse mesmo período (8 jogos), é de Clodô (Clodoaldo Caldeira), em 1933, com 36 gols – média de 4,50 por jogo. Mas desde 1935, quando o clube mudou o nome para São Paulo Futebol Clube, essa é apenas a 5ª vez que um técnico estreante tem um time com tantos gols marcados em 8 jogos. Além de Darío Pereyra, em 1997, Conrado Ross, em 1942, também viu sua equipe marcar 27 gols. Com Joreca, em 1943, foram 24 gols, e com Jim Lopes, em 1953, foram 23 gols.

Por outro lado, o São Paulo dirigido por Rogério Ceni tem uma das piores defesas para o período de 8 jogos de um treinador estreante. Até aqui, o time do ex-goleiro sofreu 15 gols em 8 jogos, média de 1,88 por partida. Desde 2000, com Levir Culpi, o time não sofria tantos gols. Naquele ano, foram 17 gols sofridos em 8 jogos (média de 2,13 por jogo). A segunda pior em 8 jogos, atrás apenas do time comandada por Leônidas da Silva, em 1951, que levou 20 gols em 8 jogos (média 2,50 por jogo). Coincidentemente, o São Paulo de Ceni levou o mesmo número de gols (15) do São Paulo de Muricy Ramalho, em sua estreia pelo clube em 1996.

Em 2017, nos oito jogos disputados, o São Paulo só não levou gol em uma partida (contra o Moto Club-MA, na estreia da Copa do Brasil). Nos últimos quatro jogos, foram 8 gols sofridos (contra Mirassol, São Bento, Novorizontino e PSTC-PR). No Paulistão, o Tricolor tem a segunda pior defesa com 13 gols sofridos em 6 jogos, atrás apenas da Linense, que levou 15 gols. No ano, o São Paulo já levou o mesmo números de gols do que os três rivais. (15). O Santos sofreu 8 gols, Corinthians 4 e Palmeiras 3.

Jogos oficiais do São Paulo em 2017, sob o comando de Rogério Ceni
5/2 – Audax 4 x 2 São Paulo (Paulistão)
9/2 – Moto Club-MA 0 x 1 São Paulo (Copa do Brasil)
12/2 – São Paulo 5 x 2 Ponte Preta (Paulistão)
15/2 – Santos 1 x 3 São Paulo (Paulistão)
18/2 – São Paulo 2 x 2 Mirassol (Paulistão)
21/2 – São Bento 2 x 3 São Paulo (Paulistão)
25/2 – Novorizontino 2 x 2 São Paulo (Paulistão)
1/3 – PSTC-PR 2 x 4 São Paulo (Copa do Brasil)

Técnicos estreantes com mais gols marcados nos 8 primeiros jogos oficiais pelo São Paulo:

TREINADOR ANO V E D GM GS
Clodoaldo Caldeira (Clodô) 1933 5 1 2 36 14
Rubens Salles 1931 7 1 0 35 6
Eugenio Medgyessy (Marinetti) 1932 7 1 0 28 5
Darío Pereyra 1997 5 2 1 27 11
Conrado Ross 1942 4 3 1 27 11
Ramón Platero 1930 6 2 0 27 4
Joreca 1943 6 2 0 24 8
Jim Lopes 1953 7 1 0 23 4
Rogério Ceni 2017 5 2 1 22 15
Flávio Costa 1960 3 4 1 20 11


Técnicos estreantes com mais gols sofridos nos 8 primeiros jogos oficiais pelo São Paulo:

TREINADOR ANO V E D GM GS
Leônidas da Silva 1951 1 2 5 12 20
Levir Culpi 2000 4 0 4 14 17
Oto Vieira 1964 2 2 4 11 16
Armando del Debbio 1936 2 0 6 7 16
Rogério Ceni 2017 5 2 1 22 15
José Poy 1964 3 2 3 15 15
Muricy Ramalho 1996 2 3 3 12 15
Clodoaldo Caldeira (Clodô) 1933 5 1 2 36 14
Ignác Amsel 1939 3 0 5 11 14
Adílson Batista 2011 3 3 2 15 13


Técnicos estreantes com melhor aproveitamento de pontos nos 8 primeiros jogos oficiais pelo São Paulo:

TREINADOR ANO Aprov (%) V E D GM GS
Rubens Salles 1931 91,7 7 1 0 35 6
Eugenio Medgyessy (Marinetti) 1932 91,7 7 1 0 28 5
Jim Lopes 1953 91,7 7 1 0 23 4
Pepe 1986 91,7 7 1 0 20 5
Cuca 2004 91,7 7 1 0 18 5
Roberto Rojas 2003 91,7 7 1 0 14 3
Ramón Platero 1930 83,3 6 2 0 27 4
Joreca 1943 83,3 6 2 0 24 8
Cláudio Cardoso 1961 79,2 6 1 1 19 8
Paulo Autuori 2005 79,2 6 1 1 18 5
Paulo César Carpegiani 1999 79,2 6 1 1 15 6
Darío Pereyra 1997 70,8 5 2 1 27 11
Rogério Ceni 2017 70,8 5 2 1 22 15
Carlos Alberto Parreira 1996 70,8 5 2 1 15 10
Clodoaldo Caldeira (Clodô) 1933 66,7 5 1 2 36 14
Armando Renganeschi 1958 66,7 5 1 2 19 8
Rubens Minelli 1977 66,7 5 1 2 18 10
Formiga 1981 66,7 5 1 2 14 6
Alfredo Ramos 1972 66,7 4 4 0 14 5
Telê Santana 1973 66,7 5 1 2 13 8
Conrado Ross 1942 62,5 4 3 1 27 11
Oswaldo de Oliveira 2002 62,5 4 3 1 17 10
Pablo Forlán 1990 62,5 4 3 1 16 6
Mário Travaglini 1983 62,5 4 3 1 14 9
Oswaldo Alvarez 2001 58,3 4 2 2 15 12
Osvaldo Brandão 1962 58,3 4 2 2 15 11
Ricardo Gomes 2009 58,3 4 2 2 12 11
Juan Carlos Osorio 2015 58,3 4 2 2 11 8
Edgardo Bauza 2016 58,3 4 2 2 10 5
Flávio Costa 1960 54,2 3 4 1 20 11
Carlos Alberto Silva 1980 54,2 3 4 1 14 9
Ney Franco 2012 54,2 4 1 3 14 9
Emerson Leão 2004 54,2 3 4 1 14 5
Cilinho 1984 54,2 3 4 1 11 6
Adílson Batista 2011 50,0 3 3 2 15 13
Levir Culpi 2000 50,0 4 0 4 14 17
Vicente Feola 1937 50,0 4 0 4 7 7
José Poy 1964 45,8 3 2 3 15 15
Nelsinho Baptista 1998 45,8 3 2 3 15 12
Béla Guttman 1957 45,8 3 2 3 13 10
Mário Juliato 1979 45,8 2 5 1 5 5
Vail Mota 1972 41,7 2 4 2 7 5
Muricy Ramalho 1996 37,5 2 3 3 12 15
Ignác Amsel 1939 37,5 3 0 5 11 14
Oto Vieira 1964 33,3 2 2 4 11 16
Mário Sergio 1998 29,2 2 1 5 12 12
Sylvio Pirillo 1967 29,2 1 4 3 11 10
Diede Lameiro 1968 29,2 1 4 3 7 9
Zezé Moreira 1970 25,0 0 6 2 8 13
Armando del Debbio 1936 25,0 2 0 6 7 16
Leônidas da Silva 1951 20,8 1 2 5 12 20

 

Fonte: Michael Serra/São Paulo Futebol Clube

]]>
6
Carille tem melhor desempenho entre técnicos estreantes em 2017 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/27/carille-tem-melhor-desempenho-entre-tecnicos-estreantes-em-2017/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/27/carille-tem-melhor-desempenho-entre-tecnicos-estreantes-em-2017/#comments Mon, 27 Feb 2017 14:48:46 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1425 Ex-auxiliar do técnico Tite, Fábio Carille, técnico efetivado no Corinthians desde o início do ano, tem até aqui o melhor desempenho entre os treinadores estreantes das equipes da primeira divisão do Campeonato Brasileiro. O técnico corintiano, em dez jogos na temporada, conseguiu oito vitórias, um empate e sofreu apenas uma derrota. Seu aproveitamento de 83,3% supera o de Abel Braga, do Fluminense, que conquistou 81,5% dos pontos nesse início de temporada.

Fábio Carille, com as vitórias recentes sobre Novorizontino, Palmeiras e Mirassol, levou o Corinthians a ser o time de melhor campanha geral também no Paulistão, com 15 pontos em seis jogos, à frente do Mirassol (13), Palmeiras (12), São Paulo e Ponte Preta (11) e Santos (10).

Outro destaque do time dirigido por Carille até aqui é o seu setor defensivo. Em dez partidas, o Corinthians sofreu apenas cinco gols (dois só na última partida, na vitória por 3 x 2 sobre o Mirassol). A média de 0,5 gol sofrido por partida é a menor também entre as equipes que estrearam treinadores em 2017, superando o Fluminense (0,56) e o Palmeiras (0,75).

Aproveitamento dos técnicos estreantes em 2017*

Técnico Clube J V E D GP GC aprov. %
Fábio Carille Corinthians 10 8 1 1 13 5 83,3
Abel Braga Fluminense 9 7 1 1 22 5 81,5
Roger Machado Atlético-MG 9 7 0 2 18 15 77,8
Antônio Carlos Inter 10 6 3 1 18 9 70,0
Cristóvão Borges Vasco 10 6 0 4 12 12 60,0
Rogério Ceni São Paulo 9 4 4 1 18 13 59,3
Eduardo Baptista Palmeiras 8 4 2 2 14 6 58,3
Vágner Mancini Chapecoense 11 4 4 3 13 12 48,5

 

* Contando jogos oficiais e amistosos e com o Internacional, que está na Série B

]]>
3
Os maiores artilheiros em atividade dos 12 grandes http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/21/os-maiores-artilheiros-em-atividade-dos-12-grandes/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/21/os-maiores-artilheiros-em-atividade-dos-12-grandes/#comments Tue, 21 Feb 2017 03:21:49 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1415 Entre os doze grandes clubes do futebol brasileiro, o atacante Ricardo Oliveira, do Santos, é hoje o jogador em atividade dessas equipes com mais gols marcados: 80 em 134 jogos. Em duas passagens pelo clube da Vila Belmiro, o centroavante está bem à frente do segundo colocado no Peixe, o volante Renato, que marcou 30 gols, também em duas passagens pelo Santos. Thiago Ribeiro, que voltou ao clube após duas temporadas fora, é hoje o terceiro maior, seguido de perto por Vítor Bueno e Lucas Lima.

No São Paulo, o meia Cícero, que também volta ao clube em sua segunda passagem, é maior artilheiro, mas com apenas 16 gols. No Corinthians, o meia Danilo, longe do time há mais de seis meses por conta de uma lesão, é ainda o maior artilheiro com 33 gols, seguido por Jadson, que está de volta ao clube. Já no Palmeiras, Dudu, com apenas 26 gols, é o maior artilheiro do atual elenco.

No Rio de Janeiro, dois zagueiros com muitos jogos disputados lideram como os principais artilheiro de Flamengo e Fluminense. Pelo rubro-negro, Juan tem 29 gols, apenas um a mais do que o atacante peruano Guerrero. Já no Fluminense, Gum é o maior artilheiro do tricolor com 25 gols, dois a mais do que Gustavo Scarpa e Marcos Júnior. No Vasco, Nenê, com 35 gols, é o maior artilheiro, seguido de perto por Thalles (33). Já no Botafogo, Sassá lidera com 27 gols.

No Internacional, D’Alessandro, que voltou ao clube após uma temporada no River Plate-ARG, tem 77 gols. Bem à frente de Eduardo Sasha (29) e Valdívia (27). No Grêmio, Luan, com 41 gols, está bem próximo do líder Douglas (42). Já no Atlético-MG, Luan lidera com 36 gols. No Cruzeiro, Arrascaeta é maior artilheiro com 25 gols.

Santos
Ricardo Oliveira – 80 gols (134 jogos)
Renato – 30 gols (352 jogos)
Thiago Ribeiro – 22 gols (82 jogos)
Vítor Bueno – 18 gols (58 jogos)
Lucas Lima – 17 gols (161 jogos)

Palmeiras
Dudu – 26 gols (114 jogos)
Rafael Marques – 21 gols (105 jogos)
Alecsandro – 14 gols (56 jogos)
Victor Hugo – 13 gols (121 jogos)
Lucas Barrios – 13 gols (44 jogos)

Corinthians
Danilo – 33 gols (336 jogos)
Jadson – 24 gols (103 jogos)
Romero – 20 gols (107 jogos)
Jô – 19 gols (121 jogos)
Rodriguinho – 14 gols (85 jogos)

São Paulo
Cícero – 16 gols (97 jogos)
Lugano – 13 gols (202 jogos)
Chávez – 12 gols (25 jogos)
Rodrigo Caio – 11 gols (198 jogos)
Cueva – 9 gols (31 jogos)

Flamengo
Juan – 29 gols (289 jogos)
Guerreo – 28 gols (67 jogos)
Éverton – 28 gols (199 jogos)
Marcelo Cirino – 23 gols (94 jogos)
Gabriel – 21 gols (181 jogos)

Fluminense
Gum – 25 gols (354 jogos)
Gustavo Scarpa – 23 gols (109 jogos)
Marcos Júnior – 23 gols (151 jogos)
Marquinho – 21 gols (181 jogos)
Henrique Dourado – 8 gols (20 jogos)

Vasco
Nenê – 35 gols (87 jogos)
Thalles – 33 gols (136 jogos)
Éder Luiz – 30 gols (206 jogos)
Rodrigo – 18 gols (165 jogos)
Luan – 12 gols (170 jogos)

Botafogo
Sassá – 27 gols (96 jogos)
Rodrigo Pimpão – 14 gols (54 jogos)
Fernandes – 10 gols (69 jogos)
Camilo – 6 gols (33 jogos)
Bruno Silva – 5 gols (56 jogos)

Grêmio
Douglas – 42 gols (229 jogos)
Luan – 41 gols (170 jogos)
Pedro Rocha – 21 gols (88 jogos)
Éverton – 15 gols (96 jogos)
Ramiro – 9 gols (150 jogos)
Bolaños – 9 gols (33 jogos)

Internacional
D’Alessandro – 77 gols (346 jogos)
Eduardo Sasha – 29 gols (126 jogos)
Valdívia – 27 gols (131 jogos)
Ernando – 9 gols (165 jogos)
Paulão – 9 gols (140 jogos)

Atlético-MG
Luan – 36 gols (167 jogos)
Leonardo Silva – 28 gols (282 jogos)
Robinho – 25 gols (55 jogos)
Fred – 15 gols (32 jogos)
Marcos Rocha – 13 gols (262 jogos)

Cruzeiro
Arrascaeta – 25 gols (103 jogos)
Henrique – 23 gols (358 jogos)
Alisson – 19 gols (117 jogos)
Ábila – 18 gols (34 jogos)
Léo – 17 gols (227 jogos)

 

]]>
3
São Paulo ajuda a elevar média de público do Paulistão http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/19/sao-paulo-ajuda-a-elevar-media-de-publico-do-paulistao/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/19/sao-paulo-ajuda-a-elevar-media-de-publico-do-paulistao/#comments Mon, 20 Feb 2017 01:57:28 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1413 Depois de levar 50.952 torcedores na estreia do técnico Rogério Ceni, em casa, diante da Ponte Preta, o São Paulo voltou a ter casa cheia no Morumbi na última rodada. Contra o Mirassol, no empate por 2 x 2, o tricolor recebeu 43.961 pagantes, ficando assim como uma ótima média de 47.457 torcedores por jogo nesse início de campeonato.

Com isso, o São Paulo vem ajudando, e muito, para elevar a média de público do Paulistão. Até aqui, após quatro rodadas, o campeonato tem a média de 9.404 torcedores por jogo. Bem acima da últimas edições dez edições.
Média de público do Paulistão nos últimos anos
2007 – 5.400
2008 – 6.651
2009 – 6.034
2010 – 4.952
2011 – 5.882
2012 – 5.984
2013 – 6.271
2014 – 5.686
2015 – 7.607
2016 – 7.272
2017  – 9.404 (até a 4ª rodada).

A média de público do Paulistão (9.404) é também a maior entre os Estaduais de 2017. No Rio de Janeiro, que contou com uma fase preliminar, antes da entrada dos grandes times, a média é de apenas 2.556 torcedores por jogo. Em Minas Gerais, a média é um pouco melhor (4.913). Já no Rio Grande do Sul, a média é de 3.485 torcedores por partida.

Nos Estaduais, a média de público do São Paulo é também disparada, até aqui, a maior entre os clubes. Dos 12 grandes, além do tricolor paulista, apenas o Palmeiras tem uma média superior a 20 mil torcedores.
Média de público dos 12 grandes nos Estaduais 2017:
São Paulo – 47.457 (2 jogos)
Palmeiras – 24.328 (2 jogos)
Atlético-MG – 17.270 (3 jogos)
Corinthians – 14.877 (2 jogos)
Botafogo – 10.621 (3 jogos)
Santos – 9.181 (3 jogos)
Grêmio – 8.580 (3 jogos)
Internacional – 8.536 (2 jogos)
Flamengo – 7.441 (3 jogos)
Vasco – 7.107 (3 jogos)
Cruzeiro – 4.538 (1 jogo)
Fluminense – 2.328 (2 jogos)

]]>
9
Corinthians: pior ataque entre os grandes em 2017 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/17/corinthians-pior-ataque-entre-os-grandes-em-2017/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/17/corinthians-pior-ataque-entre-os-grandes-em-2017/#comments Fri, 17 Feb 2017 07:00:00 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1407 Com apenas três gols marcados em quatro jogos oficiais em 2017, o Corinthians tem a fraca média de 0,75 gol por partida. A pior entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro em 2017 e a segunda pior média entre os 20 clubes que irão disputar a Série A nesse ano.

Até aqui, o time treinado por Fábio Carille não conseguiu marcar mais de um gol numa só partida. Na estreia do Paulistão, contra o São Bento, venceu por 1 x 0, com gol de pênalti (duvidoso), de Jô. Depois, venceu a Caldense-MG, pela Copa do Brasil, também por 1 x 0, gol de cabeça do meia Rodriguinho. No terceiro jogo, no último sábado, o time perdeu para o Santo André, em casa, por 2 x 0, e perdeu um pênalti – cobrado por Jô. Ontem, venceu o Novorizontino por 1 x 0, em casa, com gol de cabeça do zagueiro Pablo. Três gols (um de pênalti e dois de cabeça) em quatro jogos, sendo apenas um de atacante (Jô).

Em 2016, o Corinthians marcou 101 em 67 jogos e teve média de 1,51 gols por partida. Em 2015, ano do último título, o Brasileirão, marcou 117 gols também em 67 jogos – média de 1,75 por jogo. Agora, nesse início de temporada, a média despencou para 0,75.

Dos 20 clubes da Série A de 2017, apenas a Chapecoense tem média de gols inferior a do Corinthians. O time catarinense, que ainda passa pelo processo de reformulação do elenco após a tragédia de Medellín, marcou 5 gols em 7 jogos (média de 0,71 por partida). Já o Internacional, que disputará a Série B, tem até aqui 8 gols em 6 jogos (média de 1,33 por jogo).

Por outro lado, o Santos é quem tem a melhor média de gols em jogos oficiais na temporada 2017. Em 3 jogos a equipe do técnico Dorival Júnior marcou 10 gols (3,33 por partida). O São Paulo, do técnico Rogério Ceni, marcou 11 gols em 4 jogos (2,75 por partida). No Paulistão, o tricolor marcou 10 gols em 3 jogos. Já o Flamengo, em 6 jogos, marcou 16 gols (média de 2,75 por jogo)

Melhores ataques dos clubes da Série A em 2017:

Clube Gols Jogos Média
Santos 10 3 3,33
São Paulo 11 4 2,75
Flamengo 16 6 2,67
Vitória 19 7 2,71
Fluminense 19 7 2,71
Cruzeiro 13 6 2,17
Ponte Preta 8 4 2,00
Atlético-MG 9 5 1,80
Sport 12 7 1,71
Bahia 12 7 1,71
Vasco 7 5 1,40
Atlético-PR 8 6 1,33
Avaí 10 8 1,25
Botafogo 8 7 1,14
Atlético-GO 5 5 1,00
Grêmio 4 4 1,00
Palmeiras 3 3 1,00
Coritiba 4 5 0,80
Corinthians 3 4 0,75
Chapecoense 5 7 0,71

 

]]>
8
Pratto: 70º estrangeiro na história do São Paulo http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/14/pratto-70o-estrangeiro-na-historia-do-sao-paulo/ http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/2017/02/14/pratto-70o-estrangeiro-na-historia-do-sao-paulo/#respond Tue, 14 Feb 2017 11:28:38 +0000 http://futebolemnumeros.blogosfera.uol.com.br/?p=1394 O atacante argentino Lucas Pratto vestiu ontem a camisa do São Paulo em sua apresentação ao clube. O ex-jogador do Atlético-MG, de 28 anos, será o 70º estrangeiro a jogar pelo tricolor do Morumbi e 25º argentino. Entre os quatro grandes clubes de São Paulo, apenas o Santos já teve mais gringos em sua história (94). O Palmeiras teve 68, mas contratou mais dois estrangeiros agora – o colombiano Borja e o venezuelano Alejandro Guerra. Já o Corinthians, com a chegada do turco Kazim, chegou a 43 gringos em sua história.

Com a chegada de Pratto, o São Paulo agora conta com cinco estrangeiros em seu elenco, sendo três argentinos (Buffarini, Chávez e Pratto), um uruguaio (Lugano) e um peruano (Cueva). Lugano, de 36 anos, que está em sua segunda passagem pelo clube, é o 5º estrangeiro que mais jogo pelo tricolor com 202 jogos. Até hoje, o recordista é o goleiro argentino Jose Poy, que disputou 525 jogos, seguido pelos uruguaios Darío Pereyra, zagueiro (453 partidas), o meia Pedro Rocha (393) e o lateral Pablo Forlán (243).

Já entre os gringos que mais marcaram gols pelo São Paulo, o primeiro colocado, disparado, é Pedro Rocha, com 119 gols. Antonio Sastre, argentino, é o segundo com 56 gols, seguido por Gustavo Albella (argentino, 46 gols), Rubén Barrios (paraguaio, 40 gols) e Aristizábal (colombiano, 37 gols) e Darío Pereyra (também 37 gols). Lugano, com 13 gols, é o 12º da lista dos maiores artilheiros estrangeiros do clube, seguido por Chávez, autor de 12 gols. Já o peruano Cueva, com 8 gols, é o 16º da lista, ao lado do argentino Centurión, que deixou o clube em 2016.

Todos os 69 estrangeiros que já jogaram pelo São Paulo:

ARGENTINA – 24 jogadores
Hernan Adrián González
Lateral-direito (16/08/2009 – 31/01/2010)
20/11/1976 – Avellaneda
Clube anterior: San Lorenzo

Gustavo Albella
Meia (02/03/1952 – 07/02/1954)
22/08/1925 – Altagracia
Clube anterior: Banfield
Campeão Paulista (1953)

Horacio Andres Ameli
Zagueiro (27/07/2002 – 28/11/2002)
07/07/1974 – Rosário
Clube anterior: San Lorenzo

Gregorio Beraza
Meia-atacante (22/11/1956 – 17/02/1957)
02/05/1931 – Rosário
Clube anterior: Platense
Campeão Paulista (1957)

Luiz Carlos Bonelli
Goleiro (25/03/1956 – 03/01/1957)
25/06/1928 – Mendoza
Clube anterior: Comercial de RP

Elmo Bóvio
Meia-atacante (16/04/1950 – 17/12/1950)
14/07/1925 – Buenos Aires
Clube anterior: Palmeiras

Julio Alberto Buffarini
Lateral-direito (desde 04/08/2016)
18/08/1988 – Córdoba
Clube anterior: San Lorenzo

Jonathan Calleri
Atacante (03/02/2016 – 13/07/2016)
23/09/1993 – Buenos Aires
Clube anterior: Boca Juniors

Marcelo Cañete
Meia (31/08/2011 – 23/03/2014)
16/04/1990 – Lugano
Clube anterior: Universidad Católica-CHI

João Castagno
Atacante (31/07/1940 – 14/08/1940)
Data e local de nascimento desconhecidos, Argentina
Clube anterior: Desconhecido

Ricardo Adrián Centurión
Atacante (desde 14/02/2015)
19/01/1993 – Avellaneda
Clube anterior: Racing

Andres Eliseo Chávez
Atacante (desde 31/07/2016)
21/03/1991 – Salto
Clube anterior: Boca Juniors

Clemente Jose Rodríguez
Lateral-esquerdo (10/07/2013 – 15/08/2013)
31/07/1981 – Buenos Aires
Clube anterior: Boca Juniors

Cesar Hector González
Lateral-direito e zagueiro (15/11/1950 – 25/02/1951)
07/12/1926 – Bolivar
Clube anterior: Internacional

Teófilo Juarez
Zagueiro (31/07/1940 – 22/10/1940)
09/02/1910 – Santiagol del Estero
Clube anterior: Santos

Rinaldo Fioramonte Martino
Atacante (05/04/1953 – 31/05/1953)
06/11/1921 – Rosário
Clube anterior: Nacional-URU

Nicolas Moreno
Atacante (02/03/1952 – 18/01/1953)
23/12/1922 – San Martin
Clube anterior: Banfield
Campeão Paulista (1953)

Juan Jose Eufemio Negri
Atacante, Armador (12/04/1953 – 12/05/1955)
08/03/1923 – Buenos Aires
Clube anterior: Juventus
Campeão Paulista (1953)

Carlos Jose Ponziníbio
Meio-campista (05/08/1934 – 11/05/1940)
31/05/1906 – Buenos Aires
Clube anterior: Estudiantes

Jose Poy
Goleiro (14/06/1949 – 16/12/1962)
16/04/1926 – Rosário
Clube anterior: Rosario Central
Campeão Paulista (1948, 1949, 1953 e 1957)

Pedro Prospitti
Atacante (30/10/1966 – 04/12/1966)
24/07/1941 – Alle
Clube anterior: River Plate

Armando Federico Renganeschi
Zagueiro (26/11/1944 – 21/11/1948)
10/05/1913 – Capitán Sarmiento
Clube anterior: Fluminense
Campeão Paulista (1945, 1946 e 1948)

Alfredo Runtzer
Atacante (21/03/1954 – 11/04/1954)
07/06/1925 – Local de nascimento desconhecido
Clube anterior: Ypiranga

Antonio Sastre
Meia (18/04/1943 – 15/12/1946)
27/04/1911 – Lomas de Zamora
Clube anterior: Independiente
Campeão Paulista (1943, 1945 e 1946)

CHILE – 5 jogadores
Cláudio Andrés del Tránsito Maldonado Rivera
Volante (03/05/2000 – 16/03/2003)
03/01/1980 – Curicó
Clube anterior: Colo-Colo
Campeão do Torneio Rio-São Paulo (2001), Paulista (2000) e Supercampeão Paulista (2002)

Eugenio Esteban Mena Reveco
Lateral-esquerdo (desde 20/01/2016)
18/07/1988 – Viña del Mar
Clube anterior: Cruzeiro

Gabriel Mendoza Ibarra
Lateral direito (14/02/1996 – 04/05/1996)
22/05/1968 – Swel
Clube anterior: Colo-Colo

Roberto Antonio Rojas Saavedra
Goleiro (23/09/1987 – 19/04/1989)
08/08/1957 – Santiago
Clube anterior: Colo-Colo
Campeão Paulista (1989)

Jose Luis Sierra Pando
Meia (28/09/1994 – 18/11/1995)
05/12/1968 – Santiago
Clube anterior: Unión Española

CHIPRE – 1 jogador
Abraham Ben-Lulu (Alberto)
Goleiro (23/09/1967)
19/01/1948. Local de nascimento desconhecido, Chipre
Clube anterior: Categorias de base do São Paulo

COLÔMBIA – 3 jogadores
Victor Hugo Aristizábal Posada
Atacante (08/08/1996 – 10/05/1998)
09/12/1971 – Medellín
Clube anterior: Atlético Nacional
Campeão Paulista (1998)

Dorlan Mauricio Pabon Rios
Atacante (09/02/2014 – 31/05/2014)
24/01/1988 – Medellín
Clube anterior: Valencia-ESP

Wilder Andrés Guisao Correa
Atacante (20/08/2015 – 15/05/2016)
30/07/1991. Apartadó
Clube anterior: Toluca-MEX

EL SALVADOR – 1 jogador
Juan Francisco Barraza
Atacante (19/01/1964 – 23/02/1964)
12/01/1935. San Miguel

EQUADOR – 2 jogadores
Hector Johnny Carabali Cevallos
Volante (10/03/1999 – 25/07/1999)
15/02/1972. Guayaquil
Clube anterior: Barcelona-EQU

Neicer Reasco Yano
Lateral direito (13/08/2006 – 08/03/2008)
23/07/1977 – Tambillo
Clube anterior: LDU Quito
Campeão Brasileiro (2006, 2007 e 2008)

ESPANHA – 1 jogador
Fernando Carazzo Castro
Atacante (25/01/1936 – 16/02/1936)
06/04/1904. La Coruña
Clube anterior: Espanha (atual Jabaquara)

HUNGRIA – 1 jogador
Joseph Lengyel (José Lengyel)
Goleiro (14/05/1933 – 25/03/1934)
01/03/1908 – Local desconhecido, Hungria
Clube anterior: Juventus

JAPÃO – 1 jogador
Mizushima Musashi
Meia (21/04/1985)
10/09/1964, Tóquio
Clube anterior: Shimizu
Campeão Paulista (1985)

PARAGUAI – 6 jogadores
Celso Rafael Ayala Gávilan
Zagueiro (27/09/2000 – 08/11/2000)
20/08/1970. Assunção
Clube anterior: Atlético de Madri-ESP

Ruben Marcial Barrios Gonzalez
Atacante (12/02/1944 – 19/10/1947)
29/06/1919. Lambaré
Clube anterior: Boca Juniors
Campeão Paulista (1945 e 1946)

Cecílio Martinez Arce
Ponta, Meia (28/04/1963 – 28/04/1965)
01/01/1943. Asunção
Clube anterior: Nacional-PAR

Nestor Daniel Isasi Guillén
Lateral-direito (03/041997 – 17/01/1999)
04/09/1972, Asunção
Clube anterior: Guaraní-PAR

Carlos Assim Safuán Garcia (Paraguaio)
Meia (18/08/1968 – 12/01/1969)
25/01/1948. San Estanislao
Clube anterior: Mariscal Lopez

Iván Rodrigo Piris Leguizamón
Lateral-direito (31/07/2011 – 10/06/2012)
10/03/1989 – Assunção
Clube anterior: Cerro Porteño

PERU – 1 jogador
Christian Alberto Cueva Bravo
Meio-campista (desde 29/06/2016)
23/11/1991. Trujillo
Clube anterior: Toluca-MEX

PORTUGAL – 2 jogadores
Antônio Ferreira D’Azambuja (Azambuja)
Meia (25/08/1946 a 09/10/1949)
10/11/1925 – Carapinheira do Campo
Clube anterior: Categorias de base do São Paulo
Campeão Paulista (1949)

Antônio Augusto Fernandes Machado
Atacante (10/11/1966 – 01/04/1967)
28/08/1947 – Vimioso
Clube anterior: Categorias de base do São Paulo

REPÚBLICA TCHECA – 1 jogador
František Šafránek (Chafranek)
Lateral direito (24/06/1964)
02/01/1931 – Praga
Clube anterior: Dukla Praga-TCH

ROMÊNIA – 2 jogadores

Constantin Jorgov De Maria
Atacante (30/05/1951 – 19/11/1951)
16/09/1923 – Galita
Clube anterior: XV de Piracicaba

Waldemar Zaclis
Volante (09/10/1939 – 06/03/1943)
24/04/1918 – Telenasti
Clube anterior: Categorias de base
Campeão Paulista (1943)

UCRÂNIA – 1 jogador
CHEMP. Eugênio Chemp
Atacante (29/11/36 – 31/07/1941)
18/02/1916 – Kiev (nacionalidade uruguaia)
Clube anterior: Albion-SP

URUGUAI – 16 jogadores
Graciano Acosta Torres
Volante (29/071937 – 06/02/1938)
1909 – Tacuarembó
Clube anterior: Desconhecido

Diego Vicente Aguirre Camblor
Meia-atacante (15/07/1990 – 04/10/1990)
13/09/1965 – Montevidéu
Clube anterior: Peñarol

Álvaro D. Pereira Barragán
Lateral-esquerdo (26/01/2014 – 30/11/2014)
28/11/1985. Montevidéu
Clube anterior: Internazionale-ITA

Emilio Armiñana
Meia (13/05/1930 – 28/06/1931)
Data de nascimento desconhecida – Central
Clube anterior: Peñarol Universitario
Campeão Paulista (1931)

Juán Ramon Carrasco Torres
Meio-campista (27/06/1990 – 10/10/1990)
15/09/1965 – Montevidéu
Clube anterior: Peñarol

Alfonso Darío Pereyra Bueno
Zagueiro, Volante, Meia (11/12/1977 – 28/05/1988)
19/10/1956. Sauce
Clube anterior: Nacional-URU
Campeão Brasileiro (1977 e 1986) e Paulista (1980, 1981, 1985 e 1987)

Pablo Justo Forlán Lamarque
Lateral-direito (01/05/1970 a 14/09/1975)
14/07/1945 – Mercedes Soriano
Clube anterior: Peñarol
Campeão Paulista (1970, 1971 e 1975)

Ruben Alfredo Furtembach
Lateral-esquerdo e zagueiro (21/04/1985 – 09/07/1986)
22/06/1963 – Artigas
Clube anterior: Nacional-URU
Campeão Paulista (1985)

Daniel Gutiérrez
Meia-direita (25/01/1936)
1910 – Rivera
Clube anterior: provavelmente Palestra Itália

Diego Alfredo Lugano Morena
Zagueiro (11/05/2003 – 16/08/2006)
02/11/1980. Canelones
Clube anterior: Nacional-URU
Campeão Mundial de Clubes (2005), da Libertadores (2005), Brasileiro (2006) e Paulista (2005)

Gustavo Christian Matosas Paidón
Meia (03/06/1993 – 19/11/1993)
27/05/1967 – Montevidéu
Clube anterior: Racing-ARG

Pedro Virgílio Rocha Franchetti
Meia-esquerda (27/09/1970 – 18/02/1978)
03/12/1942 – Salto
Clube anterior: Peñarol
Campeão Brasileiro (1977) e Paulista (1971 e 1975)

Ramón Vicente Jesus
Volante (20/11/1941 – 28/06/1942)
27/10/1915 – Montevidéu
Clube anterior: Montevideo Wanderers

Herculano Romulo Squarza
Zagueiro (11/05/1940 a 04/01/1942)
29/10/1914 – Montevidéu
Clube anterior: Desconhecido

Eusebio Urruzmendi
Atacante (07/07/1951 – 15/07/1951)
Data e local de nascimento desconhecidos
Clube anterior: Desconhecido

Apparicio Vega
Atacante (23/09/1934 – 24/03/1935)
23/11/1911 – Melo
Clube anterior: Desconhecido

VENEZUELA – 1 jogador

Alexander Rondón Heredia
Atacante (24/07/2004 – 20/10/2004)
30/08/1977 – Cumana
Clube anterior: Deportivo Táchira

Fonte: São Paulo FC

]]>
0