Futebol em Números

Arquivo : Tite

Tite chamou 55 jogadores em seis convocações
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

O técnico Tite convocou hoje 24 jogadores para os amistosos contra Argentina e Austrália nos dias 9 e 13 de junho. Cinco deles são foram chamados pela primeira vez desde a chegada do treinador, no dia 20 de junho de 2016: o goleiro Diego Alves, o lateral-direito Rafinha, os zagueiros David Luiz e Jemerson, e o lateral esquerdo Alex Sandro.

Com esses cinco novos convocados, Tite chega a 55 jogadores em seis convocações. Até aqui, foram sete goleiros, cinco laterais direitos, dez zagueiros, seis laterais esquerdos, sete volantes, dez meias e dez atacantes. Neymar, principal jogador e artilheiro da seleção na era Tite com 7 gols, não foi convocado dessa vez. Outros três jogadores que foram titulares e jogaram em todas as oito partidas oficiais da seleção de Tite também foram poupados dessa convocação: os zagueiros Marquinhos e Miranda e o goleiro Alisson. Daniel Alves, outro titular absoluto, também não foi chamado.

Já o lateral direito Fágner e o goleiro Weverton foram mais uma vez convocados e são os únicos dois que foram chamados em todas as seis convocações, incluindo o amistoso contra a Colômbia no início de 2017.

Todos os convocados por Tite desde sua entrada na seleção, em junho de 2016:
Goleiros (7)
Weverton (6), Alisson (4), Alex Muralha (3), Ederson (2), Diego Alves (1), Marcelo Grohe (1) e Danilo Fernandes (1)

Laterais direitos (5)
Fágner (6), Daniel Alves (4), Marcos Rocha (1), Mariano (1) e Rafinha (1)

Zagueiros (10)
Gil (5), Marquinhos (4), Miranda (4), Thiago Silva (4), Rodrigo Caio (4), David Luiz (1), Jemerson (1), Geromel (1), Luan (1) e Victor Hugo (1)

Laterais esquerdos (6)
Filipe Luís (5), Marcelo (5), Alex Sandro (1), Fábio Santos (1), Jorge (1) e Wendell (1)

Volantes (7)
Casemiro (5), Paulinho (5), Fernandinho (4), Rafael Carioca (2), Henrique (1), Walace (1) e Willian Arão (1)

Meias (10)
Renato Augusto (5), Giuliano (5), Lucas Lima (5), Phillipe Coutinho (5), Willian (5), Diego (2), Rodriguinho (2), Oscar (1), Gustavo Scarpa (1) e Camilo (1)

Atacantes (10)
Douglas Costa (5), Gabriel Jesus (4), Neymar (4), Diego Souza (3), Roberto Firmino (3), Taison (3), Gabriel (1), Dudu (1), Robinho (1) e Luan (1)

Tags : Tite


Brasil pode superar recorde da Argentina nas Eliminatórias
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Após vencer oito partidas seguidas nas Eliminatórias da Copa do Mundo, a seleção brasileira do técnico Tite deu uma arrancada na tabela de classificação e garantiu vaga antecipada para o Mundial da Rússia em 2018. Ontem, na Arena Corinthians, venceu o Paraguai por 3 x 0 e chegou 33 pontos em 14 jogos. Só com Tite, foram 24 pontos em 8 jogos (24 gols a favor e apenas 2 gols sofridos).

Com o técnico Dunga, nos seis primeiros jogos, o Brasil conseguiu 2 vitórias, 3 empates e teve 1 derrota. Assim, somando os jogos de Tite (8 vitórias em 8 jogos), a seleção tem agora um aproveitamento de 78,6% dos pontos. O melhor do Brasil na história das Eliminatórias desde 1998, quando passou a valer o sistema de pontos corridos na América do Sul. Até então, as melhores campanhas da seleção brasileira tinham sido nas Eliminatórias de 2006 e 2010, com 63% de aproveitamento.

Campanhas do Brasil nas Eliminatórias para a Copa desde 2002:

EdiçãoPGJVEDGPGCAprov.
201833141031361078,5%
20103418972331162,7%
20063418972351762,7%
20023018936311755,6%

Contando as outras seleções da Conmebol, desde 1998, a Argentina, de 2002, é ainda a seleção com a melhor campanha nas Eliminatórias. Naquela edição, o time comandado pelo técnico Marcelo Bielsa fez 43 pontos em 18 jogos e teve um aproveitamento de 79,6% dos pontos. A Argentina, que tinha no elenco Simeone, Ayala, Crespo, Aimar, Zanetti e Gallardo, venceu 13 jogos, empatou 3 e perdeu apenas 1 – para o Brasil, no Morumbi, 3 x 1, com dois gols de Vampeta. O Brasil, hoje, tem 78,5% de aproveitamento e 33 pontos. Para igualar a marca da Argentina, a seleção brasileira precisará vencer, pelo menos, três dos próximos quatro jogos e empatar outro. Ou seja, ganhar 10 dos 12 pontos em disputa contra Equador (casa), Colômbia (fora), Bolívia (fora) e Chile (casa). Em 2002, a Argentina marcou 42 gols e sofreu 15 gols, ficando com 27 gols de saldo. Hoje, o Brasil tem 36 gols feitos e 10 sofridos, 26 de saldo. Se conseguir os 10 pontos nos últimos quatro jogos, poderá superar a Argentina então no saldo de gols.

Já o ataque da seleção brasileira (36 gols em 14 partidas, média de 2,57 por partida), é o melhor de uma seleção nas Eliminatórias da Conmebol desde 1998. Até então, a melhor era, também, da Argentina de 2002 (2,33 – 42 gols em 18 jogos) e da Argentina de 2014 (2,19 – 35 gols em 16 jogos). Para quebrar esse recorde da Argentina, de 42 gols em 18 jogos, a seleção brasileira precisará marcar 6 gols nos próximos 4 jogos. Sob o comando de Tite, nos últimos 8 jogos, a média de gols da seleção é de 3 por partida (24 gols em 8 jogos).

Já a defesa da seleção de Tite está também entre as melhores. Com 10 gols sofridos em 14 jogos, o Brasil tem uma média de 0,71 gol sofrido por jogo. Desde 1998, a melhor defesa foi também a da seleção brasileira, mas nas Eliminatórias de 2010, quando levou 11 gols em 18 jogos (média de 0,61 por partida). Para superá-la, a seleção de Tite não poderá sofrer gol nos próximos 4 jogos.


Tite já convocou 49 jogadores para Seleção Brasileira
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

O técnico Tite convocou hoje 23 jogadores para as partidas contra Uruguai e Paraguai, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. O goleiro Ederson, do Benfica-POR, foi o único nome novo em relação às quatro convocações anteriores. Com isso, o treinador chega aos número de 49 atletas convocados. Para jogos oficiais (Eliminatórias), sem contar o amistoso de janeiro contra a Colômbia, o número de jogadores convocados cai para 33. Destes, Diego Souza (Sport) e Diego (Flamengo), entram como novidades ao lado de Ederson, já que só foram chamadas para o último amistoso.

Dos 49 jogadores chamados até aqui, apenas dois estiveram presentes em todas as cinco convocações: o goleiro Weverton, do Atlético-PR, e o lateral direito, Fágner, que jogara apenas no amistoso contra a Colômbia. Para as quatro convocações oficiais, 14 atletas estiveram presentes em todas as listas: os goleiros Alisson e Weverton; os laterais Daniel Alves, Fágner e Filipe Luís; os zagueiros Marquinhos, Miranda e Gil; o volante Paulinho; os meias Renato Augusto, Giuliano, Philippe Coutinho e Willian; e o atacante Neymar. Marcelo e Casemiro também foram chamados quatro vezes, mas acabaram cortados na segunda convocação.

Entre os jogadores que mais atuaram até aqui, com seis partidas cada, apenas Gabriel Jesus ficou de fora dessa última convocação, já que está lesionado. Os outros são Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda, Renato Augusto e Philippe Coutinho.

Todos os convocados por Tite desde agosto de 2016 (cinco convocações). Em azul os convocados hoje e entre parênteses o número de convocações:
Goleiros
Alisson (4), Weverton (5), Ederson (1), Alex Muralha (3), Danilo Fernandes (1) e Marcelo Grohe (1)

Laterais direitos
Daniel Alves (4), Fágner (5) e Marcos Rocha (1)

Zagueiros
Marquinhos (4), Miranda (4), Gil (4), Thiago Silva (4), Rodrigo Caio (3), Geromel (1), Luan (1) e Victor Hugo (1)

Laterais esquerdos
Marcelo* (4), Filipe Luís (4), Wendell (1), Fábio Santos (1) e Jorge (1)

Volantes
Casemiro* (4), Paulinho (4), Fernandinho (3), Rafael Carioca (2), Henrique (1), Walace (1) e Willian Arão (1)

Meias
Renato Augusto (4), Giuliano (4), Philippe Coutinho (4), Willian (4)Diego (2), Lucas Lima (4), Oscar (1), Rodriguinho (1), Gustavo Scarpa (1) e Camilo (1)

Atacantes
Neymar (4), Douglas Costa* (4), Roberto Firmino (3), Diego Souza (2), Gabriel Jesus (3), Taison (2), Gabriel (1), Dudu (1), Robinho (1) e Luan (1)

* Cortados uma vez

Quem mais jogou
6 partidas
Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda, Renato Augusto, Philippe Coutinho e Gabriel Jesus

5 partidas
Paulinho, Willian e Neymar

4 partidas
Fernandinho

3 partidas
Filipe Luís, Marcelo e Giuliano

2 partidas
Casemiro, Lucas Lima, Taison, Douglas Costa e Roberto Firmino

1 partida
Thiago Silva, Weverton, Fágner, Rodrigo Caio, Geromel, Fábio Santos, Jorge, Walace, Willian Arão, Rodriguinho, Gustavo Scarpa, Diego, Camilo, Diego Souza, Dudu, Robinho e Luan

Quem não jogou (13)
Marcelo Grohe, Alex Muralha, Danilo Fernandes, Ederson, Marcos Rocha, Gil, Luan (zag), Victor Hugo, Wendell, Rafael Carioca, Henrique, Oscar e Gabriel

Maiores artilheiros
5 gols
Gabriel Jesus

4 gols
Neymar

2 gols
Philippe Coutinho

1 gol
Miranda, Filipe Luís, Paulinho, Renato Augusto, Willian, Roberto Firmino e Dudu

Tags : Tite


Brasil subirá do 9º para o 4º lugar no ranking da Fifa
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Com as duas vitórias sob o comando do técnico Tite, a Seleção Brasileira dará um salto na classificação das Eliminatórias da América do Sul para a Copa do Mundo de 2018 – do 6º para o 2º lugar. Os triunfos sobre Equador (3 x 0) e hoje, sobre a Colômbia (2 x 1), vão fazer com que o Brasil ganhe posições no ranking da Fifa.

Na última atualização do ranking, no dia 11 de agosto, a Seleção Brasileira estava na 9ª colocação com 1.156 pontos. Com as duas vitórias, subirá irá para 1.323 e chegará ao 4º lugar. Sua melhor posição desde junho de 2014, após o 4º lugar na Copa do Mundo. Com Dunga, a melhor colocação da Seleção no ranking havia sido o 5º lugar entre abril e setembro de 2015.

Agora, à frente do Brasil no ranking, estão apenas Argentina, Bélgica e Alemanha. Confira como deverá ficar o ranking da Fifa na próxima atualização, que deverá sair na próxima semana:
Ranking da Fifa (setembro de 2016):

Pos.PaísPontos
Argentina1646
Bélgica1369
Alemanha1347
Brasil1323
Colômbia1323
Chile1284
Portugal1256
França1188
Uruguai1173
10ºPaís de Gales1160
11ºEspanha1141
12ºInglaterra1130
13ºItália1124
14ºMéxico1090
15ºCroácia1059

 


Ranking da Fifa (agosto de 2016):

Pos.PaísPontos
Argentina1585
Bélgica1401
Colômbia1331
Alemanha1319
Chile1316
Portugal1266
França1189
Espanha1165
Brasil1156
10ºItália1155
11ºPaís de Gales1137
12ºUruguai1130
13ºInglaterra1107
14ºMéxico1042
15ºCroácia1022

 

 


Tite supera estreia de seus antecessores na Seleção
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

A estreia do técnico Tite na Seleção Brasileira foi perfeita. Vitória de 3 x 0 fora de casa sobre o Equador, líder das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. O resultado convincente deu ao Brasil sua primeira vitória fora de casa na competição, fez a seleção ganhar uma posição e ficar a apenas dois pontos do líder – agora a Argentina com 14 pontos.

Em comparação com a estreia dos últimos técnicos da Seleção Brasileira, contemporâneos de Tite, a estreia do ex-técnico do Corinthians foi muito melhor. Primeiro pois Tite teve logo de cara um desafio mais complicado, em jogo oficial, fora de casa e num momento de pressão para o Brasil. Felipão viveu algo parecido em 2001, quando assumiu a Seleção pela primeira vez. Naquela época, enfrentou o Uruguai fora de casa precisando da vitória para manter as chances de classificação para a Copa de 2002. No entanto, o time acabou derrotado em Montevidéu.

Em 2003, Parreira, em seu primeiro jogo oficial pela Seleção, perdeu para Camarões na estreia da Copa das Confederações. Depois, Dunga perdeu também seu primeiro jogo oficial, sendo derrotado pelo México na Copa América da Venezuela (2 x 0).

Mano Menezes, na Copa América de 2011, seu primeiro torneio oficial, apenas empatou com a Venezuela na estreia (0 x 0). Depois dele, Felipão, em sua segunda passagem pela Seleção, voltou a conquistar uma vitória para um técnico estreante, como Emerson Leão em 2000 (1 x 0 sobre a Colômbia nas Eliminatórias). Em 2013, Felipão comandou o Brasil na vitória por 3 x 0 sobre o Japão na Copa das Confederações, em casa.

Já em 2015, Dunga, em sua volta à Seleção, venceu a seleção do Peru pelo placar apertado de 2 x 1 na estreia da Copa América no Chile.

Dunga
5/9/2014 – Brasil 1 x 0 Colômbia (amistoso) – Dunga
14/6/2015 – Brasil 2 x 1 Peru (Copa América) – Dunga

Luiz Felipe Scolari
6/2/2013 – Brasil 1 x 2 Inglaterra (amistoso)
15/6/2013 – Brasil 3 x 0 Japão (Copa das Confederações)

Mano Menezes
10/8/2010 – Brasil 2 x 0 Estados Unidos (amistoso)
3/7/2011 – Brasil 0 x 0 Venezuela (Copa América)

Dunga
16/8/2006 – Brasil 1 x 1 Noruega (amistoso)
27/6/2007 – Brasil 0 x 2 México (Copa América)

Parreira
12/2/2003 – Brasil 0 x 0 China (amistoso)
19/6/2003 – Brasil 0 x 1 Camarões (Copa das Confederações)

Luiz Felipe Scolari
1/7/2001 – Brasil 0 x 1 Uruguai (Eliminatórias)

Emerson Leão
15/11/2000 – Brasil 1 x 0 Colômbia (Eliminatórias)

Tags : Tite


Tite: 2ª pior série de resultados no Corinthians
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

O Corinthians perdeu hoje para o Vitória, por 3 x 2, em Salvador, e chegou ao quinto jogo sem vitória. A última vez que o time do técnico Tite ganhou foi há 32 dias, no dia 20 de abril, quando goleou o Cobresal-CHI, em casa (6 x 0).

Como só voltará a jogar no dia 25 de maio, contra a Ponte Preta, em  casa, esse jejum de vitórias (se for encerrado no próximo domingo), chegará a 36 dias. Assim, chegará próximo do seu maior período em dias sem vitória pelo clube. Em 2004, quando assumiu o Corinthians pela primeira vez, Tite levou 38 dias para conseguir sua primeira vitória – que foi diante do Coritiba.

A atual marca de 5 jogos sem vitória iguala também as sequências sem ganhar de 2004 (entre maio e julho), de 2011 (janeiro e fevereiro), e de 2013 (fevereiro). Em 2011, entre setembro e outubro, o Corinthians teve sua pior sequência em número de jogos sem vitória com Tite, ficando oito jogos sem ganhar, contando jogos do Brasileirão e Copa do Brasil.

Pouco depois, o Corinthians foi eliminado na Copa do Brasil pelo Grêmio (com o famoso pênalti perdido por Alexandre Pato) e terminou na 10ª colocação do Brasileirão. Na sequência, Tite acabou deixando o clube, no qual retornou no início de 2015.

5 jogos (2004) – 38 dias
30/5 – São Paulo (1 x 1) – Brasileirão
13/6 – Goiás (1 x 1) – Brasileirão
20/6 – Flamengo (1 x 1) – Brasileirão
27/6 – Juventude (0 x 1) – Brasileirão
4/7 – Santos (2 x 3) – Brasileirão
7/7 – Coritiba (2 x 1) – Brasileirão

5 jogos (2011) – 17 dias
19/1 – Bragantino (1 x 1) – Paulistão
23/1 – Noroeste (1 x 1) – Paulistão
26/1 – Tolima-COL (0 x 0) – Libertadores
30/1 – São Bernardo (2 x 2) – Paulistão
2/2 – Tolima-COL (0 x 2) – Libertadores
6/2 – Palmeiras (1 x 0) – Paulistão

5 jogos (2013) – 21 dias
6/2 – Botafogo (0 x 0) – Paulistão
9/2 – São Caetano (2 x 2) – Paulistão
17/2 – Palmeiras (2 x 2) – Paulistão
20/2 – San José-BOL (1 x 1) – Libertadores
24/2 – Bragantino (2 x 2) – Paulistão
27/2 – Millonarios-COL (2 x 0) – Libertadores

8 jogos (2013) – 28 dias
4/9 – Internacional (0 x 1) – Brasileirão
8/9 – Náutico (0 x 0) – Brasileirão
11/9 – Botafogo (0 x 1) – Brasileirão
15/9 – Goiás (1 x 2) – Brasileirão
18/9 – Ponte Preta (0 x 2) – Brasileirão
22/9 – Cruzeiro (0 x 0) – Brasileirão
25/9 – Grêmio (0 x 0) – Copa do Brasil
29/9 – Portuguesa (0 x 4) – Brasileirão
2/10 – Bahia (2 x 0) – Brasileirão

5 jogos (2016) – 32 dias
20/4 – Cobresal-CHI (6 x 0) – Libertadores
23/4 – Audax (2 x 2) – Paulistão
27/4 – Nacional-URU (0 x 0) – Libertadores
4/5 – Nacional-URU (2 x 2) – Libertadores
15/5 – Grêmio (0 x 0) – Brasileirão
22/5 – Vitória (2 x 3) – Brasileirão
29/5 – Sport – Brasileirão

 


Corinthians de Tite só ganhou um jogo fora em mata-matas da Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Ao empatar por 2 x 2 com o Nacional-URU, ontem, em jogo das oitavas de final da Libertadores, o Corinthians acabou eliminado mais uma vez num torneio de mata-mata. Foi a quinta vez em seu novo estádio, inaugurado em 2014. Sob o comando do técnico Tite, essa foi a quarta eliminação do time no torneio, sendo a terceira em casa.

Em 2011, o Corinthians acabou eliminado pelo Tolima-COL, ainda na pré-Libertadores. Em 2013, 2015 e 2016, foi eliminado nas oitavas de final, todas em casa. Na primeira, em 2013, pelo Boca Juniors-ARG. Em 2015 e 2016, na Arena Corinthians, para o Guaraní-PAR e para o Nacional-URU.

Com o técnico Tite, que dirigiu o clube nas edições de 2011, 2012, 2013, 2015 e 2016, o Corinthians conseguiu vencer apenas um jogo fora de casa em mata-mata (contra o Santos, na semifinal de 2012, jogando na Vila Belmiro, por 1 x 0, gol de Emerson Sheik).  Em nove jogos, o time empatou cinco e perdeu outros dois. Além disso, marcou apenas 3 gols jogando como visitante e acabou sofrendo 7 gols. Fora do Brasil, só perdeu ou empatou.

O fraco desempenho como visitante no primeiro jogo dos mata-matas foi crucial para a eliminação precoce do time nos últimos anos. Em 2013, perdeu para o Boca Juniors-ARG na Bombonera por 1 x 0. No jogo de volta, no Pacaembu, levou um gol cedo de Riquelme e depois conseguiu marcar apenas um dos três gols que precisava. Em 2015, no estádio Defensores del Chaco, em Assunção, o Corinthians jogou mal e perdeu por 2 x 0 para o Guaraní-PAR. Na volta, na Arena Corinthians, não teve forças para marcar e ainda sofreu um gol no finalzinho do jogo, sendo derrotado novamente (1 x 0). Agora, em 2016, teve novamente um desempenho ruim como visitante diante do Nacional-URU, não acertando uma finalização no gol adversário. E como em 2013, levou um gol cedo no jogo de volta e acabou eliminado após o empate por 2 x 2.

No geral, em todas as suas passagens pelo clube, Tite tem um retrospecto positivo em mata-matas, vencendo 16 e perdendo 10. Na Copa do Brasil, venceu um mata-mata (Luverdense-MT) e perdeu dois (Grêmio e Santos (casa)). O time perdeu para a Luverdense, empatou com o Grêmio e perdeu para o Santos.

No Paulistão, foram 11 mata-matas, com sete vitórias e quatro eliminações (três em casa – Ponte Preta, Palmeiras e Audax). Tite ganhou o Paulistão em 2013 e perdeu a final em 2011, para o Santos, na Vila. Nesses 11 mata-matas, o Corinthians jogou quatro jogos fora de casa (perdeu um, empatou dois e ganhou um).

Na Libertadores, foram cinco vitórias em mata-matas e quatro eliminações (Tolima, fora, e três em casa – Boca Juniors, Guaraní-PAR e Nacional-URU).

Além disso, venceu o São Paulo na Recopa Sul-Americana de 2013 e os dois jogos no Mundial de Clubes de 2012.


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>