Futebol em Números

Arquivo : Flamengo

Flamengo: melhor ataque do Brasil em 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Com 12 gols nos últimos três jogos, o Flamengo passou agora a ser o time de melhor ataque na temporada 2017 entre os clubes que estão na primeira divisão do Campeonato Brasileiro. Com os três gols contra o Fluminense, na final da Taça Guanabara, os quatro na vitória por 4 x 0 na estreia da Libertadores, e os cinco gols na vitória sobre a Portuguesa, pelo Campeonato Carioca, o rubro-negro soma agora 33 gols em 12 jogos – média de 2,75 por partida. O atacante peruano Guerrero, com 7 gols (todos no Estadual do Rio), é o artilheiro da equipe, seguido por Diego (5 gols), Everton, Leandro Damião e Mancuello (3 gols), Gabriel, Trauco, Lucas Paquetá e Willian Arão (2 gols) e Berrío, Juan e Rômulo (1 gol cada).

O São Paulo, que perdeu o clássico para o Palmeiras, no sábado, tem o segundo melhor ataque agora com média de 2,64 gols por jogo (marcou 29 gols em 11 jogos). Entre os 12 grandes do futebol brasileiro, o Corinthians tem hoje o pior ataque na temporada, com apenas 12 gols em 11 jogos – média de 1,09 por partida.

E além de ter o melhor ataque, o rubro-negro, do técnico Zé Ricardo, é ainda um dos invictos na temporada, ao lado do Cruzeiro. Até aqui, em 12 jogos, o Flamengo conseguiu 10 vitórias e 2 empates. A Raposa, do técnico Mano Menezes, que venceu hoje o clássico contra o América-MG (1 x 0), também não foi derrotada em seus 12 jogos (11 vitórias e um empate). Com 94,4% de aproveitamento, o Cruzeiro tem o melhor desempenho entre os 12 grandes no ano, à frente do Flamengo, que conquistou 88,9% dos pontos disputados. O Santos, por outro lado, tem o pior (45,8%).

Melhores ataques em 2017:

ClubeJogosGolsMédia
Flamengo12332,75
São Paulo11292,64
Fluminense12292,42
Palmeiras9212,33
Santos8182,25
Cruzeiro12262,17
Atlético-MG10212,10
Cruzeiro10212,10
Vitória13272,08
Sport14282,00
Internacional13241,85
Bahia13231,77
Ponte Preta10141,40
Grêmio9121,33
Avai13171,31
Vasco10131,30
Botafogo10121,20
Corinthians11121,09
Atlético-PR12131,08
Atlético-GO1090,90
Chapecoense17140,82
Coritiba970,78

 

Melhores aproveitamentos em 2017:

Tags : Flamengo


Grêmio: brasileiro com o elenco mais experiente em Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Começa hoje a fase de grupos da Copa Libertadores de 2017 com 32 equipes. Destas, oito são do Brasil, um recorde na história da competição. Entre os participantes brasileiros, estão cinco ex-campeões (Santos, Flamengo, Grêmio, Palmeiras e Atlético-MG), dois clubes que vieram da fase preliminar (Atlético-PR e Botafogo) e um estreante, a Chapecoense.

E dos elencos desses oito times brasileiros que vão jogar a Libertadores em 2017, o Grêmio é aquele com mais jogadores que já disputaram o torneio. São 23 no total, além do técnico Renato Gaúcho, que já foi campeão como jogador, pelo próprio Grêmio, em 1983, e vice-campeão como técnico, pelo Fluminense, em 2008. Entre os jogadores do Tricolor gaúcho que mais vezes disputaram o torneio estão os recém-contratados Leonardo Moura e Gastón Fernández, com 5 vezes cada, além de Marcelo Grohe e Bolaños, também com cinco participações cada. E dos 23 jogadores do Grêmio que já disputaram a Libertadores, três já foram campeões: Gastón Fernández, pelo Estudiantes-ARG, em 2009, Douglas, pelo Corinthians, em 2012, e Kannemann, pelo San Lorenzo-ARG, em 2014.

Em seguida, depois do Grêmio, o Palmeiras é o time brasileiro com mais jogadores com experiência na Libertadores. São 21, contando os dois campeões pelo Atlético Nacional-COL na última edição: o volante Guerra e o atacante Borja. Eles se juntam também a outros três ex-campeões do torneio: Jean, campeão pelo São Paulo, em 2005, que está indo para a sua oitava participação, Alecsandro, bicampeão por Inter e Galo, e Willian, campeão pelo Corinthians.

No Atlético-MG, são 20 jogadores que já disputaram o torneio, incluindo quatro ex-campeões do torneio pelo Galo em 2013: Victor, Giovanni, Marcos Rocha, Carlos César, Luan e Leonardo Silva. Lucas Cândido participou daquele grupo, mas não foi inscrito na fase de grupos. Outro ex-campeão é Fábio Santos, que levou o torneio pelo São Paulo e pelo Corinthians.

Na sequência, o Flamengo é quem aparece com mais jogadores (16), sendo quatro ex-campeões, seguido pelo Atlético-PR, com 9 jogadores. O Furacão, que conta com três ex-campeões, é o único dos brasileiros que conta com um técnico que já venceu a competição: Paulo Autuori, campeão pelo Cruzeiro (1997) e São Paulo (2005). Já Santos, Botafogo e Chapecoense têm apenas oito jogadores com experiência na Libertadores.

Jogadores dos clubes brasileiros que estão na Libertadores de 2017 e que já disputaram o torneio anteriormente:

Grêmio (23)
Leonardo Moura, lateral direito (5 part., 36 jogos)
Gastón Fernández, atacante (5 part., 33 jogos) – campeão pelo Estudiantes-ARG (2009)
Marcelo Grohe, goleiro (5 part., 23 jogos)
Bolaños, atacante (5 part., 22 jogos)
Douglas, meia (4 part., 27 jogos) – campeão pelo Corinthians (2012)
Lucas Barríos, atacante (4 part., 17 jogos)
Fernandinho, atacante (3 part., 17 jogos)
Marcelo Oliveira, lateral esquerdo (3 part., 15 jogos)
Maicon, volante (3 part., 13 jogos)
Maxi Rodríguez, meia (3 part., 13 jogos)
Bressan, zagueiro (3 part., 9 jogos)
Edílson, lateral direito (3 part., 9 jogos)
Luan, atacante (2 part., 15 jogos)
Ramiro, volante (2 part., 11 jogos)
Geromel, zagueiro (2 part., 10 jogos)
Kannemann, zagueiro (2 part., 10 jogos) – campeão pelo San Lorenzo-ARG (2014)
Bruno Cortez, lateral esquerdo (1 part., 6 jogos)
Éverton, atacante (1 part., 5 jogos)
Lincoln, meia (1 part., 5 jogos)
Pedro Rocha, atacante (1 part., 3 jogos)
Wallace, lateral direito (1 part., 3 jogos)
Lucas Coelho, atacante (1 part., 2 jogos)
Gabriel, zagueiro (1 part., 1 jogo)
Renato Gaúcho, técnico (1 part., 14 jogos)

Palmeiras (21)
Guerra, volante (8 part., 40 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Jean, lateral direito (7 part., 45 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005)
Alecsandro, atacante (6 part., 44 jogos) – campeão pelo Inter (2010) e Atlético-MG (2013)
Edu Dracena (5 part., 38 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Arouca (5 part., 41 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Zé Roberto, lateral esquerdo (4 part., 33 jogos)
Fernando Prass, goleiro (4 part., 28 jogos)
Mina, zagueiro (3 part., 20 jogos)
Egídio, lateral esquerdo (3 part., 20 jogos)
Dudu, atacante (3 part., 15 jogos)
Willian, atacante (3 part., 26 jogos) – campeão pelo Corinthians (2012)
Michel Bastos, meia (2 part., 20 jogos)
Felipe Melo, volante (2 part., 9 jogos)
Borja, atacante (2 part., 8 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Vítor Hugo, zagueiro (1 part., 6 jogos)
Keno, atacante (1 part., 5 jogos)
Thiago Santos, volante (1 part., 3 jogos)
Rafael Marques, atacante (1 part., 2 jogos)
Erik, atacante (1 part., 2 jogos)
Fabiano, lateral direito (1 part., 1 jogo)
Thiago Martins, zagueiro (1 part., 1 jogo)

Atlético-MG (20)
Leonardo Silva (7 part., 64 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Fábio Santos, lateral esquerdo (7 part., 48 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005) e Corinthians (2012)
Victor, goleiro (6 part., 55 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Robinho, atacante (4 part., 38 jogos)
Marcos Rocha, lateral direito (4 part., 32 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Rafael Moura, atacante (4 part., 23 jogos)
Otero, meia (4 part., 11 jogos)
Luan, atacante (3 part., 25 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Elias, volante (3 part., 23 jogos)
Fred, atacante (3 part., 19 jogos)
Carlos Eduardo, meia (3 part., 17 jogos)
Lucas Cândido, volante (3 part., 4 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Adílson, volante (2 part., 20 jogos)
Rafael Carioca, volante (2 part., 17 jogos)
Giovanni, goleiro (2 part., 2 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Cazares, atacante (1 part., 7 jogos)
Maicosuel, meia (1 part., 5 jogos)
Clayton, atacante (1 part., 4 jogos)
Uilson, goleiro (1 part., 1 jogo)
Carlos César, lateral direito (1 part., 1 jogo) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Roger Machado, técnico (1 part., 8 jogos)

Flamengo (16)
Réver, zagueiro (5 part., 39 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Pará, lateral direito (4 part., 29 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Leandro Damião, atacante (4 part., 28 jogos) – campeão pelo Internacional (2010)
Conca, meia (3 part., 28 jogos)
Berrío, atacante (3 part., 20 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Diego, meia (2 part., 23 jogos)
Donatti, zagueiro (2 part., 15 jogos)
Guerrero, atacante (2 part., 12 jogos)
Juan, zagueiro (2 part., 11 jogos)
Márcio Araújo, volante (1 part., 8 jogos)
Rômulo, volante (1 part., 8 jogos)
Éverton, meia (1 part., 6 jogos)
Cuellar, volante (1 part., 5 jogos)
Gabriel, atacante (1 part., 5 jogos)
Marcelo Cirino, atacante (1 part., 4 jogos)
Mancuello, meia (1 part., 2 jogos)

Atlético-PR (9)
Lucho González, volante (5 part., 37 jogos) – campeão pelo River Plate (2015)
Jonathan, lateral direito (4 part., 38 jogos) – campeão pelo Santos (2011)
Thiago Heleno (3 part., 24 jogos)
Grafite, atacante (3 part., 23 jogos) – campeão pelo São Paulo (2005)
Paulo André, zagueiro (3 part., 14 jogos)
Léo, lateral direito (2 part., 5 jogos)
Weverton, goleiro (1 part., 8 jogos)
Cléberson, zagueiro (1 part., 7 jogos)
Rafael Galhardo, lateral direito (1 part., 1 jogo)
Paulo Autouri, técnico (4 part., 36 jogos) – campeão pelo Cruzeiro (1997) e São Paulo (2005)

Botafogo (8)
Canales, atacante (3 part., 14 jogos)
Aírton, volante (2 part., 3 jogos)
Jefferson, goleiro (1 part., 8 jogos)
Gatito Fernández, goleiro (1 part., 8 jogos)
Gílson, lateral esquerdo (1 part., 7 jogos)
Joel, atacante (1 part., 5 jogos)
João Paulo, meia (1 part., 4 jogos)
Roger, atacante (1 part., 1 jogo) – campeão pelo São Paulo (2005)

Chapecoense (8)
Wellington Paulista, atacante (3 part., 24 jogos)
Diego Renan, lateral esquerdo (2 part., 16 jogos)
Zeballos, zagueiro (2 part., 10 jogos)
Dodô, meia (2 part., 4 jogos)
Luiz Antônio, volante (1 part., 8 jogos)
Reinaldo, lateral esquerdo (1 part. 7 jogos)
Apodi, lateral direito (1 part., 4 jogos)
Artur, goleiro (1 part., 1 jogo)
Vágner Mancini, técnico (1 part., 5 jogos)

Santos (8)
Thiago Ribeiro, atacante (5 part., 40 jogos)
Leandro Donizete, volante (4 part., 33 jogos) – campeão pelo Atlético-MG (2013)
Copete, atacante (4 part., 30 jogos) – campeão pelo Atlético Nacional-COL (2016)
Renato, volante (3 part., 24 jogos)
Ricardo Oliveira, atacante (3 part., 17 jogos)
Vecchio, meia (3 part., 15 jogos)
David Braz, zagueiro (2 part., 11 jogos)
Vladimir Hernández, meia (2 part., 6 jogos)
Dorival Júnior, técnico (1 part., 5 jogos)

 


Fla-Flu: Tricolor leva a melhor no histórico de mata-matas
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Em 105 anos de história, o Fla-Flu já foi disputado 397 vezes. Até aqui, a vantagem no confronto geral é do Flamengo, que venceu 144 vezes. O Fluminense ganhou outros 126 jogos e tivemos ainda 127 empates. Em mata-matas ou decisões entre as duas equipes, a vantagem, porém, é do Tricolor. Em 22 confrontos diretos, valendo título ou eliminação, o Flu ganhou 12, contra 10 do Rubro-negro. Em mata-mata diretos, como o de hoje, válido pela final da Taça Guanabara, foram seis triunfos do Tricolor contra cinco do Flamengo.

E quase todos os confrontos decisivos, em jogos oficiais, foram pelo Campeonato Carioca. Apenas em 2009 os dois se enfrentaram em outro torneio, a Copa Sul-Americana, quando o Fluminense despachou o Flamengo na primeira fase.

Pelo Carioca, os times duelaram então em 21 decisões, com 11 vitórias do Flu contra 10 do Flamengo. Pela Taça Guanabara, foram sete disputas, mas aí a vantagem é rubro-negra (5 x 2). Na Taça Guanabara, aliás, o Flamengo é o maior campeão com 20 títulos desde 1965. O Fluminense, atual campeão, tem 9 conquistas e está atrás do Vasco, que ganhou 12, na lista de títulos. O Botafogo tem 8, o América 6 e o Americano 2 títulos. E a última vez que o Fla-Flu decidiu a Taça Guanabara foi em 2004, quando o Flamengo foi campeão ao vencer por 3 x 2, no Maracanã, com gols de Fabiano Eller, Jean e Roger. Para o Flu, marcaram Antônio Carlos e o zagueiro Henrique (contra).

Mata-matas e partidas decisivas entre Flamengo e Fluminense
1936 – Campeonato Carioca (Liga Carioca de Futebol – LCF)
Depois de dois jogos (2 x 2) e Flu 4 x 1 Fla, o terceiro terminou empatado (1 x 1) e o Flu foi campeão

1941 – Campeonato Carioca
Na última rodada do 4º turno, o Fluminense precisava do empate para ser campeão. Já o Flamengo não tinha mais chances de título. O clássico terminou 2 x 2 e o Flu foi campeão.

1963 – Campeonato Carioca
Os dois times chegaram à última rodada com chance de título e fizeram um Fla-Flu memorável, com o maior público da história do Maracanã: 194 603 no total (177 020 pagantes). Com um ponto de vantagem, o Fla foi campeão após o 0 x 0.

1966 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Os dois times terminaram empatados na primeira fase e fizeram a final em jogo extra. Deu Flu (3 x 1), que ganhou a Taça Guanabara pela primeira vez.

1969 – Campeonato Carioca
Depois de empatarem em pontos no 2º turno, Fla e Flu decidiram o título em um jogo extra. Deu Flu (3 x 2), no Maracanã com 171 599 pagantes.

1970 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Na última rodada da 3ª fase da Taça Guanabara, o Fla segurou o empate contra o Flu (1 x 1), manteve-se um ponto à frente do rival na tabela e garantiu o título.

1971 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Na última rodada da Taça Guanabara, o apenas o Flu tinha chance de ser campeão. No clássico, deu tricolor (3 x 1), que ficou com o taça.

1972 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Na última rodada da Taça Guanabara, o Fla goleou o Flu por 5 x 2 e ficou com o título.

1972 – Campeonato Carioca
Depois de decidirem a Taça Guanabara, os times fizeram também a final do Estadual e novamente deu Fla (2 x 1), que ficou com o título carioca.

1973 – Campeonato Carioca
Na final do Estadual, em jogo único, o Flu venceu por 4 x 2, no Maracanã, e foi campeão

1983 – Campeonato Carioca
No triangular final, que tinha ainda o Bangu, o Flu venceu o Flamengo por 1 x 0 e garantiu o título.

1984 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
No 1º turno do Estadual daquele ano, o Fla venceu o Flu por 1 x 0 e ficou com o título da Taça Guanabara.

1984 – Campeonato Carioca
Novamente no triangular final, o Fla-Flu decidiu o título – o Vasco era o outro time na disputa. O Flu ganhou por 1 x 0, no Maracanã, com 153 520 pagantes e sagrou-se bicampeão carioca.

1991 – Campeonato Carioca
A final do Estadual contou com o Flu, campeão da Taça Guanabara, e o Fla, campeão da Taça Rio. Após o 1 x 1 no primeiro jogo da decisão, o Fla garantiu o título carioca daquele ano após vencer por 4 x 2 a segunda partida da final.

1995 – Campeonato Carioca
Em um dos mais famosos Fla-Flu da história, o Flu garantiu o título com a vitória por 3 x 2, com o gol de barriga de Renato Gaúcho (creditado na súmula para Aílton). O Tricolor foi campeão após dez anos e tirou a chance do Fla celebrar o título no ano de seu centenário.

2001 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Em jogo único, Fla e Flu decidiram a Taça Guanabara (1º turno). Após o 1 x 1 no tempo normal, o Fla garantiu o título ao vencer o rival nos pênaltis (5 x 3).

2003 – Taça Rio – Campeonato Carioca
No primeiro mata-mata pela Taça Rio (2º turno) entre Fla-Flu, deu Flu. Depois do 1 x 1 no primeiro jogo da semifinal, o tricolor goleou na segunda partida (4 x 0) e passou para a final – onde foi derrotado pelo Vasco.

2004 – Taça Guanabara – Campeonato Carioca
Na decisão do 1º Turno, em jogo único, o Fla venceu por 3 x 2 e ficou com o título e a vaga na final daquele ano. 

2005 – Taça Rio – Campeonato Carioca
Na primeira final entre Flamengo e Fluminense pela Taça Rio, deu Flu, que goleou o rival (4 x 1) e garantiu vaga na final do Estudual.

2009 –  Taça Rio – Campeonato Carioca
Pela semifinal da Taça Rio (2º turno), em jogo único, o Fla venceu por 1 x 0 e garantiu vaga na final contra o Botafogo.

2011 – Taça Rio – Campeonato Carioca
No último mata-mata entre os dois times, pela semifinal da Taça Rio (2º turno), o Fla levou a melhor. Após o 1 x 1 no tempo normal, o rubro-negro venceu nos pênaltis (5 x 4) e foi para a final contra o Vasco.


Os maiores artilheiros em atividade dos 12 grandes
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Entre os doze grandes clubes do futebol brasileiro, o atacante Ricardo Oliveira, do Santos, é hoje o jogador em atividade dessas equipes com mais gols marcados: 80 em 134 jogos. Em duas passagens pelo clube da Vila Belmiro, o centroavante está bem à frente do segundo colocado no Peixe, o volante Renato, que marcou 30 gols, também em duas passagens pelo Santos. Thiago Ribeiro, que voltou ao clube após duas temporadas fora, é hoje o terceiro maior, seguido de perto por Vítor Bueno e Lucas Lima.

No São Paulo, o meia Cícero, que também volta ao clube em sua segunda passagem, é maior artilheiro, mas com apenas 16 gols. No Corinthians, o meia Danilo, longe do time há mais de seis meses por conta de uma lesão, é ainda o maior artilheiro com 33 gols, seguido por Jadson, que está de volta ao clube. Já no Palmeiras, Dudu, com apenas 26 gols, é o maior artilheiro do atual elenco.

No Rio de Janeiro, dois zagueiros com muitos jogos disputados lideram como os principais artilheiro de Flamengo e Fluminense. Pelo rubro-negro, Juan tem 29 gols, apenas um a mais do que o atacante peruano Guerrero. Já no Fluminense, Gum é o maior artilheiro do tricolor com 25 gols, dois a mais do que Gustavo Scarpa e Marcos Júnior. No Vasco, Nenê, com 35 gols, é o maior artilheiro, seguido de perto por Thalles (33). Já no Botafogo, Sassá lidera com 27 gols.

No Internacional, D’Alessandro, que voltou ao clube após uma temporada no River Plate-ARG, tem 77 gols. Bem à frente de Eduardo Sasha (29) e Valdívia (27). No Grêmio, Luan, com 41 gols, está bem próximo do líder Douglas (42). Já no Atlético-MG, Luan lidera com 36 gols. No Cruzeiro, Arrascaeta é maior artilheiro com 25 gols.

Santos
Ricardo Oliveira – 80 gols (134 jogos)
Renato – 30 gols (352 jogos)
Thiago Ribeiro – 22 gols (82 jogos)
Vítor Bueno – 18 gols (58 jogos)
Lucas Lima – 17 gols (161 jogos)

Palmeiras
Dudu – 26 gols (114 jogos)
Rafael Marques – 21 gols (105 jogos)
Alecsandro – 14 gols (56 jogos)
Victor Hugo – 13 gols (121 jogos)
Lucas Barrios – 13 gols (44 jogos)

Corinthians
Danilo – 33 gols (336 jogos)
Jadson – 24 gols (103 jogos)
Romero – 20 gols (107 jogos)
Jô – 19 gols (121 jogos)
Rodriguinho – 14 gols (85 jogos)

São Paulo
Cícero – 16 gols (97 jogos)
Lugano – 13 gols (202 jogos)
Chávez – 12 gols (25 jogos)
Rodrigo Caio – 11 gols (198 jogos)
Cueva – 9 gols (31 jogos)

Flamengo
Juan – 29 gols (289 jogos)
Guerreo – 28 gols (67 jogos)
Éverton – 28 gols (199 jogos)
Marcelo Cirino – 23 gols (94 jogos)
Gabriel – 21 gols (181 jogos)

Fluminense
Gum – 25 gols (354 jogos)
Gustavo Scarpa – 23 gols (109 jogos)
Marcos Júnior – 23 gols (151 jogos)
Marquinho – 21 gols (181 jogos)
Henrique Dourado – 8 gols (20 jogos)

Vasco
Nenê – 35 gols (87 jogos)
Thalles – 33 gols (136 jogos)
Éder Luiz – 30 gols (206 jogos)
Rodrigo – 18 gols (165 jogos)
Luan – 12 gols (170 jogos)

Botafogo
Sassá – 27 gols (96 jogos)
Rodrigo Pimpão – 14 gols (54 jogos)
Fernandes – 10 gols (69 jogos)
Camilo – 6 gols (33 jogos)
Bruno Silva – 5 gols (56 jogos)

Grêmio
Douglas – 42 gols (229 jogos)
Luan – 41 gols (170 jogos)
Pedro Rocha – 21 gols (88 jogos)
Éverton – 15 gols (96 jogos)
Ramiro – 9 gols (150 jogos)
Bolaños – 9 gols (33 jogos)

Internacional
D’Alessandro – 77 gols (346 jogos)
Eduardo Sasha – 29 gols (126 jogos)
Valdívia – 27 gols (131 jogos)
Ernando – 9 gols (165 jogos)
Paulão – 9 gols (140 jogos)

Atlético-MG
Luan – 36 gols (167 jogos)
Leonardo Silva – 28 gols (282 jogos)
Robinho – 25 gols (55 jogos)
Fred – 15 gols (32 jogos)
Marcos Rocha – 13 gols (262 jogos)

Cruzeiro
Arrascaeta – 25 gols (103 jogos)
Henrique – 23 gols (358 jogos)
Alisson – 19 gols (117 jogos)
Ábila – 18 gols (34 jogos)
Léo – 17 gols (227 jogos)

 


São Paulo ajuda a elevar média de público do Paulistão
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Depois de levar 50.952 torcedores na estreia do técnico Rogério Ceni, em casa, diante da Ponte Preta, o São Paulo voltou a ter casa cheia no Morumbi na última rodada. Contra o Mirassol, no empate por 2 x 2, o tricolor recebeu 43.961 pagantes, ficando assim como uma ótima média de 47.457 torcedores por jogo nesse início de campeonato.

Com isso, o São Paulo vem ajudando, e muito, para elevar a média de público do Paulistão. Até aqui, após quatro rodadas, o campeonato tem a média de 9.404 torcedores por jogo. Bem acima da últimas edições dez edições.
Média de público do Paulistão nos últimos anos
2007 – 5.400
2008 – 6.651
2009 – 6.034
2010 – 4.952
2011 – 5.882
2012 – 5.984
2013 – 6.271
2014 – 5.686
2015 – 7.607
2016 – 7.272
2017  – 9.404 (até a 4ª rodada).

A média de público do Paulistão (9.404) é também a maior entre os Estaduais de 2017. No Rio de Janeiro, que contou com uma fase preliminar, antes da entrada dos grandes times, a média é de apenas 2.556 torcedores por jogo. Em Minas Gerais, a média é um pouco melhor (4.913). Já no Rio Grande do Sul, a média é de 3.485 torcedores por partida.

Nos Estaduais, a média de público do São Paulo é também disparada, até aqui, a maior entre os clubes. Dos 12 grandes, além do tricolor paulista, apenas o Palmeiras tem uma média superior a 20 mil torcedores.
Média de público dos 12 grandes nos Estaduais 2017:
São Paulo – 47.457 (2 jogos)
Palmeiras – 24.328 (2 jogos)
Atlético-MG – 17.270 (3 jogos)
Corinthians – 14.877 (2 jogos)
Botafogo – 10.621 (3 jogos)
Santos – 9.181 (3 jogos)
Grêmio – 8.580 (3 jogos)
Internacional – 8.536 (2 jogos)
Flamengo – 7.441 (3 jogos)
Vasco – 7.107 (3 jogos)
Cruzeiro – 4.538 (1 jogo)
Fluminense – 2.328 (2 jogos)


Corinthians: pior ataque entre os grandes em 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Com apenas três gols marcados em quatro jogos oficiais em 2017, o Corinthians tem a fraca média de 0,75 gol por partida. A pior entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro em 2017 e a segunda pior média entre os 20 clubes que irão disputar a Série A nesse ano.

Até aqui, o time treinado por Fábio Carille não conseguiu marcar mais de um gol numa só partida. Na estreia do Paulistão, contra o São Bento, venceu por 1 x 0, com gol de pênalti (duvidoso), de Jô. Depois, venceu a Caldense-MG, pela Copa do Brasil, também por 1 x 0, gol de cabeça do meia Rodriguinho. No terceiro jogo, no último sábado, o time perdeu para o Santo André, em casa, por 2 x 0, e perdeu um pênalti – cobrado por Jô. Ontem, venceu o Novorizontino por 1 x 0, em casa, com gol de cabeça do zagueiro Pablo. Três gols (um de pênalti e dois de cabeça) em quatro jogos, sendo apenas um de atacante (Jô).

Em 2016, o Corinthians marcou 101 em 67 jogos e teve média de 1,51 gols por partida. Em 2015, ano do último título, o Brasileirão, marcou 117 gols também em 67 jogos – média de 1,75 por jogo. Agora, nesse início de temporada, a média despencou para 0,75.

Dos 20 clubes da Série A de 2017, apenas a Chapecoense tem média de gols inferior a do Corinthians. O time catarinense, que ainda passa pelo processo de reformulação do elenco após a tragédia de Medellín, marcou 5 gols em 7 jogos (média de 0,71 por partida). Já o Internacional, que disputará a Série B, tem até aqui 8 gols em 6 jogos (média de 1,33 por jogo).

Por outro lado, o Santos é quem tem a melhor média de gols em jogos oficiais na temporada 2017. Em 3 jogos a equipe do técnico Dorival Júnior marcou 10 gols (3,33 por partida). O São Paulo, do técnico Rogério Ceni, marcou 11 gols em 4 jogos (2,75 por partida). No Paulistão, o tricolor marcou 10 gols em 3 jogos. Já o Flamengo, em 6 jogos, marcou 16 gols (média de 2,75 por jogo)

Melhores ataques dos clubes da Série A em 2017:

ClubeGolsJogosMédia
Santos1033,33
São Paulo1142,75
Flamengo1662,67
Vitória1972,71
Fluminense1972,71
Cruzeiro1362,17
Ponte Preta842,00
Atlético-MG951,80
Sport1271,71
Bahia1271,71
Vasco751,40
Atlético-PR861,33
Avaí1081,25
Botafogo871,14
Atlético-GO551,00
Grêmio441,00
Palmeiras331,00
Coritiba450,80
Corinthians340,75
Chapecoense570,71

 


Flamengo: líder do ranking de pontos da Copa do Brasil
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Começa hoje a 29ª edição da Copa do Brasil, que terá a participação recorde 91 clubes. Disputada desde 1989, a competição tem o Grêmio como atual campeão e também como o seu maior campeão (cinco títulos), seguido por Cruzeiro (quatro), Corinthians, Flamengo e Palmeiras (três cada), e Atlético-MG, Criciúma, Fluminense, Internacional, Juventude, Paulista, Santo André, Santos, Sport e Vasco (com um título cada).

Até hoje, 319 clubes já participaram do torneio, sendo que Atlético-MG e Vitória foram os dois que mais disputaram a Copa: 27 participações em 29 edições. Dos 319 times, 114 jogaram apenas uma vez o torneio. Em número de jogos disputados, porém, os dois com mais partidas são Grêmio e Vasco (167 cada), seguidos por Flamengo (165) e Atlético-MG (148).

Já em número de pontos ganhos, o Flamengo é líder com 316, seguido por Vasco (299) e Grêmio (293). O rubro-negro é também o clube com mais vitórias na história da Copa do Brasil (97), contra 91 do Grêmio e 87 do Vasco. Além disso, o Fla também é o primeiro colocado em número de gols marcados (307), contra 305 do Vasco e 300 do Atlético-MG, os únicos a chegar a casa dos 300 gols.

Ranking de pontos da Copa do Brasil (1989-2016):

Pos.ClubeEstadoPontosPart.
FlamengoRJ31621
VascoRJ29925
GrêmioRS29323
PalmeirasSP26521
Atlético-MGMG23827
CruzeiroMG23520
CorinthiansSP23221
FluminenseRJ22522
BotafogoRJ21123
10ºVitóriaBA20927
11ºSantosSP20516
12ºInternacionalRS19822
13ºGoiásGO19324
14ºCoritibaPR19122
15ºSão PauloSP18416
16ºBahiaBA18025
17ºAtlético-PRPR16620
18ºSportPE15522
19ºCearáCE15221
20ºNáuticoPE13121
21ºFortalezaCE12620
RemoPA11625
22ºSanta CruzPE11622
24ºCriciúmaSC10916
25ºParanáPR10319
FigueirenseSC10215
PaysanduPA10219
26ºPonte PretaSP10213
29ºPortuguesaSP9916
30ºJuventudeRS9615
31ºGuaraniSP8718
32ºABCRN8417
33ºBrasilienseDF8211
34ºAmérica-RNRN7620
35ºAmérica-MGMG6818
36ºAtlético-GOGO6710
37ºAvaíSC6111
38ºNacional-AMAM5118
39ºSampaio CorrêaMA5021
40ºASAAL4512
Vila NovaGO4512
42ºIpatingaMG436
Rio Branco-ACAC4318
44ºLondrinaPR399
45ºTrezePB3712
46ºChapecoenseSC356
CSAAL3514
48ºGamaDF3413
49ºBragantinoSP316
CaxiasRS3111
CRBAL3112
52º15 de NovembroRS302
ConfiançaSE3012
São CaetanoSP305
São RaimundoAM308
Botafogo-PBPB2913
56ºSanto AndréSP295
58ºAmericanoRJ288
59ºSergipeSE2415
60ºItuanoSP233
61ºPaulistaSP223
62ºFlamengo-PIPI2110
63ºTupiMG205
LuverdenseMT194
64ºVolta RedondaRJ194
66ºCENEMT189
67ºJoinvilleSC177
MixtoMT177
69ºBaraúnasRN163
RíverPI1610
Comercial-MSMS158
CuiabáMT157
71ºIcasaCE154
CampinensePB148
Corinthians-ALAL145
LinharesES145
Moto ClubMA1410
Novo HamburgoRS142
74ºSanta RitaAL141
Ypiranga-APAP146
81ºCianortePR132
HorizonteCE133
MaranhãoMA138
SalgueiroPE133
Villa NovaMG136
86ºCRACGO122
CaldenseMG114
DesportivaES118
89ºIndependênciaAC113
Ji-ParanáRO119
PalmasTO115
Potiguar (Mossoró)RN115
Águia de MarabáPA103
93ºCorinthians-PRPR101
Democrata GVMG103
96ºAparecidenseGO91
Juventude-MTMT93
UberabaMG92
América-RJRJ83
Fast ClubeAM85
99ºFerroviáriaSP82
NoroesteSP83
São José-APAP84
Ulbra-RORO82
URTMT83
Ypiranga-RSRS83
BanguRJ74
BaréRR75
Botafogo-SPSP73
CoruripeAL76
Grêmio PrudenteSP71
IndependentePA74
IratyPR73
KaburéTO73
108ºOperário-PRPR72
Real NoroesteES73
ResendeRJ73
107ºSão GabrielRS71
TaguatingaDF74
120ºBetimMG61
CeilândiaDF63
CentralPE62
Juventus-ACAC63
Juventus-SPSP61
MineirosGO61
Operário-MTMT68
Rio Negro-AMAM66
São BernardoSP62
Dom BoscoMT52
131ºGoiâniaGO52
MadureiraRJ54
NaviraienseMS54
Operário-MSMS59
ParanavaíPR52
129ºTiradentesDF51
4 de JulhoPI45
ArapongasPR41
BarrasPI44
BrusqueSC42
CamaçariES41
CapivarianoSP41
CFAAM41
Coríntians-RNRN42
Estrela do NorteES43
FerroviárioCE44
FriburguenseRJ41
GalvezAC41
Grêmio BarueriSP42
GuaratinguetáSP41
ItabaianaSE47
LagartenseSE42
LajeadenseRS43
MaringáPR41
PenarolAM42
PrincesaAM43
136ºRio Branco-PRPR41
RoraimaRR48
SinopMT42
TocantinópolisTO42
TremAP44
Tuna LusoPA44
U. RondonópolisMT44
Ulbra-RSRS43
VeranópolisRS42
AmapáAP32
AnanindeuaPA31
AquidauanenseMS31
AraguainenseTO31
165ºAtlético SorocabaSP31
Bahia de FeiraBA32
BlumenauSC31
Boa EsporteMG32
CatuenseBA31
Cori-SabbáPI31
EsportivoRS31
GênusRO31
GoianésiaGO32
ImperatrizMA33
Inter de LagesSC31
JacuipenseBA31
JaguaréES31
JuazeirenseBA31
MalutromPR31
MuriciAL32
ParnahybaPI35
PrudentópolisPR31
Rio Branco-ESES35
River PlatePI32
São DomingosSE33
São GonçaloRN31
São José-RSRS31
São MateusES32
U. BandeirantePR32
U. BarbarenseSP31
Vasco-ACAC32
VilavelhenseES31
Vitória-ESES33
VotoratySP31
Águia NegraMS23
AlegrenseES22
AriquemesRO21
Atlético-PBPB22
Auto EsportePB23
CabofrienseRJ22
GurupiTO23
ItuiutabaMG22
J.MalucelliPR22
LinenseSP21
LuziâniaDF22
MistoMS21
ParnaíbaPI21
199ºPort. SantistaSP21
SorrisoMT22
UbiratanMS23
UniãoMT21
União CacoalenseRO22
VilhenaRO26
Vit. da ConquistaBA23
América-SESE11
AnapolinaGO14
AracruzES11
Atlético IbiramaSC12
Atlético-ACAC12
BarbalhaCE11
BoavistaRJ13
Brasil de PelotasRS13
CerâmicaRS11
CFZDF12
ChapadãoMS13
CristalAP13
Duque de CaxiasRJ11
EstancianoSE11
GloboRN12
Grêmio CoarienseAM12
GuajaráRO11
InterportoTO14
IvinhemaMS13
JuazeiroBA12
JV LideralMA11
PalmaresRO11
PelotasRS11
PicosPI14
PirambuSE11
Plácido de CastroAC11
RealRR11
Red BullSP11
RondonópolisRO11
Santa Cruz-RNRN12
Santos-APAP13
São José-SPSP11
São LuizRS11
SapucaienseRS11
SerraES15
SobradinhoDF11
SousaPB14
Sul AméricaAM11
219ºTigresRJ11
TombenseMG12
Vila AuroraMT11
XV de PiracicabaSP11
ADAP/GaloPR01
ADESGAC01
AlecrimRN01
AlvoradaTO01
AmadenseSE01
América-AMAM01
AraguaiaMT01
AraguaínaTO02
ASSURN01
Atlético AcreanoAC01
BandeiranteDF01
BarraPI01
261ºBarra do GarçasMT01
BrasíliaDF04
CacerenseMT01
CachoeiroES01
CaiçaraPI01
CametáPA01
CapelenseAL01
CastanhalPA01
ColatinaES01
ColinaES01
Colo-ColoBA01
Comercial-PIPI02
CoximMS01
CTE ColatinaES01
Dom PedroDF02
EspigãoRO01
Esportivo GuaráDF01
GoiatubaGO01
Grêmio JaciaraMT01
GuaráDF02
Guarani (Juazeiro)CE02
HolandaAM01
IAPEMA01
IbiraçuES01
ItumbiaraGO01
LagartoSE01
Muniz FreireES01
Nacional-PBPB02
Náutico-RRRR02
Novo HorizonteGO01
OratórioAP01
ParagominasPA01
ParauapebasPA01
PiauíPI02
PinheirosPR02
PoçõesBA01
PontaporanenseMS01
PortoPE01
Rio Negro-RRRR01
RomaPR01
Santa Cruz-PBPB02
Santa HelenaGO01
Santa QuitériaMA01
São RaimundoPA01
São RaimundoRR04
TocantinsTO01
UberlândiaMG01

Tags : Flamengo


As 50 maiores transferências de 2017
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Terminou ontem, dia 31 de janeiro, o prazo de transferências de jogadores dos principais campeonatos da Europa. Após um mês de negociações, o meia brasileiro Oscar, ex-Chelsea-ING, terminou com a contratação mais cara do mercado ao ser comprado pelo Shanghai SIPG, da China, por 60 milhões de euros.

De acordo com o site alemão Transfermarkt, especializado em valores de transferências de jogadores e pelos dados divulgados pelos clubes, o segundo mais caro da janela de inverno 2016/17 foi o atacante alemão Julian Draxler, que saiu do Wolfsburg-ALE para o Paris Saint-Germain-FRA por 40 milhões de euros, seguido por Gabriel Jesus, ex-Palmeiras, comprado pelo Manchester City-ING por 32 milhões de euros.

Alexandre Pato, que também foi para o futebol chinês, aparece na 10ª colocação entre as maiores transferências (18 milhões de euros). Entre os brasileiros, os próximos da lista são David Neres, ex-São Paulo, comprado por 15 milhões de euros pelo Ajax-HOL; Walace, ex-volante do Grêmio, comprado pelo Hamburgo por 10 milhões; Jorge, ex-Flamengo, novo lateral-esquerdo do Monaco-FRA (8,5 milhões); e Hernani, ex-volante do Atlético-PR, comprado pelo Zenit-RUS por 8 milhões de euros.

Abaixo da lista das 50 maiores transferências, estão ainda o atacante Marinho, ex-Vitória, que foi para o Changchun, da China, por 5 milhões de euros; o atacante Bruno Henrique, revelado pelo Goiás e que estava no Wolfsburg-ALE, comprado pelo Santos por 4 milhões de euros; o meia Leonardo, que disputou o último Mundial de Clubes pelo Jeonbuk, da Coreia do Sul, que foi para o Al Jazira-EAU, por 3,8 milhões; o atacante Adriano Michael Jackson, ex-FC Seoul-COR, comprado por 3,75 milhões pelo SJZ Ever Bright-CHN; e o aqui pouco conhecido atacante Tiquinho Soares, ex-Vitória de Guimarães, comprado pelo Porto-POR por 3,5 milhões de euros.

As 50 maiores transferências ao final da janela de inverno europeia (2016/17), em milhões de euros:

#JogadorPos.Paísvalorex-clubeatual
1OscarMBRA60Chelsea-INGShanghai SIPG-CHN
2DraxlerAALE40Wolfsburg-ALEPSG-FRA
3Gabriel JesusABRA32PalmeirasMan. City-ING
4Gonçalo GuedesAPOR30Benfica-PORPSG-FRA
5PayetMFRA29,3West Ham-INGOly. Marselha-FRA
6IghaloMNIG23,3Watford-INGChangchun-CHN
7SchneiderlinVFRA22,9Man. United-INGEverton-ING
8C. ZhangACHN20,4Beijing SG-CHNHebei-CHN
9WitselVBEL20Zenit-RUSTianjin Q.-CHN
10Alexandre PatoABRA18Villarreal-ESPTianjin Q.-CHN
PavolettiAITA18Genoa-ITANapoli-ITA
12NdidiVNIG17,6Genk-BELLeicester-ING
13Memphis DepayAHOL16Man. United-INGLyon-FRA
14Hélder CostaAPOR15,2Benfica-PORWolverhampton
15Robbie BradyLEIRL15,1Norwich-INGBurnley-ING
16David NeresABRA15São PauloAjax-HOL
CaldaraZITA15Atalanta-ITAJuventus-ITA
18BerahinoAING13,9West Brom.-INGStoke City-ING
10SchuluppLEGAN13,8Leicester-INGCrystal Palace-ING
20BaileyAJAM13,5Genk-BELB. Leverkusen-ALE
JoveticMMTG13,5Man. City-INGInternazionale-ITA
22MalliMTUR12,5Mainz-ALEWolfsburg-ALE
23BazoerVHOL12Ajax-HOLWolfsburg-ALE
SnodrgassAESC12Hull City-INGWest Ham-ING
25Van AanholtLEHOL11,8Sunderland-INGCrystal Palace-ING
26LivermoreVING11,5Hull City-INGWest Brom.-ING
27K. Kyung-WonVCOR10,5Al Ahli-EAUTianjin Q.-CHN
TevezAARG10,5Boca Juniors-ARGShenhua-CHN
29WalaceVBRA10GrêmioHamburgo-ALE
R. PizarroMMEX10Pachuca-MEXChivas-MEX
UpamecanoZFRA10RB Salzburg-AUTRB Leipzig-ALE
32José FonteZPOR9,2Southampton-INGWest Ham-ING
33SansonVFRA9Montpellier-FRAOly. Marselha-FRA
34LookmanAING8,8Charlton-INGEverton-ING
35IsakASUE8,6AIK-SUEBor. Dortmund-ALE
36JorgeLEBRA8,5FlamengoMonaco-FRA
37Oscar RomeroMPAR8,4Racing-ARGShenhua-CHN
38Shilin SunVCHN8,2Liaoning-CHNShenhua-CHN
39HernaniVBRA8Atlético-PRZenit-RUS
Tomás RincónVVEN8Genoa-ITAJuventus-ITA
41AlmirónAARG7,5Lanús-ARGAtlanta United-EUA
KolodziejczakZFRA7,5Sevilla-ESPB. M’Gladbach-ALE
43GestedeABEN7,1Aston Villa-INGMiddlesbrough-ING
44AkhmedovVUZB7Krasnodar-RUSShanghai SIPG-CHN
El GhaziAHOL7Ajax-HOLLille-FRA
RulliGARG7Man. City-INGReal Sociedad-ESP
47BamfordAING6,9Chelsea-INGMiddlesbrough-ING
48C. DomínguezAPAR6C. Porteño-PARAmérica-MEX
FalquéAESP6Roma-ITATorino-ITA
OrsoliniAITA6Ascoli-ITAJuventus-ITA
Pedro PereiraLDPOR6Sampdoria-ITABenfica-POR
Eduardo VargasACHI6Hoffenheim-ALETigres-MEX

 


As maiores vendas de jogadores dos clubes brasileiros
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

O Flamengo acertou hoje a venda do lateral-esquerdo Jorge, de 20 anos, para o Monaco-FRA, por cerca de 8,8 milhões de euros  – sendo que o clube detém 70% dos direitos econômicos do atleta. O valor é o maior na história do clube na venda de um jogador, superando a do atacante Adriano (7 milhões de euros) para a Internazionale-ITA em 2001, de acordo com o site alemão Transfermarkt, especializado em valores de transferências de atletas.

Entre os clubes brasileiros, essa venda de Jorge não aparece entre as 30 maiores vendas do futebol brasileiro e o Flamengo também não está entre os clubes que fizeram as maiores vendas. São Paulo e Santos lideram essa lista.

As maiores vendas de jogadores dos clubes brasileiros (em milhões de euros):
1º Neymar (atacante, Santos) – 88,2 (Barcelona-ESP, em 2013)
2º Lucas (atacante, São Paulo) – 40(PSG-FRA, em 2012)
3º Gabriel Jesus (atacante, Palmeiras) – 32 (Manchester City-ING, em 2017)
Oscar (meia, Internacional) – 32 (Chelsea-ING, em 2012)
5º Denílson (atacante, São Paulo) – 31,5 (Betis-ESP, em 1998)
6º Gabriel (atacante, Santos) – 25 (Internazionale-ITA, em 2016)
Robinho (atacante, Santos) – 25 (Real Madrid-ESP, em 2005)
Bernard (atacante, Atlético-MG) – 25 (Shakthtar Donetsk-UCR, em 2013)
9º Alexandre Pato (atacante, Internacional) – 22 (Milan-ITA, em 2007)
10º Lucas (atacante, Atlético-PR) – 21,3 (Rennes-FRA, em 2001)

As maiores vendas por clube (em milhões de euros):
Atlético-MG
1º Bernard (atacante, 20 anos) – 25 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2013)
2º Jemerson (zagueiro, 23 anos) – 11 (Monaco-FRA, em 2016)
3º Douglas Santos (lateral-esquerdo, 22 anos) – 7,5 (Hamburgo-ALE, em 2016)
4º Gilberto Silva (volante, 25 anos) – 6,9 (Arsenal-ING, em 2002)
5º Diego Tardelli (atacante, 29 anos) – 5,5 (Shandong-CHN, em 2015)

Botafogo
1º Vitinho (atacante, 19 anos) – 9,5 (CSKA Moscou-RUS, em 2013)
2º Elkeson (atacante, 23 anos) – 5,7 (Guangzhou-CHN, em 2013)
3º Maicosuel (meia, 26 anos) – 5,3 (Udinese-ITA, em 2012)
4º Dória (zagueiro, 19 anos) – 5 (Hamburgo-ALE, em 2014)
5º Dodô (atacante, 32 anos) – 4,5 (Al Ain-EAU, em 2006)

Corinthians
1º Paulinho (volante, 24 anos) – 19,7 (Tottenham-ING, em 2013)
2º Mascherano (volante, 22 anos) – 14,6 (West Ham-ING, em 2006)
Tevez (atacante, 22 anos) – 14,6 (West Ham-ING, em 2006)
4º Willian (meia, 19 anos) – 14 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2007)
5º Jucilei (volante, 22 anos) – 10 (Anzhi-RUS, em 2011)

Cruzeiro
1º Giovanni (atacante, 21 anos) – 21 (Barcelona-ESP, em 2002)
2º Fred (atacante, 21 anos) – 15,6 (Lyon-FRA, em 2005)
3º Ricardo Goulart (atacante, 23 anos) – 15 (Guangzhou-CHN, em 2015)
Éverton Ribeiro (meia, 25 anos) – 15 (Al-Ahli-EAU, em 2015)
5º Fábio Júnior (atacante, 21 anos) – 13,8 (Roma-ITA, em 1999)

Flamengo
1º Jorge (lateral-esquerdo, 20 anos) – 8,8 (Monaco-FRA, em 2017)
2º Adriano (atacante, 19 anos) – 7 (Internazionale-ITA, em 2001)
3º Vágner Love (atacante, 28 anos) – 6 (CSKA Moscou-RUS, em 2013)
4º Hernane (atacante, 28 anos) – 5,3 (Al Nasr-ARA, em 2014)
5º Renato Augusto (meia, 20 anos) – 5,2 (Bayer Leverkusen-ALE, em 2008)

Fluminense
1º Gérson (meia, 19 anos) – 16,6 (Roma-ITA, em 2016)
2º Thiago Silva (zagueiro, 24 anos) – 10 (Milan-ITA, em 2009)
3º Wellington Nem (atacante, 21 anos) – 9 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2013)
Thiago Neves (meia, 23 anos) – 9 (Hamburgo-ALE, em 2008)
5º Conca (meia, 28 anos) – 8,2 (Guangzhou-CHN, em 2011)

Grêmio
1º Fernando (volante, 21 anos) – 11 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2013)
2º Mário Fernandes (lateral-direito, 21 anos) – 10,5 (CSKA Moscou-RUS, em 2012)
3º Lucas Leiva (volante, 20 anos) – 10 (Liverpool-ING, em 2007)
4º Douglas Costa (atacante, 19 anos) – 8 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2010)
5º Scheidt (zagueiro, 23 anos) – 7,2 (Celtic-ESC, em 1999)

Internacional
1º Oscar (meia, 20 anos) – 32 (Chelsea-ING, em 2012)
2º Alexandre Pato (atacante, 17 anos) – 22 (Milan-ITA, em 2007)
3º Nilmar (atacante, 25 anos) – 16,5 (Villarreal-ESP, em 2009)
4º Fred (meia, 20 anos) – 15 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2013)
5º Aránguiz (volante, 26 anos) – 13 (Bayer Leverkusen-ALE, em 2015)

Palmeiras
1º Gabriel Jesus (atacante, 19 anos) – 32 (Manchester City-ING, em 2017)
2º Rivaldo (meia, 24 anos) – 12 (La Coruña-ESP, em 1996)
3º Flávio Conceição (volante, 22 anos) – 11 (La Coruña-ESP, em 1996)
4º Roque Júnior (zagueiro, 23 anos) – 8,5 (Milan-ITA, em 2000)
5º Valdívia (meia, 24 anos) – 8 (Al Ain-EAU, em 2008)

Santos
1º Neymar (atacante, 21 anos) – 88,2 (Barcelona-ESP, em 2013)
2º Gabriel (atacante, 20 anos) – 25 (Internazionale-ITA, em 2016)
Robinho (atacante, 21 anos) – 25 (Real Madrid-ESP, em 2005)
4º Danilo (lateral-direito, 19 anos) – 13 (Porto-POR, em 2011)
5º Alex (zagueiro, 22 anos) – 11,5 (Chelsea-ING, em 2004)

São Paulo
1º Lucas (atacante, 20 anos) – 40 (Paris Saint-Germain-FRA, em 2013)
2º Denílson (atacante, 20 anos) – 31,5 (Betis-ESP, em 1998)
3º Hernanes (meia, 25 anos) – 13,5 (Lazio-ITA, em 2010)
4º Breno (zagueiro, 18 anos) – 12 (Bayern Munique-ALE, em 2008)
5º Edmílson (zagueiro, 23 anos) – 11 (Lyon-FRA, em 2000)

Vasco
1º Diego Souza (meia, 27 anos) – 8,2 (Al Ittihad-ARA, em 2012)
2º Rômulo (volante, 21 anos) – 8 (Spartak Moscou-RUS, em 2012)
3º Alex Teixeira (atacante, 19 anos) – 6 (Shakhtar Donetsk-UCR, em 2010)
4º Dedé (zagueiro, 24 anos) – 5 (Cruzeiro, em 2013)
5º Danilo (volante, 18 anos) – 4,5 (Braga-POR, em 2014)

Atlético-PR
1º Lucas (atacante, 21 anos) – 21,3 (Rennes-FRA, em 2001)

Coritiba
1º Rafinha (lateral-direito, 19 anos) – 5 (Schalke 04-ALE, em 2005)

Sport
1º Joelinton (atacante, 18 anos) – 2,2 (Hoffenhein-ALE, em 2015)

Vitória
1º Leandro Bonfim (meia, 18 anos) – 5,5 (PSV Eindhoven-HOL, em 2002)

Bahia
1º Anderson Talisca (atacante, 20 anos) – 4 (Benfica-POR, em 2014)

Goiás
1º Weliton (atacante, 20 anos) – 6 (Spartak Moscou-RUS, em 2007)

Ponte Preta
1º Luis Fabiano (atacante, 19 anos) – 7 (Rennes-FRA, em 2000)


São Paulo e Palmeiras: grandes com as maiores secas de títulos estaduais
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Até os anos 1990, os Campeonatos Estaduais eram prioridade para os grandes clubes do Brasil, que muitas vezes só disputavam o Brasileirão na mesmo ano – com exceção dos poucos que jogavam a Copa Libertadores. Desde então, com a Copa do Brasil, torneios sul-americanos e a constante participação na Libertadores, os Estaduais nos principais estados (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul), acabaram relegados ao segundo plano. Ainda assim, a conquista deles acaba servindo para livrar os clubes de pequenas crises, ganhar um dinheiro extra com premiação e aumentar a lista de títulos, sem falar, é claro, na satisfação de qualquer torcedor. Por outro lado, a derrota numa decisão, num clássico decisivo ou uma eliminação precoce, ainda que o Estadual não seja prioridade, por gerar uma crise, muitas vezes ocasionando a demissão de um treinador antes do início do Brasileirão.

Para piorar, o jejum de títulos vira também um incômodo para as equipes. No Sul, o Internacional ganhou 12 dos 16 Gaúchos no século XXI, contra apenas quatro do Grêmio. Assim, abriu sua vantagem de títulos estaduais para nove sobre o rival (45 a 36). Além disso, venceu as últimas seis edições, deixando o Grêmio em um de seus maiores jejuns de estaduais. Já o Colorado, brigará em 2017 por seu segundo hexa – o outro foi entre 1969 e 1976.

Em Minas Gerais, o Atlético-MG perdeu a última final para o América-MG, mas segue na liderança de títulos no estado com 43 conquistas, cinco a mais do que o Cruzeiro, que tem 38 títulos. No século XXI, porém, a Raposa está na frente nas conquistas (oito a cinco).

No Rio de Janeiro, o Flamengo segue como o maior campeão estadual e também como o melhor do século. São 33 títulos no geral e sete no século, contra 31 do Fluminense (três no século), 24 do Vasco (três no século) e 20 do Botafogo (três no século).

Em São Paulo, o Santos é o grande destaque no século, ou mais especificamente nos últimos 11 anos. Desde 2006, o time ganhou sete títulos e foi vice em mais três edições – disputou as últimas oito finais. Assim, o Peixe subiu para o segundo lugar no ranking de títulos (22), ao lado do Palmeiras. O São Paulo caiu para o quarto lugar com 21, enquanto o Corinthians lidera com 27 conquistas.

Entre os 12 grandes clubes do futebol brasileiro, São Paulo e Palmeiras são aqueles então com as maiores secas de títulos estaduais. O Tricolor, campeão pela última vez em 2005, já está na fila há 11 anos e se aproxima de seu maior jejum no Paulistão, que é de 13 anos, entre 1957 e 1970. O Palmeiras, campeão em 2008, já não vence o Estadual há oito anos, sua terceira maior fila. O Verdão ficou 17 anos sem títulos entre 1976 e 1993, depois, 12 anos entre 1996 e 2008. E nos últimos 20 anos, ganhou apenas um título (2008).

Maiores jejuns de títulos estaduais entre os 12 grandes na atualidade:
11 anos
São Paulo (último título em 2005)

8 anos
Palmeiras (último título em 2008)

6 anos
Grêmio (último título em 2010)

4 anos
Fluminense (último título em 2012)

3 anos
Botafogo (último título em 2013)
Corinthians (último título em 2013)

2 anos
Cruzeiro (último título em 2014)
Flamengo (último título em 2014)

1 ano
Atlético-MG (último título em 2015)

0 ano
Internacional (hexacampeão gaúcho)
Santos (bicampeão paulista)
Vasco (bicampeão carioca)

Maiores jejuns de títulos estaduais entre os 12 grandes na história:
23 anos
Corinthians (1954-1977)

22 anos
Santos (1984-2006)

21 anos
Botafogo (1968-1989)

17 anos
Palmeiras (1976-1993)

14 anos
Grêmio (1932-1946)

13 anos
São Paulo (1957-1970)

12 anos
Flamengo (1927-1939)
Fluminense (1924-1936)
Vasco (1958-1970 e 2003-2015)

11 anos
Atlético-MG (1915-1926)
Cruzeiro (1945-1956)

8 anos
Internacional (1961-1969)