Futebol em Números

Fábio, do Cruzeiro, supera recorde de Ceni no Brasileirão
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

Segundo jogador com mais partidas na história do Campeonato Brasileiro, desde 1971, e o recordista de jogos na era dos pontos corridos, o goleiro Fábio, do Cruzeiro, bateu um recorde hoje que pertencia a Rogério Ceni. Após não sofrer gol na vitória sobre o Sport por 2 x 0, no Mineirão, Fábio chegou a marca de 147 jogos sem ser vazado na era dos pontos corridos, desde 2003, superando Rogério Ceni, então recordista com 146.

Aos 36 anos (fará 37 no próximo dia 30 de setembro), Fábio tem hoje 519 jogos em Campeonatos Brasileiros, desde sua estreia, em 2000, quando jogava pelo Vasco. Segundo jogador com mais partidas desde 1971, Fábio está atrás apenas de Rogério Ceni, que disputou 575 partidas (56 a mais). Na era dos pontos corridos, desde 2003, Fábio é o recordista de jogos com 493 partidas contra 428 de Rogério Ceni e 417 de Leonardo Moura, que jogou hoje pelo Grêmio.

No Brasileirão 2017, Fábio ficou 8 partidas sem sofrer gol. Cássio, do Corinthians, é o recordista até aqui com 13 jogos, seguido por Vanderlei, do Santos (12) e Aranha, da Ponte Preta (10). Na lista dos goleiros que ficaram mais jogos sem sofrer gol desde 2003, além de Fábio, outros que atuam em 2017 figuram entre os primeiros, como Victor, Vanderlei, Fernando Prass, Marcelo Grohe, Wilson, Cássio, Weverton, Diego Cavalieri, Jefferson e Weverton.

Goleiros que ficaram mais jogos sem sofrer gol na era dos pontos corridos, desde 2003:

GoleiroJogosSem sofrer golGols sofridosPeríodo
Fábio4931476012003-2017
Rogério Ceni4281464642003-2015
Victor3161033582008-2017
Vanderlei263903012008-2017
Fernando Prass285843352003-2017
Marcelo Grohe178821552006-2017
Cássio173741452006-2017
Wilson285743982007-2017
Diego Cavalieri256723082004-2017
Edson Bastos220663012003-2013
Harlei274664132003-2013
Renan167641742005-2015
Marcelo Lomba216642492007-2016
Fábio Costa213612632003-2010
Jefferson219592752004-2014
Weverton158571732012-2017

Corinthians perde quatro sequências de invencibilidade
Comentários 2

Rodolfo Rodrigues

O Corinthians foi derrotado hoje em Itaquera, pelo Vitória, por 1 x 0, e perdeu de uma só vez quatro sequências de invencibilidade. A maior delas a sua série invicta em 2017 (34 jogos). A última derrota do clube dirigido pelo técnico Fábio Carille havia sido no dia 19 de março (0 x 1 Ferroviária, pelo Campeonato Paulista). Assim, o time perdeu a chance de igualar a maior marca invicta de sua história, de 37 jogos, em 1957.

Outra marca perdida pelo time após o revés para o time baiano foi a invencibilidade no Brasileirão. Líder invicto no 1º turno, o alvinegro perdeu hoje a sequência que já durava 19 jogos na Série A – a maior dos pontos corridos, desde 2003. Curiosamente, o Vitória foi o time que acabou com a sequência invicta do Corinthians em Brasileiros em 1993, então a maior do clube (15 jogos). Naquele ano, o time treinado por Mário Sérgio perdeu apenas um jogo na fase semifinal e perdeu a chance de ir à final.

A derrota para o Vitória, em casa, foi a segunda do time no ano – a última derrota havia sido no dia 11 de fevereiro (0 x 2 para o Santo André). Desde então, o time conseguiu a sequência de 22 jogos sem derrota, a terceira melhor marca desde a inauguração do estádio, em 2014. O Corinthians já chegou a ficar 32 jogos sem perder em casa em 2014 e 2015 e mais 34 jogos entre 2015 e 2016.

Já a quarta invencibilidade perdida hoje foi para o próprio Vitória. Jogando como mandante, o Corinthians nunca havia perdido para o time baiano no Brasileirão (18 jogos, 14 vitórias e 4 empates), sendo 17 deles em São Paulo – o outro jogo foi em Cuiabá-MT. Pela primeira vez também nesse Brasileirão, em 20 jogos, o Corinthians saiu perdendo no intervalo.


São Paulo é o time que ficou mais rodadas no G4 desde 2003
Comentários 8

Rodolfo Rodrigues

Desde o início da era dos pontos corridos, em 2003, o Campeonato Brasileiro já teve 572 rodadas em suas 15 edições. E até aqui, o São Paulo é o time que mais vezes ficou entre os quatro primeiros, o chamado G4, no período – 245 rodadas. E isso que o clube, com a má campanha em 2017, não conseguiu ficar uma vez entre no G4 nesse Brasileirão – sua melhor colocação foi o 6º lugar na 3ª rodada.

O Cruzeiro, que desde o bicampeonato em 2013/14 só ficou uma rodada no G4 (na 3ª rodada de 2017, quando foi 3º), é o segundo time que mais vezes ficou entre os quatro primeiros: 216 rodadas.  Já o Corinthians, no G4 desde a 2ª rodada desse ano e líder desde a 5ª, já ficou 205 rodadas no G4 desde 2003. Com 18 pontos de vantagem sobre o 5º colocado, o Corinthians dificilmente sairá do G4 até o final do campeonato. Assim, poderá chegar a 224 rodadas acumuladas e superar o Cruzeiro. Outra chance que o Corinthians tem também é de ser o time com mais rodadas na liderança. Hoje, o Cruzeiro está à frente (109 x 100).

Grêmio e Santos, que nos últimos anos estão sempre entre os primeiros, aparecem na sequência como os times com mais rodadas no G4 desde 2003, com 187 e 181 rodadas respectivamente, seguidos por Inter (176), Palmeiras (154), Fluminense (147), Atlético-MG (141) e Botafogo (109), Flamengo (86) e Vasco (71).

Clubes que ficaram mais rodadas no G4 entre 2003 e 2017 (20ª rodada):
1º São Paulo (245)
1º (68), 2º (56), 3º (71) e 4º (50)

2º Cruzeiro (216)
1º (109), 2º (44), 3º (44) e 4º (19)

3º Corinthians (205)
1º (100), 2º (46), 3º (31) e 4º (28)

4º Grêmio (187)
1º (20), 2º (52), 3º (82) e 4º (33)

5º Santos (181)
1º (31), 2º (58), 3º (47) e 4º (45)

6º Internacional (176)
1º (17), 2º (58), 3º (49) e 4º (52)

7º Palmeiras (154)
1º (55), 2º (20), 3º (22) e 4º (57)

8º Fluminense (147)
1º (46), 2º (32), 3º (37) e 4º (32)

9º Atlético-MG (141)
1º (32), 2º (52), 3º (26) e 4º (31)

10º Botafogo (109)
1º (23), 2º (17), 3º (24) e 4º (45)

11º Flamengo (86)
1º (13), 2º (29), 3º (18) e 4º (26)

12º Vasco (71)
1º (10), 2º (21), 3º (17) e 4º (23)

13º Goiás (60)
1º (1), 2º (17), 3º (20) e 4º (22)

14º Atlético-PR (58)
1º (15), 2º (17), 3º (9) e 4º (17)

15º Coritiba (43)
1º (3), 2º (3), 3º (19) e 4º (18)

16º Ponte Preta (32)
1º (9), 2º (10), 3º (7) e 4º (6)

17º Paraná (26)
1º (1), 2º (6), 3º (11) e 4º (8)

18º Vitória (25)
1º (1), 2º (6), 3º (9) e 4º (9)

19º Sport (20)
1º (5), 2º (3), 3º (4) e 4º (8)

20º São Caetano (18)
1º (1), 2º (0), 3º (5) e 4º (12)

21º Figueirense (16)
1º (3), 2º (3), 3º (4) e 4º (6)

22º Ceará (10)
1º (0), 2º (3), 3º (4) e 4º (3)

23º Juventude (9)
1º (0), 2º (2), 3º (2) e 4º (5)

23º Náutico (9)
1º (1), 2º (1), 3º (5) e 4º (2)

25º Criciúma (6)
1º (3), 2º (1), 3º (0) e 4º (2)

25º Chapecoense (6)
1º (2), 2º (1), 3º () e 4º (3)

27º Avaí (4)
1º (1), 2º (2), 3º () e 4º (1)

27º Santa Cruz (4)
1º (2), 2º (1), 3º (1) e 4º (0)

28º Bahia (3)
1º (1), 2º (0), 3º (1) e 4º (1)

29º Guarani (1)
1º (0), 2º (1), 3º (0) e 4º (0)

29º Santo André (1)
1º (0), 2º (0), 3º (0) e 4º (1)


O histórico (ruim) dos técnicos estrangeiros no Brasileirão
Comentários 2

Rodolfo Rodrigues

Nessa semana, o Flamengo anunciou a contratação do técnico colombiano Reinaldo Rueda e o assunto rendeu nos noticiários as declarações de Jair Ventura, técnico do Botafogo, e Renato Gaúcho, técnico do Grêmio, que se mostram contra a vinda de treinadores estrangeiros ao Brasil. Rueda será o primeiro técnico estrangeiro no Flamengo depois do paraguaio Fleitas Solich, que dirigiu o clube pela última vez em 1971.

Em Campeonatos Brasileiros, desde 1971, o desempenho dos técnicos gringos não é bom. Desde o início do Brasileirão, poucos foram os treinadores estrangeiros que dirigiram clubes na competição (apenas 24, contando o sérvio Petkovic que treinou o Vitória por apenas quatro jogos nesse Brasileirão de 2017). Desses, o que teve o melhor desempenho foi o argentino José Poy. Ex-goleiro do São Paulo nos anos 60, Poy treinou o São Paulo de 1971 a 1976 e conseguiu ser vice-campeão em 1971 e 1973.

Outro técnico gringo que dirigiu o São Paulo com bom desempenho no Brasileirão foi o chileno Roberto Rojas, outro ex-goleiro do clube. Em 2003, ele assumiu o time interinamente após a saída do técnico Oswaldo de Oliveira e levou o São Paulo ao 3º lugar após ficar 40 jogos no comando. Em 1977, quem também fez um bom papel foi o argentino Armando Renganeschi, que levou o Londrina ao 4º lugar daquele ano.

Recentemente, na era dos pontos corridos, desde 2003, apenas 12 técnicos estrangeiros dirigiram equipes na Série A. Desses, apenas um treinou clubes em duas edições: Diego Aguirre (Inter em 2015 e Atlético-MG em 2016). No Galo, porém, treinou o time apenas na 1ª rodada. Desses 12 técnicos gringos, 11 não conseguiram terminar o Brasileirão e acabaram saindo do clube (demitidos ou não). Apenas Roberto Rojas, citado acima, conseguiu chegar à última rodada.

O uruguaio Darío Pereyra treinou Paysandu e Grêmio em 2003, mas por poucas rodadas. Em 2005, o argentino Daniel Passarella começou no comando do Corinthians, mas ficou apenas três rodadas antes de ser demitido após a goleada sofrida para o São Paulo por 5 x 1. Depois dele, o próximo técnico estrangeiro na Série A foi o uruguaio Jorge Fossatti, que dirigiu o Inter por apenas quatro rodadas em 2010. Quatro anos depois, em 2014, outros dois gringos não se deram bem aqui: o espanhol Miguel Ángel Portugal (ficou apenas cinco jogos no Atlético-PR) e o argentino Ricardo Gareca (que dirigiu o Palmeiras por nove rodadas com apenas uma vitória e sete derrotas).

Em 2015, Diego Aguirre treinou o Inter até a 16ª rodada antes de ser demitido. No mesmo ano, o colombiano Juan Carlos Osório bateu o recorde de jogos de um gringo depois de Rojas (40) e chegou a 24 dirigindo o São Paulo, mas acabou deixando o clube para treinar a seleção mexicana. Em 2016, Aguirre saiu do Atlético-MG na 1ª rodada. Bauza deixou o São Paulo após 18 jogos (foi para a seleção argentina), o português Paulo Bento ficou no Cruzeiro apenas 16 rodadas antes de ser demitido, e o português Sérgio Vieira dirigiu o América-MG por nove rodadas, onde também foi demitido. Agora, em 2017, Petkovic foi o único gringo até a chegada de Reinaldo Rueda.

Confira abaixo o desempenho dos técnicos estrangeiros no Brasileirão, desde 1971:

Alfredo González (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1971Sport922519º
1974Sampaio Correa*832336º
1975Desportiva521237º
1976Desportiva1222854º
1977Vitória1243538º
1978Vitória*321029º
1978Volta Redonda*602432º
Total5515132735,2%

 

Armando Renganeschi (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1976Ponte Preta2086614º
1977Londrina201046
1978Corinthians*20106412º
1979Bahia*1131750º
Total7131172351,6%

 

Daniel Passarella (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
2005Corinthians*3012
Total301211,1%

 

Darío Pereyra (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
1997São Paulo2589813º
1998Coritiba12552
1999Atlético-MG*20938
2000Guarani*604217º
2003Paysandu*1023522º
2003Grêmio*812520º
Total8125263041,6%

 

Diego Aguirre (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
2015Internacional*16565
2016Atlético-MG*1100
Total1766547,1%

 

Edgardo Bauza (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
2016São Paulo*1874710º
Total1874746,3%

 

Elias Figueroa (Chile)

AnoClubeJVEDPos.
1996Internacional13724
Total1372459%

 

Filpo Núñez (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1977Botafogo-PB410357º
Total410325%

 

Fleitas Solich (Paraguai)

AnoClubeJVEDPos.
1971Flamengo19410514º
Total19410538,6%

 

Hugo De León (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
1997Fluminense*201125º
Total201116,7%

 

Jorge Fossatti (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
2010Internacional*4103
Total410325%

 

José Poy (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1971São Paulo13742
1972São Paulo171124
1973São Paulo4017185
1974São Paulo24813310º
1975São Paulo2811143
1976São Paulo1344528º
1983São Paulo221354
1984Portuguesa20776
Total17778673256,7%

 

Juan Carlos Osorio (Colômbia)

AnoClubeJVEDPos.
2015São Paulo*241068
Total24106850%

 

Juan Celly (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1979Itabaiana-SE1644849º
1980Itabaiana-SE930635º
1981Itabaiana-SE*610543º
1983Sergipe1442826º
Total451262731,1%

 

Miguel Ángel Portugal (Espanha)

AnoClubeJVEDPos.
2014Atlético-PR*5122
Total512233,3%

 

Pablo Forlán (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
1990São Paulo*11434
Total1143445,5%

 

Paulo Bento (Portugal)

AnoClubeJVEDPos.
2016Cruzeiro*1543812º
Total1543833,3%

 

Pedro Rocha (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
1987Coritiba*923412º
1998Ponte Preta*721417º
Total1644833,3%

 

Petkovic (Sérvia)

AnoClubeJVEDPos.
2017Vitória*4013
Total40138,3%

 

Ramos Delgado (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
1977Santos1226421º
1978Santos*622223º
Total1848637,0%

 

Ricardo Gareca (Argentina)

AnoClubeJVEDPos.
2014Palmeiras*911716º
Total1543814,8%

 

Roberto Rojas (Chile)

AnoClubeJVEDPos.
2003São Paulo40201010
Total4020101058,3%

 

Sergio Ramírez (Uruguai)

AnoClubeJVEDPos.
1993Criciúma1463514º
1994Vitória*301219º
1995União São João*711524º
Total24751236,1%

 

Sergio Vieira (Portugal)

AnoClubeJVEDPos.
2016América-MG*910820º
Total910811,1%

 

 

* Não terminaram o campeonato no comando do clube

 

Mais de Futebol em Números no twitter
@rodolfo1975


Grêmio e Flamengo poderão fazer 16 jogos nos próximos dois meses
Comentários 26

Rodolfo Rodrigues

No primeiro ano no novo calendário, com as competições como Copa do Brasil, Copa Libertadores e Copa Sul-Americana tomando quase que o ano todo, os clubes brasileiros estão encontrando dificuldades para se adaptar e conciliar a disputa do Brasileirão. Como nunca visto antes, muitos clubes estão deixando de lado a principal competição do país e dando prioridade para outros torneios, como a Copa do Brasil.

Esse ano, ainda mais com a enorme vantagem que o Corinthians vem construindo no Brasileirão, os técnicos dos concorrentes mais próximos já jogaram a toalha na virada do turno, algo raro desde 2003. Renato Gaúcho (Grêmio) e Levir Culpi (Santos), já disseram que é quase impossível pegar o líder Corinthians e brigar pelo título com outras competições pela frente. Renato, aliás, assumiu que vai botar a garotada no Brasileirão, já que prioriza a Copa do Brasil e a Libertadores – sem falar da Primeira Liga.

E faz sentido. O Grêmio, clube com o melhor desempenho geral entre as equipes em 2017 (por chegar vivo em quatro competições em agosto), poderá fazer 16 partidas nos próximos dois meses caso passe para a final da Copa do Brasil e da Primeira Liga. Com jogos no meio de semana e no final de semana, fica quase que impossível botar os titulares em todas as partidas. E isso que o time precisará de fôlego ainda para a semifinal e final da Libertadores, em meados de outubro e novembro e a reta final do Brasileirão (onde deverá brigar para ficar no G4 e garantir vaga na fase de grupos da Libertadores 2018).

O Flamengo, que ainda disputa a Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Primeira Liga, é outro que poderá fazer também 16 jogos nos próximos dois meses. Por outro lado, clubes que só disputam o Brasileirão (Palmeiras, São Paulo, Vasco, Atlético-PR, Coritiba, Avaí, Vitória, Bahia e Atlético-GO), terão sete jogos pela frente até meados de outubro.

Outros que disputam Brasileirão e Copa Sul-Americana, terão nove jogos nos próximos dois meses (Corinthians, Ponte Preta, Sport e Chapecoense), assim como o Santos, que tem Brasileirão e Copa Libertadores. O Atlético-MG, que disputa, além do Brasileirão, a Primeira Liga, poderá fazer 10 jogos. O Fluminense, que joga Brasileirão, Primeira Liga e Copa Sul-Americana, poderá fazer 12 jogos. O Cruzeiro, que joga a Copa do Brasil, Brasileirão e Primeira Liga, poderá fazer 14 jogos, assim como o Botafogo (Brasileirão, Copa do Brasil e Libertadores).

Confira o calendário de jogos das equipes nos próximos dois meses (em vermelho os jogos que os times poderão fazer em caso de classificação para a fase seguinte):

Grêmio (Brasileirão, Copa do Brasil, Copa Libertadores e Primeira Liga)
16/8 (qua) – Cruzeiro (c) – Copa do Brasil (semifinal – ida)
20/8 (dom) – Atlético-PR (c) – Brasileirão
23/8 (qua) – Cruzeiro (f) – Copa do Brasil (semifinal – volta)
26/8 (sab) – Sport (c) – Brasileirão
30/8 (qua) – Cruzeiro (f) – Primeira Liga (quartas)
3/9 (dom) – Flamengo ou Paraná – Primeira Liga (semifinal)
7/9 (qua) – Botafogo ou Flamengo – Copa do Brasil (final – ida)
10/9 (dom) – Vasco (f) – Brasileirão
13/9 (qua) – Botafogo (f) – Libertadores (quartas – ida)
17/9 (dom) – Chapecoense (c) – Brasileirão
20/9 (qua) – Botafogo (c) – Libertadores (quartas – volta)
24/9 (dom) – Bahia (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Fluminense (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Cruzeiro (c) – Brasileirão
8/10 (dom) – Primeira Liga (final)
12/10 (qua) – Botafogo ou Flamengo – Copa do Brasil (final – volta)

Flamengo (Brasileirão, Copa do Brasil, Copa Sul-Americana e Primeira Liga)
16/8 (qua) – Botafogo (f) – Copa do Brasil (semifinal – ida)
19/8 (sab) – Atlético-GO (c) – Brasileirão
23/8 (qua) – Botafogo (c) – Copa do Brasil (semifinal – volta)
27/8 (dom) – Atlético-PR (c) – Brasileirão
30/8 (qua) – Paraná (c) – Primeira Liga (quartas)
3/9 (dom) – Cruzeiro ou Grêmio – Primeira Liga (semifinal)
7/9 (qua) – Cruzeiro ou Grêmio – Copa do Brasil (final – ida)
10/9 (dom) – Botafogo (f) – Brasileirão
13/9 (qua) – Chapecoense (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
17/9 (dom) – Sport (c) – Brasileirão
20/9 (qua) – Chapecoense (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
23/9 (sab) – Avaí (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Ponte Preta (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Fluminense (c) – Brasileirão
8/10 (dom) – Primeira Liga (final)
12/10 (qua) – Cruzeiro ou Grêmio – Copa do Brasil (final – volta)

Botafogo (Brasileirão, Copa do Brasil e Copa Libertadores)
16/8 (qua) – Flamengo (c) – Copa do Brasil (semifinal – ida)
20/8 (dom) – Ponte Preta (f) – Brasileirão
23/8 (qua) – Flamengo (f) – Copa do Brasil (semifinal – volta)
27/8 (dom) – Bahia (f) – Brasileirão
7/9 (qua) – Cruzeiro ou Grêmio – Copa do Brasil (final – ida)
10/9 (dom) – Flamengo (c) – Brasileirão
13/9 (qua) – Grêmio (c) – Libertadores (quartas – ida)
16/9 (sab) – Santos (c) – Brasileirão
20/9 (qua) – Grêmio (f) – Libertadores (quartas – volta)
24/9 (dom) – Coritiba (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Vitória (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Chapecoense (c) – Brasileirão
12/10 (qua) – Cruzeiro ou Grêmio – Copa do Brasil (final – volta)

Cruzeiro (Brasileirão, Copa do Brasil e Primeira Liga)
16/8 (qua) – Grêmio (f) – Copa do Brasil (semifinal – ida)
20/8 (dom) – Sport (c) – Brasileirão
23/8 (qua) – Grêmio (c) – Copa do Brasil (semifinal – volta)
27/8 (dom) – Santos (c) – Brasileirão
30/8 (qua) – Grêmio (c) – Primeira Liga (quartas)
3/9 (dom) – Flamengo ou Paraná – Primeira Liga (semifinal)
7/9 (qua) – Botafogo ou Flamengo – Copa do Brasil (final – ida)
10/9 (dom) – Chapecoense (f) – Brasileirão
18/9 (seg) – Bahia (c) – Brasileirão
24/9 (dom) – Atlético-GO (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Corinthians (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Grêmio (f) – Brasileirão
8/10 (dom) – Primeira Liga (final)
12/10 (qua) – Botafogo ou Flamengo – Copa do Brasil (final – volta)

Fluminense (Brasileirão, Copa Sul-Americana e Primeira Liga)
21/8 (seg) – Atlético-MG (c) – Brasileirão
26/8 (sab) – Vasco (c) – Brasileirão
30/8 (qua) – Londrina (f) – Primeira Liga (quartas)
3/9 (dom) – Atlético-MG ou Internacional – Primeira Liga (semifinal)
10/9 (dom) – Vitória (f) – Brasileirão
14/9 (qui) – LDU Quito-EQU (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
17/9 (dom) – Atlético-PR (f) – Brasileirão
21/9 (qui) – LDU Quito-EQU (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
24/9 (dom) – Palmeiras (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Grêmio (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Flamengo (f) – Brasileirão
8/10 (dom) – Primeira Liga (final)

Santos (Brasileirão e Copa Libertadores)
20/8 (dom) – Coritiba (f) – Brasileirão
27/8 (dom) – Cruzeiro (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Corinthians (c) – Brasileirão
13/9 (qua) – Barcelona-EQU (f) – Libertadores (quartas – ida)
16/9 (sab) – Botafogo (f) – Brasileirão
20/9 (qua) – Barcelona-EQU (c) – Libertadores (quartas – volta)
23/9 (sab) – Atlético-PR (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Palmeiras (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Ponte Preta (f) – Brasileirão

Corinthians (Brasileirão e Copa Sul-Americana)
19/8 (sab) – Vitória (c) – Brasileirão
23/8 (qua) – Corinthians (f) – Brasileirão
26/8 (sab) – Atlético-GO (c) – Brasileirão
10/9 (dom) – Santos (f) – Brasileirão
13/9 (qua) – Racing-ARG (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
17/9 (dom) – Vasco (c) – Brasileirão
20/9 (qua) – Racing-ARG (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
24/9 (dom) – São Paulo (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Cruzeiro (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Coritiba (c) – Brasileirão

Ponte Preta (Brasileirão e Copa Sul-Americana)
20/8 (dom) – Botafogo (c) – Brasileirão
27/8 (dom) – Atlético-MG (c) – Brasileirão
9/9 (sab) – São Paulo (f) – Brasileirão
13/9 (qua) – Sport (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
16/9 (sab) – Atlético-GO (c) – Brasileirão
20/9 (qua) – Sport (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
24/9 (dom) – Chapecoense (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Flamengo (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Santos (c) – Brasileirão

Chapecoense (Brasileirão e Copa Sul-Americana)
20/8 (dom) – Palmeiras (f) – Brasileirão
23/8 (qua) – Corinthians (c) – Brasileirão
27/8 (dom) – Avaí (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Cruzeiro (c) – Brasileirão
13/9 (qua) – Flamengo (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
17/9 (dom) – Grêmio (f) – Brasileirão
20/9 (qua) – Flamengo (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
24/9 (dom) – Ponte Preta (c) – Brasileirão
28/9 (qui) – Vasco (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Botafogo (f) – Brasileirão

Sport (Brasileirão e Copa Sul-Americana)
20/8 (dom) – Cruzeiro (f) – Brasileirão
26/8 (sab) – Grêmio (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Avaí (c) – Brasileirão
13/9 (qua) – Ponte Preta (c) – Copa Sul-Americana (oitavas – ida)
17/9 (dom) – Flamengo (f) – Brasileirão
20/9 (qua) – Ponte Preta (f) – Copa Sul-Americana (oitavas – volta)
25/9 (seg) – Vasco (c) – Brasileirão
28/9 (qui) – São Paulo (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Vitória (f) – Brasileirão

Atlético-MG (Brasileirão e Primeira Liga)
21/8 (seg) – Fluminense (f) – Brasileirão
27/8 (dom) – Ponte Preta (f) – Brasileirão
30/8 (qua) – Internacional (f) – Primeira Liga (quartas)
3/9 (dom) – Fluminense ou Londrina – Primeira Liga (semifinal)
9/9 (sab) – Palmeiras (c) – Brasileirão
17/9 (dom) – Avaí (f) – Brasileirão
24/9 (dom) – Vitória (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Atlético-PR (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – São Paulo (c) – Brasileirão
8/10 (dom) – Primeira Liga (final)

Palmeiras (Brasileirão)
20/8 (dom) – Chapecoense (c) – Brasileirão
27/8 (dom) – São Paulo (c) – Brasileirão
9/9 (sab) – Atlético-MG (f) – Brasileirão
16/9 (sab) – Coritiba (c) – Brasileirão
24/9 (dom) – Fluminense (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Santos (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Bahia (c) – Brasileirão

São Paulo (Brasileirão)
19/8 (dom) – Avaí (f) – Brasileirão
27/8 (dom) – Palmeiras (f) – Brasileirão
9/9 (sab) – Ponte Preta (c) – Brasileirão
17/9 (dom) – Vitória (f) – Brasileirão
24/9 (dom) – Corinthians (c) – Brasileirão
28/9 (qui) – Sport (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Atlético-MG (f) – Brasileirão

Vasco (Brasileirão)
20/8 (dom) – Bahia (f) – Brasileirão
26/8 (sab) – Fluminense (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Grêmio (c) – Brasileirão
17/9 (dom) – Corinthians (f) – Brasileirão
25/9 (seg) – Sport (f) – Brasileirão
28/9 (qui) – Chapecoense (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Avaí (f) – Brasileirão

Atlético-PR (Brasileirão)
20/8 (dom) – Grêmio (f) – Brasileirão
27/8 (dom) – Flamengo (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Coritiba (c) – Brasileirão
17/9 (dom) – Fluminense (c) – Brasileirão
23/9 (sab) – Santos (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Atlético-MG (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Atlético-GO (c) – Brasileirão

Coritiba (Brasileirão)
20/8 (dom) – Santos (c) – Brasileirão
28/8 (seg) – Vitória (c) – Brasileirão
10/9 (dom) – Atlético-PR (f) – Brasileirão
16/9 (sab) – Palmeiras (f) – Brasileirão
24/9 (dom) – Botafogo (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Bahia (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Corinthians (f) – Brasileirão

Avaí (Brasileirão)
20/8 (dom) – São Paulo (c) – Brasileirão
27/8 (dom) – Chapecoense (c) – Brasileirão
10/9 (dom) – Sport (f) – Brasileirão
17/9 (dom) – Atlético-MG (c) – Brasileirão
23/9 (sab) – Flamengo (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Atlético-GO (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Vasco (c) – Brasileirão

Vitória (Brasileirão)
19/8 (sab) – Corinthians (f) – Brasileirão
28/8 (seg) – Coritiba (f) – Brasileirão
10/9 (dom) – Fluminense (c) – Brasileirão
17/9 (dom) – São Paulo (c) – Brasileirão
24/9 (dom) – Atlético-MG (f) – Brasileirão
27/9 (qua) – Botafogo (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Sport (c) – Brasileirão

Bahia (Brasileirão)
20/8 (dom) – Vasco (c) – Brasileirão
27/8 (dom) – Botafogo (c) – Brasileirão
11/9 (seg) – Atlético-GO (f) – Brasileirão
18/9 (seg) – Cruzeiro (f) – Brasileirão
24/9 (dom) – Grêmio (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Coritiba (c) – Brasileirão
1/10 (dom) – Palmeiras (f) – Brasileirão

Atlético-GO (Brasileirão)
19/8 (sab) – Flamengo (f) – Brasileirão
26/8 (sab) – Corinthians (f) – Brasileirão
11/9 (seg) – Bahia (c) – Brasileirão
16/9 (sab) – Ponte Preta (f) – Brasileirão
24/9 (dom) – Cruzeiro (c) – Brasileirão
27/9 (qua) – Avaí (f) – Brasileirão
1/10 (dom) – Atlético-PR (f) – Brasileirão

Mais de Futebol em Números no twitter:
@rodolfo1975


São Paulo alcança sua maior média de público nos pontos corridos
Comentários 13

Rodolfo Rodrigues

Após bater mais uma vez o recorde de público no Brasileirão (56.052 no jogo contra o Cruzeiro, hoje, no Morumbi), o São Paulo chegou a média de 31.353 torcedores por jogo no campeonato,  a maior do clube na era dos pontos corridos, desde 2003. Desde então, a maior média de público do clube foi em 2007 (28.789).

Levando mais de 50 mil torcedores nos últimos três jogos (Grêmio, Coritiba e Cruzeiro), o São Paulo subiu para a terceira colocação na média de público do Brasileirão 2017, atrás dos rivais Corinthians (37.918) e Palmeiras (33.065).

No ano, o São Paulo tem agora a média de 31.119 torcedores por jogo e está próximo dos rivais da capital. O Palmeiras lidera hoje a média com 32.367, seguido pelo Corinthians (32.271).

Em Brasileiros, desde 1971, o São Paulo teve média superior a 30 mil torcedores apenas duas vezes. Em 1977, quando foi campeão (34.358) e em 1981, quando foi vice (41.179).

Médias de público do São Paulo no Brasileirão desde 2003:
2003 – 11.403
2004 – 8.586
2005 – 9.788
2006 – 22.950
2007 – 28.789
2008 – 21.327
2009 – 26.259
2010 – 14.713
2011 – 21.523
2012 – 23.966
2013 – 23.116
2014 – 28.598
2015 – 20.526
2016 – 22.512
2017 – 31.380


Os maiores artilheiros dos times brasileiros na Libertadores
Comentários Comente

Rodolfo Rodrigues

O atacante Rodrigo Pimpão marcou ontem o segundo gol do Botafogo na vitória por 2 x 0 sobre o Nacional do Uruguai, que colocou o time carioca nas quartas de final da Copa Libertadores. Com o gol, Pimpão chegou a 5 nessa edição do torneio e tornou-se o maior artilheiro do clube na história da competição ao lado de Jairzinho e Dirceu.

Nessa edição da Libertadores, outro jogador que se aproxima do recorde dos maiores goleadores de um clube brasileiro na competição é o centroavante Ricardo Oliveira, do Santos, que tem 12 gols e é o 4º na lista do Santos, atrás de Pelé, Neymar e Robinho. Pelo Grêmio, o atacante Luan tem 6 gols e aparece na 5º colocação com chance ainda de ganhar posições, já que o time gaúcho continua vivo na competição sul-americana.

Confira abaixo quais são os maiores artilheiros dos clubes brasileiras na história da Libertadores:

Santos
1º Pelé 17
2º Neymar 14
Robinho 14
4º Ricardo Oliveira 12
5º Coutinho 10

Corinthians
1º Luizão 15
2º Marcelinho Carioca 11
3º Elias 9
4º Dinei 8
Guerrero 8

São Paulo
1º Luis Fabiano 14
Rogério Ceni 14
3º Müller 10
Palhinha 10
Pedro Rocha 10

Palmeiras
1º Alex 12
2º Tupãzinho 11
3º Ademir da Guia 9
Lopes 9
5º Edmundo 8
César Maluco 8

Botafogo
1º Jairzinho 5
Dirceu 5
Rodrigo Pimpão
4º Marinho 4
Roberto Miranda 4
Wallyson 4
Fischer 4

Fluminense
1º Fred 8
2º Thiago Neves 7
3º Washington 6
4º Rafael Moura 5
5º Dodô 4
Flávio 4
Samarone 4

Vasco
1º Luizão 8
2º Donizete 5
3º Juninho Paulista 4
Roberto Dinamite 4
Romário 4

Flamengo
1º Zico 16
2º Tita 10
Gaúcho 10
4º Marcelinho Carioca 7
Nunes 7

Internacional
1º Leandro Damião 11
2º Fernandão 6
Giuliano 6
D’Alessandro 6
5º Rafael Sóbis 5
Diego Aguirre 5
Valdívia 5

Grêmio
1º Jardel 16
2º Rodrigo Mendes 10
3º Paulo Nunes 8
Osvaldo 8
5º Caio 6
Anderson Lima 6
Souza 6
Luan 6

Cruzeiro
1º Palhinha 20
2º Thiago Ribeiro 13
3º Jairzinho 12
4º Kléber 11
Nelinho 11

Atlético-MG
1º Jô 11
2º Guilherme 9
3º Lucas Pratto 7
Cazares 7
5º Fred 6
Diego Tardelli 6

Atlético-PR
1º Lima 6
Luisinho Netto 6
3º Aloísio 4
Kelly 4
Ederson 4

Coritiba
1º Geraldo 3
2º Índio 2
Luís Carlos Capixaba 2

Bahia
1º Charles 7
2º Osmar 3
3º Gil Baiano 2
Marquinhos 2
Zé Carlos 2

Sport
1º Robertinho 3
Wilson 3
3º Nando 2
Andrade 2

Náutico
1º Lala 2
Ladeira 2
Nino 2

Guarani
1º Miltão 6
2º Zenon 5
3º Bozé 3
4º Careca Bianchesi 2
Marinho 2
Tony 2
Henágio 2
Evair 2
Neto 2

São Caetano
1º Brandão 6
2º Aílton 5
3º Somália 4
Wagner 4
5º Anderson Lima 3
Marcinho 3
Gilberto 3

Chapecoense
1º Reinaldo 2
2º Arthur Cayke 1
Andrei Girotto 1
Rossi 1
Luiz Antônio 1

Goiás
1º Romerito 4
2º Welliton 2
Nonato 2

Paraná
1º Josiel 3
2º Dinélson 2
Gérson 2
Henrique 2

Criciúma
1º Jairo Lenzi 6
2º Everaldo 4
3º Gélson 3

Paysandu
1º Robgol 6
2º Iarley 3
Vélber 3

Santo André
1º Rodrigão 5
2º Fernando 1
Leandrinho 1
Rafinha 1
Richarlyson 1
Romerito 1
Sandro Gaúcho 1

Paulista
1º Abraão 1
 Amaral 1
 Jaílson 1
 Muñoz 1

Bangu
1º Marinho 3
2º Ado 1
 Jair 1
 Marcelino 1

Juventude
1º Luiz Oscar 2
 Wallace 2
3º Adílson 1
 Kiko 1
 Mabília 1
 Maurílio 1

Mais de Futebol em Números no twitter
@rodolfo1975


Brasileiros acumulam fiascos na Libertadores desde 2014
Comentários 3

Rodolfo Rodrigues

O futebol brasileiro teve duas grandes decepções ontem na Copa Libertadores. O Palmeiras, último campeão brasileiro, foi eliminado em casa pelo Barcelona do Equador. Já o Atlético-MG caiu diante do Jorge Wilstermann e se tornou o primeiro time do Brasil eliminado em um mata-mata por um boliviano na história da competição.

No início das oitavas de final, o Brasil tinha a chance de chegar com cinco equipes nas quartas de final e estabelecer um novo recorde. Até então, havia colocado quatro clubes em 2009, 2010 e 2012. Agora, tem o Grêmio e o vencedor de Santos e Atlético-PR já garantidos. Muito provavelmente o Botafogo, que venceu o Nacional-URU fora de casa no jogo de ida, também entre.

Ainda assim, desde 2013, ano do último título de um time brasileiro na Libertadores, os brasileiros vêm acumulando fiascos na Libertadores. Com times que contam muitas vezes com os elencos mais caros e com mais vagas do que os outros países (com exceção da Argentina), os brasileiros não chegaram à final nos últimos três anos e são os que mais vezes caíram nos mata-matas da fase final (das oitavas até a final).

Desde 2014, os times brasileiros disputaram 16 mata-matas contra times de outros países: perderam 11 e venceram apenas 5 – houve ainda mais três confrontos entre times brasileiros. Os times argentinos disputaram 10 mata-matas a mais do que os brasileiros e em 26 confrontos, venceram 15 e perderam 11. Só nas oitavas de final, nos últimos 11 confrontos contra times de outros países, os brasileiros caíram em 7 deles.

Desempenho nos mata-matas das finais (oitavas até a final) desde 2014 – sem contar os confrontos entre clubes do mesmo país:

PaísDerrotasVitóriasTotal
Brasil11516
Argentina111526
México549
Paraguai5510
Bolívia437
Uruguai336
Colômbia369
Equador257
Chile101
Venezuela101

Os últimos campeões brasileiros também vêm apresentando um desempenho ruim no torneio sul-americano. Com exceção do Corinthians, campeão nacional em 2011 e da Libertadores em 2012, todos não passaram das quartas. O Fluminense (2012), caiu nas quartas em 2013 para o Olimpia-PAR. O Cruzeiro, bicampeão brasileiro em 2013 e 2014, caiu nas quartas para os argentinos San Lorenzo (2014) e River Plate (2015). Já os últimos, Corinthians (2015) e Palmeiras (2016), ficaram nas oitavas e perderam para o Nacional-URU e Barcelona-EQU, respectivamente.

Desde 2014, também, outros clubes brasileiros decepcionaram ainda mais ao caírem ainda na fase de grupos, antes dos mata-matas. Em 2014, Flamengo, Botafogo e Atlético-PR foram eliminados. O Furacão ficou atrás de Vélez Sarsfield-ARG e The Strongest-BOL; o Botafogo foi o último no grupo com Unión Española-CHI (1º), San Lorenzo-ARG (2º) e Independiente del Valle-EQU (3º); e o Flamengo ficou atrás de Bolívar-BOL e León-MEX. Em 2016, o Palmeiras foi o 3º, atrás de Rosario Central-ARG e Nacional-URU. Agora, em 2017, o Flamengo ficou fora novamente, sendo o 3º do grupo atrás de San Lorenzo-ARG e Atlético-PR. Outro eliminado foi a Chapecoense, atrás de Lanús-ARG e Nacional-URU.

Brasileiros eliminados nas Libertadores desde 2014:
2014
Oitavas

Atlético-MG (para o Atlético Nacional-COL)
Grêmio (para o San Lorenzo-ARG)
Quartas
Cruzeiro (para o San Lorenzo-ARG)

2015
Oitavas

Atlético-MG (para o Internacional)
São Paulo (para o Cruzeiro)
Corinthians (para o Guaraní-PAR)
Quartas
Cruzeiro (para o River Plate-ARG)
Semifinal
Internacional (para o Tigres-MEX)

2016
Oitavas

Grêmio (para o Rosario Central-ARG)
Corinthians (para o Nacional-URU)
Quartas
Atlético-MG (para o São Paulo)
Semifinal
São Paulo (para o Atlético Nacional-COL)

2017
Oitavas

Palmeiras (para o Barcelona-EQU)
Atlético-MG (para o Jorge Wilstermann-BOL)

 


Apenas dois técnicos ficaram no Flamengo em um Brasileiro inteiro desde 03
Comentários 3

Rodolfo Rodrigues

BhDesde o início dos pontos corridos, apenas dois técnicos conseguiram ficar no comando do Flamengo do início ao fim do Brasileirão: Caio Júnior, em 2008 (5º colocado), e Vanderlei Luxemburgo, em 2011 (4º colocado). Com a demissão do técnico Zé Ricardo, o rubro-negro chega a 13 edições desde 2003 com trocas de treinadores durante a competição, igualando a marca do Atlético-PR.

Desde 2003 até esse 1º turno de 2017, o Cruzeiro é o clube que mais vezes conseguiu permanecer com o mesmo técnico em uma única edição – oito vezes. Na sequência, aparece o Corinthians, com sete, seguido por Fluminense e Santos (seis), Botafogo, Palmeiras e Grêmio (cinco), Goiás, Coritiba, Inter e São Paulo (quatro), Atlético-MG (três) e Avaí, Ponte Preta, Sport, Flamengo e Vasco (duas cada).

Entre os técnicos, o recordista é Muricy Ramalho, que terminou nove edições inteiras (quatro pelo São Paulo, duas pelo Santos, duas pelo Inter e uma pelo Fluminense). Muricy, aliás, é o único técnico do São Paulo que conseguiu ficar o campeonato todo desde 2003. Depois de Muricy, os técnicos com mais campeonatos inteiros são Vanderlei Luxemburgo (seis), Abel Braga (cinco – pode completar seis esse ano) e Mano Menezes, Celso Roth e Tite, sendo que Mano pode completar cinco esse ano.

Clubes que mais vezes conseguiram manter o técnico durante o Brasileiro todo desde o início dos pontos corridos (2003):

ClubeEdições sem trocar de técnicoEdições disputadas
Cruzeiro815
Corinthians714
Fluminense615
Santos615
Botafogo513
Palmeiras513
Grêmio514
Goiás411
Coritiba412
Internacional414
São Paulo415
Atlético-MG314
Avaí25
Sport28
Ponte Preta29
Vasco212
Flamengo215
Guarani13
Portuguesa13
Juventude15
Náutico15
Paraná15
Bahia16
Vitória19
Figueirense111
Atlético-PR114
América-RN00
Barueri01
Brasiliense01
Ipatinga01
Joinville01
Prudente01
Santo André01
América-MG02
Ceará02
Santa Cruz02
Fortaleza03
Paysandu03
Atlético-GO04
Chapecoense04
Criciúma04
São Caetano04


Todos os técnicos dos clubes da Série A desde 2003

América-MG (0)
11
– Mauro Fernandes (9), Antônio Lopes (4), Milagres (1) e Givanildo Oliveira (24)
16 – Givanildo Oliveira (5), Cláudio Prates (1), Sérgio Vieira (9) e Enderson Moreira (22)

América-RN (0)
07 – Lori Sandri (8), Marcelo Veiga (13), Paulo Moroni (17)

Atlético-GO (0)
10 – Geninho (7), Roberto Fernandes (4), Reinaldo Gueldini (2) e René Simões (25)
11 – Paulo César Gusmão (10), Jairo Araújo (6) e Hélio dos Anjos (22)
12 – Adílson Batista (2), Hélio dos Anjos (6), Jairo Araújo (20) e Arthur Neto (10)
17 – Marcelo Cabo (4), João Paulo Sanches (5) e Doriva (10)

Atlético-MG (3)
03 – Celso Roth (20), Marcelo Oliveira (21) e Procópio Cardoso (5)
04 – Paulo Bonamigo (16), Jair Picerni (18), Mário Sérgio (9) e Procópio Cardoso (3)
05 – Tite (17), Marco Aurélio (17) e Lori Sandri (8)
07 – Tico (2), Zetti (11), Marcelo Oliveira (1), Emerson Leão (24)
08 – Geninho (1), Alexandre Gallo (14) e Marcelo Oliveira (23)
09 – Celso Roth (38)
10 – Vanderlei Luxemburgo (24) e Dorival Júnior (14)
11 – Dorival Júnior (15) e Cuca (23)
12 – Cuca (38)
13 – Cuca (38)
14 – Paulo Autuori (1) e Levir Culpi (37)
15 – Levir Culpi (36) e Diego Giacomini (2)
16 – Diego Aguirre (1), Marcelo Oliveira (36) e Diego Giacomini (2)
17 – Roger Machado (15), Diego Giacomini (2) e Rogério Micale (3)

Atlético-PR (1)
03 – Osvaldo Alvarez (23) e Mário Sérgio (23)
04 – Júlio Piza (2), Lio Evaristo (1) e Levir Culpi (43)
05 – Edinho (3), Borba Filho (2), Antônio Lopes (23) e Evaristo de Macedo (14)
06 – Givanildo Oliveira (12), Valdemar Privati (1) e Osvaldo Alvarez (25)
07 – Osvaldo Alvarez (5), Antônio Lopes (15) e Ney Franco (18)
08 – Ney Franco (2), Roberto Fernandes (15), Tico (2), Mário Sérgio (5) e Geninho (14)
09 – Geninho (5), Waldemar Lemos (10), Riva de Carli (1) e Antônio Lopes (22)
10 – Leandro Niehues (5), Paulo César Carpegiani (22) e Sérgio Soares (11)
11 – Adílson Batista (6), Leandro Niehues (2), Renato Gaúcho (12) e Antônio Lopes (18)
13 – Ricardo Drubscky (6), Alberto Valentim (1) e Vágner Mancini (31)
14 – Miguel Ángel Portugal (5), Leandro Ávila (5), Doriva (8) e Claudinei Oliveira (20)
15 – Milton Mendes (28), Sergio Vieira (1) e Cristóvão Borges (9)
16 – Paulo Autuori (38)
17 – Paulo Autuori (2), Eduardo Baptista (10), Kelly (2) e Fabiano Soares (5)

Avaí (2)
09 – Silas (38)
10 – Péricles Chamusca (7), Antônio Lopes (17), Edson dos Santos (4) e Vágner Benazzi (10)
11 – Silas (3), Edson Neguinho (6), Alexandre Gallo (13) e Toninho Cecílio (16)
15 – Gílson Kleina (34) e Raul Cabral (4)
17 – Claudinei Oliveira (19)

Bahia (1)
03 – Bobô (6), Evaristo de Macedo (18), Marcelo Chamusca (2), Lula Pereira (13) e Edinho (7)
11 – René Simões (20), Eduardo Souza (1) e Joel Santana (17)
12 – Paulo Roberto Falcão (10), Eduardo Souza (1), Caio Júnior (8) e Jorginho (19)
13 – Cristóvão Borges (38)
14 – Marquinhos Santos (12), Charles Fabián (7) e Gílson Kleina (19)
17 – Guto Ferreira (3), Jorginho Campos (14) e Preto Casagrande (2)

Barueri (0)
09 – Estevam Soares (18), Diego Cerri (13) e Luiz Carlos Goiano (7)

Botafogo (5)
04 – Levir Culpi (2), Luiz Matter (4), Mauro Galvão (18) e Paulo Bonamigo (22)
05 – Paulo César Gusmão (8), Péricles Chamusca (12), Acácio (1) e Celso Roth (21)
06 – Carlos Roberto (6) e Cuca (32)
07 – Cuca (35) e Mário Sérgio (3)
08 – Cuca (3), Luizinho Rangel (1), Geninho (6) e Ney Franco (28)
09 – Ney Franco (17) e Estevam Soares (21)
10 – Joel Santana (38)
11 – Caio Júnior (35) e Flávio Tenius (3)
12 – Oswaldo de Oliveira (38)
13 – Oswaldo de Oliveira (38)
14 – Vágner Mancini (38)
16 – Ricardo Gomes (18) e Jair Ventura (20)
17 – Jair Ventura (19)

Brasiliense (0)
05 – Valdir Espinosa (8), Joel Santana (24) e Márcio Bittencourt (10)

Ceará (0)
10 – Paulo César Gusmão (7), Estevam Soares (6), Mário Sérgio (7) e Dimas Filgueiras (18)
11 – Vágner Mancini (23), Estevam Soares (8) e Dimas Filgueiras (7)

Chapecoense (0)
14 – Gilmar dal Pozzo (6), Celso Rodrigues (18) e Jorginho (14)
15 – Vinícius Eutrópio (25) e Guto Ferreira (13)
16 – Guto Ferreira (10), Emerson Cris (1) e Caio Júnior (26)
17 – Vágner Mancini (11) e Vinícius Eutrópio (8)

Corinthians (7)
03 – Geninho (33), Jairo Leal (1), Júnior (2) e Juninho (10)
04 – Oswaldo de Oliveira (7) e Tite (39)
05 – Daniel Passarella (3), Márcio Bittencourt (23) e Antônio Lopes (16)
06 – Ademar Braga (5), Geninho (11) e Emerson Leão (22)
07 – Paulo César Carpegiani (21), Zé Augusto (6) e Nelsinho Baptista (11)
09 – Mano Menezes (38)
10 – Mano Menezes (11), Adílson Batista (17), Fábio Carille (2) e Tite (8)
11 – Tite (38)
12 – Tite (38)
13 – Tite (38)
14 – Mano Menezes (38)
15 – Tite (38)
16 – Tite (7), Fábio Carille (6), Cristóvão Borges (17) e Oswaldo de Oliveira (8)
17 – Fábio Carille (19)

Coritiba (4)
03 – Paulo Bonamigo (46)
04 – Antônio Lopes (46)
05 – Antônio Lopes (2), Cuca (28), Antônio Lopes Júnior (3), Cláudio Marques (1) e Márcio Araújo (8)
08 – Dorival Júnior (38)
09 – Renê Simões (18) e Ney Franco (20)
11 – Marcelo Oliveira (38)
12 – Marcelo Oliveira (22) e Marquinhos Santos (16)
13 – Marquinhos Santos (23), Marcelo Serrano (1), Péricles Chamusca (11) e Tcheco (3)
14 – Celso Roth (17) e Marquinhos Santos (21)
15 – Marquinhos Santos (6), Ney Franco (27) e Pachequinho (5)
16 – Gilson Kleina (5), Pachequinho (13) e Paulo César Carpegiani (20)
17 – Pachequinho (14) e Marcelo Oliveira (3)

Criciúma (0)
03 – Edson Gaúcho (10), Gilson Kleina (30) e Lori Sandri (6)
04 – Vágner Benazzi (28) e Lori Sandri (18)
13 – Osvaldo Alvarez (15), Sílvio Criciúma (8) e Argel Fucks (15)
14 – Caio Júnior (2), Wagner Lopes (15), Wilson Vaterkemper (1), Gilmar dal Pozzo (13), Toninho Cecílio (4) e Luizinho Vieira (3)

Cruzeiro (8)
03 – Vanderlei Luxemburgo (46)
04 – Paulo César Gusmão (6), Emerson Leão (13), Ney Franco (7) e Marco Aurélio (20)
05 – Levir Culpi (10) e Paulo César Gusmão (32)
06 – Paulo César Gusmão (16) e Oswaldo de Oliveira (22)
07 – Dorival Júnior (38)
08 – Adílson Batista (38)
09 – Adílson Batista (38)
10 – Adílson Batista (6), Émerson Avila (1) e Cuca (31)
11 – Cuca (5), Joel Santana (15), Émerson Ávila (6) e Vágner Mancini (12)
12 – Celso Roth (38)
13 – Marcelo Oliveira (38)
14 – Marcelo Oliveira (38)
15 – Marcelo Oliveira (4), Vanderlei Luxemburgo (17), Deivid (1) e Mano Menezes (16)
16 – Geraldo Delamore (1), Paulo Bento (15) e Mano Menezes (22)
17 – Mano Menezes (19)

Figueirense (1)
03 – Vágner Benazzi (13), Artur Neto (12), Luiz Carlos Ferreira (6) e Dorival Júnior (15)
04 – Dorival Júnior (45) e Ivan Izzo (1)
05 – Marco Aurélio (13), Zé Mário (5) e Adílson Batista (24)
06 – Adílson Batista (10) e Waldemar Lemos (28)
07 – Mário Sérgio (24), Hudson Coutinho (1) e Alexandre Gallo (13)
08 – Alexandre Gallo (2), Guilherme Macuglia (5), Paulo César Gusmão (18), Mário Sérgio (10) e Pintado (3)
11 – Jorginho Campos (38)
12 – Argel Fucks (10), Abel Ribeiro (3), Hélio dos Anjos (7), Mário Goiano (14) e Fernando Gil (4)
14 – Vinícius Eutrópio (2), Guto Ferreira (9) e Argel Fucks (27)
15 – Argel Fucks (18), Hudson Coutinho (1) e René Simões (7)
16 – Vinícius Eutrópio (14), Argel Fucks (6), Tuca Guimarães (6) e Marquinhos Santos (11)

Flamengo (2)
03 – Nelsinho Baptista (19), Marcos Paquetá (1), Oswaldo de Oliveira (16) e Waldemar Lemos (10)
04 – Abel Braga (16), Andrade (12), Paulo César Gusmão (5) e Ricardo Gomes (13)
05 – Andrade (14), Celso Roth (19) e Joel Santana (9)
06 – Waldemar Lemos (6) e Ney Franco (32)
07 – Ney Franco (7) e Joel Santana (26)
08 – Caio Júnior (38)
09 – Cuca (13) e Andrade (25)
10 – Rogério Lourenço (10), Toninho Barroso (1), Silas (10) e Vanderlei Luxemburgo (11)
11 – Vanderlei Luxemburgo (38)
12 – Joel Santana (11) e Dorival Júnior (27)
13 – Jorginho Campos (4), Mano Menezes (17) e Jayme de Almeida (17)
14 – Jayme de Almeida (4), Ney Franco (7) e Vanderlei Luxemburgo (27)
15 – Vanderlei Luxemburgo (2), Cristóvão Borges (16), Oswaldo de Oliveira (17) e Jayme de Almeida (2)
16 – Muricy Ramalho (1), Jayme de Almeida (2) e Zé Ricardo (35)
17 – Zé Ricardo (19)

Fluminense (6)
03 – Roberto Gaúcho (30), Gílson Gênio (3) e Joel Santana (13)
04 – Ricardo Gomes (24) e Alexandre Gama (22)
05 – Abel Braga (42)
06 – Oswaldo de Oliveira (15), Josué Teixeira (4), Antônio Lopes (7) e Paulo César Gusmão (12)
07 – Renato Gaúcho (38)
08 – Renato Gaúcho (19), Cuca (9) e René Simões (10)
09 – Carlos Alberto Parreira (10), Vinícius Eutrópio (2), Renato Gaúcho (10) e Cuca (16)
10 – Muricy Ramalho (38)
11 – Enderson Moreira (2), Leomir de Souza (1) e Abel Braga (35)
12 – Abel Braga (38)
13 – Abel Braga (9), Vanderlei Luxemburgo (24), Dorival Júnior (5)
14 – Cristóvão Borges (38)
15 – Ricardo Drubscky (2), Enderson Moreira (24) e Eduardo Baptista (12)
16 – Levir Culpi (34) e Marcão (4)
17 – Abel Braga (19)

Fortaleza (0)
03 – Luiz Carlos Cruz (14), Ferdinando Teixeira (12) e Márcio Araújo (20)
05 – Vágner Benazzi (9), Hélio dos Anjos (23) e Valdir Espinosa (10)
06 – Toninho Cecílio (1), Márcio Bittencourt (9), Hélio dos Anjos (12), Roberval Davino (13) e Daniel Frasson (3)

Goiás (4)
03 – Candinho (10) e Cuca (36)
04 – Celso Roth (46)
05 – Péricles Chamusca (1), Edson Gaúcho (11) e Geninho (30)
06 – Antônio Lopes (11) e Geninho (27)
07 – Wanderley Filho (1), Paulo Bonamigo (25), Márcio Araújo (11) e Cássius Hartman (1)
08 – Osvaldo Alvarez (6) e Hélio dos Anjos (32)
09 – Hélio dos Anjos (38)
10 – Emerson Leão (16), Wladimir Araújo (1), Jorginho Campos (17) e Artur Neto (4)
13 – Enderson Moreira (38)
14 – Ricardo Drubscky (38)
15 – Hélio dos Anjos (8), Augusto César (4), Julinho Camargo (14), Wanderley Filho (1), Artur Neto (4) e Danny Sérgio (7)

Grêmio (5)
03 – Tite (11), Cléber Xavier (1), Darío Pereyra (8), Nestor Simionatto (7) e Adílson Batista (19)
04 – Adílson Batista (8), José Luiz Plein (21), Cuca (9) e Cláudio Duarte (8)
06 – Mano Menezes (38)
07 – Mano Menezes (38)
08 – Celso Roth (38)
09 – Marcelo Rospide (6) e Paulo Autuori (32)
10 – Silas (13) e Renato Gaúcho (25)
11 – Renato Gaúcho (7), Julinho Camargo (6) e Celso Roth (25)
12 – Vanderlei Luxemburgo (38)
13 – Vanderlei Luxemburgo (38) e Renato Gaúcho (5)
14 – Enderson Moreira (12), André Jardine (1) e Luiz Felipe Scolari (25)
15 – Luiz Felipe Scolari (2), James Freitas (1) e Roger Machado (35)
16 – Roger Machado (25), James Freitas (1) e Renato Gaúcho (12)
17 – Renato Gaúcho (19)

Guarani (1)
03 – Pepe (15) e Barbieri (31)
04 – Joel Santana (5), Lino Facchi (1), Zetti (12), Lori Sandri (8), Agnaldo Liz (8), Renato Morungaba (1) e Jair Picerni (11)
10 – Vágner Mancini (38)

Internacional (4)
03 – Muricy Ramalho (46)
04 – Lori Sandri (11), Leandro Machado (1), Joel Santana (16) e Muricy Ramalho (18)
05 – Muricy Ramalho (42)
06 – Abel Braga (38)
07 – Alexandre Gallo (18) e Abel Braga (20)
08 – Abel Braga (4), Guto Ferreira (1) e Tite (33)
09 – Tite (27) e Mário Sérgio (11)
10 – Jorge Fossatti (4), Enderson Moreira (3) e Celso Roth (31)
11 – Paulo Roberto Falcão (11), Osmar Loss (5) e Dorival Júnior (22)
12 – Dorival Júnior (10), Fernandão (26) e Osmar Loss (2)
13 – Dunga (25) e Clemer (13)
14 – Abel Braga (38)
15 – Diego Aguirre (16), Odair Hellmann (2) e Argel Fucks (20)
16 – Argel Fucks (14), Paulo Roberto Falcão (5), Celso Roth (17) e Lisca (2)

Ipatinga (0)
08 – Giba (6), Ricardo Drubscky (15), Márcio Bittencourt (10) e Enderson Moreira (7)

Joinville (0)
15 – Hemerson Maria (5), Adílson Batista (10), Paulo César Gusmão (22) e Claudiomiro (1)

Juventude (1)
03 – Cristóvão Borges (8), Marinho Peres (6), Raul Plasmann (16) e José Luiz Plein (16)
04 – Ivo Wortmann (46)
05 – Ivo Wortmann (11), Dorival Júnior (3), Valteir Gomes Franco (4), Sebastião Lazaroni (13) e Hélio dos Anjos (11)
06 – Hélio dos Anjos (10) e Ivo Wortmann (28)
07 – Ivo Wortmann (1), Flávio Campos (12), Valteir Gomes Franco (2), Cláudio Duarte (4) e Beto Almeida (19)

Náutico (1)
07 – Paulo César Gusmão (8) e Roberto Fernandes (30)
08 – Roberto Fernandes (22), Marcelo Sangaletti (1), Leandro Machado (8), Levi Gomes (1) e Pintado (6)
09 – Waldemar Lemos (5), Márcio Bittencourt (5) e Geninho (28)
12 – Alexandre Gallo (38)
13 – Silas (3), Levi Gomes (7), Zé Teodoro (7), Jorginho (5) e Marcelo Martelotte (16)

Palmeiras (5)
04 – Jair Picerni (6), Wilson Coimbra (1) e Estevam Soares (39)
05 – Paulo Bonamigo (12) e Emerson Leão (30)
06 – Emerson Leão (2), Marcelo Vilar (10), Tite (20) e Jair Picerni (6)
07 – Caio Júnior (38)
08 – Vanderlei Luxemburgo (38)
09 – Vanderlei Luxemburgo (7), Jorginho (7) e Muricy Ramalho (24)
10 – Antônio Carlos (2), Jorge Parraga (5), Flávio Murtosa (1) e Luiz Felipe Scolari (30)
11 – Luiz Felipe Scolari (38)
12 – Luiz Felipe Scolari (24), Narciso (1) e Gilson Kleina (13)
14 – Gilson Kleina (3), Alberto Valentim (6), Ricardo Gareca (9) e Dorival Júnior (20)
15 – Oswaldo de Oliveira (6), Alberto Valentim (1) e Marcelo Oliveira (31)
16 – Cuca (38)
17 – Cuca (19)

Paraná (1)
03 – Cuca (10), Adílson Batista (8), Saulo de Freitas (22) e Edu Marangon (6)
04 – Paulo Campos (30) e Gílson Kleina (16)
05 – Lori Sandri (23) e Barbieri (19)
06 – Caio Júnior (38)
07 – Zetti (2), Pintado (10), Gílson Kleina (8), Lori Sandri (10) e Saulo de Freitas (8)

Paysandu (0)
03 – Darío Pereyra (10) e Ivo Wortmann (36)
04 – Artur Neto (3), Givanildo Oliveira (19), Adílson Batista (18), Vágner Benazzi (4) e Navaes (1)
05 – Paulo Campos (11), Sinomar Naves (2), Gilson Kleina (16) e Carlos Alberto Torres (13)

Ponte Preta (2)
03 – Abel Braga (46)
04 – Estevam Soares (7), Ronaldão (1), Marco Aurélio (12) e Nenê Santana (26)
05 – Osvaldo Alvarez (13), Nenê Santana (6), Zetti (4) e Estevam Soares (19)
06 – Osvaldo Alvarez (8), Marco Aurélio (19) e Wanderley Paiva (11)
12 – Gilson Kleina (25), Zé Sérgio (1) e Guto Ferreira (12)
13 – Guto Ferreira (4), Zé Sérgio (1), Paulo César Carpegiani (10) e Jorginho Campos (23)
15 – Guto Ferreira (16), Doriva (13) e Felipe Moreira (9)
16 – Eduardo Baptista (37) e Felipe Moreira (1)
17 – Gílson Kleina (19)

Portuguesa (1)
08 – Vágner Benazzi (13), Valdir Espinosa (9) e Estevam Soares (16)
12 – Geninho (38)
13 – Edson Pimenta (9) e Guto Ferreira (29)

Prudente (0)
10 – Toninho Cecílio (13), Diego Cerri (1), Antônio Carlos (6), Marcelo Rospide (5), Márcio Barros (2) e Fábio Santiago (11)

Santa Cruz (0)
06 – Giba (4), Valdir Espinosa (6), Maurício Simões (12), Ernesto Gomes (1) e Fito Neves (15)
16 – Milton Mendes (19), Adriano Teixeira (6) e Doriva (12)

Santo André (0)
09 – Sérgio Guedes (14), Sandro Gaúcho (2), Alexandre Gallo (7) e Sérgio Soares (15)

Santos (6)
03 – Emerson Leão (46)
04 – Emerson Leão (4), Márcio Fernandes (1) e Vanderlei Luxemburgo (41)
05 – Alexandre Gallo (27), Nelsinho Baptista (13) e Serginho Chulapa (2)
06 – Vanderlei Luxemburgo (38)
07 – Vanderlei Luxemburgo (38)
08 – Emerson Leão (3), Márcio Fernandes (21) e Cuca (14)
09 – Vágner Mancini (10), Serginho Chulapa (2) e Vanderlei Luxemburgo (26)
10 – Dorival Júnior (22) e Marcelo Martelotte (16)
11 – Muricy Ramalho (38)
12 – Muricy Ramalho (38)
13 – Muricy Ramalho (2) e Claudinei Oliveira (36)
14 – Oswaldo de Oliveira (18) e Enderson Moreira (20)
15 – Marcelo Fernandes (11), Serginho Chulapa (1) e Dorival Júnior (26)
16 – Dorival Júnior (38)
17 – Dorival Júnior (3), Elano (2) e Levir Culpi (14)

São Caetano (0)
03 – Mário Sérgio (20), Nelsinho Baptista (2) e Tite (24)
04 – Muricy Ramalho (17), Candinho (1) e Péricles Chamusca (28)
05 – Estevam Soares (13), Dino Camargo (3), Levir Culpi (9), Jair Picerni (12) e Cuca (5)
06 – Nelsinho Baptista (9), Dino Camargo (3), Emerson Leão (6), Paulo César Gusmão (4), Hélio dos Anjos (7) e Dorival Júnior (9)

São Paulo (4)
03 – Oswaldo de Oliveira (6) e Roberto Rojas (40)
04 – Cuca (28) e Emerson Leão (18)
05 – Milton Cruz (2) e Paulo Autuori (40)
06 – Muricy Ramalho (38)
07 – Muricy Ramalho (38)
08 – Muricy Ramalho (38)
09 – Muricy Ramalho (6), Milton Cruz (1) e Ricardo Gomes (31)
10 – Ricardo Gomes (12), Milton Cruz (1), Sergio Baresi (14) e Paulo César Carpegiani (1)
11 – Paulo César Carpegiani (8), Milton Cruz (3), Adílson Batista (20) e Emerson Leão (7)
12 – Emerson Leão (6), Milton Cruz (2) e Ney Franco (30)
13 – Ney Franco (5), Milton Cruz (2), Paulo Autuori (12) e Muricy Ramalho (19)
14 – Muricy Ramalho (38)
15 – Milton Cruz (9), Juan Carlos Osorio (24) e Doriva (5)
16 – Edgardo Bauza (18), André Jardine (2), Ricardo Gomes (16) e Pintado (2)
17 – Rogério Ceni (11), Pintado (1) e Dorival Júnior (7)

Sport (2)
07 – Giba (5), Edson Leivinha (1) e Geninho (32)
08 – Nelsinho Baptista (38)
09 – Nelsinho Baptista (3), Levi Gomes (7), Emerson Leão (10) e Péricles Chamusca (18)
12 – Gustavo Bueno (3), Vágner Mancini (15), Waldemar Lemos (10) e Sérgio Guedes (10)
14 – Eduardo Baptista (38)
15 – Eduardo Baptista (26), Daniel Paulista (1) e Paulo Roberto Falcão (11)
16 – Oswaldo de Oliveira (30) e Daniel Paulista (8)
17 – Ney Franco (2), Daniel Paulista (1) e Vanderlei Luxemburgo (16)

Vasco (2)
03 – Antônio Lopes (18) e Mauro Galvão (28)
04 – Geninho (32) e Joel Santana (14)
05 – Dário Lourenço (11) e Renato Gaúcho (31)
06 – Renato Gaúcho (38)
07 – Celso Roth (32) e Valdir Espinosa (6)
08 – Antônio Lopes (18), Tita (7) e Renato Gaúcho (13)
10 – Gaúcho (2), Celso Roth (5) e Paulo César Gusmão (31)
11 – Ricardo Gomes (19) e Cristóvão Borges (19)
12 – Cristóvão Borges (23), Gaúcho (5) e Marcelo Oliveira (10)
13 – Paulo Autuori (6), Dorival Júnior (25) e Adílson Batista (7)
15 – Doriva (8), Celso Roth (11) e Jorginho Campos (19)
17 – Milton Mendes (19)

Vitória (1)
03 – Joel Santana (14), Edinho (7), Nelsinho Góes (6) e Lori Sandri (19)
04 – Agnaldo Liz (11), Oswaldo de Oliveira (14), Hélio dos Anjos (8) e Evaristo de Macedo (13)
08 – Vágner Mancini (38)
09 – Paulo César Carpegiani (18) e Vágner Mancini (20)
10 – Ricardo Silva (21), Toninho Cecílio (7), Miguel Ferreira (1) e Antônio Lopes (9)
13 – Caio Júnior (17) e Ney Franco (21)
14 – Carlos Amadeu (2), Eder Bastos (1), Jorginho (10) e Ney Franco (25)
16 – Vágner Mancini (24) e Argel Fucks (14)
17 – Petkovic (5), Alexandre Gallo (11), Flávio Tanajura (1) e Vágner Mancini (3)

Mais de Futebol em Números no twitter
@rodolfo1975

 


Corinthians supera Palmeiras e passa a ter melhor média de público em 2017
Comentários 39

Rodolfo Rodrigues

Com o público de 41.279 torcedores no jogo contra o Sport, em Itaquera, o Corinthians aumentou sua média de público em 2017 para 32.271 espectadores por partida. Assim, conseguiu pela primeira vez no ano superar o rival Palmeiras, time que tinha a melhor média de público do país na temporada. Com o público de 29.778 pagantes ontem no jogo contra o Atlético-PR, no Allianz Parque, a média do Palmeiras foi para 32.097.

O São Paulo, que nos dois últimos jogos do Morumbi pelo Brasileirão colocou mais de 50 mil torcedores, aumentou sua média para 29.873 e está próximo dos rivais nessa disputa. O tricolor é também o time paulista com o maior público na temporada – 53.365 torcedores, que viram a derrota do time na semana passada para o Coritiba.

No Brasil, o maior público no ano é do jogo Flamengo 2 x 1 Fluminense, na final do Carioca, no Maracanã (58.399). No Campeonato Brasileiro, o Corinthians também é o clube com a maior média de público, com 37.918 torcedores por jogo, também à frente dos rivais Palmeiras (33.065) e São Paulo (28.639).

Maiores médias de público dos clubes em 2017
1º Corinthians (32.271)
2º Palmeiras (32.097)
3º São Paulo (29.873)
4º Flamengo (20.847)
5º Grêmio (19.720)
6º Cruzeiro (17.704)
7º Internacional (16.557)
8º Bahia (16.177)
9º Atlético-PR (16.138)
10º Botafogo (15.651)

Mais de Futebol em Números no twitter
@rodolfo1975